Nuno Júdice – Nunca são as coisas mais simples

Boa noite.
Nunca são as coisas mais simples
Nuno Judice

Nunca são as coisas mais simples que aparecem
quando as esperamos. O que é mais simples,
como o amor, ou o mais evidente dos sorrisos, não se
encontra no curso previsível da vida. Porém, se
nos distraímos do calendário, ou se o acaso dos passos
nos empurrou para fora do caminho habitual,
então as coisas são outras. Nada do que se espera
transforma o que somos se não for isso:
um desvio no olhar; ou a mão que se demora
no teu ombro, forçando uma aproximação
dos lábios.

Pintura de Montserrat Gudiol Corominas

Literatura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog do Mesquita 00 B

Bertolt Brecht – Poesia

Boa noite.
Poema
Bertolt Brecht

O Vosso tanque General, é um carro forte

Derruba uma floresta esmaga cem
Homens,
Mas tem um defeito
– Precisa de um motorista

O vosso bombardeiro, general
É poderoso:
Voa mais depressa que a tempestade
E transporta mais carga que um elefante
Mas tem um defeito
– Precisa de um piloto.

O homem, meu general, é muito útil:
Sabe voar, e sabe matar
Mas tem um defeito
– Sabe pensar

Ilustração de Oleh Denysenko

João Roiz de Castelo Branco – Poesia

Boa noite.
Senhora, partem tão tristes
João Roiz de Castelo Branco

Senhora, partem tão tristes
meus olhos por vós, meu bem,
que nunca tão tristes vistes
outros nenhuns por ninguém.

tão tristes, tão saudosos,
tão doentes da partida,
tão cansados, tão chorosos,
da morte mais desejosos
cem mil vezes que da vida.

partem tão tristes os tristes,
tão fora de esperar bem,
que nunca tão tristes vistes
outros nenhuns por ninguém.

Fotografia Tumblr

Dono de um estilo de escrita único, José Saramago é um intelectual que faz muita falta

Dono de um estilo de escrita único, José Saramago é um intelectual que faz muita falta.

Há 98 anos nascia José Saramago, um dos maiores nomes da Literatura Portuguesa contemporânea.

O autor é um dos mais importantes nomes da Literatura Contemporânea e marcou a escrita do século XX através de seu olhar crítico e sua escrita fora do comum.

A publicação de hoje é sobre ele, com um resumo sobre sua vida, obra, polêmicas e algumas curiosidades a respeito de sua carreira e modo de pensar.

José Saramago nasceu numa família de camponeses em Azinhaga, ao sul de Portugal, em 1922.

Iniciou sua carreira de escritor em 1947, com o livro “Terra do Pecado”. Nos anos 1960, já atuando como crítico literário e jornalista, começa a escrever no jornal Diário de Notícias e a partir de 1975, passa a viver de Literatura, primeiro como tradutor, em seguida, como autor.

Faleceu em 2010, devido a uma leucemia crônica, aos 87 anos.

ESCRITA – Saramago criou um dos universos literários mais sólidos do século XX, unindo a escrita à crítica social, denunciando injustiças e se pronunciando sobre conflitos políticos de sua época.

Nesse aspecto, o ponto mais notável de Saramago é sua peculiar maneira de pontuar suas frases, com poucos pontos finais e uso constante de vírgulas. Os diálogos também raramente possuem travessão.

Além de ter desenvolvido um estilo único, reconhecido em todo o mundo, através da escrita ele cria uma cumplicidade com o leitor, confirmada pelo público e exaltada pela crítica.

Dentre os expressivos prêmios que recebeu, os principais foram o Prêmio Camões (1995) e o Prêmio Nobel de Literatura (1998).

O primeiro deles, Camões, é distinção máxima oferecida aos escritores de língua portuguesa. Em relação ao Nobel, foi o primeiro da Literatura concedido a um escritor de língua portuguesa.

Apesar da honra e do reconhecimento ao seu trabalho, as premiações não agradaram algumas instituições. Um exemplo é a Igreja Católica, que não concordava com a posição política de Saramago e suas críticas sociais. À época, foi publicado no diário do Vaticano (“Osservatore Romano”) o seguinte comentário: “Saramago é, ideologicamente, um comunista inveterado”.

Alguns fatos curiosos – e polêmicos – também fazem parte da história de Saramago. Veja alguns deles:

1) A obra mais polêmica é “O evangelho segundo Jesus Cristo”, pois trata a figura de Jesus de forma controversa. A obra originou diversas discussões morais e até políticas. Por causa ds repercussão, foi para o exílio em 1992, quando se mudou de Portugal para as Ilhas Canárias (Espanha), onde morou até o fim da vida.

2) Saramago, antes de emplacar na carreira de escritor, trabalhou como serralheiro mecânico durante muito tempo.

3) Seu primeiro livro foi publicado quanto tinha 25 anos.

4) Na década de 1960, ele quase emigrou para o Brasil.

5) Costumava falar bastante do tema “morte”, e dizia que não a temia, mas que lamentava o “não comparecimento no futuro”.

###
PRINCIPAIS LIVROS

“O Evangelho segundo Jesus Cristo”: Menos interessado na onipotência do divino que na frágil mas tenaz resistência do humano, Saramago reconta de forma irônica e crítica uma das histórias mais conhecidas no ocidente, dotando- a de corpo, cheiro, sensações, ambiguidades e novos significados recônditos.

“Ensaio sobre a cegueira”: Uma terrível “treva branca” vai deixando cegos, um a um, os habitantes de uma cidade. Com essa fantasia aterradora, Saramago nos obriga fechar os olhos e ver. Recuperar a lucidez, resgatar o afeto: essas são as tarefas do escritor e de cada leitor, diante da pressão dos tempos e do que se perdeu.

Um motorista parado no sinal se descobre subitamente cego. É o primeiro caso de uma “treva branca” que logo se espalha incontrolavelmente. Resguardados em quarentena, os cegos se perceberão reduzidos à essência humana, numa verdadeira viagem às trevas.

“A jangada de pedra”: Racham-se os Pirineus, a Península Ibérica se desgarra da Europa. Transformada em ilha – Jangada -, navega à deriva pelo oceano Atlântico. A esse espetacular acidente geológico somam-se outros insólitos que unem os quatro personagens principais do romance numa viagem apocalíptica e utópica pelos caminhos da linguagem e, por meio dela, pelos da arte e da cultura peninsulares. A ínsula ibérica vagueia ao acaso de um mar tecido de muitos mitos e história.

“A viagem do elefante”: Em 1551, o rei português dom João III, e sua mulher, Catarina d’Áustria, decidiram oferecer um presente inusitado ao arquiduque Maximiliano II, por seu casamento com a filha do imperador Carlos V: um elefante.

Aqui, a história real do mamífero que saiu de Goa, passou por Portugal, Espanha, Itália, atravessou os Alpes para enfim chegar na Áustria ganha ares de fábula nas mãos de José Saramago.

“As Intermitências da Morte”: Apesar da fatalidade, a morte também tem seus caprichos. Cansada de ser detestada pela humanidade, a ossuda resolve suspender suas atividades. De repente, num certo país fabuloso, as pessoas simplesmente param de morrer.

E o que no início provoca um verdadeiro clamor patriótico logo se revela um grave problema. Idosos e doentes agonizam em seus leitos sem poder “passar desta para melhor”. Os empresários do serviço funerário se veem brutalmente desprovidos da sua matéria-prima. Hospitais e asilos geriátricos enfrentam uma superlotação crônica, que não para de aumentar.

O negócio das companhias de seguros entra em crise. O primeiro-ministro não sabe o que fazer, enquanto o cardeal se desconsola, porque “sem morte não há ressurreição, e sem ressurreição não há igreja”.

Um por um, ficam expostos os vínculos que ligam o Estado, as religiões e o cotidiano à mortalidade comum de todos os cidadãos. Mas, na sua intermitência, a morte pode a qualquer momento retomar os afazeres de sempre. Então, o que vai ser da nação já habituada ao caos da vida eterna?

Sophia de Mello Breyner Andresen – O Poema

O poema
Sophia de Mello Breyner Andresen

O poema me levará no tempo
Quando eu já não for eu
E passarei sozinha
Entre as mãos de quem lê

O poema alguém o dirá
Às searas

Sua passagem se confundirá
Com o rumor do mar com o passar do vento

O poema habitará
O espaço mais concreto e mais atento

No ar claro nas tardes transparentes
Suas sílabas redondas
(Ó antigas ó longas
Eternas tardes lisas)

Mesmo que eu morra o poema encontrará
Uma praia onde quebrar as suas ondas

E entre quatro paredes densas
De funda e devorada solidão
Alguém seu próprio ser confundirá
Com o poema no tempo

Pintura de Léon Spilliaert