Amazônia,Brasil,Blog do Mesquita

Brasil foi responsável por um terço da perda de florestas virgens no mundo em 2019, diz relatório

Perdas de floresta virgem contabilizadas por relatório podem ser, em muitos casos, a degradação, momento inicial de um processo de desmatamento.

De janeiro a dezembro de 2019, o Brasil perdeu cerca de 1.361.000 hectares (13.610 km²) de floresta tropical virgem — um terço do que foi perdido em todo o planeta, segundo um relatório do Global Forest Watch, organização que mantém uma plataforma online de monitoramento global de florestas.

As florestas primárias, ou virgens, são aquelas que se encontram em seu estado original — não afetadas, ou afetadas o mínimo possível, pela ação humana. Por serem mais antigas, elas têm mais diversidade de espécies, armazenam mais carbono e são consideradas essenciais no combate à mudança climática.

Em 2019, segundo o novo relatório da Global Forest Watch, o mundo perdeu 3,8 milhões de hectares de florestas primárias tropicais — uma área quase do tamanho da Suíça, ou o equivalente a um campo de futebol a cada 6 segundos.

No Brasil, 95% da perda ocorreu na Amazônia, de acordo com a organização, que utiliza dados do monitoramento por satélite feito pela Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, em parceria com o Google, a Nasa e o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Analistas do Global Forest Watch apontaram, como principais razões da perda, para o desmatamento por ação humana (criação de pastos, especulação de terra) e incêndios.

Em segundo e terceiro lugar, a República Democrática do Congo e a Indonésia tiveram pequenas reduções na área de floresta virgem que perderam no ano passado.

E a Bolívia chegou ao quarto lugar da lista, por causa dos incêndios que devastaram áreas de alta biodiversidade no país em agosto de 2019.

Incêndios foram ‘sintoma’ de desmatamento
As florestas tropicais virgens costumam ter espécies muito antigas de árvores, que armazenam mais carbono.

Segundo especialistas, elas podem levar centenas de anos para se recuperar. Isso se forem deixadas intocadas após processos de desmatamento ou de degradação — resultantes de eventos climáticos, como secas, ou da ação humana, como queimadas e corte de árvores — que podem deixar a floresta gradualmente mais vulnerável e incapaz de funcionar.

No entanto, ao contrário do que ocorreu na Bolívia, os incêndios no Brasil em 2019 não tiveram uma grande contribuição na perda de floresta virgem, segundo a analista da Global Forest Watch Mikaela Weisse.

“A maior parte dos incêndios que vimos no Brasil no ano passado não aconteceu nas florestas virgens, mas, sim, em áreas que já estavam desmatadas e que fazendeiros estavam preparando para o pasto e para a agricultura”.

‘A grande mentira verde’: como a destruição da Amazônia vai além do desmatamento
Segundo o órgão, as queimadas que chamaram a atenção do mundo a partir de agosto de 2019, “parecem ter sido um sintoma da perda de florestas primárias, mais do que uma causa direta”.

“Na Amazônia, só 20% dos incêndios que observamos ocorreu em florestas ainda virgens, 30% ocorreu em áreas onde já havia acontecido perda de mata e os outros 50% aconteceram em áreas que já não tinham florestas ou onde a floresta era secundária (em processo de recuperação).”

As perdas brasileiras sinalizam uma expansão das fronteiras do desmatamento, que estão de acordo com o que cientistas do Brasil também estão observando, especialmente próximo a áreas de conservação e territórios indígenas.

“Desde 2013 vemos um aumento do ritmo da abertura da mata virgem. E nos últimos anos, especialmente, isso se acelerou”, disse o especialista em sensoriamento remoto Cláudio Almeida, coordenador do programa de monitoramento da Amazônia do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

“Mas também houve uma mudança. Lá na década de 80 o sujeito passava o correntão, derrubava as árvores e pronto. Nos últimos 10 anos ele vai degradando a área. Começa a tirar madeira em um ano, queima um pouco em outro. Só no final faz um corte raso e, por fim, queima tudo.”

Na segunda metade de 2019, segundo Almeida, um cruzamento de dados feito por analistas do Inpe mostrou que entre os dez municípios com o maior número de queimadas, nove tinham também o maior número de alertas de desmatamento contabilizados no sistema Deter.

“Isso mostra que existe uma relação forte entre um e outro. O incêndio era o ponto final do processo de desmatamento. No período seco, a pessoa derruba a área, ela fica secando e em agosto, setembro, aquela biomassa é queimada.”

Diferenças na medição

O monitoramento de perda de floresta primária da Global Forest Watch detecta perturbações em trechos de mata maiores que 0,09 hectares (0,0009 km²), com vegetação a partir de 5 metros de altura, com causas que vão desde o corte seletivo de madeira até o fogo rasteiro.

Não há diferenciação entre os processos de desmatamento, que é como se considera o corte raso de um trecho de floresta, e de degradação.

Por isso, os números divulgados pelo órgão costumam ser diferentes dos dados obtidos pelo sistema Prodes, do Inpe, no Brasil.

Ambas as medições, no entanto, podem ser consideradas importantes, e até mesmo complementares, segundo Cláudio Almeida, do Inpe.

“O Prodes é um sistema bastante preciso, mas só mede o final do processo, o desmatamento total de um trecho de floresta primária. Ao longo desse processo ocorrem vários estágios de degradação. Enquanto existe algum tipo cobertura florestal, o Prodes não pega”, explica.

Isso significa que, em muitos casos, a perda de floresta virgem apontada pelo Global Forest Watch é ainda o início de um processo de desmatamento que o sistema brasileiro só vai contabilizar mais adiante.

O Prodes detecta, por imagens de satélite, áreas maiores que 6,25 hectares (0,0625 km²) em que houve desmatamento por corte raso. Os dados são contabilizados entre julho de um ano e agosto do ano seguinte. Já a Global Forest Watch contabiliza a perda de florestas entre janeiro e dezembro de um determinado ano.

Uma destas diferenças entre os dois sistemas pode ser observada nos dados de 2016 e 2017. A Global Forest Watch registra uma perda recorde de florestas virgens no Brasil, causada principalmente por incêndios em larga escala.

“Nesse caso, no entanto, eles eram de fogo rasteiro, que queima por debaixo das árvores e, muitas vezes, é menos visível para os satélites. E estavam mais relacionados à seca provocada pelo El Niño de 2015, uma das piores já registradas. E causaram degradação nas florestas”, disse à BBC News Brasil o botânico Jos Barlow, professor da Universidade de Lancaster, no Reino Unido, e pesquisador da Rede Amazônia Sustentável (RAS).

O Prodes também mostra aumento do desmatamento nestes anos, mas não um pico tão grande. Em parte, por causa da diferença no período analisado e também porque nem todos aqueles trechos de floresta virgem que sofreram incêndios terminaram por ser completamente desmatados.

Desmatamento continua em tendência de aumento

Os dados do Prodes mostram que, entre agosto de 2018 e julho de 2019, o Brasil perdeu 1,01 milhão de hectares (10,1 mil km²) de Amazônia, o maior volume dos últimos 11 anos.

Ainda não há números consolidados para o período seguinte, mas o Sistema de Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter), que emite os alertas de desmatamento e orienta as ações de fiscalização, mostra que entre agosto de 2019 e março de 2020, 507 mil hectares (5 mil km²) foram desmatados — quase o dobro do mesmo período no ano anterior.

Ambientalistas atribuem o aumento às políticas do presidente Jair Bolsonaro, que afirmou em algumas ocasiões que atividades como agricultura e mineração, inclusive em áreas protegidas e territórios indígenas, poderiam tirar a região da pobreza.

Em resposta a críticas dentro e fora do país após os incêndios em 2019, Bolsonaro autorizou o envio das Forças Armadas para combater os incêndios florestais na região, e criou o Conselho da Amazônia, coordenado pelo vice-presidente, general Hamilton Mourão.

Direito de imagemAFP

Dados preliminares do Inpe mostram que desmatamento continuou crescendo no primeiro semestre de 2020.
No entanto, um decreto recente do governo foi criticado por colocar as rédeas das ações de fiscalização e combate ao desmatamento nas mãos das Forças Armadas — tirando-as do Ibama, que passou a ser subordinado aos militares.

“Mandar o Exército parece contraintuitivo se você está deixando de financiar as agências ambientais que faziam bem o trabalho há tantos anos. Mandar o Exército parece uma medida de curto prazo pra ter impacto na mídia internacional, mas não parece algo que vá resolver o problema da degradação e do desmatamento na Amazônia”, diz Jos Barlow, da Universidade de Lancaster.

O governo anunciou que, até o dia 21/05, “26 pessoas foram presas por delitos ambientais e outros crimes durante as ações do Exército, e que foram aplicadas multas no valor de R$ 8,7 milhões”. Além disso, foram apreendidos motosserras, tratores, caminhões e embarcações.

O Exército, no entanto, descartou a destruição do equipamento apreendido, que críticos dizem ser uma sinalização de que o governo não estaria realmente disposto a combater as atividades ilegais.

Segundo o engenheiro agrônomo André Guimarães, diretor-executivo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), os dados indicam que o desmatamento deste ano vai superar o do ano anterior, mesmo com as ações do governo.

“No ano passado o governo começou a agir em outubro, no fim do ciclo de desmatamento. Esse ano, parece que começou a agir mais cedo, vamos ver se terá resultado”, disse à BBC News Brasil.

“No ano passado, por conta da comoção com os incêndios, viu-se alguma ação de comando e controle que ajudou a baixar a taxa de desmatamento em outubro e novembro. Mas você precisa criar as condições para incentivar quem quer produzir sustentavelmente. Colocar o Exército na floresta ajuda, mas não é suficiente.”

Negacionismo que nada; o negócio é afirmar o pasto da boiada

O negacionismo climático refere-se à descrença no aquecimento global ou da relação deste com as atividades humanas.

Alguém falou em boiada? Foto: Marcio Isensee e Sá.

Portanto, seus defensores ignoram a quase totalidade de evidências científicas produzidas em todo o planeta que afirmam o nexo de causalidade entre as ações antrópicas e o câmbio climático, a ponto, inclusive, de estarmos na Era do Antropoceno.

Atualmente, um dos mais atuantes políticos negacionistas climáticos é o presidente dos EUA. Por aqui, o presidente da República e seu ministro do Meio Ambiente têm atuado fortemente à revelia das evidências científicas produzidas na área. É recorrente, desde o período eleitoral, o discurso de que a política ambiental é um empecilho ao desenvolvimento brasileiro, especificamente, ao agronegócio.

Sua rejeição à pauta ambiental e climática, inclusive, causou embaraço internacional quando decidiu por não sediar a COP-25 – a Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. A COP-25, presidida pelo Chile, mas realizada na Espanha, em razão das manifestações sociais em Santiago de 2019, colocou o Brasil ao lado dos EUA, tradicional adversário dos esforços mundiais diante da emergência climática. A questão climática discute dois grandes blocos de ações antrópicas: queima de combustíveis fósseis e desmatamento.
Sinistro Ricardo Salles.
O algoz da natureza no Brasil. O “passador de Boiada”

Os EUA preocupados com o lado econômico e sua inserção na geopolítica mundial do petróleo e o Brasil, agora mais do que nunca, voltado para o desmatamento. O ponto de convergência entre esses dois líderes parece, portanto, menos o negacionismo e mais a mera defesa de setores econômicos específicos.

A título de contextualização da realidade brasileira, levantamos 10 eventos nos 18 meses que transcorreram da escolha do atual Ministro do Meio Ambiente até este maio de 2020 – momento em meio à pandemia da COVID-19, doença que, até 26 de maio, contabilizava 391.222 casos confirmados e 24.512 óbitos no Brasil:

Nomeação de Ricardo Salles – dezembro de 2018: sem trajetória na área ambiental, foi uma opção política, definida no bojo das negociações com o agronegócio para manter a existência institucional do Ministério do Meio Ambiental, pasta que o recém-eleito Presidente da República anunciara que seria extinta, tamanho seu desprezo pela questão ambiental;
Reforma administrativa – janeiro de 2019: a política ambiental foi desfigurada; foram retiradas pautas fundamentais como o combate ao desmatamento e às mudanças climáticas. Além disso, a Agência Nacional de Águas foi transferida para o Ministério do Desenvolvimento Regional, e o Serviço Florestal Brasileiro foi movido para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Obstáculos à fiscalização

Em 24 de maio de 2019 o IBAMA, pela primeira vez, anunciou antecipadamente a realização de operação contra o desmatamento ilegal na região da Floresta Nacional do Jamanxim, expondo a segurança da operação e dos agentes envolvidos; vale ressaltar que a Floresta Nacional do Jamanxim foi a terceira unidade de conservação em área desmatada no ano de 2019, com um total de 10.099hectares desmatados;

Decreto n° 9760, de 11 de abril de 2019 (Presidência da República): cria a conciliação nos processos administrativos federais de apuração de infrações por condutas e atividades lesivas ao meio ambiente; na prática, milhares de multas emitidas desde outubro de 2019 (contra desmatamento e garimpo ilegal, por exemplo) estão sem surtir efeitos, pois aguardam audiência de conciliação; o número exato não é conhecido devido à falta de atualização – reconhecida pelo IBAMA – dos dados referentes às multas.

Exploração e produção de petróleo em Abrolhos – março de 2019: o Presidente do Ibama – fruto de indicação política e não técnica – contrariou parecer dos servidores técnicos do órgão ambiental e autorizou a inclusão de blocos de petróleo localizados próximos a Abrolhos na 16ª rodada de licitações da Agência Nacional de Petróleo; a mobilização interna e atuação de diversas instituições surtiram efeito e contribuíram para que não houvessem ofertas na licitação e, por enquanto, Abrolhos está seguro da obtusa visão de mundo do atual governo e do apetite das transnacionais do petróleo a medida beneficia diretamente a JS Manipulação de Pescados, empresa de Jorge Seif, pai do Secretário de Aquicultura e Pesca.

Blog do Mesquita,Agrotóxicos,Alimentos,Meio AmbienteLiberação de agrotóxicos em 2019: o ano registrou um recorde de agrotóxicos autorizados para comercialização no Brasil, com 503 registros, entre os quais 26 novos pesticidas, abrindo ainda mais o mercado nacional para as empresas internacionais do setor.

Relatório Anual do Desmatamento no Brasil – lançado em 26 de maio de 2020: o relatório é um produto do MapBiomas plataforma de dados mantida por universidades, ONGs e empresas de tecnologia. Os dados de 2019 revelam que foram desmatados 1.218.708 hectares ou 12.187 km² de vegetação nativa, dos quais 60% ou 770.000hectares estão na Amazônia brasileira.Em relação às unidades de conservação, também na Amazônia houve a maior concentração de unidades atingidas (12%) e de área desmatada (13%)

Censura no IBAMA – fevereiro e maio de 2020: por meio da Portaria 560/2020 e da Nota Técnica 1/2020 foi instituída uma Lei da Mordaça aos servidores do órgão, definindo condutas passíveis de sanção, com destaque para manifestações contra políticos, projetos do Executivo e decisões do Ibama, inclusive em suas redes sociais pessoais.

Destacamos que nossa lista (construída com enorme esforço de síntese, visto a variedade e multiplicidade de ofensivas contra a proteção ambiental nesse período) limitou-se aos atos materializados (e considerados principais para nossa argumentação) no âmbito do Executivo federal e não incluiu os ataques aos direitos indígenas e de comunidades tradicionais em razão da objetividade buscada nessa análise para tratar da pauta ambiental-climática.

Dos eventos listados podemos compreender que a pauta nacionalista é uma falácia, uma vez que não se sustenta diante da defesa dos interesses de um agronegócio exportador e socioambientalmente predatório e da exploração de petróleo e outros minerais (do litoral ao interior da Amazônia), que também produzem seus princípios benefícios econômicos no mercado internacional e deixam um legado de exploração de trabalhadores e de devastação ambiental.

O Brasil do atual governo, assim, segue acima de todas as evidências científicas sobre os efeitos danosos causados por agrotóxicos à saúde e ao meio ambiente, os impactos do desmatamento sobre os equilíbrios ecológico e climático, os riscos das mudanças climáticas sobre a população em geral, os danos reais e potenciais da atividade petrolífera…

O anticientificismo do governo Bolsonaro procura, assim, garantir o descrédito da política ambiental, mantendo-a no lugar de empecilho ou obstáculo ao ‘seu’ Brasil, e promover sua obtusa (mas intencional e interessada) visão de mundo.

Visão, diga-se nada particular ou nova, na qual o Brasil transfere seu patrimônio natural para grandes grupos transnacionais, em benefício da pequena elite nacional que sustenta seu governo, socializa a precarização das condições de trabalho e de vida da população e promove a destruição das condições ambientais que sustentam a vida da população brasileira.

O ataque ao conhecimento, pesquisadores e instituições não é negacionismo, mas uma estratégia organizada pautada em discursos populistas, uso e aparelhamento dos órgãos públicos, disseminação de notícias falsas, desinformação, ameaças e violência, voltada para desqualificar as evidências científicas e coagir pesquisadores/as e, assim, elaborar e implementar políticas públicas sem qualquer embasamento científico. A visão de mundo do atual governo, portanto, está bem definida, é afirmativa ao setor econômico e reativa ao conhecimento científico e as saberes tradicionais.

Contudo, a resistência tem crescido em mobilização de diversos sujeitos e instituições em defesa da ciência e o fortalecimento de bases de dados e veículos como ((o))eco e tantos outros esforços multi-setoriais-institucionais, como os indicados na lista acima. Essas diversas plataformas críticas e de resistência são fundamentais para a democracia, a informação científica e o engajamento cívico. O momento atual pode contribuir para a disseminação de informações e experiências, o fortalecimento de ações e iniciativas em defesa da ciência e da sociobiodiversidade brasileira. Onde a ciência cria raízes, a boiada não consegue pastar.

Em meio à pandemia, fome ameaça maior favela de São Paulo

Em Heliópolis, onde milhares dependem do trabalho informal, falta de alimentos é uma agonia diária para famílias.

Marcia, moradora de Heliópolis.
Ao lado da filha de um ano e do filho de cinco, Márcia conta que a avó teve covid-19 e que o marido perdeu o emprego.

Doações e distribuição de comida ajudam a amenizar cenário de escassez durante a crise do coronavírus.

Heliópolis, maior favela de São Paulo. No cômodo onde mora com os três filhos, Jucileide, de 32 anos, diz que a comida está faltando. Sem poder trabalhar devido à pandemia do novo coronavírus, a diarista usou a renda emergencial dada pelo governo para pagar o aluguel de 400 reais. Sem saneamento básico, ela vive às margens de um córrego a menos de três quilômetros do monumento imponente que marca o local onde a história oficial conta que a independência do Brasil foi declarada, em 1822.

Para alimentar os filhos, Jucileide agora depende de doações. O frango que acaba de receber de voluntários da Cufa (Central Única de Favelas), vai reforçar as próximas refeições. “Com ajuda, com força do povo, com cesta básica que a gente recebe a gente vai vivendo”, conta Jucileide à DW Brasil.

A vizinha, Márcia, de 30 anos, também conseguiu um frango. Com a filha de um ano no colo e na companhia do filho de cinco anos, ela conta que o marido perdeu o emprego como pedreiro. “A minha avó chegou a pegar esse coronavírus. Ela está em casa agora, não pode ver ninguém”, afirma sobre a familiar com covid-19.

Na manhã fria de outono em que a DW Brasil acompanhou o trabalho da Cufa por Heliópolis, filas se formavam rapidamente quando a distribuição de alimentos era notada pelos moradores. Diante da multidão, os voluntários pediam para que as pessoas não se aglomerassem para evitar o contágio.

Dentro do veículo que usam para fazer entregas, cedido por uma empresa para que a ONG execute atividades do tipo durante a pandemia, a quantidade de alimento não é suficiente para todos que aguardam. Na esperança de conseguir algo, alguns seguem o carro até a sede da Cufa. Na porta da organização, outros moradores de Heliópolis aguardam na expectativa de voltar pra casa com alguma doação.

“A gente não esperava que essa pandemia fosse chegar na favela. Foi um susto quando chegou”, diz Marcivan Barreto, que coordena as atividades da Cufa em Heliópolis. “São 220 mil pessoas que moram aqui. A maioria tem um trabalho informal e está sem renda agora”, explica o morador da comunidade, que todos conhecem pelo nome. “A gente quer ajudar todo mundo. Já tem gente sofrendo com a fome”, relata Barreto.

A maior favela de São Paulo tem uma população difícil de estimar. Segundo o Censo de 2010 do IBGE, há pelo menos 65 mil pessoas em Heliópolis, mas dados da subprefeitura do Ipiranga apontam 180 mil. Já a Cufa estima que sejam 220 mil.

Covid-19 em Heliópolis

Os primeiros moradores da área que ficou conhecida como Heliópolis chegaram por vias oficiais: em 1971, um alojamento provisório foi construído para abrigar famílias retiradas da favela Vila Prudente e Vergueiro para a construção de um viaduto. Desde então, o número de habitantes não parou de subir. A subprefeitura do Ipiranga, que administra a região, estima 18 mil imóveis e 3 mil comércios no bairro.

Marcivan, que coordena equipe de de voluntários da Cufa, distribui alimentos a moradores de Heliópolis.

Vestidos como uma camiseta preta gravada “Cufa contra o vírus”, a equipe de de voluntários coordenada por Marcivan Barreto fica atenta para distribuir os alimentos de forma justa. Além de Heliópolis, outras 250 favelas no estado São Paulo contam com a Cufa para aliviar o sofrimento de famílias sem renda.

Por várias ruas estreitas de Heliópolis, folhas afixadas em muros explicam o perigo da covid-19, a importância de lavar as mãos, do uso de máscaras e do distanciamento social. Na prática, porém, algumas medidas são difíceis de serem seguidas.

“São ambientes muito escuros, pequenos e com bastante gente”, diz sobre as moradias da comunidade a agente de saúde comunitária que prefere não ter o nome publicado. “A gente tem encontrado muitas pessoas com sintomas da covid-19, desempregadas ou sem salário”, revela o cenário que se depara durante as visitas aos moradores.

Em toda a cidade de São Paulo, que concentra o maior número de casos do país, mais de 28 mil pacientes sofrem com a doença, e pelo menos 2.430 pessoas morreram até a tarde desta terça-feira (12/05). Em Heliópolis, a Cufa estima pelo menos 30 óbitos.

Algumas das vítimas eram clientes de Cícero Silva, de 62 anos, dono de um mercadinho na comunidade. “A gente fica muito triste porque as pessoas estão morrendo”, lamenta. De máscara, ele diz que nunca duvidou da seriedade da doença. “Quando vi que tanta gente morria de um dia para outro, eu já sabia que era grave, mesmo antes de a pandemia chegar no Brasil”, diz.

Desemprego e fome

Assim que soube da distribuição de alimentos feita pela Cufa, Alaíde caminhou dois quilômetros, de sua casa até a sede da ONG, com a filha mais nova no colo. Ela já havia passado por um outro ponto de doação de cesta básica nas redondezas, sem sucesso.

“Está faltando tudo em casa. Sem trabalho, como a gente vai comprar?”, diz Alaíde.. “Trabalhava como doméstica. Agora estou parada, nenhum condomínio deixa a gente entrar, ainda mais quando sabem que a gente vive em Heliópolis”, adiciona.

Os alimentos que a ONG doa nas comunidades têm origens diferentes: vêm de grandes empresas, redes de supermercados, doadores famosos e anônimos.

Barreto, que chegou com os pais da Bahia a Heliópolis aos seis anos, em 1978, se emociona quando tem que negar os abraços que os moradores querem dar, como retribuição. “Eu sou gente. Gosto de cuidar das pessoas”, justifica.

“Não tem feriado, não tem domingo, todos os dias é assim, no meio da comunidade”, fala sobre as ações de distribuição de comida e emergência trazida pela pandemia.

Em 2019, cerca de 170 mil brasileiros entraram para a linha da pobreza extrema.

O fenômeno já havia se iniciado antes, em 2015, mas tem se acelerado nos últimos anos.

O grupo que vive em pobreza extrema no Brasil é constituído de pessoas que ganham menos de 1,9 dólar por dia.

Mais de 170 mil novos integrantes entraram no grupo, em 2019, totalizando 13,8 milhões de pessoas, o equivalente a 6,7% da população do país, informa o DW.

O primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro foi pior para quem mais precisa de assistência: as pessoas em situação de vulnerabilidade social. Com a chegada da pandemia da Covid-19 no Brasil, as condições de vida desse grupo foram drasticamente afetadas, ainda que muitos estejam recebendo o auxílio emergencial do governo federal no valor de R$ 600.

Desde a chamada crise de 2015, o Brasil veio se recuperando de cima para baixo: os ricos ampliaram a sua renda e diminuíram as suas “perdas”, enquanto os mais pobres se viram mais empobrecidos.

Já a classe média teve, em 2019, uma avanço médio de renda, de acordo com o PNAD, que não avalia os ganhos financeiros e não capta a evolução da renda do 1% mais rico da população – o que, provavelmente, revelaria uma desigualdade ainda mais brutal na sociedade brasileira.

O sociólogo Rogério Barbosa, pesquisador do Centro de Estudos da Metrópole da Universidade de São Paulo (USP), analisa que estamos passando por um período de “recessão duradoura”: dúvida, entra para a conta do avanço da desigualdade social no Brasil a paralisia no programa Bolsa Família, que retraiu desde o início da gestão Bolsonaro.

O Bolsa Família, no ano passado, chegou a ter uma fila de mais de 1 milhão de famílias aptas a receber o benefício que não foram incluídas como beneficiárias pelo governo. No nordeste, a situação é ainda mais agravante, por concentrar 36,8% das famílias em pobreza ou pobreza extrema na fila de espera, informa o UOL. Para 2020, o quadro tampouco é animador, visto que o novo coronavírus está provocando uma desaceleração econômica no mundo todo.

Ensino a distância na quarentena esbarra na realidade de alunos e professores da rede pública

Direito de imagemGETTY IMAGES

Para os estudantes, dificuldades vão de acesso precário à internet a problemas familiares. Desde que a quarentena teve início no Estado de São Paulo, um cenário de incertezas pairou sobre pais, alunos e professores.

Com as aulas suspensas por tempo indeterminado, afinal, como ficaria o ano letivo? Inicialmente, a saída cogitada foi a antecipação das férias escolares. No entanto, após um mês, uma nova realidade se desenhava: a do ensino à distância. A iniciativa, porém, esbarra em uma dura realidade: dificuldades dos alunos, seja pela falta de internet ou estrutura familiar, e a falta de preparo dos professores para lidar com a plataforma e todas as mudanças na forma de ensinar.

Correndo contra o tempo, a Secretaria de Estado da Educação (SEE) conseguiu colocar no ar uma plataforma gigantesca, que permite conectar alunos e professores.

“Para os professores, que estão na ponta do processo, está claro que esse modelo não funciona. Ele não é inclusivo e aumenta ainda mais as desigualdades”, diz Maria Izabel Noronha, presidente da Apeoesp (Sindicato dos Professores da Educação Oficial do Estado de São Paulo) e deputada estadual pelo PT, partido de oposição ao governador João Doria (PSDB).

Para ela, não se trata apenas de um posicionamento corporativista, que defende o ensino em sala de aula, mas da falta de um melhor planejamento para o uso das ferramentas.

Demanda sufocante
Segundo a professora, todos os dias, quase 24 horas por dia, os professores da rede são bombardeados com mensagens que chegam pelas vias digitais – seja o WhatsApp, seja pelos chats da Central de Mídias.

“Os professores se queixam que não conseguem dar conta da demanda e isso é angustiante para eles”, diz Noronha, compartilhando com a reportagem mensagens da rede WhatsApp recebidas de alunos, pais e professores se queixando de dificuldades para acessar o novo sistema.

“A cada dia, recebemos mais e mais relatos de professores que estão extremamente estressados e exaustos. A principal queixa deles é que não estão conseguindo ministrar o ensino a distância por várias questões: acesso à tecnologia, falhas na programação, falta de recursos, seja internet ou celular para dar conta das atividades”, explica Neuza Ribeiro, coordenadora a Subsede da Apeoesp em Araraquara.

Segundo Neuza, há uma grande pressão por parte da SEE e das diretorias de ensino para que o processo dê certo, sem levar em conta a realidade dos professores e alunos.

“Além da pressão do dia a dia para dar conta do processo, que é novo e trabalhoso, os professores ainda sofrem com ameaças de faltas e até processos administrativos caso não consigam trabalhar o conteúdo programado”, diz. “Toda essa pressão é para tampar o sol com a peneira. Temos visto que isso não funciona nem mesmo na rede particular”, completa.

Direito de imagemDIVULGAÇÃO
Professor Rodrigo Baglini prepara vídeo aula: ‘Essa pandemia nos obrigou a apresentar para o mundo um novo modelo de ensino, que deveria ser implantado num processo progressivo’

‘Construção conjunta’
Para o secretário de Estado da Educação, Rossieli Soares da Silva, mesmo com os relatos sobre problemas de acesso à plataforma, o programa tem tido sucesso entre alunos e professores.

“Temos uma clareza que não será um acesso de 100%. Mas mesmo que o aluno não se conecte no aplicativo, temos dois canais abertos com os conteúdos disponíveis. Isso ajuda resolver bastante a questão da conectividade”, diz. “Estamos adaptando o conteúdo, sabemos que esse processo é novo e é difícil.”

Rossieli diz que há lives quase diárias com professores para dirimir as dúvidas e dificuldades. “Temos tido conversas muito transparentes. E estamos todos tentando correr atrás. É o momento de solidariedade”.

Para o secretário, é normal que alguns professores se sintam desconfortáveis com essa nova modalidade num primeiro momento.

“É lógico que dá medo. Eles têm que sair da zona de conforto”, avalia. Segundo ele, na primeira semana, foram 1,5 milhão de alunos conectados às aulas – um pouco menos da metade dos 3,5 milhões inscritos na rede estadual.

Com relação aos problemas de conectividade, o secretário ressalta que uma parceria com as operadoras de telefonia proporciona aos alunos e professores o uso de dados patrocinados pelo Estado. “Esse patrocínio de dados é feito via aplicativo”, diz.

Direito de imagemGETTY IMAGES

Professores na rede estadual se queixam do excesso de cobranças – para eles, burocracia criada para o acompanhamento das aulas faz com que ultrapassem as jornadas diariamente.

Dificuldades na forma e no conteúdo
Além das questões técnicas de acesso ao Centro de Mídia criado pela SEE, muitos professores se queixam da qualidade do conteúdo das aulas apresentadas aos alunos e apontam uma desconexão entre esse conteúdo e o currículo.

“Já vi, por exemplo, que teve a mesma aula para três séries diferentes. Parece até que estão gravando aulas com temas aleatórios, então usam a mesma aula para séries diferentes. Nem a grade curricular do Estado está sendo respeitada”, diz a professora Mariana (nome fictício), 38 anos, de Araraquara.

Docente há 16 anos, ela discorda da forma como o processo vem acontecendo. Quando veio a notícia das aulas online, os professores ficaram preocupados com possibilidade de terem, eles mesmos, que gravar as aulas. Mas esse, no entanto não foi o caminho do projeto. O que trouxe alívio, mas também preocupação.

“Perdemos nossa autonomia em sala de aula. Não é nosso planejamento pedagógico que está sendo passado. E, pior, as aulas, genéricas, não levam em consideração as diferenças entre as cidades, as escolas”, diz Mariana.

“O professor faz um diagnóstico para planejar as suas aulas. Essa forma não respeita o ritmo dos alunos, da turma. Acaba, também, sendo uma aula superficial para o aluno, o que não é suficiente para fazê-lo entender”, avalia.

Para a professora Marisa Borges, coordenadora pedagógica em Sorocaba, o fato de tudo ser um processo novo pesa bastante, mas é preciso ter paciência. “Os professores estão tentando se adaptar a essa realidade. Nós estamos aprendendo a mexer com todas as ferramentas”, explica.

Apesar das dificuldades, alguns professores têm se dado bem com o processo.

É o caso de Rodrigo Ferrari Baglini, 32 anos, docente há 10 anos na capital. Ele concorda com a professora Marisa sobre a necessidade de paciência. “Essa pandemia nos obrigou a apresentar para o mundo um novo modelo de ensino, que deveria ser implantado num processo progressivo. As crianças estão no mundo digital, mas não têm a cultura digital do aprendizado. E isso é um processo que precisa de tempo”, diz.

Cobranças excessivas para que o EaD emplaque

Os professores na rede estadual também vêm se queixando do excesso de cobranças na implantação do EaD. Para eles, a burocracia criada para o acompanhamento das aulas faz com que ultrapassem as jornadas diariamente.

“Temos sido obrigados a fazer um monte de relatórios para provar que o professor está, de fato trabalhando”, diz a professora Mariana. “Eu fiquei sem recursos para fazer as aulas online, porque a fonte do meu computador queimou. Faz duas semanas que estou falando isso e que não tenho como fazer. E a resposta da coordenação é dizer que então vou ficar com falta.”

O professor Samuel Augusto Alves Lima, 39 anos, docente da rede estadual há seis anos, também vem enfrentando problemas parecidos. “Temos dispendido de recursos próprios. De equipamentos, de internet. Mas isso às vezes não é suficiente. A equipe gestora pressiona para que façamos as atividades e há uma série de confusões sobre as orientações do planejamento”, conta.

Segundo Samuel, apesar de a Secretaria anunciar o patrocínio de dados para o acesso ao aplicativo, essa não é a única ferramenta usada pelos professores que acabam, sim, dependendo do uso de dados próprios para acesso à internet.

Para o professor, outro entrave está relacionado a uma grande quantidade de informações desencontradas. “Cada escola tem dado as suas orientações sobre como isso deve acontecer. E há muitas idas e vindas, dificultando ainda mais a vida dos professores”, diz.

Ensino a distância x educação presencial

A realidade da implantação de EaD na rede estadual de ensino levanta a discussão sobre as possibilidades de substituição da educação presencial pelo ensino a distância no ensino fundamental.

Mas mesmo quem defende o processo remoto é taxativo em dizer que o modelo atual não funciona de forma definitiva.

Para o secretário de Educação, durante as conversas com professores da rede, muitos colocaram essa questão. “No início, o maior receio era que o EaD fosse substituir os professores. Mas não é disso que se trata. E não temos como fazer com que a EaD substituía a educação presencial na educação básica. O que estamos fazendo agora é um esforço de tentar conectar as pessoas com a educação”, diz. Segundo ele, ao colocar em prática o EaD, a Secretaria tenta manter o vínculo educacional dos estudantes.

Para Fabio Fonseca, Diretor Acadêmico da Faculdade FAEL, uma das pioneiras no processo de EaD no país, o ensino a distância é uma ferramenta valiosa, mas é preciso tempo e organização para que os professores possam aprender a usar essa ferramenta.

“Viemos de um modelo presencial, numa mudança abrupta. Mas certamente é uma mudança sem volta. O processo online veio para ser uma ferramenta importante” ele conta. Para auxiliar nesse processo, a FAEL disponibilizou para os docentes um curso gratuito sobre ensino a distância.

A resposta ao COVID-19 está mostrando o poder da fé

A fé está ajudando muitos na pandemia de coronavírus – e também pode ser fundamental na proteção do clima, dizem Inger Andersen, do PNUMA, e Azza Karam, do Religions for Peace, do PNUMA, em um comentário de um convidado.

A fé fornece apoio espiritual e prático a bilhões de pessoas, especialmente em tempos de crise. Estamos vendo isso em ação mais uma vez, enquanto igrejas, mesquitas, templos, outros locais de culto e organizações religiosas em todo o mundo oferecem apoio, comida, moradia, doações e serviços médicos durante a pandemia. Essa solidariedade é extremamente necessária, pois milhões sofrem o impacto físico, econômico e emocional do COVID-19.
Mas as religiões e aqueles que as lideram têm um papel maior a desempenhar. Eles podem e devem ajudar a impedir que piores crises ocorram no futuro, exercendo sua enorme influência para melhorar a administração do planeta pela humanidade.

Inger Andersen, diretor executivo do PNUMA, diz que a resposta à pandemia precisa consertar nosso relacionamento com o planeta

O COVID-19, juntamente com muitas doenças anteriores que foram transmitidas de animais para seres humanos, é o resultado de como gerenciamos mal nosso habitat natural e os seres vivos nele. Se você olha para esta pandemia, os recentes incêndios florestais australianos, o janeiro mais quente já registrado ou o pior surto de gafanhotos no Chifre da África em décadas, o planeta está nos enviando uma mensagem urgente: Se não cuidarmos da natureza, não podemos cuidar de nós mesmos.

Seríamos sábios em atender a esse chamado. Nossa resposta a longo prazo ao COVID-19 deve ser a de fixar nosso relacionamento com o planeta. Esse trabalho de reparo deve ser uma resposta de todo o sistema composta por várias partes.

Os pacotes de estímulo à recuperação econômica devem apoiar investimentos em energia renovável, edifícios e infraestrutura inteligentes, transporte verde e público.
Nos últimos anos, o desmatamento na floresta amazônica atingiu seu nível mais alto em mais de uma década.O mercado mundial de animais, onde milhares de espécies são compradas e vendidas a cada ano, é uma séria ameaça à biodiversidade

Precisamos mudar nossos hábitos de produção e consumo – comprando menos, desperdiçando menos e reaproveitando mais – como muitos de nós estamos fazendo durante as restrições de bloqueio. Devemos restaurar nossas florestas e investir em áreas protegidas. E devemos combater o comércio ilegal de animais selvagens e recursos florestais e melhorar as condições de higiene no comércio legal.

Pressionando para um envolvimento proativo

Os líderes e comunidades religiosos estão se mostrando cruciais para todas essas mudanças sistêmicas porque têm autoridade para impactar o comportamento e as atitudes de bilhões de pessoas. Suas instituições estão entre as mais antigas e mais antigas e prestam serviços essenciais a bilhões de pessoas em todo o mundo, tornando-as parceiras essenciais em tempos normais e em situações de emergência.

As organizações religiosas possuem um grande número de instituições educacionais, para que possam liderar esforços para aumentar a conscientização sobre os vínculos entre a saúde humana e a saúde planetária. Em todas as partes do mundo, eles possuem e gerenciam instituições de saúde que combatem a atual pandemia, fornecendo assistência médica às comunidades mais difíceis de alcançar.Azza Karam, da Religions for Peace, diz que líderes religiosos e comunidades podem influenciar como as pessoas tratam o planeta

Um exemplo de engajamento proativo e colaboração entre países é a Interfaith Rainforest Initiative, uma parceria global que inclui o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e Religions for Peace, trabalhando para proteger as florestas tropicais remanescentes do mundo e os direitos dos povos indígenas que servem como guardiões.

Tais iniciativas são um bom começo, mas podemos fazer mais.

Como estão as coisas, a humanidade, em sua arrogância, está destruindo a casa que muitos acreditam que seu criador forneceu. Os líderes religiosos precisam continuar a usar sua considerável influência para impulsionar um planeta saudável, assim como os crentes devem atender ao chamado para cuidar da criação contida nas escrituras de todas as religiões e na tradição de todas as crenças.

A resposta ao COVID-19 está mostrando o poder da fé. Agora devemos aproveitar esse poder, juntos, para criar um futuro sustentável para nós e para todas as outras espécies que compartilham este planeta.

Trump afirma que Brasil tem ‘surto’ de coronavírus e repete que poderá banir voos do país

Trump volta a ameaçar banir voos dos Estados Unidos para o Brasil

O líder mundial mais admirado por Jair Bolsonaro, o presidente americano Donald Trump, disse nessa terça-feira, dia 28, que o “Brasil tem praticamente um surto” de coronavírus e comentou que segue atentamente as informações que chegam do país.

O comentário de Trump foi feito durante uma coletiva de imprensa, no Salão Oval da Casa Branca, em conjunto com o governador da Flórida Ron De Santis, que expressava preocupação com a potencial chegada de brasileiros contaminados a Miami.

“O Brasil tem praticamente um surto, como vocês sabem (…) se você olhar os gráficos você vai ver o que aconteceu infelizmente com o Brasil. Estamos olhando para isso bem de perto”, disse Trump.

O posicionamento do aliado prioritário de Bolsonaro contraria as declarações que o próprio presidente brasileiro tem feito em relação à situação da epidemia no Brasil.

Bolsonaro já chegou a minimizar a doença e não concorda com as medidas de distanciamento social, adotadas no mundo todo, inclusive nos Estados Unidos, para reduzir o contágio pelo vírus.

Sua postura levou à demissão do então ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, que advogava pela quarentena, há duas semanas. O país tem mais de 71 mil casos da doenças e já passa das 5 mil mortes.

Embora não tenha poder para interferir nas políticas locais de combate à epidemia, o presidente tem pressionado os governadores pelo fim das quarentenas e uma reabertura da economia nos Estados.

Banimento de voos do Brasil

Trump questionou De Santis se ele não cogitava banir voos do Brasil para a Flórida. O governo federal americano tem estudado uma medida como essa há mais ou menos um mês e o próprio presidente já havia mencionado essa possibilidade no começo de abril.

Trump afirma que sua gestão terá uma definição sobre essa possibilidade em breve. O Departamento de Estado afirma que nenhuma medida será anunciada por enquanto.

“É uma coisa muito impactante de ser feita. Fizemos isso com a China, fizemos com a Europa. Mas é algo impactante, especialmente para a Flórida que tem tantos negócios com a América do Sul”, reconheceu o americano.Direito de imagemREUTERS

Taxa de mortalidade de covid-19 no Amazonas está acima da média nacional

O Brasil é o principal parceiro comercial do Estado americano. Na Flórida também vivem quase 400 mil brasileiros, um terço da comunidade de migrantes do Brasil no país. No início de março, Bolsonaro esteve em Miami para uma visita de estímulo a parcerias comerciais.

Na ocasião, chegou a receber a chave da cidade das mãos do prefeito Francis Suarez, que testou positivo para covid-19 poucos dias após o retorno da comitiva ao Brasil.

Mais de 10 integrantes da equipe da viagem presidencial, incluindo o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, também contraíram a doença.

Teste rápido para brasileiros antes do embarque

O governador da Flórida descartou o banimento de voos do Brasil por enquanto, mas afirmou cogitar tornar obrigatória a testagem rápida dos passageiros para covid-19 pelas companhias aéreas, antes do embarque.

“Eu estou preocupado com isso [voos do Brasil] o tempo todo. Eu acho que o Brasil é um dos lugares com mais interação com Miami e você vai provavelmente ver a epidemia crescer lá conforme a estação do ano mudar [para o inverno]”, afirmou.

Segundo De Santis, o risco é que brasileiros voltem a trazer a doença para a Flórida em um momento em que o Estado luta para debelar a epidemia.

Ele, no entanto, reconheceu que o surto na Flórida está mais relacionado à chegada de pessoas contaminadas de Nova York ao Estado do que a voos internacionais.

Na prática, a maior parte dos voos entre Brasil e Estados Unidos foi cancelada e o fluxo aéreo entre os dois países caiu em mais de 80% desde março.

Índios,Brasil,Amazônia,Xingu,Economia,Sustentabilidade,Etnias,Meio Ambiente,Floresta,Desmatamento,ClimaBlog do Mesquita

Eles não fazem home office: garimpeiros e grileiros seguem degradando a Amazônia e os indígenas

Já se somam três mortes de índios na região amazônica, vítimas do novo coronavírus. E estas mortes têm a ver com a invasão de suas terras por grileiros, fazendeiros, madeireiros e, principalmente, por garimpeiros.Amazônia,Blog do Mesquita

Segundo nota da Funai, a primeira morte aconteceu na noite de quinta-feira, dia 9, de um adolescente indígena de apenas 15 anos, Alvanei Xirixana Pereira, morador da Comunidade Boqueira, oriundo da Comunidade Rehebe e havia passado um período na Comunidade Boqueirão, quando teria apresentado os primeiros sintomas. A funai informou que equipes de saúde já ingressaram no local para auxiliar no mapeamento daqueles que mantiveram contato com o jovem, além de realizar o isolamento do grupo para melhor acompanhamento.

Na noite de sábado, dia 11, a Funai confirmou mais duas mortes de indígenas em Manaus, capital que enfrenta uma forte elevação no número de infectados com a doença. Trata-se de um indígena da etnia tikuna, de 78 anos, e de uma indígena Kokama, de 44 anos.

Segundo dados do governo, há mais seis casos confirmados de contaminação. A Secretaria Especial de Saúde Indígena, do Governo Federal, orientou indígenas a evitarem deslocamentos das aldeias a centros urbanos, assim como não permitirem a entrada de pessoas externas em suas terras.

Garimpeiros no território Yanomami

Segundo Paulo Basta, pesquisador da Fiocruz, existe forte indício do adolescente indígena ter sido contaminado por causa da ação dos garimpeiros e que, atualmente, possui 20 mil garimpeiros ilegais atuando no território Yanomami.

A situação assim, torna-se cada vez mais preocupante, principalmente com os povos indígenas que vivem em territórios invadidos por grileiros, fazendeiros, madeireiros e, principalmente, por garimpeiros. Esse pessoal, como alertou o biólogo Paulo Moutinho, não faz home office.

A presença de invasores ameaça centenas de comunidades indígenas de contágio pelo coronavírus, que estão muito apreensivas com a situação.

Além da condição especial dos indígenas, que, isolados, não desenvolvem imunidade para vírus e bactérias circulantes em áreas não isoladas, tornando-os extremamente vulneráveis, pior quando se trata de um vírus altamente poderoso e sem alternativa farmacológica de cura, mas também porque a cultura de compartilhamento dos locais onde vivem, dormem, cozinham, também dificulta o isolamento dos índios. Casas compartilhadas, utensílios que circulam entre várias pessoas e a dificuldade de acesso à itens como sabão e álcool em gel tornam o combate ao vírus muito mais complexo nessas comunidades.Amazônia,Brasil,Desmatamento,Poluição,Mineração,Meio Ambiente

Segundo o Instituto Socioambiental (ISA), no final de fevereiro, os indígenas, que estão recebendo informações sobre a Covid-19, já estavam preocupados com o avanço e chegada da doença, e os Yanomami, em Roraima, incendiaram um helicóptero e prenderam os seus ocupantes, ligados ao garimpo clandestino. No início de março, os Kaiapó, no Pará, rebelaram-se contra chefes dos garimpeiros e exigiram a imediata retirada deles.

Segundo informa o ISA, na fronteira do Brasil com a Venezuela, o território Yanomami é a maior terra indígena do país, com área equivalente à de Portugal, vivendo cerca de 26 mil membros dos povos yanomami e ye’kwana, distribuídos em 321 aldeias. O território sempre foi alvo de garimpeiros porque é sabida a existência de ouro na região, desde a década de 1970.

O Instituto também informa que o garimpo já degradou 114 hectares de floresta, o equivalente a 114 campos de futebol, só no mês de março e 2020.

Em nota, o ISA afirma que os povos indígenas estão a mercê de cerca de 20 mil garimpeiros que entram e saem do território sem nenhum controle e que isso é o principal vetor da Covid-19 na terra Indígena Yanomami que, assim como outros grupos, devem ser urgentemente protegidos, sob risco da ocorrência de um genocídio indígena.

Diante do agravamento da situação das invasões e a escalada da pandemia em todo o Brasil, a situação demanda resposta rápida e extraordinária dos órgãos federais e autoridades responsáveis.

Megaoperação para afastar invasores

O Governo Federal informou que montou uma megaoperação para afastar invasores das terras indígenas.

A operação percorreu três terras indígenas no sul do Pará onde vivem cerca de 1.700 índios. Os fiscais cumpriram 14 dias de quarentena preventiva antes de irem para o local e seguem à risca o protocolo sanitário, principalmente quanto à necessidade de não manter contato com os índios.

Em matéria exibida pelo programa Fantástico, da TV Globo, é possível verificar que os garimpeiros fogem assim que notam a presença do helicóptero dos fiscais do IBAMA. Pelo ar, eles localizam e prendem os garimpeiros ilegais. Por terra, eles destroem pontes de acesso na mata e colocam fogos em equipamentos, principalmente retroescavadeiras e outros utilizados nos garimpos. Os fiscais do IBAMA também encontraram armas e munição, além de animais silvestres presos possivelmente para comércio ilegal.

Degradando a Amazônia e os índios

O estrago ambiental já foi feito, e eles estão cada vez mais próximos das aldeias indígenas isoladas.

Imagens de satélite mostram que garimpeiros estão ampliando suas operações dentro da Terra Indígena Yanomami, em Roraima e no Amazonas, mesmo durante a pandemia do novo coronavírus.

Na reportagem do Fantástico, um fiscal do Ibama  relata que o aumento das invasões pelos garimpeiros ocorreu porque possivelmente eles acharam que ia haver um relaxamento da fiscalização por causa do novo coronavirus.

Nesse momento, a única solução é o isolamento total dos povos.Amazônia,Desmatamento,Floresta,Brasil,Meio Ambiente,Queimadas,Ecologia,Fauna,Flora,Crimes Ambientais.Blog do Mesquita 06

Segundo a nota da Funai a Fundação em apoio às comunidades, seguirá os protocolos de contingenciamento junto à Secretaria Especial de Saúde Indígena e aos Distritos Sanitários Especiais Indígenas, além de fornecer o necessário, como alimentação e combustível, para facilitar o atendimento das equipes de saúde no monitoramento dos sintomas e evitar que os indígenas saiam das aldeias.

Os super-ricos e o clube exclusivo do Brasil no coração de um hotspot de coronavírus

A conexão entre Covid-19 e a elite mundial de ricos no país destaca o abismo entre ricos e pobres em uma das sociedades mais desiguais do mundo. É o clube mais exclusivo do Brasil – um santuário de privilégios, para o qual apenas 0,00041% dos cidadãos do país têm as chaves.

Pelo menos 60 dos 850 membros exclusivos do Country Club do Rio de Janeiro foram declaradamente atingidos pelo Covid-19. Foto: Nicoló Lanfranchi / O Observador

Mas o Country Club do Rio de Janeiro – fundado por executivos britânicos em 1916 e freqüentado desde então pelo crème de la crème da sociedade carioca – foi lançado em luto pela pandemia de coronavírus, provocando um debate nacional sobre classe e desigualdade em uma das mais sociedades economicamente desequilibradas na terra.

Pelo menos 60 dos 850 membros do clube que trotaram o globo foram derrotados com o Covid-19, enquanto um – a empresária septuagenária Mirna Bandeira de Mello – morreu e foi deixada para descansar durante um funeral no qual ninguém compareceu ao filho.

Anna Maria Ramalho, colunista da sociedade que conhece a vítima desde a escola, disse que foi forçada a se despedir fazendo login em uma missa online. “Perdi uma amiga ao longo da vida”, disse ela. “Ela era uma pessoa tão especial, muito realista.”

O coronavírus parece ter violado os portões de madeira branca do clube de campo – a poucos metros da praia de Ipanema, embora exatamente como agora seja um tópico de amarga disputa.

A praia de Ipanema está deserta depois que o governador do Rio de Janeiro ordenou que os moradores ficassem longe das praias. Foto: Nicoló Lanfranchi / The Guardian

Horas antes, descendentes da antiga família real do Brasil haviam se reunido em uma mansão próxima para brindar o noivado de Pedro Alberto de Orléans e Bragança, 31 anos, tataraneto do último imperador do Brasil, Pedro II, e seu filho. parceira de um ano, Alessandra Fragoso Pires.

Entre os convidados estavam a mãe e o padrasto de Pires, que haviam chegado de casa em Londres e outros da Bélgica, Itália e Estados Unidos.

Mais da metade das pessoas com mais ou menos 70 anos no almoço foram positivas para Covid-19, incluindo o pai e o avô da noiva e a tia do noivo. Três permanecem no hospital, em estado grave. “É simplesmente horrível”, disse um membro da família que participou da celebração e pediu para não ser identificado. “Ninguém poderia imaginar que o vírus atacaria com tanta força devastadora.”

Após o almoço, vários convidados passaram a tarde no “país” – provocando especulações de que haviam causado seu aglomerado de coronavírus – algo negado com veemência por um amigo da antiga monarquia brasileira. “Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, insistiram. “Ninguém sabe o que aconteceu – quem trouxe o vírus e quem não o fez. Eles ficaram surpresos com isso.

Seja qual for a verdade, dois dias depois, em 9 de março, o coronavírus continuou a contaminar a associação ilustre do clube. Em uma assembléia lotada – supostamente convocada para discutir uma disputa entre sua velha guarda e uma nova geração de associados que carecem dos sobrenomes tradicionais dos membros anteriores, mas não de seus bolsos profundos -, cruzam palavras e trocam beijos e abraços.

“Muitas pessoas perderam suas fortunas na crise financeira – pessoas que fedia muito e acabaram sem nada – então tiveram que vender seus membros”, disse uma importante socialite do Rio sobre o cabo de guerra geracional no clube em que os membros são escolhidos por votação secreta e custa em torno de £ 70.000 para participar.

A audiência de 270 pessoas também incluiu pessoas que estavam na comemoração da família imperial – alimentando ainda mais as suspeitas de que eles eram culpados pelo surto.

“Foi uma reunião tensa, grandes nomes dos negócios estavam lá”, disse a fonte da alta sociedade. “Várias pessoas deixaram a reunião infectadas.”

O country club não é o único oásis de prosperidade e influência brasileira tocado pelo coronavírus. Uma estrela pop, uma atriz e a filha de um alto funcionário do governo foram infectadas durante um casamento de celebridade em um resort de praia que se orgulha de ser “concebido com a filosofia da exclusividade”. Alguns hóspedes abastados teriam vindo de férias na Europa e Aspen, Colorado.

O palácio presidencial do Brasil também foi atingido, com mais de 20 membros de uma delegação que voaram para encontrar Donald Trump em seu teste de propriedade Mar-a-Lago positivo para Covid-19. O presidente, Jair Bolsonaro, afirma ter tido um resultado negativo, mas se recusou a divulgar esses resultados.

A conexão entre a disseminação do coronavírus e os super-ricos do Brasil provocou discussões sobre seu papel na introdução da doença no Brasil – e o abismo entre ricos e pobres em uma das sociedades mais desiguais do mundo.

Muitos temem que, enquanto a primeira onda de coronavírus tenha caído sobre a elite política e econômica branca do Brasil, são as massas pobres e principalmente as negras que mais sofrerão – sem o luxo de poder se isolar em casa ou recorrer a recursos caros. hospitais particulares.

Uma das primeiras mortes registradas no Brasil foi a de Cleonice Gonçalves, uma empregada doméstica de 63 anos que teria sido infectada por seu rico empregador quando voltou de férias na Itália. “É desnecessário dizer que as mais vulneráveis ​​sempre serão as mais afetadas, independentemente de haver uma pandemia ou não”, escreveu recentemente a intelectual feminista negra Djamila Ribeiro no jornal Folha de São Paulo. “Essas são questões estruturais.”

Outros, incluindo alguns membros de clubes de campo, se perguntam se alguns dos pacientes com coronavírus com dinheiro do Brasil exporam outros à doença por não se isolarem ou colocarem em quarentena adequadamente – talvez acreditando que seu status econômico significasse estar acima de tais medidas mundanas.

Um magnata brasileiro está sendo investigado pela polícia por supostamente ter voado seu jato particular para a praia no mês passado, apesar de ter sido positivo para o Covid-19. O homem – um banqueiro de investimentos que nega as acusações – é acusado de infectar pelo menos dois moradores de Trancoso, uma cidade litorânea fascinante do estado da Bahia.

O Rio de Janeiro – que até agora sofreu 1074 casos de coronavírus e 47 mortes – está em confinamento desde o final de março, forçando uma sucessão de saraus da alta sociedade a serem descartados.

Metade dos casos de coronavírus do Uruguai foi atribuída a um único convidado em uma festa da sociedade

Entre os eventos abortados, houve uma festa para 1.000 pessoas no hotel Copacabana Palace, em frente à praia, para comemorar o casamento de Alexandre Birman, um designer de calçados milionário que faz sapatos de crocodilo e pele de cobra para as estrelas de Hollywood.

Policiais patrulham a praia de Ipanema, em meio ao bloqueio por coronavírus. Foto: Lucas Landau / Reuters

Um confidente da família Orléans e Bragança disse ter preocupações mais urgentes com dois parentes ainda em terapia intensiva. “Eles se sentem tristes, apreensivos e preocupados … Eles estão assustados com toda essa repercussão”, disseram eles.

Alguns apontaram um dedo acusador para as elites brasileiras de importarem a doença após aventuras no exterior caríssimas, com um site de esquerda anunciando na semana passada: “Os ricos e famosos espalharam o coronavírus pelo Brasil”.

Outro blog declarou: “Os ricos contaminaram o Brasil”.

Mas um convidado do fatídico almoço da família real disse que era errado bode expiatório dos ricos por uma doença desinteressada na classe social. “Tanto os pobres quanto os ricos estão morrendo em todo o mundo”, disseram eles. “As pessoas que viajam mais podem ter pego primeiro, mas o vírus não escolhe suas vítimas. Pode atacar qualquer um.

China quer comida. O Brasil paga o preço.

A questão é Global: Segurança Alimentar demanda esforços nacionais,
e têm um impacto muito além
das fronteiras de qualquer país.

A Amazônia tende a evocar uma visão edênica – de uma terra misteriosa e impenetrável, cheia de feras selvagens, de onças a sucuris. Uma região rica em flora não descoberta. Mas parte disso é incongruente com essa reputação, onde grandes caminhões passam por postos de gasolina em ruínas e cobertos de sujeira, e onde as terras antes cheias de árvores e a promessa de aventura na selva se transformaram em pastagem de gado ou campo de soja.

Uma estrada chamada BR-163

Acesse o Google Maps e aumente o zoom para o estado de Mato Grosso e encontre o fio fino da estrada que atravessa o estado. Ramificando-se, existem linhas marrons perpendiculares, todas elas inconfundivelmente desmatadas, cortando e contrastando com a floresta verde escura. Essa rodovia é onde a agricultura e a selva amazônica se encontram.

A floresta tropical no Brasil foi progressivamente vítima da demanda global por soja e carne bovina. E o maior cliente do país para ambos é a China. A história da Amazônia se enredou não apenas com a história da fraca proteção do Brasil em sua fronteira florestal, mas também com a ascensão dessa nova superpotência e sua estratégia de segurança alimentar.

A soja é o elo fraco da China, a principal commodity de alimentos de que precisa no mundo exterior.


O país importa a safra, que costuma usar para alimentar seus porcos, e as empresas estatais chinesas também investem diretamente na cadeia de suprimentos do Brasil, para que o país sul-americano possa aumentar suas próprias exportações.

Árvore de noz brasileira morta em pé em uma fazenda de gado. A região vive da pecuária e da indústria madeireira. A região é a cidade Apiacas no Norte de Mato Grosso.

Desmatamento,Meio Ambiente,Ecologia,Natureza,Blog do Mesquita 07

Essa crescente fome de soja incentivou os garimpeiros brasileiros a manter o ritmo arrasando a selva intocada, acelerando o desmatamento.

Essa dinâmica destaca algumas das tensões inerentes ao desafio de combater as mudanças climáticas. A classe média da China tem uma fome crescente de carne, levando a um aumento na demanda por soja.

Para um país que se comprometeu a honrar o Acordo de Paris, as medidas de segurança alimentar da China são contrárias aos seus esforços ambientais, embora o acordo climático vise reduzir as emissões nacionais de carbono, ele não responde pelas atividades e responsabilidades dos signatários de outros países. países. E o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, argumenta que o país deve priorizar o crescimento econômico, mesmo que isso acarrete o custo de destruir a maior floresta tropical do planeta.

Sinop, uma próspera comunidade de 140.000 habitantes no norte de Mato Grosso e um centro de agricultura industrial, simboliza essa transformação.

O local está em um estágio de desenvolvimento – o Burger King realizou sua grande inauguração aqui recentemente e o McDonald’s está a caminho – mas também é uma economia avançada com comunidades pavimentadas e com casas de milionários construídas para com sofisticação  em meados do século XX.

Junto com a soja e o gado, uma cidade extensa deslocou a floresta exuberante, batendo contra o deserto, e os moradores se orgulham disso.

“Somos campeões da soja e do gado”, vangloria-se Daniel Brolese. “A demanda da China é o que tranquiliza os agricultores aqui”. Brolese, vice-prefeito de assuntos econômicos. Ele percorre a cidade apontando quadras particulares de tênis e vôlei de praia. Nas calçadas, carros de luxo, de um Corvette Stingray a um Porsche Cayenne.

Periodicamente, ele faz uma pausa na turnê para se concentrar em um novo projeto que, segundo ele, catapultará Sinop ainda mais e ajudará a impulsionar mais exportações para a China. “Ferrogrão”, diz ele, “não é questão importante para o desenvolvimento”.

Ele está se referindo a uma ferrovia que os produtores sonham há muito: Ferrogrão – o “trem de grãos” – em português – transportaria soja do interior da Amazônia para seus portos fluviais ao longo do rio Tapajós e depois para o Oceano Atlântico. Há muito desejado pelos agronegócios e autoridades daqui, o projeto nunca teve o capital político e financeiro necessário do governo federal para avançar – os oponentes argumentaram que isso custou muito e beneficiou muito poucos. Mas duas coisas se juntaram que podem finalmente tornar Ferrogrão uma realidade: a eleição de Bolsonaro e a China.

Mas os garimpeiros aproveitaram o fraco estado de direito e a aplicação de políticas ambientais para encontrar uma maneira criativa de continuar lucrando.

Primeiro eles destruíam árvores para dar lugar ao gado e, depois de alguns anos usando os campos como pastagens, eles os converteria para cultivar soja.Desmatamento,Amazônia,Ambiente,Blog do Mesquita 03

A rigor, a terra não seria mais “recém-colhida” e a moratória da soja se manteria. Mesmo os agronegócios comprometidos com a moratória lutam com a responsabilidade ao coletar informações. A criação de gado agora é oficialmente o maior motor do desmatamento na Amazônia, tanto porque existe uma demanda internacional crescente genuína por carne bovina quanto porque os desenvolvedores estão planejando um eventual desenvolvimento da soja.Desmatamento,Amazônia,Ambiente,Blog do Mesquita