Octavio Paz – Poesia – 03/04/24

Boa noite
Escrito com tinta verde
Octavio Paz¹

A tinta verde cria jardins, selvas, prados,
folhagens onde gorjeiam letras,
palavras que são árvores,
frases de verdes constelações.

Deixa que minhas palavras, ó branca, desçam e te cubram
como uma chuva de folhas a um campo de neve,
como a hera à estátua,
como a tinta a esta página.

Braços, cintura, colo, seios,
fronte pura como o mar,
nuca de bosque no outono,
dentes que mordem um talo de grama.

Teu corpo se constela de signos verdes,
renovos num corpo de árvore.
Não te importe tanta miúda cicatriz luminosa:
olha o céu e sua verde tatuagem de estrelas.

(Trad. Haroldo de Campos)

¹Octavio Paz
* Cidade do México, México – 31 de Março de 1914 d.C
+ Cidade do México, México – 20 de Abril de 1998 d.C

Passou a infância nos Estados Unidos, acompanhando a família. De volta ao seu País, estudou Direito na Universidade Nacional Autônoma do México. Cursou, também, estudos de especialização em Literatura. Morou na Espanha, onde conviveu com diversos intelectuais; também em Paris, Japão e Índia.

Em 1945, ingressou no serviço diplomático mexicano. Ao residir em Paris, testemunhou e viveu o Movimento Surrealista, sofrendo grande influência de André Breton, de quem foi amigo. Em sua criação, experimentou a escrita automática.

Publicou mais de vinte livros de poesia e incontáveis ensaios de literatura, arte, cultura e política, desde Luna Silvestre, seu primeiro livro, de 1933.

Share the Post:

Artigos relacionados

Os bolsonarista na prisão

LEMBREM-SE DOS ENCARCERADOS “Cela apertada com 3 pessoas” “Banhos frios” “Banheiro comunitário” “Banhos de sol entediantes.” Lindo ver gadonaristas se

Ler mais