Alexandre Pontara – Versos na tarde – 01/08/2016

Física do Ocaso
Alexandre Pontara¹

Limitação do tempo
Aceleração constante
Cotidiano de sensações vazias
Sem desafios diários a envelhecer
Cada hora marcada pelo descompasso
Terra árida de tempestades de areia
A sufocar a respiração ofegante
Incerta acomodada na monotonia.
Cada passo dado em retrocesso,
com mais velocidade
Preso em vácuo.
O grito não se propaga.
Perdido na escuridão do infinito
Ninguém escuta apesar do esforço
Deprimente relação entre tempo e espaço
Ocorrido no tempo certo mas na hora errada.

¹ Alexandre Pontara
* Assis, SP. – 23 de junho de 1971 d.C


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Share the Post: