Arte e depedração: obra do artista plástico Rothko pichada na civilizada Londres

Jovem que fez ‘intervenção artística’ em quadro pega 2 anos de prisão

Custo da restauração deve chegar a US$ 323 mil.
Para amigo, prisão será um período ‘muito criativo’ para Umaniec.

O jovem polonês Wlodzimierz Umaniec, que fez uma “intervenção artística” sobre um mural de Mark Rothko na galeria Tate Modern de Londres, no mês de outubro, foi condenado a dois anos de prisão na quinta-feira (13) por um tribunal britânico.
Vladimir Umanets foi preso por danificar quadro de Mark Rothko. (Foto: Reprodução)
Vladimir Umanets foi condenado por danificar quadro de Mark Rothko. (Foto: Reprodução)

Umaniec, também conhecido como Vladimir Umanets – nome que assinou na tela -, estava sendo acusado de vandalismo por ter causado sérios danos à pintura do artista russo-americano, intitulada “Black on Maroon“, que Rothko doou ao museu em 1969.

O réu, por sua vez, admitiu os danos causados ao mural, que pertence à série “Seagram”, realizada por Rothko nos anos 60 após uma encomenda do hotel Four Seasons de Manhattan (Nova York).

No entanto os quadros nunca chegaram a ser instalados no local.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

A maldade contra o quadro – sobre o qual Umaniec pintou a frase “Vladimir Umanets, uma possível peça do Yellowism” – causou o fechamento temporário da Tate Modern, a galeria de arte contemporânea mais visitada do mundo, com 4,7 milhões de pessoas ao ano.

A acusação assinalou que o trabalho de restauração da obra será “longo e complexo” devido à “técnica pictórica única” utilizada pelo artista, já que a tinta usada por Umaniec encobriu as camadas de pintura da tela.

No total, o custo dessa restauração deve chegar a US$ 323 mil.

Umaniec, que afirmava ser estudante de arte, explicou em outubro à imprensa que o “Yellowism (Amarelismo) não é arte e nem está contra a arte”, mas é “um elemento da cultura contemporânea visual”.

O juiz Roger Chapple considerou que as ações de Umaniec tinham sido totalmente “planejadas e propositais” e, em relação ao “Yellowism”, afirmou que é “inaceitável promovê-lo através do dano de uma obra de arte”, que foi qualificada como um “presente à nação”.

Um amigo do condenado, Ben Smith, que estava presente no julgamento, opinou, por outro lado, que o ato não foi de “destruição”, mas de “criatividade”, já que transformou o “Yellowism” em um “fenômeno global”.

Segundo este “seguidor do Yellowism”, a prisão será um período “muito criativo” para Umaniec e também o ajudará a “compreender melhor a humanidade”.
Da Agência Efe

Share the Post:

Artigos relacionados

Anistia nunca mais

A História do Brasil está intoxicada por sucessivas anistias e conciliações. Como sequela impera a certeza da impunidade. O desprezo

Ler mais