Winston Churchill’s Battle of Britain speech

The Winston Churchill statue in Parliament Square, London. PA Photo. Picture date: Thursday June 18, 2020. The statue has been uncovered ahead of the French President Emmanuel Macron’s visit to London today, but monuments to Nelson Mandela and Mahatma Gandhi will stay hidden behind protective screens. See PA story POLICE Floyd. Photo credit should read: Dominic Lipinski/PA Wire

Almost a year has passed since the war began, and it is natural for us, I think, to pause on our journey at this milestone and survey the dark, wide field. It is also useful to compare the first year of this second war against German aggression with its forerunner a quarter of a century ago. Although this war is in fact only a continuation of the last, very great differences in its character are apparent. In the last war millions of men fought by hurling enormous masses of steel at one another. “Men and shells” was the cry, and prodigious slaughter was the consequence.

In this war nothing of this kind has yet appeared. It is a conflict of strategy, of organisation, of technical apparatus, of science, mechanics, and morale. The British casualties in the first 12 months of the Great War amounted to 365,000. In this war, I am thankful to say, British killed, wounded, prisoners, and missing, including civilians, do not exceed 92,000, and of these a large proportion are alive as prisoners of war. Looking more widely around, one may say that throughout all Europe for one man killed or wounded in the first year perhaps five were killed or wounded in 1914-15.

The slaughter is only a small fraction, but the consequences to the belligerents have been even more deadly. We have seen great countries with powerful armies dashed out of coherent existence in a few weeks. We have seen the French Republic and the renowned French Army beaten into complete and total submission with less than the casualties which they suffered in any one of half a dozen of the battles of 1914-18.

The entire body – it might almost seem at times the soul – of France has succumbed to physical effects incomparably less terrible than those which were sustained with fortitude and undaunted will power 25 years ago. Although up to the present the loss of life has been mercifully diminished, the decisions reached in the course of the struggle are even more profound upon the fate of nations than anything that has ever happened since barbaric times. Moves are made upon the scientific and strategic boards, advantages are gained by mechanical means, as a result of which scores of millions of men become incapable of further resistance, or judge themselves incapable of further resistance, and a fearful game of chess proceeds from check to mate by which the unhappy players seem to be inexorably bound.

Churchill, pictured in 1945, gave the speech 80 years ago (Photo: Getty)
There is another more obvious difference from 1914. The whole of the warring nations are engaged, not only soldiers, but the entire population, men, women, and children. The fronts are everywhere. The trenches are dug in the towns and streets. Every village is fortified. Every road is barred. The front line runs through the factories. The workmen are soldiers with different weapons but the same courage. These are great and distinctive changes from what many of us saw in the struggle of a quarter of a century ago.

‘The most united of all the nations’

There seems to be every reason to believe that this new kind of war is well suited to the genius and the resources of the British nation and the British Empire and that, once we get properly equipped and properly started, a war of this kind will be more favourable to us than the sombre mass slaughters of the Somme and Passchendaele. If it is a case of the whole nation fighting and suffering together, that ought to suit us, because we are the most united of all the nations, because we entered the war upon the national will and with our eyes open, and because we have been nurtured in freedom and individual responsibility and are the products, not of totalitarian uniformity but of tolerance and variety.

If all these qualities are turned, as they are being turned, to the arts of war, we may be able to show the enemy quite a lot of things that they have not thought of yet. Since the Germans drove the Jews out and lowered their technical standards, our science is definitely ahead of theirs. Our geographical position, the command of the sea, and the friendship of the United States enable us to draw resources from the whole world and to manufacture weapons of war of every kind, but especially of the superfine kinds, on a scale hitherto practised only by Nazi Germany.

Two Luftwaffe Dornier 217 twin engined medium bombers flying over the Silvertown area of London’s Docklands on 7th September 1940 at the beginning of the Blitz on London.Fires have started near the Beckton Gasworks. West Ham greyhound track is near the centre of the picture, which was taken from a German bomber. (Photo by Central Press/Getty Images)

Two Luftwaffe Dornier 217 twin engined medium bombers flying over the Silvertown area of London’s Docklands on 7th September 1940 at the beginning of the Blitz on London.Fires have started near the Beckton Gasworks. West Ham greyhound track is near the centre of the picture, which was taken from a German bomber. (Photo by Central Press/Getty Images)

Hitler is now sprawled over Europe. Our offensive springs are being slowly compressed, and we must resolutely and methodically prepare ourselves for the campaigns of 1941 and 1942. Two or three years are not a long time, even in our short, precarious lives. They are nothing in the history of the nation, and when we are doing the finest thing in the world, and have the honour to be the sole champion of the liberties of all Europe, we must not grudge these years of weary as we toil and struggle through them. It does not follow that our energies in future years will be exclusively confined to defending ourselves and our possessions. Many opportunities may lie open to amphibious power, and we must be ready to take advantage of them.

One of the ways to bring this war to a speedy end is to convince the enemy, not by words, but by deeds, that we have both the will and the means, not only to go on indefinitely but to strike heavy and unexpected blows. The road to victory may not be so long as we expect. But we have no right to count upon this. Be it long or short, rough or smooth, we mean to reach our journey’s end.

It is our intention to maintain and enforce a strict blockade not only of Germany but of Italy, France, and all the other countries that have fallen into the German power. I read in the papers that Herr Hitler has also proclaimed a strict blockade of the British Islands. No one can complain of that. I remember the Kaiser doing it in the last war. What indeed would be a matter of general complaint would be if we were to prolong the agony of all Europe by allowing food to come in to nourish the Nazis and aid their war effort, or to allow food to go in to the subjugated peoples, which certainly would be pillaged off them by their Nazi conquerors.

‘Ample reserves of food’

There have been many proposals, founded on the highest motives, that food should be allowed to pass the blockade for the relief of these populations. I regret that we must refuse these requests. The Nazis declare that they have created a new unified economy in Europe. They have repeatedly stated that they possess ample reserves of food and that they can feed their captive peoples.

In a German broadcast of 27th June it was said that while Mr. Hoover’s plan for relieving France, Belgium, and Holland deserved commendation, the German forces had already taken the necessary steps. We know that in Norway when the German troops went in, there were food supplies to last for a year. We know that Poland, though not a rich country, usually produces sufficient food for her people. Moreover, the other countries which Herr Hitler has invaded all held considerable stocks when the Germans entered and are themselves, in many cases, very substantial food producers. If all this food is not available now, it can only be because it has been removed to feed the people of Germany and to give them increased rations – for a change – during the last few months.

At this season of the year and for some months to come, there is the least chance of scarcity as the harvest has just been gathered in. The only agencies which can create famine in any part of Europe now and during the coming winter, will be German exactions or German failure to distribute the supplies which they command.

There is another aspect. Many of the most valuable foods are essential to the manufacture of vital war material. Fats are used to make explosives. Potatoes make the alcohol for motor spirit. The plastic materials now so largely used in the construction of aircraft are made of milk. If the Germans use these commodities to help them to bomb our women and children, rather than to feed the populations who produce them, we may be sure that imported foods would go the same way, directly or indirectly, or be employed to relieve the enemy of the responsibilities he has so wantonly assumed.

Let Hitler bear his responsibilities to the full and let the peoples of Europe who groan beneath his yoke aid in every way the coming of the day when that yoke will be broken. Meanwhile, we can and we will arrange in advance for the speedy entry of food into any part of the enslaved area, when this part has been wholly cleared of German forces, and has genuinely regained its freedom. We shall do our best to encourage the building up of reserves of food all over the world, so that there will always be held up before the eyes of the peoples of Europe, including – I say deliberately – the German and Austrian peoples, the certainty that the shattering of the Nazi power will bring to them all immediate food, freedom and peace.

Rather more than a quarter of a year has passed since the new Government came into power in this country. What a cataract of disaster has poured out upon us since then. The trustful Dutch overwhelmed; their beloved and respected Sovereign driven into exile; the peaceful city of Rotterdam the scene of a massacre as hideous and brutal as anything in the Thirty Years’ War. Belgium invaded and beaten down; our own fine Expeditionary Force, which King Leopold called to his rescue, cut off and almost captured, escaping as it seemed only by a miracle and with the loss of all its equipment; our Ally, France, out; Italy in against us; all France in the power of the enemy, all its arsenals and vast masses of military material converted or convertible to the enemy’s use; a puppet Government set up at Vichy which may at any moment be forced to become our foe; the whole Western seaboard of Europe from the North Cape to the Spanish frontier in German hands; all the ports, all the air-fields on this immense front, employed against us as potential springboards of invasion. Moreover, the German air power, numerically so far outstripping ours, has been brought so close to our Island that what we used to dread greatly has come to pass and the hostile bombers not only reach our shores in a few minutes and from many directions, but can be escorted by their fighting aircraft.

Why, Sir, if we had been confronted at the beginning of May with such a prospect, it would have seemed incredible that at the end of a period of horror and disaster, or at this point in a period of horror and disaster, we should stand erect, sure of ourselves, masters of our fate and with the conviction of final victory burning unquenchable in our hearts. Few would have believed we could survive; none would have believed that we should to-day not only feel stronger but should actually be stronger than we have ever been before.

‘No one flinched or wavered’

Let us see what has happened on the other side of the scales. The British nation and the British Empire finding themselves alone, stood undismayed against disaster. No one flinched or wavered; nay, some who formerly thought of peace, now think only of war. Our people are united and resolved, as they have never been before. Death and ruin have become small things compared with the shame of defeat or failure in duty.

We cannot tell what lies ahead. It may be that even greater ordeals lie before us. We shall face whatever is coming to us. We are sure of ourselves and of our cause and that is the supreme fact which has emerged in these months of trial.

Meanwhile, we have not only fortified our hearts but our Island. We have rearmed and rebuilt our armies in a degree which would have been deemed impossible a few months ago. We have ferried across the Atlantic, in the month of July, thanks to our friends over there, an immense mass of munitions of all kinds, cannon, rifles, machine-guns, cartridges, and shell, all safely landed without the loss of a gun or a round. The output of our own factories, working as they have never worked before, has poured forth to the troops. The whole British Army is at home. More than 2,000,000 determined men have rifles and bayonets in their hands to-night and three-quarters of them are in regular military formations. We have never had armies like this in our Island in time of war. The whole Island bristles against invaders, from the sea or from the air.

As I explained to the House in the middle of June, the stronger our Army at home, the larger must the invading expedition be, and the larger the invading expedition, the less difficult will be the task of the Navy in detecting its assembly and in intercepting and destroying it on passage; and the greater also would be the difficulty of feeding and supplying the invaders if ever they landed, in the teeth of continuous naval and air attack on their communications. All this is classical and venerable doctrine. As in Nelson’s day, the maxim holds, “Our first line of defence is the enemy’s ports.” Now air reconnaissance and photography have brought to an old principle a new and potent aid.

Our Navy is far stronger than it was at the beginning of the war. The great flow of new construction set on foot at the outbreak is now beginning to come in. We hope our friends across the ocean will send us a timely reinforcement to bridge the gap between the peace flotillas of 1939 and the war flotillas of 1941. There is no difficulty in sending such aid. The seas and oceans are open. The U-boats are contained. The magnetic mine is, up to the present time, effectively mastered. The merchant tonnage under the British flag, after a year of unlimited U-boat war, after eight months of intensive mining attack, is larger than when we began. We have, in addition, under our control at least 4,000,000 tons of shipping from the captive countries which has taken refuge here or in the harbours of the Empire. Our stocks of food of all kinds are far more abundant than in the days of peace and a large and growing programme of food production is on foot.

Why do I say all this? Not assuredly to boast; not assuredly to give the slightest countenance to complacency. The dangers we face are still enormous, but so are our advantages and resources.

I recount them because the people have a right to know that there are solid grounds for the confidence which we feel, and that we have good reason to believe ourselves capable, as I said in a very dark hour two months ago, of continuing the war “if necessary alone, if necessary for years.” I say it also because the fact that the British Empire stands invincible, and that Nazidom is still being resisted, will kindle again the spark of hope in the breasts of hundreds of millions of downtrodden or despairing men and women throughout Europe, and far beyond its bounds, and that from these sparks there will presently come cleansing and devouring flame.

The great air battle which has been in progress over this Island for the last few weeks has recently attained a high intensity. It is too soon to attempt to assign limits either to its scale or to its duration. We must certainly expect that greater efforts will be made by the enemy than any he has so far put forth. Hostile air fields are still being developed in France and the Low Countries, and the movement of squadrons and material for attacking us is still proceeding.

It is quite plain that Herr Hitler could not admit defeat in his air attack on Great Britain without sustaining most serious injury. If, after all his boastings and blood-curdling threats and lurid accounts trumpeted round the world of the damage he has inflicted, of the vast numbers of our Air Force he has shot down, so he says, with so little loss to himself; if after tales of the panic-stricken British crushed in their holes cursing the plutocratic Parliament which has led them to such a plight; if after all this his whole air onslaught were forced after a while tamely to peter out, the Fuehrer’s reputation for veracity of statement might be seriously impugned. We may be sure, therefore, that he will continue as long as he has the strength to do so, and as long as any preoccupations he may have in respect of the Russian Air Force allow him to do so.

On the other hand, the conditions and course of the fighting have so far been favourable to us. I told the House two months ago that whereas in France our fighter aircraft were wont to inflict a loss of two or three to one upon the Germans, and in the fighting at Dunkirk, which was a kind of no-man’s-land, a loss of about three or four to one, we expected that in an attack on this Island we should achieve a larger ratio. This has certainly come true. It must also be remembered that all the enemy machines and pilots which are shot down over our Island, or over the seas which surround it, are either destroyed or captured; whereas a considerable proportion of our machines, and also of our pilots, are saved, and soon again in many cases come into action.

‘Quantity and quality’

A vast and admirable system of salvage, directed by the Ministry of Aircraft Production, ensures the speediest return to the fighting line of damaged machines, and the most provident and speedy use of all the spare parts and material. At the same time the splendid, nay, astounding increase in the output and repair of British aircraft and engines which Lord Beaverbrook has achieved by a genius of organisation and drive, which looks like magic, has given us overflowing reserves of every type of aircraft, and an ever-mounting stream of production both in quantity and quality.

The enemy is, of course, far more numerous than we are. But our new production already, as I am advised, largely exceeds his, and the American production is only just beginning to flow in. It is a fact, as I see from my daily returns, that our bomber and fighter strength now, after all this fighting, are larger than they have ever been. We believe that we shall be able to continue the air struggle indefinitely and as long as the enemy pleases, and the longer it continues the more rapid will be our approach, first towards that parity, and then into that superiority in the air, upon which in a large measure the decision of the war depends.

The gratitude of every home in our Island, in our Empire, and indeed throughout the world, except in the abodes of the guilty, goes out to the British airmen who, undaunted by odds, unwearied in their constant challenge and mortal danger, are turning the tide of the world war by their prowess and by their devotion. Never in the field of human conflict was so much owed by so many to so few.

Never in the field of human conflict was so much owed by so many to so few

All hearts go out to the fighter pilots, whose brilliant actions we see with our own eyes day after day; but we must never forget that all the time, night after night, month after month, our bomber squadrons travel far into Germany, find their targets in the darkness by the highest navigational skill, aim their attacks, often under the heaviest fire, often with serious loss, with deliberate careful discrimination, and inflict shattering blows upon the whole of the technical and war-making structure of the Nazi power. On no part of the Royal Air Force does the weight of the war fall more heavily than on the daylight bombers who will play an invaluable part in the case of invasion and whose unflinching zeal it has been necessary in the meanwhile on numerous occasions to restrain.

We are able to verify the results of bombing military targets in Germany, not only by reports which reach us through many sources, but also, of course, by photography. I have no hesitation in saying that this process of bombing the military industries and communications of Germany and the air bases and storage depots from which we are attacked, which process will continue upon an ever-increasing scale until the end of the war, and may in another year attain dimensions hitherto undreamed of, affords one at least of the most certain, if not the shortest of all the roads to victory. Even if the Nazi legions stood triumphant on the Black Sea, or indeed upon the Caspian, even if Hitler was at the gates of India, it would profit him nothing if at the same time the entire economic and scientific apparatus of German war power lay shattered and pulverised at home.

The fact that the invasion of this Island upon a large scale has become a far more difficult operation with every week that has passed since we saved our Army at Dunkirk, and our very great preponderance of sea-power enable us to turn our eyes and to turn our strength increasingly towards the Mediterranean and against that other enemy who, without the slightest provocation, coldly and deliberately, for greed and gain, stabbed France in the back in the moment of her agony, and is now marching against us in Africa.

The defection of France has, of course, been deeply damaging to our position in what is called, somewhat oddly, the Middle East. In the defence of Somaliland, for instance, we had counted upon strong French forces attacking the Italians from Jibuti. We had counted also upon the use of the French naval and air bases in the Mediterranean, and particularly upon the North African shore. We had counted upon the French Fleet. Even though metropolitan France was temporarily overrun, there was no reason why the French Navy, substantial parts of the French Army, the French Air Force and the French Empire overseas should not have continued the struggle at our side.

‘Overwhelming sea-power’

Shielded by overwhelming sea-power, possessed of invaluable strategic bases and of ample funds, France might have remained one of the great combatants in the struggle. By so doing, France would have preserved the continuity of her life, and the French Empire might have advanced with the British Empire to the rescue of the independence and integrity of the French Motherland.

In our own case, if we had been put in the terrible position of France, a contingency now happily impossible, although, of course, it would have been the duty of all war leaders to fight on here to the end, it would also have been their duty, as I indicated in my speech of 4th June, to provide as far as possible for the Naval security of Canada and our Dominions and to make sure they had the means to carry the struggle from beyond the oceans. Most of the other countries that have been overrun by Germany for the time being have preserved valiantly and faithfully. The Czechs, the Poles, the Norwegians, the Dutch, the Belgians are still in the field, sword in hand, recognised by Great Britain and the United States as the sole representative authorities and lawful Governments of their respective States.

circa 1940: A Battle of Britain type ‘scramble’. An improved Spitfire is pushed onto the runway by a group of pilots from the squadron. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)

circa 1940: A Battle of Britain type ‘scramble’. An improved Spitfire is pushed onto the runway by a group of pilots from the squadron. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)

A Spitfire is pushed onto the runway by a group of pilots (Photo: Getty)
That France alone should lie prostrate at this moment, is the crime, not of a great and noble nation, but of what are called “the men of Vichy.” We have profound sympathy with the French people. Our old comradeship with France is not dead. In General de Gaulle and his gallant band, that comradeship takes an effective form. These free Frenchmen have been condemned to death by Vichy, but the day will come, as surely as the sun will rise to-morrow, when their names will be held in honour, and their names will be graven in stone in the streets and villages of a France restored in a liberated Europe to its full freedom and its ancient fame.

But this conviction which I feel of the future cannot affect the immediate problems which confront us in the Mediterranean and in Africa. It had been decided some time before the beginning of the war not to defend the Protectorate of Somaliland. That policy was changed when the French gave in, and when our small forces there, a few battalions, a few guns, were attacked by all the Italian troops, nearly two divisions, which had formerly faced the French at Jibuti, it was right to withdraw our detachments, virtually intact, for action elsewhere. Far larger operations no doubt impend in the Middle East theatre, and I shall certainly not attempt to discuss or prophesy about their probable course. We have large armies and many means of reinforcing them. We have the complete sea command of the Eastern Mediterranean. We intend to do our best to give a good account of ourselves, and to discharge faithfully and resolutely all our obligations and duties in that quarter of the world. More than that I do not think the House would wish me to say at the present time.

A good many people have written to me to ask me to make on this occasion a fuller statement of our war aims, and of the kind of peace we wish to make after the war, than is contained in the very considerable declaration which was made early in the Autumn. Since then we have made common cause with Norway, Holland, and Belgium. We have recognised the Czech Government of Dr. Benes, and we have told General de Gaulle that our success will carry with it the restoration of France.

‘The ground is not new’

I do not think it would be wise at this moment, while the battle rages and the war is still perhaps only in its earlier stage, to embark upon elaborate speculations about the future shape which should be given to Europe or the new securities which must be arranged to spare mankind the miseries of a third World War. The ground is not new, it has been frequently traversed and explored, and many ideas are held about it in common by all good men, and all free men. But before we can undertake the task of rebuilding we have not only to be convinced ourselves, but we have to convince all other countries that the Nazi tyranny is going to be finally broken.

The right to guide the course of world history is the noblest prize of victory. We are still toiling up the hill; we have not yet reached the crest-line of it; we cannot survey the landscape or even imagine what its condition will be when that longed-for morning comes. The task which lies before us immediately is at once more practical, more simple and more stern. I hope – indeed I pray – that we shall not be found unworthy of our victory if after toil and tribulation it is granted to us. For the rest, we have to gain the victory. That is our task.

There is, however, one direction in which we can see a little more clearly ahead. We have to think not only for ourselves but for the lasting security of the cause and principles for which we are fighting and of the long future of the British Commonwealth of Nations.

Some months ago we came to the conclusion that the interests of the United States and of the British Empire both required that the United States should have facilities for the naval and air defence of the Western hemisphere against the attack of a Nazi power which might have acquired temporary but lengthy control of a large part of Western Europe and its formidable resources.

We had therefore decided spontaneously, and without being asked or offered any inducement, to inform the Government of the United States that we would be glad to place such defence facilities at their disposal by leasing suitable sites in our Transatlantic possessions for their greater security against the unmeasured dangers of the future.

The principle of association of interests for common purposes between Great Britain and the United States had developed even before the war. Various agreements had been reached about certain small islands in the Pacific Ocean which had become important as air fuelling points. In all this line of thought we found ourselves in very close harmony with the Government of Canada.

Presently we learned that anxiety was also felt in the United States about the air and naval defence of their Atlantic seaboard, and President Roosevelt has recently made it clear that he would like to discuss with us, and with the Dominion of Canada and with Newfoundland, the development of American naval and air facilities in Newfoundland and in the West Indies. There is, of course, no question of any transference of sovereignty – that has never been suggested – or of any action being taken, without the consent or against the wishes of the various Colonies concerned, but for our part, His Majesty’s Government are entirely willing to accord defence facilities to the United States on a 99 years’ leasehold basis, and we feel sure that our interests no less than theirs, and the interests of the Colonies themselves and of Canada and Newfoundland will be served thereby.

These are important steps. Undoubtedly this process means that these two great organisations of the English-speaking democracies, the British Empire and the United States, will have to be somewhat mixed up together in some of their affairs for mutual and general advantage.

For my own part, looking out upon the future, I do not view the process with any misgivings. I could not stop it if I wished; no one can stop it. Like the Mississippi, it just keeps rolling along. Let it roll. Let it roll on full flood, inexorable, irresistible, benignant, to broader lands and better days.

Dilma,Antônio Hamilton Rossell,Ética,Dilma,PT,General Mourão,Nepotismo,Brasil,Vice Presidente,Governo Bolsonaro,Banco do Brasil

Filho de Mourão foi promovido oito vezes nos governos do PT; ascensão na carreira contradiz vice-presidente

Dilma,Antônio Hamilton Rossell,Ética,Dilma,PT,General Mourão,Nepotismo,Brasil,Vice Presidente,Governo Bolsonaro,Banco do Brasil

Mourão diz que filho foi promovido por mérito, competência e honestidade, e que não havia alcançado cargo de destaque antes por perseguição do PT – :Antônio Cruz/ABrAntônio Cruz/ABr

O novo assessor especial da presidência do Banco do Brasil Antônio Hamilton Rossell Mourão, filho do vice-presidente Hamilton Mourão, foi promovido oito vezes nos governos Lula e Dilma (2003-2016). As constantes ascensões internas de Antônio ao longo de 18 anos de Banco do Brasil contradizem a justificativa do vice-presidente de que ele havia sido preterido nas gestões petistas por ser seu filho e que, só agora, estava sendo valorizado.

De acordo com a jornalista Madeleine Lacsko, do jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, Antônio Mourão ainda teve a oportunidade de se candidatar a uma promoção no governo de Michel Temer, mas não o fez porque preferiu ficar no cargo de assessor empresarial na área de agronegócios do banco.

Concursado, Antônio Mourão está no Banco do Brasil desde 2001
Dilma,Antônio Hamilton Rossell,Ética,Dilma,PT,General Mourão,Nepotismo,Brasil,Vice Presidente,Governo Bolsonaro,Banco do BrasilA promoção do filho do vice-presidente ao cargo de assessor especial da presidência do Banco do Brasil causou polêmica e obrigou Mourão e o novo comandante do BB, Rubem Novaes, a se explicarem publicamente. Ambos alegam que Antônio foi escolhido pela competência e que ele já devia ocupar um cargo de destaque na instituição há mais tempo.

Como mostra a Gazeta do Povo, Antônio Mourão pulou três degraus com a nomeação. No novo cargo, o filho do vice-presidente receberá cerca de R$ 36 mil, quase três vezes mais do que ganhava na área de agronegócios do banco.

Veja a lista de promoções de Antônio Mourão no Banco do Brasil:

1 – 21 de janeiro de 2003: passa de gerente de Expediente em Campo Novo (RS) para gerente de Contas II em Brasília, na Asa Sul;
2 – 5 de março de 2003: operador financeiro Jr., já fora de agência e na estrutura do banco;
3 – 9 de agosto de 2004: analista pleno na Diretoria de Agronegócio;
4 – 14 de maio de 2007: gerente negocial na Superintendência de Varejo do BB em Mato Grosso do Sul;
5 – 18 de junho de 2007: analista na mesma Superintendência em Mato Grosso do Sul;
6 – 21 de julho de 2008: de volta a Brasília, assume como analista sênior;
7 – 10 de dezembro de 2012: vira analista sênior na Gerência de Negócios;
8 – 28 de maio de 2013: promovido a analista empresarial na Gerência de Negócios

Honestidade e competência

Tela mostra promoções obtidas pelo filho do vice-presidente no Banco do BrasilDilma,Antônio Hamilton Rossell,Ética,Dilma,PT,General Mourão,Nepotismo,Brasil,Vice Presidente,Governo Bolsonaro,Banco do Brasil
Na última terça-feira (8), Hamilton Mourão foi ao Twitter defender a promoção do filho, o que, segundo ele, ocorreu por mérito. “Meu filho, Antônio, ingressou por concurso no BB há 19 anos. Com excelentes serviços, conduta irrepreensível e por absoluta confiança pessoal do presidente do Banco do Brasil, foi escolhido por ele para a sua assessoria. Em governos anteriores, honestidade e competência não eram valorizados.”

O novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, endossou os elogios feitos pelo vice ao seu assessor e disse não entender por que Antônio Mourão não ocupava cargo de mais destaque no BB. “Mourão [o filho] é de minha absoluta confiança. Foi escolhido para minha assessoria e nela continuará, em função de sua competência. O que é de se estranhar é que não tenha, no passado, alcançado postos mais destacados no banco”, afirmou.

Segundo Novaes, o filho do presidente possui “excelente formação e capacidade técnica” e será mantido no cargo. Em nota, o banco informou que o cargo é de “livre provimento da Presidência do BB e a nomeação atende aos critérios previstos em normas internas e no estatuto do Banco”.
Fonte: Congresso em foco

Sêneca

A Moralidade Pública Degradada

As crianças ficam todas contentes quando encontram na praia alguns calhaus coloridos; nós preferimos enormes colunas variegadas, importadas das areias do Egito ou dos desertos do Norte de África para a construção de algum pórtico ou de um salão de banquetes com capacidade para uma multidão.
 
Olhamos com admiração paredes recobertas de placas de mármore, embora cientes do material que lá está por baixo. Iludimos os nossos próprios olhos: quando recobrimos os tectos a ouro o que fazemos senão deleitar-nos com uma mentira ? Sabemos bem que por baixo desse ouro se oculta reles madeira! Mas não são só as paredes ou os tectos que se recobrem de uma ligeira camada: também a felicidade destes aparentes grandes da nossa sociedade é uma felicidade «dourada»!
 
Observa atentamente, e verás a corrupção que se esconde sob essa leve capa de dignidade. Desde que o dinheiro (que tanto atrai a atenção de inúmeros magistrados e juízes e tantos mesmo promove a magistrados e juízes!…), desde que o dinheiro, digo, começou a merecer honras, a honra autêntica começou a perder terreno; alternadamente vendedores ou objecto postos à venda, habitua-mo-nos a perguntar pela quantidade, e não pela qualidade das coisas. Somos boas pessoas por interesse, somos bandidos por interesse, praticamos a moralidade enquanto dela esperamos tirar lucro, sempre prontos a inverter a marcha se pensamos que o crime pode ser mais rendível.
 

Os nossos pais habituaram-nos a dar valor ao ouro e à prata, e a cupidez que assim nos foi instilada ganhou raízes e foi crescendo connosco. Toda a gente, ao fim e ao cabo tão díspar em tudo o mais, está de pleno acordo quanto ao «vil metal»: só a ele aspira, só a ele deseja para os seus, e é ele a coisa mais preciosa que encontra para oferecer aos deuses em ação de graças! A moralidade pública degradou-se a tal ponto que a pobreza é objeto de maldição e causa de opróbrio, desprezada pelos ricos e odiosa aos pobres. 

Sêneca, in ‘Cartas a Lucílio’ 

Ética, – Robôs – Tecnologia

O Google está em um dilema porque o carro autômato do Google, é quase impossível de se acidentar, porque o computador calcula todos as possibilidades.Comportamento,Blog do Mesquita,Ética,Robôs,Tecnologia

Contudo, e sempre há um porém, se for inevitável um acidente que possa resultar na morte de alguém, quem o computador escolherá? Um carro com um casal idoso ou um carro com uma família, por exemplo. Eis a tecnologia ante um problema ético para o qual não sei se a Inteligência Artificial poderá resolver, uma vez que, apesar das três regras de Asimov¹ para os robôs, o emocional, no mundo real seria capaz de também decidir.

¹Três Leis da Robótica:
1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal.
2ª Lei: Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei.
3ª Lei: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira ou Segunda Leis.

O discurso do ódio que está envenenando o Brasil

O discurso do ódio que está envenenando o Brasil

Um jovem protesta contra a feminista Judith Butler, o dia 8 de novembro passado em São Paulo.

A caça às bruxas de grupos radicais contra artistas, professores, feministas e jornalistas se estende pelo país. Mas as pesquisas dizem que os brasileiros não são mais conservadores

Artistas e feministas fomentam a pedofilia. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o bilionário norte-americano George Soros patrocinam o comunismo. As escolas públicas, a universidade e a maioria dos meios de comunicação estão dominados por uma “patrulha ideológica” de inspiração bolivariana. Até o nazismo foi invenção da esquerda. Bem-vindos ao Brasil, segunda década do século XXI, um país onde um candidato a presidente que faz com que Donald Trump até pareça moderado tem 20% das intenções de voto.

 

No Brasil de hoje mensagens assim martelam diariamente as redes sociais e mobilizam exaltados como os que tentaram agredir em São Paulo a filósofa feminista Judith Butler, ao grito de “queimem a bruxa”. Neste país sacudido pela corrupção e a crise política, que começa a sair da depressão econômica, é perfeitamente possível que a polícia se apresente em um museu para apreender uma obra. Ou que o curador de uma exposição espere a chegada da PF para conduzi-lo a depor forçado ante uma comissão parlamentar que investiga os maus-tratos à infância.

“Isto era impensável até três anos atrás. Nem na ditadura aconteceu isto.” Depois de uma vida dedicada a organizar exposições artísticas, Gaudêncio Fidelis, de 53 anos, se viu estigmatizado quase como um delinquente. Seu crime foi organizar em Porto Alegre a exposição QueerMuseu, na qual artistas conhecidos apresentaram obras que convidavam à reflexão sobre o sexo. Nas redes sociais se organizou tal alvoroço durante dias, com o argumento de que era uma apologia à pedofilia e à zoofilia, que o patrocinador, o Banco Santander, ante a ameaça de um boicote de clientes, decidiu fechá-la. “Não conheço outro caso no mundo de uma exposição destas dimensões que tenha sido encerrada”, diz Fidelis.

O calvário do curador da QueerMuseu não terminou com a suspensão da mostra. O senador Magno Malta (PR-ES), pastor evangélico conhecido por suas reações espalhafatosas e posições extremistas, decidiu convocá-lo para depor na CPI que investiga os abusos contra criança. Gaudêncio se recusou em um primeiro momento e entrou com um pedido de habeas corpus no STF que foi parcialmente deferido. Magno Malta emitiu então à Polícia Federal um mandado de condução coercitiva do curador. Gaudêncio se mostrou disposto a comparecer, embora entendesse que, mais que como testemunha, pretendiam levá-lo ao Senado como investigado. Ao mesmo tempo, entrou com um novo pedido de habeas corpus no Supremo para frear o mandado de conduçãocoercitiva. A solicitação foi indeferida na sexta-feira passada pelo ministro Alexandre de Moraes. Portanto, a qualquer momento Gaudêncio espera a chegada da PF para levá-lo à força para Brasília.

“O senador Magno Malta recorre a expedientes típicos de terrorismo de Estado como meio de continuar criminalizando a produção artística e os artistas”, denuncia o curador. Ele também tem palavras muito duras para Alexandre de Moraes, até há alguns meses ministro da Justiça do Governo Michel Temer, por lhe negar o último pedido de habeas corpus: “A decisão do ministro consolida mais um ato autoritário de um estado de exceção que estamos vivendo e deve ser vista como um sinal de extrema gravidade”. Fidelis lembra que o próprio Ministério Público de Porto Alegre certificou que a exposição não continha nenhum elemento que incitasse à pedofilia e que até recomendou sua reabertura.

Entre as pessoas chamadas à CPI do Senado também estão o diretor do Museu de Arte Moderna de São Paulo e o artista que protagonizou ali uma performance em que aparecia nu. Foi dias depois do fechamento do QueerMuseu e os grupos ultraconservadores voltaram a organizar um escândalo nas redes, difundindo as imagens de uma menina, que estava entre o público com sua mãe e que tocou no pé do artista. “Pedofilia”, bramaram de novo. O Ministério Público de São Paulo abriu um inquérito e o próprio prefeito da cidade, João Doria (PSDB), se uniu às vozes escandalizadas.

Se não há nenhum fato da atualidade que justifique esse tipo de campanha, os guardiões da moral remontam a muitos anos atrás. Assim aconteceu com Caetano Veloso, de quem se desenterrou um velho episódio para recordar que havia começado um relacionamento com a que depois foi sua esposa, Paula Lavigne, quando ela ainda era menor de idade. “#CaetanoPedofilo” se tornou trending topic. Mas neste caso a Justiça amparou o músico baiano e ordenou que parassem com os ataques.

A atividade de grupos radicais evangélicos e de sua poderosa bancada parlamentar (198 deputados e 4 senadores, segundo o registro do próprio Congresso) para desencadear esse tipo de campanha já vem de muito tempo. São provavelmente os mesmos que fizeram pichações recentes no Rio de Janeiro com o slogan “Bíblia sim, Constituição, não”. Mas o verdadeiramente novo é o aparecimento de um “conservadorismo laico”, como o define Pablo Ortellado, filósofo e professor de Gestão de Políticas Públicas da USP. Porque os principais instigadores da campanha contra o Queermuseu não tinham nada a ver com a religião. O protagonismo, como em muitos outros casos, foi assumido por aquele grupo na faixa dos 20 anos que há um ano, durante as maciças mobilizações para pedir a destituição da presidenta Dilma Rousseff, conseguiu deslumbrar boa parte do país.

Com sua desenvoltura juvenil e seu ar pop, os rapazes do Movimento Brasil Livre(MBL) pareciam representar a cara de um país novo que rejeitava a corrupção e defendia o liberalismo econômico. Da noite para o dia se transformaram em figuras nacionais. Em pouco mais de um ano seu rosto mudou por completo. O que se apresentava como um movimento de regeneração democrática é agora um potente maquinário que explora sua habilidade nas redes para difundir campanhas contra artistas, hostilizar jornalistas e professores apontados como de extrema esquerda ou defender a venda de armas. No intervalo de poucos dias o MBL busca um alvo novo e o repisa sem parar. O mais recente é o jornalista Guga Chacra, da TV Globo, agora também  classificada de “extrema esquerda”. O repórter é vítima de uma campanha por se atrever a desqualificar -em termos muito parecidos aos empregados pela maioria dos meios de comunicação de todo o mundo-, 20.000 ultradireitistas poloneses que há alguns dias se manifestaram na capital do pais exigindo uma “Europa branca e católica”.

Além de sua milícia de internautas, o MBL conta com alguns apoios de renome. Na política, os prefeitos de São Paulo, João Doria, e de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr., assim como o até há pouco ministro das Cidades, Bruno Araújo, os três do PSDB. No âmbito intelectual, filósofos que se consideram liberais, como Luiz Felipe Pondé. Entre os empresários, o dono da Riachuelo, Flávio Rocha, que se somou aos ataques contra os artistas com um artigo na Folha de S. Paulo no qual afirmava que esse tipo de exposição faz parte de um “plano urdido nas esferas mais sofisticadas do esquerdismo”. O objetivo seria conquistar a “hegemonia cultural como meio de chegar ao comunismo”, uma estratégia diante da qual “Lenin e companhia parecem um tanto ingênuos”, segundo escreveu Rocha em um artigo intitulado O comunista está nu.

“Não é algo específico do Brasil”, observa o professor Pablo Ortellado. “Este tipo de guerras culturais está ocorrendo em todo o mundo, sobretudo nos EUA, embora aqui tenha cores próprias”. Um desses elementos peculiares é que parte desses grupos, como o MBL, se alimentou das mobilizações pelo impeachment e agora “aproveita os canais de comunicação então criados, sobretudo no Facebook”, explica Ortellado. “A mobilização pelo impeachment foi transversal à sociedade brasileira, só a esquerda ficou à margem. Mas agora, surfando nessa onda, criou-se um novo movimento conservador com um discurso antiestablishment e muito oportunista, porque nem eles mesmos acreditam em muitas das coisas que dizem”. A pauta inicial, a luta contra a corrupção, foi abandonada “tendo em vista de que o atual governo é tão ou mais corrupto que o anterior”. Então se buscaram temas novos, desde a condenação do Estatuto do Desarmamento às campanhas morais, que estavam completamente ausentes no início de grupos como o MBL e que estão criando um clima envenenado no país. “É extremamente preocupante. Tenho 43 anos e nunca tinha vivido uma coisa assim”, confessa Ortellado. “Nem sequer no final da ditadura se produziu algo parecido. Naquele momento, o povo brasileiro estava unido.”

O estranho é que a intensidade desses escândalos está oferecendo uma imagem enganosa do que na realidade pensa o conjunto dos brasileiros. Porque, apesar desse ruído ensurdecedor, as pesquisas desmentem a impressão de que o país tenha sucumbido a uma onda de ultraconservadorismo. Um estudo do instituto Ideia Big Data, encomendado pelo Movimento Agora! e publicado pelo jornal Valor Econômico, revela que a maioria dos brasileiros, em cifras acima dos 60%, defendem os direitos humanos, inclusive para bandidos, o casamento gay com opção de adotar crianças e o aborto. “Em questões comportamentais, nada indica que os brasileiros tenham se tornado mais conservadores”, reafirma Mauro Paulino, diretor do Datafolha. Os dados de seu instituto também são claros: os brasileiros que apoiam os direitos dos gays cresceram nos últimos quatro anos de 67% para 74%. Paulino explica que “sempre houve um setor da classe média em posições conservadoras” e que agora “se tornou mais barulhento”.

As investigações do Datafolha só detectaram um deslocamento para posições mais conservadoras em um aspecto: segurança. “Aí sim há uma tendência que se alimenta do medo crescente que se instalou em parte da sociedade”, afirma Paulino. Aos quase 60.000 assassinatos ao ano se somam 60% de pessoas que confessam viver em um território sob controle de alguma facção criminosa. Em quatro anos, os que defendem o direito à posse de armas cresceu de forma notória, de 30% a 43%. É esse medo o que impulsiona o sucesso de um candidato extremista como Jair Bolsonaro, que promete pulso firme sem contemplações contra a delinquência.

Causou muito impacto a revelação de que 60% dos potenciais eleitores de Bolsonaro têm menos de 34 anos, segundo os estudos do instituto de opinião. Apesar de que esse dado também deve ser ponderado: nessa mesma faixa etária, Lula continua sendo o preferido, inclusive com uma porcentagem maior (39%) do que a média da população (35%). “Os jovens de classe média apoiam Bolsonaro, e os pobres, Lula”, conclui Paulino. Diante da imagem de um país muito ideologizado, a maioria dos eleitores se move na verdade “pelo pragmatismo, seja apoiando os que lhe prometem segurança ou em alguém no que acreditam que lhes vai garantir que não perderão direitos sociais”.

Apesar de tudo, a ofensiva ultraconservadora está conseguindo mudar o clima do país e alguns setores se dizem intimidados. “O profundo avanço do fundamentalismo está criando um Brasil completamente diferente”, afirma Gaudêncio Fidelis. “Muita gente está assustada e impressionada.” Um clima muito carregado no qual, em um ano, os brasileiros deverão escolher novo presidente. O professor Ortellado teme que tudo piore “com uma campanha violenta em um país superpolarizado”.

     

 

Fatos & Fotos – 11/10/2017

“Todas as formas de exploração são idênticas, porque elas se aplicam, todas iguais, ao mesmo objeto: o homem.”
Jurgen Habermas

*****

Aquela senhora que se diz capaz de manter todos os brasileiros com0 zumbis insones, suspendeu o trololó¹ do julgamento do Aécio – considero-o, Aécio Loures Neves, um corrupto e elemento nocivo ao país, mas sua “prisão e afastamento do mandado de senador são uma aberração jurídica.
Caso eu não pugne pela legalidade, a próxima vítima de arbitrar poderá ser esse escriba aqui. – por duas horas, para intervalo de almoço das excelências. Madame faz parte da corte que reduziu o horário de almoço do trabalhador para 30 minutos. Faça o que eu digo…
Madame e os demais togados, caso conhecessem o mínimo sobre hierarquia das leis, não precisariam não mais que dez minutos para anular a estupidez cometida pela 1ª turma da inusitada pena de recolhimento noturno.
¹ O mais relés aluno de Direito Constitucional sabe que nenhuma lei Infraconstitucional pode se sobrepor à Constitucional Federal.
Assim, o rapaz de Ipanema pode continuar livre, leve e solto para cometer as corrupções contumazes.

*****

*****

Você aí cidadão indignado com a corrupção, pagador rigoroso dos impostos devidos, incapaz de parar na paralela para desembarcar o filho na escola, parabéns! Contudo, cidadão, cuide-se. Basta uma denúncia anônima, um vizinho invejoso ou um cunhado capeta – anônima? Bom né? – para que uma juíza de 1 instância conceda à Polícia Federal um mandado de busca e apreensão, pois a denúncia consta que há consumo de drogas na sua impoluta residência.
Lembram a história do lobo e do cordeiro né?

*****

Uáu! Que “ômi”! Sociologia? Salve! Salve!

Uma redenção? Haaaaaaaaaha! Um pequeno e insignificante detalhe.
Na Universidade Anhembi Morumbi não há curso de sociologia.
Cérebro pornô é uma pornografia. E aí, ficam os moralistas(sic) bolsominions indignados com homem nu em museu.
No velho e contundente “cearencês”; Vão se lascar seus “felas da gaita”

*****

Afeganistão – A marcha da insensatezAfeganistão,Blog do Mesquita,A vida como não deveria ser, Guerras,Crianças,Fotografias

*****

Boni9fáfio de Andrada,Corrupção,,Brasil,PSDBMeu pai me ensinou que, “sempre que você tiver dúvidas do caráter de uma pessoa, conjecture se você compraria uma carro usado dessa pessoa”.
O velho general sabia das coisas.
Então; conjecture…
Depufede bonifaciozinho de andradinha do PSDB. A dinastia está no congressozinho federal há 196 anos.
E isso aí na foto, já prepara dois sucessores; um filho e um neto para entrarem na mamata. O irmão dessa coisa foi ministro do STF – a porcalhada vem de longe – e o pai desse foi depufede lambe-botas de milicos na ditadura de 64.
Ps. Como dizia “Seo Manel”, antológico porteiro do Maguary Esporte Clube; “vocês não lêrem”…

*****

Fotografia – Autor Mantero

OK! Messi está anos luz acima dos demais caneleiros – exceto o português. Mas, somente os que entendem do nobre esporte bretão, e não entendem como o “business” – uma lidinha em Weber à essas alturas, pode esclarecer os capazes de um razoável conhecimento teratológico do deus mercado – poderia acreditar que a Argentina ficaria fora de uma Copa do Mundo.

*****

O país onde até os líderes da Igreja são escolhidos por voto direto

Sínodo Geral
Na Suécia, mais de 900 mil pessoas votaram para escolher a cúpula da Igreja (Foto: Magnus Aronson/Svenska kyrkan)

Na Suécia, a cúpula da Igreja também tem seu dia de eleições gerais. No domingo, 900 mil suecos foram às urnas para escolher os representantes da maior organização religiosa do país, a Igreja da Suécia, instituição protestante de confissão luterana. Foi o maior comparecimento na história das eleições da instituição desde 1950.

O sistema eleitoral dessa instituição cristã é único no mundo. A cada quatro anos, os cidadãos filiados à igreja elegem uma espécie de Parlamento da Igreja Sueca (Svenska kyrkan), a que é a maior organização religiosa do país.

Esse Parlamento é composto tanto por representantes do clero como por leigos e tem o poder de decidir não só questões mundanas, como a reforma das paróquias e o valor de doações a países pobres, mas também assuntos de ordem teológica – a exemplo do casamento entre pessoas do mesmo sexo, aprovado pela Igreja Sueca em 2009.

“A Constituição sueca é clara: a Igreja deve ser democrática e aberta”, diz à BBC Brasil a pastora sueca Jenny Sjögren, chefe do Departamento de Teologia e Ecumenismo da Igreja da Suécia.

As eleições, contudo, estão atreladas à política tradicional. Representantes de três dos oito partidos políticos tradicionais do país disputaram o pleito, ao lado de grupos independentes. Os resultados preliminares indicam que o Partido Social-Democrata, nacionalista e anti-imigração, conquistou a maior parcela dos votos e aumentou sua participação na Igreja.

“Pode-se dizer que a Igreja da Suécia tem um sistema eleitoral único no mundo, no sentido de que todas as instâncias do poder decisório da instituição são eleitas de forma direta. Embora as igrejas protestantes de países como a Noruega realizem algum tipo de eleições, em geral os pleitos ocorrem apenas a nível paroquial. Já na Suécia, desde a virada do milênio o próprio Sínodo Geral, que pode ser definido como o Parlamento da Igreja Sueca, é eleito nas urnas”, acrescentou Sjögren, que se tornou padre há 17 anos: desde 1958, a Igreja da Suécia aceita a ordenação feminina.

Regras

Para participar das eleições – seja como eleitor, ou como candidato -, o cidadão deve ser membro da Igreja da Suécia. A idade mínima para votar é de 16 anos, e a partir de 18 anos é possível se candidatar ao pleito.

No total, 5,2 milhões de suecos têm direito a votar no país de cerca de 10 milhões de habitantes.

A eleição de bispos e arcebispos na Suécia também costuma ser realizada com a participação popular: 50 por cento do eleitorado deve ser composto por leigos.

“Em várias partes do mundo protestante, as eleições de bispos e arcebispos se dão através do voto tanto de clérigos como de leigos. Isto se dá por razões históricas: ao contrário do que ocorre no catolicismo, a participação de leigos nos processos decisórios representa um papel importante nas igrejas luteranas, e nas congregações protestantes em geral”, diz Jenny Sjögren.

Em 2013, a Suécia elegeu pela primeira vez uma mulher como arcebispa – a até então bispa da cidade de Lund, Antje Jackelén.

Campanha Eleitoral

Na mídia sueca, a cobertura da campanha para as eleições gerais da Igreja segue, ainda que em menor dimensão, o figurino dos pleitos políticos. Nesta reta final da corrida eleitoral, candidatos leigos e religiosos duelam na TV e no rádio, jornais debatem as diferentes propostas, e os “partidos” – chamados de “grupos” – apresentam filmes de campanha publicitária. Nas ruas, cartazes e panfletos reforçam o clima de eleição.

“Todo o processo das eleições eclesiásticas é muito semelhante ao processo eleitoral para o Parlamento, assim como as regras democráticas que regem o funcionamento das assembleias eleitas pelos membros da Igreja”, diz à BBC Brasil o membro da Igreja David Axelson Fisk, que participou do comitê organizador das primeiras eleições gerais, na virada do milênio.

“Até o ano 2000, a Igreja da Suécia realizava apenas eleições a nível paroquial, como ocorre em outros países protestantes. Mas quando a separação entre Igreja e Estado entrou em vigor, naquele ano, entendeu-se que a forma mais democrática de gerir a instituição deveria ser através de eleições gerais e diretas para todas as instâncias do poder eclesiástico”, observa Fisk.

Bispos atuais da Suécia
Bispos eleitos na última eleição, em 2013, incluindo uma mulher, podem deixar o posto no próximo domingo (Foto: Magnus Aronson/IKON)

As eleições da Igreja da Suécia são organizadas em três níveis, num único dia de votação: a nível local, os membros de cada uma das 2.225 paróquias do país elegem uma Assembléia da Paróquia (Kyrkofullmäktige). A nível regional, os eleitores das 13 dioceses escolhem a Assembléia da Diocese (Stiftsfullmäktige), com 81 representantes. E a nível nacional, é eleito o Sínodo Geral da Igreja da Suécia (Kyrkomötet) – a mais alta instância da instituição, composta por 251 integrantes.

A arcebispa sueca é a representante da Igreja para eventos ecumênicos e conferências internacionais, mas a autoridade máxima de poder decisório da instituição é o Sínodo Geral. E pelas regras suecas, os bispos não fazem parte do Sínodo, embora devam estar presentes nas sessões do órgão.

“Os 13 bispos do país podem se pronunciar ou apresentar propostas nas sessões do Sínodo, mas não estão autorizados a votar”, esclarece Ewa Almqvist, do departamento de Comunicação da Igreja da Suécia. Por outro lado, segundo Jenny Sjögren, os bispos detêm influência no poderoso Comitê Doutrinário do Sínodo.

Em sua composição atual, 187 dos 251 assentos do Sínodo Geral são ocupados por representantes leigos. Entre os 64 clérigos da assembleia, estão 61 pastora e três diáconos. Os valores suecos da igualdade de gênero também se refletem na formação da assembleia nacional eleita no último pleito: são 124 mulheres e 127 homens, segundo dados fornecidos à BBC Brasil pela Igreja da Suécia.

Os representantes eleitos não ganham salário: recebem apenas compensação pelas horas que deixam de trabalhar em seus empregos regulares, a fim de exercer suas atividades do Sínodo. E em cumprimento às práticas suecas de transparência, as atividades e finanças da Igreja da Suécia também são disponibilizadas para a fiscalização pública.

Críticas

Um dos principais temas do debate da campanha eleitoral deste ano foi o questionamento sobre a participação política nas eleições da Igreja.

Embora as agremiações que concorrem ao voto não tenham a denominação de “partido”, o fato é que três dos oito partidos políticos tradicionais do país disputam o pleito com suas próprias legendas, ao lado de grupos independentes – o Partido Social-Democrata, o Partido do Centro e o Democratas da Suécia, de extrema-direita.

Arcebispa da Suécia, Antje Jackelén
Arcebispa da Suécia, Antje Jackelén, foi a primeira mulher a ocupar o cargo, em 2013 (Foto: Magnus Aronson/Svenska kyrkan)

“Há diferentes pontos de vista, e o tema é complexo”, diz a padre sueca Jenny Sjögren.

“Um eleitor pouco familiarizado com as questões da Igreja, por exemplo, pode sentir-se mais seguro ao votar no candidato de um partido político com o qual ele tem afinidade. Este seria um lado positivo de se ter representantes de partidos políticos tradicionais na disputa. Por outro lado, muitos começam a questionar esse envolvimento político na igreja. Mas cada vez mais, surgem novos grupos independentes que não possuem conexão com partidos. Portanto, este é um processo em evolução”, ela ressalta.

Êxodo

Apesar do caro e complexo aparato democrático para a realização de eleções diretas nos três níveis decisórios da Igreja, o comparecimento às urnas tem sido relativamente baixo. Especialmente nestes novos tempos, em que a Igreja da Suécia enfrenta uma perda considerável de seu rebanho.

Nas últimas eleições gerais da Igreja, em 2013, apenas 700 mil pessoas votaram. O índice de comparecimento às urnas não costuma ultrapassar 15% do eleitorado – em claro contraste com o percentual registrado nas eleições políticas para o Parlamento sueco, que costuma girar em torno de 86%.

O êxodo têm preocupado as autoridades eclesiásticas. Em 2016, mais de 90 mil pessoas deixaram de ser membros da Igreja – praticamente o dobro do índice registrado no ano anterior. Segundo pesquisa conduzida pelo instituto sueco Norstat, o principal argumento dos fiéis que decidiram abandonar a instituição é franco: eles não acreditam em Deus.

A Igreja da Suécia abandonou a Igreja Católica Romana no século 16, quando aderiu à Reforma Protestante.

Na virada do milênio, quando a Suécia se tornou oficialmente um Estado laico, 82% dos suecos eram membros da Igreja da Suécia – mais por tradição, segundo muitos comentam, do que por uma real afirmação de fé. Atualmente, segundo os números oficiais, a instituição possui 6,1 milhões de membros (cerca de 62% da população). Mas cada vez mais, a tradição religiosa perde força neste país de descrentes.

Até meados da década de 90, os filhos de membros da Igreja da Suécia se tornavam automaticamente, ao nascer, também membros da instituição. Na era do Estado laico, a nova geração tende a desfazer esses tênues laços religiosos: hoje, pelos cálculos da agência central de estatísticas da Suécia (Statistiska centralbyrån), somente cinco por cento dos suecos costumam frequentar algum tipo de igreja.

Apenas 29% da população afirma ter alguma crença religiosa. E na hora de casar, um em cada três casais optam por uma cerimônia civil.

*****

Paul Klee – Fish Magic, 1925

Arte, Pinturas,Blog do Mesquita,Paul Klee - Fish Magic, 1925

*****

No exígüo tempo de 35 minutos o nazista candidato a presidente, defende a tortura, o fechamento do congresso e confessa que sonega impostos. O proxoneta da cidadania ainda prega a guerra civil no Brasil.
Aos bolsominions, meus cumprimentos. Vossos descentes vos serão eternamente gratos.

*****

 

 

Trapaça Justificável

Peter Berger,Sociologia,Ética,Ciências,SociologiaÉtica e trapaça. O sociólogo Peter Berger escreveu livrinho delicioso: “Introdução à Sociologia”.


Um dos seus capítulos tem um título estranho: “Como trapacear e se manter ético ao mesmo tempo”. Estranho à primeira vista. Mas logo se percebe que, na política, é de suma importância juntar ética e trapaça.

Para explicar vou contar uma historieta: havia numa cidade dos Estados Unidos uma igreja batista. Os batistas, como se sabe, são um ramo do cristianismo muito rigoroso nos seus princípios éticos. Havia na mesma cidade uma fábrica de cerveja que, para a igreja batista, era a vanguarda de Satanás.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

O pastor não poupava a fábrica de cerveja nas suas pregações. Aconteceu, entretanto, que, por razões pouco esclarecidas, a fábrica de cerveja fez uma doação de 500 mil dólares para a dita igreja. Foi um auê. Os membros mais ortodoxos da igreja foram unânimes em denunciar aquela quantia como dinheiro do Diabo e que não poderia ser aceito.

Mas, passada a exaltação dos primeiros dias, acalmados os ânimos, os mais ponderados começaram a analisar os benefícios que aquele dinheiro poderia trazer: uma pintura nova para a igreja, um órgão de tubos, jardins mais bonitos, um salão social para festas. Reuniu-se então a igreja em assembléia para a decisão democrática.

Depois de muita discussão registrou-se a seguinte decisão no livro de atas:
“A Igreja Batista Betel resolve aceitar a oferta de 500 mil dólares feita pela Cervejaria na firme convicção de que o Diabo ficará furioso quando souber que o seu dinheiro vai ser usado para a glória de Deus.”

Fatos & Fotos – 31/08/2017

“A arte é a magia libertada da mentira de ser verdadeira.” Theodor AdornoJosé mesquita,QDRoxo 01 2017 Casamento 050 x 050 cmPintura de José Mesquita-ST-Acrílica e colagem sobre tela,2017,80x80cm

*****

E agora Romário?

Romário,Blog do Mesquita,Temer

*****

Brasil da série “Só dói quando eu rio”Temer,Blog do Mesquita,Brasil,Humor,Temer,Corrupção,Lava jato

*****

Pra Temer se livrar da justiça, é simples; aumenta impostos e compra deputados ladrões.Temer,Propina,Político,Blog do Mesquita

*****

Trump matando os esquerdinhas liberais, da Nova Ordem Mundial, de raiva.
PIB dos EUA cresce 3% no 2º trimestre, melhor que o esperado.TRUMP,USA,,Blog do Mesquita

*****

 É assim que a mídia manipula corações e mentes.Como canta mano Caetano: “…é preciso estar atento e forte”
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

*****

Brasil da série “Além do fundo poço”
Letreiro com ‘Socorro, assalto’ pode virar obrigatório em ônibus.Ônibus,Assalto,Blog do Mesquita

*****

Brasil da série “Só dói quando eu rio”.
Cartum do Aroeira via Humor PolíticoJustiça,STF,Blog do Mesquita,Humor,Aroeira

*****

O bom de ser empresário no Brasil é que você compra a empresa do governo, mas quem paga também é o governo.
Viva o Empreendedorismo! Vivaaaaaaaaaaaaaa!
Viva o Liberalismo! Vivaaaaaaaaaaaaaa!
Viva Estado Mínimo! Vivaaaaaaaaaaaaaa!
Né não?Privatização,Blog do Mesquita

*****

Brasil da série “Só dói quando eu rio”Brasil da série “Só dói quando eu rio”

*****

Senador Requião, curto e grosso: Empresas estrangeiras que comprarem patrimônio público serão investigadas.Blog do Mesquita,galoamericano
Senador manda carta a embaixadas alertando investidores que comprarem bens do povo através do governo ilegítimo que serão tratados como “receptadores” e que negociação será anulada.
Ilustração: O GALO SAM E SEU TERREIRO. HIS FORESIGHT. J.S.PUGHE, PUCK, 1901

*****

Fundo Partidário, ou qualquer outro similar, não deviriam existir. Por que temos que financiar campanha de alguém que irá roubar o país?Blog do Mesquita,Financiamento,Campanhas Políticas,Brasil*****

Nem toda porta larga é tão larga assim. Para quem não pensar igual ao porteiro, ou criticar seus acólitos, a porta pode ser muito estreita. Ou nem se abrir.Blog do Mesquita,Porta estreita

*****

Os bandidos ricos precisam do GM, o Brasil não!
Embora você seja só mais um nesse jogo, porém, muito importante no jogo contra o país.Os bandidos ricos precisam do GM, o Brasil não! Embora você seja só mais um nesse jogo, porém, muito importante no jogo contra o país.

*****

Orçamento das universidades federais cai R$ 3,4 bilhões.
Abaixo escola de ensino fundamental em Codó,Ma.
Ps. O Maranhão é aquele Estado Brasileiro que é de propriedade do “Escritor” Sarney, que também é membro da Academia Brasileira de Letras.Blog do Mesquita,Escola,Educação,Codó,Maranhão Blog do Mesquita,Escola,Educação,Codó,Maranhão

 

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

A servidão voluntária – Reflexão na tarde – 13/07/2017

Discurso sobre a servidão voluntária – Extrato
Etienne de La Boétie¹

[…] Como pode alguém, por falta de querer, perder um bem que deveria ser resgatado a preço de sangue? Um bem que, uma vez perdido, torna, para as pessoas honradas, a vida aborrecida e a morte salutar?
Veja-se como, ateado por pequena fagulha, acende-se o fogo, que cresce cada vez mais e, quanto mais lenha encontra, tanta mais consome; e como, sem se lhe despejar água, deixando apenas de lhe fornecer lenha a consumir, a si próprio se consome, perde a forma e deixa de ser fogo.
Assim são os tiranos: quanto mais eles roubam, saqueiam, exigem, quanto mais arruínam e destroem, quanto mais se lhes der e mais serviços se lhes prestarem, mais eles se fortalecem e se robustecem até aniquilarem e destruírem tudo. Se nada se lhes der, se não se lhe obedecer, eles, sem ser preciso luta ou combate, acabarão por ficar nus, pobres e sem nada; da mesma forma que a raiz, sem umidade e alimento, se torna ramo seco e morto.
Os audazes, para que obtenham o que procuram, não receiam perigo algum, os avisados não recusam passar por problemas e privações. Os covardes e os preguiçosos não sabem suportar os males nem recuperar o bem. Deixam de desejá-lo e a força para o conseguirem lhes é tirada pela covardia, mas é natural que neles fique o desejo de o alcançarem. Esse desejo, essa vontade, são comuns aos sábios e aos indiscretos, aos corajosos e aos covardes; todos eles, ao atingirem o desejado, ficam felizes e contentes.
Numa só coisa, estranhamente, a natureza se recusa a dar aos homens um desejo forte. Trata-se da liberdade, um bem tão grande e tão aprazível que, perdida ela, não há mal que não sobrevenha e até os próprios bens que lhe sobrevivam perdem todo o seu gosto e sabor, corrompidos pela servidão.
A liberdade é a única coisa que os homens não desejam; e isso por nenhuma outra razão (julgo eu) senão a de que lhes basta desejá-la para a possuírem; como se recusassem conquistá-la por ela ser tão simples de obter.[…]
 
¹ Etienne de La Boétie
* Sarlat, França – 1 de Novembro de 1530
+ Germignan, França 18 de Agosto de 1563

Brasil – As perigosas relações entre juízes e advogados

Os laços da grande família jurídica do Brasil voltam à tona com a Lava JatoEm foto de dezembro de 2009, o ministro Gilmar Mendes recebia os colegas que compunham a Corte do STF e ministros aposentados para almoço de confraternização.

Em foto de dezembro de 2009, o ministro Gilmar Mendes recebia os colegas que compunham a Corte do STF e ministros aposentados para almoço de confraternização. NELSON JR. SCO/STF

‘Habeas corpus’ para libertação de Eike Batista expõe as curtas relações entre juízes e advogados no país.

Uma pendenga entre o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes está na mesa da presidenta da Corte, Carmen Lúcia. No último dia 8, Janot entrou com um pedido para que Mendes seja impedido de julgar o caso no STF envolvendo o empresário Eike Batista no âmbito da Lava Jato.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

O procurador enxergou motivo para afastamento no caso do habeas corpus concedido por Gilmar para libertar o bilionário já que a mulher do juiz, Guiomar Mendes, trabalha no escritório que defende o empresário suspeito de pagar propina ao ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral.

Nesta quinta, Mendes apresentou sua defesa a Carmen Lúcia, devolvendo artilharia a seu ‘acusador’. “A ação do Dr. Janot é um tiro que sai pela culatra. Animado em atacar, não olhou para a própria retaguarda”, escreveu. O ministro se referia ao fato de a filha de Janot advogar para a empreiteira OAS, uma das protagonistas da Lava Jato, comandada no STF pelo pai. “Se o argumento do crédito fosse levado à última instância, talvez a atuação do procurador-geral da República pudesse ser desafiada, visto que sua filha pode ser credora por honorários advocatícios de pessoas jurídicas envolvidas na Lava Jato”, escreveu Mendes.

Se os laços familiares dos dois magistrados parecem comprometê-los, talvez todo o sistema jurídico nacional teria de ser visto com lupa. Na verdade, todas as famílias de juristas brasileiros se parecem e, por vezes, se entrelaçam. Mas cada uma delas enfrenta uma suspeita diferente de conflito de interesse. Neste novelo jurídico, sobra até para os procuradores de Curitiba.

Os irmãos Diogo e Rodrigo Castor de Mattos também atuam em lados opostos da Lava Jato. O primeiro está sob o comando de Deltan Dallagnol, enquanto o segundo se juntou à defesa do marqueteiro João Santana. O Ministério Público Federal em Curitiba diz que o irmão procurador não atua nos casos de Santana e que, além do mais, o escritório do irmão advogado começou a atuar no caso após o fechamento do acordo de delação do marqueteiro.

Os juristas brasileiros parecem de fato tomar cuidado com seus laços de sangue — recentemente o ministro Luiz Fux ficou de fora da disputa entre Sport e Flamengo pelo título do Campeonato Brasileiro de 1987, porque seu filho é advogado do rubro-negro carioca —, mas as precauções não são o bastante para afastar as suspeitas de quem enxerga promiscuidade entre juízes e defensores, ainda mais quando as relações se repetem com tanta frequência.

No STF, sete dos 11 ministros têm parentes como donos, administradores ou funcionários de grandes escritórios de advocacia, aponta levantamento do site Poder360. Um oitavo, novamente o ministro Fux, tinha uma filha advogada que trabalhava em grande escritório até o ano passado, quando ela deixou o posto para virar desembargadora no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro — sob questionamento formal de que não tinha qualificações para tanto e suspeitas de influência de seu pai na nomeação. Assim, esse tipo de suspeita está disseminada por praticamente todos os níveis do Judiciário nacional.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O cientista político Frederico de Almeida, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), diz que essa dinâmica tende a se repetir em todos os países, porque as faculdades de elite, que formam os maiores juristas, ajudam a criar e até reforçam redes que já existem em nível familiar. Mas esse fenômeno é mais intenso no Brasil. “No caso brasileiro, o mais peculiar talvez seja que, por sermos um país muito desigual, com uma elite muito restrita e que se reproduz há muito tempo e com pouca abertura para novos membros, essas redes sejam mais intensas e fechadas aqui, ainda mais nos níveis superiores”, diz Almeida.

Em sua tese de doutorado, intitulada A nobreza togada, Almeida levantou registros que essa prática se repete desde os tempos de monarquia no Brasil, pela simples leitura das biografias dos magistrados. O currículo do ministro do STF Francisco de Paula Ferreira de Resende (1832-1893), por exemplo, destaca, com orgulho, o destino de seus rebentos na mesma seara. “Dois de seus filhos alcançaram altos cargos na administração e magistratura do Brasil: Francisco Barbosa de Resende, advogado e presidente do Conselho Nacional do Trabalho, e Flamínio Barbosa de Resende, desembargador do Tribunal de Apelação do Distrito Federal”.

Nada mais natural em uma área na qual as relações contam pontos no currículo. No século passado, valia também enaltecer a ‘network’ com referências às amizades de longa data, como no caso do ministro do STF João Martins de Carvalho Mourão (1872-1951): “Foi redator, com Edmundo Lins (mais tarde presidente do Supremo Tribunal Federal), Afonso de Carvalho (desembargador aposentado do Tribunal de Apelação de São Paulo, do qual foi presidente), Rodrigo Brêtas (peregrina inteligência, prematuramente falecido), Teodoro Machado (depois conceituado advogado nos auditórios do Distrito Federal) e Francisco Brant (depois diretor da Faculdade de Direito de Belo Horizonte), da Folha Acadêmica, jornal literário que fez na época da faculdade”.

Fabiano Engelmann, professor de Ciência Política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), diz que o parentesco sempre foi um fator facilitador. “A ocupação de um cargo de assessor de desembargador, geralmente de algum parente, sempre foi uma espécie de antessala para muitos oriundos de famílias jurídicas que, posteriormente, seriam aprovados em concursos para a magistratura”, diz ele. “Quando não há possibilidade legal do nepotismo diretamente, ele ocorre de forma cruzada. Ou seja, um integrante da Justiça federal contrata o parente de um colega da Justiça estadual, e assim sucessivamente”, diz. Engelmann lembra que há dezenas de outras formas em que as relações de parentesco atuam no meio judicial, como na ascensão mais rápida nas carreiras públicas de membros que são de ‘famílias jurídicas’. “Obtém, assim, mais facilidade para ocupar cargos de direção ou ser convocados para funções mais prestigiadas em tribunais superiores”, completa.

Se as relações servem como referência e endosso — o que, é preciso ponderar, ocorre em quase todas as profissões —, como assegurar que os laços entre acusadores, defensores e juízes não interfiram em seus trabalhos? O problema pode ser atacado por pelo menos dois lados, dizem os especialistas. Já existem regras que impedem um mesmo escritório de advocacia de assessorar duas partes de um mesmo conflito.

Nos Estados Unidos, contudo, a rigidez das bancas jurídicas é bem maior do que no Brasil. Os norte-americanos criaram mecanismos internos de confidencialidade e de responsabilização civil para evitar suspeitas. A ideia é permitir que dentro de um grande escritório — composto às vezes por 300 advogados — os juristas possam trabalhar em casos sem que um de seus colegas, parente de um juiz ou procurador, por exemplo, sirva de motivo de questionamento para um processo em que nem sequer atua, como tem ocorrido no Brasil.

Outro caminho é aumentar a fiscalização. “O problema principal parece ser a inexistência de órgãos de controle efetivos, como existem para o Executivo”, diz Fabiano Engelmann. Segundo ele, tanto o Conselho Nacional de Justiça (CNJ)quanto o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), além das corregedorias dos tribunais estaduais, têm uma atuação muito tímida. “Seja por não disporem de recursos suficientes de investigação, seja por arbitrarem punições muito brandas. Parecem órgãos meramente formais, hoje capturados pelo corporativismo dessas instituições e suas associações.”

Para Engelmann, há carência também de transparência sobre os casos investigados e as punições impostas. Faltam, enfim, dados organizados e aprofundados que possam ser acessados pelo cidadão brasileiro. “Isso tudo pode contribuir para atenuar a ação do tráfico de influências familial e garantir a independência do Judiciário”, sugere. Sem isso, o orgulho do pai juiz que vê sua filha virar desembargadora ou sócia de um grande escritório de advocacia pode acabar corroído por suspeitas de que, ainda que não tenha ocorrido conflito de interesse, eles dificilmente conseguirão se defende.
Por Rodolfo Borges/ElPais