Artur Eduardo Benevides – Versos na tarde 12/04/2016

Innamorato
Artur Eduardo Benevides ¹

I

O som de tua voz
é um ramo a nascer
da árvore da vida.
Com medo de perder-te,
sempre que chegas sinto
o travo da partida.
E quero ficar à tua margem
— Ó rosa e Mar! —
e ver tua leveza de pássaro
a voar.

II

Estar sem ti
é estar em silêncio de montanha
sem existir montanha.
É ficar em desterro,
ou regressar, calado, de um enterro
e tomar lentamente um copo de vinho,
sozinho.

III

Estar contigo
é sempre amanhecer.
É sentir que o sol de repente
toca em mim com a doçura
do que se põe no azul a florescer.

IV

Ai, tecelã da eterna poesia,
um pouco mais de ti em mim
e eu voaria!
Nem me dês teus frutos.
Basta que sorrias.
Não mereço mais.

¹ Artur Eduardo Benevides
* Pacatuba, CE. – 1923 d.C

+ Fortaleza, CE. – 21 de setembro de 2014 d.C


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Share the Post: