Manuel Graña Etcheverry – Hoje já passou

Boa noite
Hoje já passou
Manuel Graña Etcheverry

Já o dia passa. Já os livros
não podem. Já a música não alcança.
A evasão é inútil, solitário.
Já tens o espelho a tua frente:
mira-te, sozinho, fumando o cigarro,
mira no quarto tua presença só.
Não estão suas mãos nem seus olhos vêm,
nem sua voz se aproxima, nem seu beijo,
nem chega seu amor para buscar-te.
Consumiste sonhos na espera:
edifícios de tênues quadros
que as horas gastaram pouco a pouco.
E ruínas sonoras de estupendos
colóquios de amor que imaginaste
têm buscado sua tumba nas paredes.
Não te bastou a lembrança: desejava-a
vivendo e perto e em teus braços.
Mas o dia se vai sem que ela venha.
Hoje a paz não veio e tens medo.
Não quer retratar-se em cristais
nem a água do passado te refresca.

Mas o dia se vai… cala-o, esqueça.
Beija no ar seu rosto ausente.
Hoje a paz não veio. Hoje já passou.

Marc Chagall – Les Amants sur le Toit,1935

Virgínia Schall – Secretamente – Poesia

Boa noite.
Secretamente
Virgínia Schall

Seus olhos estão perigosamente dentro
de mim
aqui fizeram morada
e estão como Deus
em toda parte
se interpondo
entre a paisagem mais próxima
entre a fresta de luz e a imagem
tangenciando meu olhar
que não sabe olhar puro
que se trai a cada segundo.

Seus olhos estão perigosamente pousados
sobre mim
como borboleta em flor
cobrindo minha pele em ternura
suaves como seda
a farfalhar sobre os poros
e os pelos.

Luzes que incendeiam
em sublime música
meu corpo aceso em sede
Sombras sobre minha noite
embalam meu sono
devassando meus sonhos
onde secretamente me assombram
estando fora e sendo dentro
espelhos de amor intenso
e imenso.

Nossos olhos estão perigosamente
em comunhão
a despeito da separação
que a vida nos impõe.

E nossas vidas
sob risco
entre sermos felizes
ou tristes
e nossos destinos
por um triz
entre sucessos
e desatinos.

Secretamente
espreitamos-nos
como caminhos
à beira
de atraentes abismos.

Pintura de Paul Klee

Ismar Tirelli Neto – Correlata – Poesia

Boa noite.
Correlata – Ismar Tirelli Neto

que passo a sentir vizinhos sumiços
passos à escada depurados de eco
a palavra “cumeada” atira-se novamente
é possível imergir
a rua, renova, rouqueja
é possível
o céu dizer-se emboço
a morte, cimentícia
a dor, a dor, coisa infinitamente perfectível
o azul da manhã, corrugado
e setembro, cabeceio
ao concluir-se o serviço

Já não falo de mim.
Fundo cidades.