É provável que quinhentas espécies sejam extintas nas próximas duas décadas

Extinções em massa estão se acelerando, relatam cientistas, É provável que quinhentas espécies sejam extintas nas próximas duas décadas, de acordo com um novo estudo.

Um agricultor percorreu uma área queimada da floresta amazônica perto de Porto Velho, Brasil, no ano passado.
Crédito … Carl De Souza / Agence France-Presse – Getty Images

Estamos no meio de uma extinção em massa, muitos cientistas alertaram – este não conduzido por um evento natural catastrófico, mas por seres humanos. A perda não natural de biodiversidade está se acelerando e, se continuar, o planeta perderá vastos ecossistemas e as necessidades que eles fornecem, incluindo água doce, polinização e controle de pragas e doenças.

Na segunda-feira, houve mais más notícias: estamos correndo mais rápido e mais perto do ponto de colapso do que os cientistas pensavam anteriormente, de acordo com pesquisa publicada no Proceedings da Academia Nacional de Ciências. A taxa de extinção entre as espécies de vertebrados terrestres é significativamente maior do que as estimativas anteriores, e a janela crítica para evitar perdas de massa fechará muito mais cedo do que se pensava anteriormente – em 10 a 15 anos.

“Estamos destruindo as capacidades do planeta para manter a vida humana e a vida em geral”, disse Gerardo Ceballos, ecologista da Universidade Nacional Autônoma do México e principal autor do novo estudo.

A taxa atual de extinções excede amplamente as que ocorreriam naturalmente, descobriram o Dr. Ceballos e seus colegas. Os cientistas sabem de 543 espécies perdidas nos últimos 100 anos, uma contagem que normalmente levaria 10.000 anos para se acumular

“Em outras palavras, todos os anos ao longo do século passado, perdíamos o mesmo número de espécies tipicamente perdidas em 100 anos”, disse Ceballos.

Se nada mudar, é provável que cerca de 500 espécies de vertebrados terrestres sejam extintas apenas nas próximas duas décadas, trazendo perdas totais equivalentes às que teriam ocorrido naturalmente ao longo de 16.000 anos.

Para determinar quantas espécies estão à beira da extinção, o Dr. Ceballos e os co-autores Paul Ehrlich, biólogo da conservação da Universidade de Stanford, e Peter Raven, ambientalista do Jardim Botânico de Missouri, procuraram os dados populacionais de 29.400 espécies de vertebrados terrestres compilado pela União Internacional para Conservação da Natureza.

Dessas espécies, 515 – ou 1,7% – estão ameaçadas de extinção, segundo eles, com menos de 1.000 indivíduos restantes. Cerca da metade dessas espécies compreende menos de 250 indivíduos.Um tipo de sapo venenoso em um centro de criação da Colômbia.Crédito: Fernando Vergara / Associated Press

Os pesquisadores também examinaram espécies com populações entre 1.000 e 5.000. Quando os cientistas adicionaram essas 388 espécies à sua análise original, eles encontraram uma sobreposição geográfica de 84% – em grande parte nos trópicos – com espécies do grupo criticamente ameaçado.

A perda de alguns provavelmente desencadeará um efeito dominó que envia outros para uma espiral descendente, ameaçando ecossistemas inteiros, relatam os autores. Dr. Ceballos comparou esse processo à remoção de tijolos da parede de uma casa.

“Se você retirar um tijolo, nada acontece – talvez ele se torne mais barulhento e mais úmido por dentro”, disse ele. “Mas se você retirar muitos, sua casa acabará em colapso.”

Os conservacionistas, portanto, devem considerar todas as espécies com população abaixo de 5.000 indivíduos em risco de extinção, concluíram o Dr. Ceballos e seus colegas.

“Este é um aumento substancial do que normalmente pensamos estar em perigo”, disse Daniel Blumstein, ecologista da Universidade da Califórnia, Los Angeles, que não participou da pesquisa.

O novo estudo também enfatiza a importância de proteger populações individuais de animais, não apenas uma espécie. Com base em uma análise das faixas atuais e históricas de espécies ameaçadas de extinção, os pesquisadores calcularam que mais de 237.000 populações individuais desapareceram desde 1900.

Em um estudo anterior, Ceballos e Ehrlich descobriram da mesma forma que 32% das populações de 27.600 espécies de vertebrados estão em declínio em todo o mundo.

À medida que as populações desaparecem das áreas geográficas, a função da espécie também desaparece. A perda de abelhas nos Estados Unidos, por exemplo, causaria um golpe econômico de mais de US $ 15 bilhões, mas a espécie em si ainda sobreviveria em outras partes do mundo.

“A população declina de espécies comuns – predadores, herbívoros de corpo grande como o rinoceronte, polinizadores e outros – têm grandes efeitos no funcionamento dos ecossistemas, mesmo quando estão longe de serem extintos”, disse Rebecca Shaw, cientista chefe da World Wildlife Fund, que não estava envolvido na pesquisa.Chimpanzés no sul do Kivu, República Democrática do Congo, em março. Hugh Kinsella Cunningham / EPA, via Shutterstock

“Ceballos e seus colegas estão nos dizendo com certeza científica que a sobrevivência dessas espécies está ligada à nossa própria sobrevivência”, acrescentou.

O Dr. Ehrlich enfatizou que as descobertas gerais do estudo foram quase certamente uma subestimação grosseira do verdadeiro escopo do problema de extinção. Sua análise não levou em consideração plantas, espécies aquáticas ou invertebradas e incluiu apenas aproximadamente 5% dos vertebrados terrestres para os quais os cientistas têm dados populacionais.

As descobertas são “de fato o que se esperaria na crescente crise da biodiversidade”, disse Thomas Lovejoy, ecologista da Universidade George Mason, que não participou da pesquisa. O artigo “deve ser considerado um grande alerta, enquanto ainda há tempo para fazer a diferença”.

Que tão poucas pessoas estejam cientes da crise iminente, acrescentou Lovejoy, é uma causa da própria crise.

Muitos que estão cientes podem simplesmente sentir que a perda não é conseqüente. “As pessoas dizem: ‘Que diabos de diferença isso faz para mim?'”, Disse Ehrlich.

Mas muitas vezes o papel de uma planta ou animal em particular em um ecossistema se torna aparente somente depois que a espécie em questão desaparece.

Pombos de passageiros, por exemplo, uma vez numerados em bilhões. Seu apetite voraz por sementes limitou o crescimento populacional de outras espécies que se alimentam de sementes, incluindo ratos de patas brancas – o reservatório natural da bactéria que causa a doença de Lyme.

Após a extinção do pombo-passageiro, as populações de ratos de patas brancas explodiram e os riscos para a saúde humana aumentaram. Os impactos da extinção do pombo-passageiro, escreveram os pesquisadores da Science, “ainda estão sendo sentidos um século após a morte do último pombo-passageiro”.

A pele de um tigre de Sumatra criticamente ameaçado foi apreendida pela polícia em Banda Aceh, na Indonésia, em janeiro.
Crédito: … Mahyuddin / Agence France-Presse – Getty Images

Enquanto os humanos continuam a invadir a natureza e a vida selvagem, Ceballos e seus colegas alertam para uma série de impactos em cascata – incluindo ocorrências mais frequentes de novas doenças e pandemias. O coronavírus que lançou a pandemia se originou em um animal selvagem, a maioria dos cientistas acredita.

“A vacina para o Covid-19 era um habitat natural”, disse Ceballos. “A pandemia é um ótimo exemplo de quão mal tratamos a natureza.”

Com perdas suficientes de espécies, os ecossistemas acabarão fracassando, desestabilizando economias e governos e desencadeando crises de fome e refugiados. Mas existem medidas que podem ser tomadas agora, disse Ceballos.

A perda de habitats e o comércio de animais silvestres são atualmente responsáveis ​​pelo impacto do problema, enquanto as mudanças climáticas ainda não provocaram “o tsunami total” de seus impactos, disse Ceballos.

Para compensar a onda de extinções mais urgente, ele e seus colegas pedem o fim imediato do comércio ilegal de animais silvestres.

“Não há como isso continuar, destruindo espécies e colocando toda a humanidade em perigo”, disse Ceballos. “Nós podemos resolver esse problema imediato.”

Eles também pedem a interrupção do desmatamento e uma reforma completa do comércio legal de animais silvestres – um que priorize a sustentabilidade sobre os lucros.

“O problema mais fundamental é reduzir a escala da empresa humana, especialmente suas demandas consumistas na biosfera”, disse Ehrlich.

Fazer essas mudanças exigirá eleger líderes que priorizem o meio ambiente, redistribuindo recursos e diminuindo o crescimento da população humana. Para ajudar a organizar esses esforços, o Dr. Ceballos e o Dr. Ehrlich lançaram uma nova iniciativa global chamada Stop Extinction.

A iniciativa visa fornecer uma estrutura para a criação de novos acordos nacionais, bem como ferramentas para educar e ativar o público sobre a crise de extinção em desenvolvimento.

“Todos nós precisamos entender que o que fazemos nos próximos cinco a 10 anos definirá o futuro da humanidade”, disse Ceballos.

Elefantes da floresta no Parque Nacional Ivindo, no Gabão, no ano passado.
Crédito … Amaury Hauchard / Agence France-Presse – Getty Images

Amazônia,Brasil,Desmatamento,Poluição,Mineração,Meio Ambiente

Desmatamento na Amazônia ultrapassa 10 mil km2 e tem maior índice desde 2008

Houve uma variação de 3,76% acima da taxa estimada pelo Prodes em novembro de 2019, que era de 9.762 quilômetros quadrados.

Foto: Márcio Isensee e Sá.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) revisou os dados de desmatamento ocorridos em agosto de 2018 a julho de 2019. Foram 10.129 quilômetros quadrados desmatados na Amazônia, o equivalente a quase duas vezes a área do Distrito Federal (5.802 km²) de floresta derrubada. Os números são do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes). Desde 2008, quando o Prodes registrou quase 13 mil km² desmatados, que o índice não era tão alto.

O território desmatado corresponde a um aumento de 34,41% com relação ao período anterior, entre agosto de 2017 e julho de 2018, quando o desmatamento atingiu a marca de 7.536 km².

A taxa consolidada atualiza os dados preliminares, divulgados no final de 2019, de 9.762 quilômetros quadrados. Houve uma variação de 3,76% acima da taxa estimada pelo Prodes em novembro de 2019. Desde 2008 o INPE divulga os dados preliminares do Prodes antes das Conferências das Partes (COP) do Clima, que ocorrem no fim do ano. Entre maio e junho, sai os dados consolidados do desmatamento.

Estados que mais desmataram

O Pará foi o estado que mais desmatou com 4.172 km², sendo responsável por 41,19% de todo o desmatamento na Amazônia Legal. Mato Grosso, Amazonas e Rondônia seguem na lista dos maiores desmatadores, com 1.702 km², 1.434 km² e 1.257 km² respectivamente. Juntos, estes quatro estados responderam por 84,56% de todo o desmatamento.
Fonte: Prodes/INPE.

O Prodes utiliza imagens do satélite Landsat e similares que conseguem detectar desmatamentos acima de 6,25 hectares (0,0625 km²) e considera como desmatamento a remoção completa da cobertura florestal primária por corte raso, independentemente da futura utilização destas áreas.

Governo volta a falar de queda de desmatamento, mas sem apresentar dados.

Contrariando a tendência de aumento do desmatamento apontada pelos números do Deter, o sistema de alerta de desmatamento do INPE, o vice-presidente Hamilton Mourão disse durante reunião do Conselho de Governo, que “o desmatamento no mês de maio caiu ao mínimo comparado com anos anteriores. Então o nosso primeiro objetivo foi conquistado”. Segundo Mourão, a queda seria resultado da Operação Verde Brasil 2, coordenada pelas Forças Armadas, que completa 1 mês no dia 11 de junho. A reunião foi transmitida ao vivo pela TV Brasil e pode ser conferida no vídeo na íntegra, do canal no Youtube.Desmatamento,Amazônia,Ambiente,Blog do Mesquita 03

De acordo com dados do DETER, sistema de monitoramento que que lança alertas sobre mudanças de vegetação e acompanha o desmatamento quase em tempo real, entre os dias 1º e 28 de maio – data mais recente disponível – de 2020, foram registrados 641,19 km². Esse valor já é superior aos índices de desmatamento registrados pelo Inpe em 2016 (408,1 km²), 2017 (363,3 km²) e 2018 (550,2 km²) e só perde para maio de 2019, quando o desmatamento registrado foi de 739,7 km².

Ainda na reunião do governo, Mourão acrescentou que o próximo objetivo é reduzir as queimadas. “O segundo [objetivo] é não permitirmos que no segundo semestre ocorram as queimadas na extensão que ocorreram ano passado. A meta para o nosso governo é, pura e simplesmente, termos um número de queimadas inferior ao mínimo histórico, esse é nosso objetivo para o segundo semestre”, disse o vice-presidente.Desmatamento,Meio Ambiente,Ecologia,Natureza,Blog do Mesquita 07

Covid-19; Isolamento reforça importância dos parques para a saúde

O objetivo maior de uma unidade de conservação é a proteção da natureza, mas por debaixo dessa missão há na verdade uma troca, na qual a própria sociedade é protegida e beneficiada pela presença da área preservada.Amazônia,Desmatamento,Grilagem,Floresta,Brasil,Meio Ambiente,Queimadas,Ecocologia,Fauna,Flora,Pecuária,Biodiversidade,Crimes Ambientais.Blog do Mesquita (6)

A quarentena pode ser um convite para repensar nossas conexões com a natureza e a importância das áreas protegidas.

Dentre os benefícios que a natureza nos presta, também conhecidos como serviços ambientais ou ecossistêmicos, está a saúde promovida tanto diretamente pelo contato com a natureza, quanto indiretamente, por nos proteger contra doenças, como a febre amarela, a malária e, especula-se, o próprio coronavírus.

A lista de serviços ecossistêmicos prestados por uma área de natureza preservada é maior do que imaginamos. “A natureza nos presta serviços pelos quais a gente não paga nada: nascentes de água, regulação de clima, solo fértil… E há também o efeito de diluição. A biodiversidade tem a capacidade de diluir o processo de transmissão de agentes infecciosos e manter esses agentes numa proporção muito baixa dentro de uma área com grande biodiversidade. Esse é um serviço da natureza que a gente nunca fala”, ressalta a coordenadora do Centro de Informação em Saúde Silvestre da Fiocruz, Marcia Chame.

“Para quê que serve uma unidade de conservação? Serve para água, pra gente passear, pra ficar perto da natureza, desestressar, para tudo isso, mas também serve para diluir o processo de transmissão dos agentes infecciosos. A gente precisa fazer as pessoas entenderem o quanto as unidades de conservação nos protegem”, aponta Chame.

A pesquisadora lembra que essa rica biodiversidade também é fonte para remédios e princípios ativos de vacinas. “Quando você tem uma unidade de conservação grande, bem conservada, o que a gente tem ali dentro? Uma diversidade de espécies grandes também. É desse conjunto biológico que o homem se aproveita para produzir várias coisas, entre elas remédios. Mais de 75% dos remédios utilizados são baseados em compostos naturais, a maior parte de plantas. E o que não é produzido a partir dessas moléculas da natureza, é inspirado nessas moléculas. Quando você perde biodiversidade, você perde esse potencial todo de produção de remédio e de inspiração”.

Dentre as unidades de conservação, parques são a categoria que mais se aproximam da sociedade e que têm a missão de ser “a janela do sistema”, em referência ao SNUC (Sistema Nacional de Unidades de Conservação). Apesar dessa vocação ao público, ainda há um grande gargalo no Brasil para consolidar essa conexão entre parque e sociedade.

O voluntariado pode ser uma oportunidade para engajar as pessoas na conservação da natureza. Foto: Duda Menegassi.

De acordo com o diretor-presidente do Instituto Semeia, Fernando Pieroni, uma das dimensões mais importantes para construir essa cultura de parques entre os brasileiros começa no imaginário. “Os parques são um patrimônio da sociedade. Parte desse processo inclui trazer os parques para o imaginário coletivo, inclui explicar para sociedade a conexão que os parques têm com saúde pública, com bem-estar, e com mais do que normalmente associamos à função de conservação ambiental do parque”, analisa Pieroni.

A publicação “Parques do Brasil: Percepções da População”, produzida e divulgada pelo Semeia em março deste ano, ajuda a mapear as percepções dos brasileiros sobre os parques e a entender como traduzir o papel deles para sociedade, tanto os naturais quanto os urbanos. “Há uma complementaridade. O parque urbano normalmente é o primeiro contato e que depois tende a te levar para um parque natural. Normalmente a experiência de imersão na natureza é diferente nos dois, assim como o tipo de atividade. O parque natural é visto como oportunidade de contato com a natureza, enquanto o parque urbano está mais relacionado com aquele esporte corriqueiro, passear, encontrar amigos”, descreve Pieroni baseado nos levantamentos do estudo.

O diretor acredita que os parques terão um papel importante na hora do fim do isolamento e pós-crise do coronavírus. “Tem muita gente sofrendo com esse confinamento em casa e se os parques já tinham um papel importante antes, na hora que as pessoas voltarem a sair de casa e quiserem se reconectar com espaços públicos e naturais, os parques terão um papel de descompressão emocional fundamental – principalmente os urbanos, que são mais acessíveis”.

O vice-presidente da Comissão Mundial de Áreas Protegidas da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), Cláudio Maretti, acredita que o fim da quarentena será uma oportunidade para quem trabalha com áreas protegidas. “Acho que as pessoas que gostam da natureza e de estar ao ar livre vão sentir a necessidade de retomar esse contato o mais rápido possível, mesmo que seja em parques urbanos e mais antropizados. Principalmente as pessoas que estão confinadas em apartamentos nas grandes cidades”, analisa. “Isso seria uma oportunidade. Existe uma intenção manifesta, reprimida por causa do distanciamento social”.

Abrir a porta dos parques e colocar o tapete de bem-vindos, entretanto, não será suficiente para ganhar novos aliados da conservação. “Eu acho que vai ter essa corrida no início, e eu espero que ela seja ampla e duradoura, mas os outros estímulos, como cinemas e shoppings, vão continuar competindo. E competir com a indústria do entretenimento, com o consumismo, vai ser igualmente difícil. Cabe a nós, profissionais das áreas protegidas, abrir mais oportunidades com a oferta de atividades, mais áreas para visitação e a criação de programas de engajamento, como o voluntariado”, pondera o especialista em conservação.

Enquanto a quarentena não acaba e a fruição dos parques e de outras áreas protegidas fica comprometida, cabe buscar formas alternativas de manter o contato com a natureza – uma conexão que, inclusive, faz muito bem para saúde. Maretti, que em janeiro publicou em ((o)) eco uma coluna sobre a relação de áreas protegidas e saúde, pontua a quantidade de artigos científicos da área médica que indicam como o contato com a natureza contribui com o bem-estar, ajuda no combate ao estresse e até na recuperação de doenças.Ambiente,Amazônia,Brasi,Desmatamento,Grilagem,Floresta,Meio Ambiente,Queimadas,Ecologia,Fauna,Flora,Pecuária,Pesticidas,Agrotóxicos,Biodiversidade,CrimesAmbientais,Sustentabilidade,VidaSelvagem,AquecimentoGlobal,Água,Alimentos,Clima,Agricultura

“Tem uma gradação que vai desde você ver uma foto, até você ter uma janela pro verde urbano, até você morar numa parte da cidade que é mais arborizada, ou numa área próxima a parques. É o que eu faço aqui em casa, vou para sacada ver o verde para me sentir melhor. Isso está nas pesquisas científicas. Há teorias que dizem que esse sentimento é uma herança do tempo em que a gente vivia no mato, uma convivência que perdemos com a vida urbana. Da mesma forma que você olha a foto de um ente querido e isso pode te fazer bem, faz bem olhar a natureza, mesmo que por uma imagem ou pela janela”, explica Maretti.

Meio Ambiente; Amazônia rumo à extinção

Total da área desmatada na Amazônia em 2020 já é maior que cidade de São Paulo

Desmatamento acumulado na Amazônia apenas nos primeiros 4 meses do ano já é superior à cidade de São Paulo. Foto: Bernardo Câmara

Em abril, o desmatamento na Amazônia teve um aumento de 171% em relação ao mesmo período de 2019. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que registrou 529 km² de área desmatada no bioma no mês de abril, contra 195 km² no mesmo mês do ano passado. O acumulado dos primeiros quatro meses de 2020, de acordo com o SAD, já é de 1.703 km², uma área maior que a cidade de São Paulo (1.521 km²) e um número 133% maior que o mesmo período em 2019, quando o sistema registrou o desmatamento de 460 km².

Segundo as informações do SAD, divulgadas nesta segunda-feira (18), o estado que liderou o desmatamento em abril foi o Pará, com 171 km², o equivalente a 32% do total desmatado. Em seguida aparecem Mato Grosso, com 135 km² (26%); Rondônia, com 98 km² (19%); Amazonas, com 96 km² (18%); Roraima, com 20 km² (4%); e o Acre, com 6 km² (1%). Tocantins e Amapá tiveram 2 km² e 1 km² desmatados, respectivamente, e juntos somaram 0,5% do total desmatado na Amazônia no mês.

O Pará foi o estado com o maior crescimento do desmatamento para o mês de abril quando comparado com o mesmo mês em 2019, quando registrou 32 km², um aumento de 434% para 2020. Os dois municípios com os maiores índices de desmatamento também são paraenses, Altamira e São Félix do Xingu, com 72 km² e 44 km² desmatados, respectivamente. Juntos, apenas estes dois municípios respondem por 67,8% do desmatamento em todo o estado e 21,9% do total desmatado na Amazônia.

As cidades de Porto Velho e Candeias do Jamari, em Rondônia, também aparecem entre os municípios que mais desmataram segundo o SAD, com 31 km² e 14 km², respectivamente. Ambos os municípios integram o território da Floresta Nacional do Jacundá, unidade de conservação onde foi realizada a primeira ação da Operação Verde Brasil 2, de acordo com informações divulgadas pelo vice-presidente General Hamilton Mourão. Apesar de Mourão ter comentado em coletiva cedida à imprensa na última semana de que a operação havia sido um sucesso, ainda não foram divulgados dados oficiais sobre os resultados da operação coordenada pelas Forças Armadas.

O relatório produzido pelo Imazon indica ainda que 60% do desmatamento registrado ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse, 22% em unidades de conservação, 15% em assentamentos e 3% em Terras Indígenas.

Fonte: Relatório Imazon
Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD)

O mês de abril foi marcado pela expectativa da votação da Medida Provisória 910, que foi pauta na Câmara dos Deputados apenas em maio e não obteve consenso entre os parlamentares para prosseguir com a votação. A MP, que perde a validade nesta terça (19), ficou conhecida como a MP da Grilagem, pois especialistas apontaram que o texto incentivava a invasão de terras ao anistiar as invasões ocorridas até 2018. O tema da regularização fundiária, entretanto, volta ao Congresso como o Projeto de Lei nº 2633/2020 e pode ser votado já nesta quarta-feira (20), caso haja pedido de tramitação em regime de urgência .

A MP 910 tinha o apoio de representantes do governo, como do vice-presidente Mourão, que também coordena o Conselho da Amazônia, e o próprio Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Ambos defendem que a regularização fundiária e o zoneamento econômico-ecológico na região amazônico são passos fundamentais para combater o desmatamento no longo prazo e que a MP seria um instrumento para isso.

De acordo com a pesquisadora do Imazon, Brenda Brito, o ponto crucial não é a regularização fundiária e sim o ordenamento territorial na região. “Existem áreas públicas não destinadas que estão sendo ocupadas, muitas delas desmatadas, e você precisa ordenar isso territorialmente. Precisa definir se aquela é uma área que pertence à comunidade, à povos indígenas, à agricultura familiar ou à conservação. E com as áreas que sobrarem decidir se será feita a privatização ou não daquele território. Esse deveria ser o raciocínio do ponto de vista da legislação”.

“O que a gente ouve nessas coletivas é esse argumento de que você precisa regularizar e titular quem está na área, para poder saber quem é e punir. Isso não faz o menor sentido do ponto de vista da legislação ambiental. Não existe nenhum ponto na legislação que diga que você só pode punir quem é dono de uma área. Você pune quem pratica o crime ambiental”.

A pesquisadora, especialista em gestão fundiária, acredita que a mensagem passada pelo próprio governo ao encaminhar uma proposta como a MP 910 é a de impunidade às infrações ambientais. “Na prática a mensagem é: continue invadindo e desmatando que que lá na frente vocês serão beneficiados. Esta é uma história que a gente está vendo ocorrer na Amazônia, vimos ela acontecer há três anos quando a lei foi modificada e aumentou o prazo de quem poderia receber o título [até 2011] e agora estão querendo fazer isso de novo. Infelizmente o recado é o contrário do que o governo deveria fazer”, opina.

Sessão na Câmara sobre a MP 910 não chegou em consenso sobre a votação da medida, que deve voltar com novo texto em PL.
Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Além disso, Brenda ressalta que mesmo sem a legislação de fato, somente o discurso adotado pelo governo de Bolsonaro já é um dos grandes motores para o aumento do desmatamento na Amazônia. “Honestamente, o que adianta você fazer uma mega operação, se você está estimulando o desmatamento, impedindo a fiscalização do órgão ambiental, retirando os fiscais que estão trabalhando, estimulando o garimpo ilegal dizendo que vai legalizar e impedindo a destruição de máquinas? É uma contradição você colocar o Exército para combater algo que está sendo também estimulado pelas próprias declarações de quem representa os órgãos. É uma conta que não vai fechar” analisa a pesquisadora.

Em abril deste ano, o até então Diretor de Proteção Ambiental do IBAMA, Olivaldi Azevedo, foi exonerado por Salles e substituído pelo Policial Militar de São Paulo, coronel Olímpio Ferreira Magalhães. A exoneração de Olivaldi ocorreu logo após uma mega operação do IBAMA contra o garimpo ilegal em Terras Indígenas no Pará, noticiada pela Rede Globo no Fantástico. Além de Olivaldi, dois coordenadores de fiscalização do órgão envolvidos na ação foram exonerados logo em seguida.

“Você não precisa reinventar a roda, as ações já existem e foram feitas no passado, o que você precisa é aplicar com consistência e coordenação, porque se não tiver não adianta, você pode colocar todo o Exército lá que o desmatamento vai continuar”, resume Brenda Brito.

A pesquisadora lembra a queda histórica no desmatamento de 2004 a 2012, quando o total desmatado caiu de 27.772 km² para 4.571 km² (Fonte: PRODES/INPE) em 8 anos. No período, o governo federal combateu o desmatamento com medidas com o Sistema de monitoramento DETER, feito pelo INPE, que fornece alertas quase em tempo real de desmatamentos, aumentando a eficácia das operações de fiscalização do IBAMA; e o Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm); ambos criados em 2004.

O biólogo especialista em políticas públicas ambientais, André Aroeira, reforça que um dos principais trunfos para um combate efetivo ao desmatamento é a coordenação conjunta entre ministérios e órgãos. “Tem vários instrumentos que estão sendo subutilizados no atual governo, como o PPCDAm que foi crucial durante aquela fase [2004 – 2012] em que o combate ao desmatamento foi bem-sucedido.

O Plano perdeu muita força já no governo Dilma, quando saiu da Casa Civil e foi pro Ministério do Meio Ambiente e hoje está desmobilizado, perdeu a coordenação que havia entre os vários ministérios e órgãos, todos trabalhando em conjunto no combate ao desmatamento. Quando você perde essa coordenação, o combate fica muito mais fraco. Não é só o Ministério mandando equipe para campo, tem que ter as imagens do INPE, tem que ter Polícia Federal fazendo investigações em cima das cadeias criminosas, tem que ter Ministério Público, a Polícia Rodoviária Federal. Todo mundo tem que estar junto para ser um esforço bem-sucedido”.

Operações do IBAMA são cruciais para combater o desmatamento de forma efetiva. Foto: Marcio Isensee

Aroeira ressalta também que fortalecer o IBAMA, órgão responsável pela fiscalização ambiental no país, é crucial. “Com o DETER, a partir de 2004, o IBAMA conseguiu pegar os desmatamento enquanto eles estavam ocorrendo e não só depois do estrago feito, quando só chegava para embargar e multar. O uso das imagens com inteligência para planejar as ações em campo foi muito eficiente. E nessa época o IBAMA era muito mais forte. O órgão começou a perder força no governo Dilma, perdeu escritórios regionais, perdeu gente, e no governo Bolsonaro isso se intensificou. O último concurso do IBAMA foi há 20 anos e nesse meio-tempo muitas pessoas se aposentaram ou saíram, e o quadro não foi reposto. Hoje nós temos um IBAMA com muito menos gente, muito menos dinheiro e muito mais preso nas capitais, com menos penetração nos territórios”, analisa o biólogo.

Outro mecanismo importante de acordo com Aroeira é a criação de áreas protegidas, tanto unidades de conservação quanto Territórios Indígenas. Desde sua campanha, Bolsonaro adotou um discurso contrário a essas áreas, chegou a dizer que “no que depender de mim, não tem mais demarcação de Terra Indígena” e lamentou não poder alterar os limites ou mesmo extinguir unidades de conservação diretamente com decretos presidenciais.

“Até 2008, o Brasil era o país que mais criava áreas protegidas no mundo, que são territórios que tendem a conter o desmatamento. Nós temos verdadeiras barreiras de áreas protegidas e o Arco Desmatamento está batendo agora nessas barreiras. É uma política muito efetiva, porque além de serem territórios legalmente protegidos, eles também não tem infraestrutura como uma estrada que facilite o acesso e a prática dos crimes ambientais”, explica Aroeira.

Desmatamento nas unidades de conservação e Terras Indígenas

De acordo com o Imazon, em abril de 2020, cerca de 116 km² foram desmatados dentro de unidades de conservação, 22% do total; e aproximadamente 16 km ² em Terras Indígenas, o equivalente a 3% do acumulado no mês.

Entre as unidades de conservação (UCs), o desmatamento é encabeçado pela Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu, no Pará, com 46 km² desmatados; seguida pela Floresta Extrativista Rio Preto-Jacundá, em Rondônia, com 37 km². A Reserva Extrativista Jaci-Paraná (RO) com 8 km², a Floresta Nacional do Jamanxim (PA) com 6 km² e a Reserva Extrativista Guariba-Roosevelt com 4 km² desmatados – todas categorias de UCs de uso sustentável, onde a exploração dos recursos naturais é permitida de forma manejada.

Na lista, chama atenção a presença de uma reserva biológica (Rebio), unidade de proteção integral e de caráter mais restritivo, entre as UCs com maior índice de desmatamento. Em oitavo lugar no ranking, a Rebio Nascente da Serra do Cachimbo, localizada no sul do Pará, teve 4 km² desmatados apenas no mês de abril, o equivalente a 400 campos de futebol.

Com relação às Terras Indígenas, de acordo com o SAD, as duas que mais registraram desmatamento foram a Terra Indígena Mundurucu, no Pará, ocupada pelos povos Apiaká, Isolados do Alto Tapajós e Munduruku, onde houve 4 km² desmatados; e a Terra Indígena Yanomami, na fronteira entre Roraima e Amazonas, onde vivem os povos Isolados da Serra da Estrutura, Isolados do Amajari, Isolados do Auaris/Fronteira, Isolados do Baixo Rio Cauaburis, Isolados Parawa u, Isolados Surucucu/Kataroa, Yanomami e Ye’kwana, registrou 2 km² de desmatamento.

Pespectivas para 2020

De acordo com o monitoramento feito pelo PRODES, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), desde 2015, a área desmatada anualmente na Amazônia se mantém acima dos 6 mil km². Ano passado, o total desmatado somou 9.762 km², um crescimento de 30% em relação a 2018.

“Tem várias análises que indicam que, no rumo que estamos indo, podemos ter uma taxa de desmatamento superior a do ano passado, que já foi alta em relação aos anos anteriores. E infelizmente eu não vejo nenhum comprometimento que indique que iremos mudar essa trajetória. Não existe um plano real de combate ao desmatamento. Ano passado os estados se articularam no combate ao desmatamento, mas infelizmente esse ano estamos numa situação muito complicada na Amazônia com a pandemia do coronavírus e colapso dos sistemas de saúde estaduais. Como a gente pode esperar que os governos estaduais possam lidar com todas essas crises ao mesmo tempo sem o apoio consistente do governo federal?”, analisa Brenda Brito, do Imazon.Desmatamento,Amazônia,Ambiente,Blog do Mesquita 03

Aroeira também não acredita que o ritmo do desmatamento vá desacelerar tão cedo. “É complexo avaliar, mas a tendência de crescimento, na minha opinião, é irreversível. Nós tivemos quase 10.000 km² desmatados ano passado, e esse ano os alertas do DETER já estão indicando um aumento de 90% de agosto até agora, e nós estamos entrando no período mais crítico agora e a resposta do governo é bem fraca, porque essa GLO [Garantia da Lei e Ordem na Amazônia Legal] ela não passa muita segurança de que é para valer. Ela é muito menos eficiente do que um IBAMA forte, por exemplo”, diz o biólogo. “Acho difícil conseguirmos reverter essa tendência de crescimento tanto nesse ano quanto no próximo, porque esse combate ao desmatamento passa por políticas estruturantes e uma mensagem clara do governo, e essas coisas você não consegue no curto prazo”.

Desmatamento,Amazônia,Ambiente,Blog do Mesquita 03

A floresta amazônica no Brasil: vivendo nas sombras da violência e do desenvolvimento

No centro do desmatamento e dos conflitos de terra no Brasil, um pequeno agricultor viu o custo pessoal para sua família e comunidade de se manifestar. Seu filho se escondeu para escapar das ameaças de morte.

Desmatamento,Meio Ambiente,Ecologia,Natureza,Blog do Mesquita 07

Maria Marcia Elpidia de Melo não vê seu filho Elmiro há mais de seis meses. O líder comunitário, de um assentamento agrário no Pará, na Amazônia brasileira, tem sido um crítico franco contra a apropriação de terras na região. No ano passado, seu filho de 20 anos foi espancado e recebeu ameaças de morte por agressores desconhecidos – e então ela o mandou para o esconderijo.

Ela tem 42 anos e mora em Terra Nossa desde 2006 como mãe solteira e com seu único filho em uma casa de tijolos de um andar. Manchava luz pela janela de Melo enquanto ela se inclinava sobre a mesa da cozinha, achando que o trabalho dela colocara sua vida em perigo. O pequeno agricultor e presidente da Associação de Produtores Rurais de Nova Vitória se tornou cada vez mais envolvido com disputas de terras.

“O que eu não posso aceitar é se eles matarem meu filho”, disse ela, com os olhos lacrimejando. “Ele está seguro por enquanto, mas não vou visitá-lo porque tenho medo de alguém me seguir.” Antes de se esconder, Elmiro ajudou a mãe em sua fazenda.

De acordo com a Comissão Pastoral da Terra, um órgão de vigilância da violência rural, três habitantes da vila de Melo foram assassinados em 2018 – e desde então 16 pessoas na região receberam ameaças de morte por causa de conflitos de terra.
Árvores destruídas pelo fogo em Novo Progresso, Pará, Brasil em agosto do ano passado.Imagens aéreas de toras cortadas ilegalmente alinhadas na floresta amazônica

Grilagem de terras e ameaças

De Melo relatou vários incêndios provocados pelo homem e minas ilegais na delegacia de Novo Progresso ao longo do ano passado. Mas, em três ocasiões, ela diz, os homens envolvidos na exploração alertaram-na para “parar de protestar ou enfrentar a morte”. A força policial não respondeu a um pedido de comentário sobre as ameaças.

Terra Nossa, um assentamento de 350 famílias cercadas por uma floresta sufocante e acessível apenas por uma estrada de terra, está no epicentro do desmatamento na Amazônia. O município vizinho de Novo Progresso ganhou as manchetes internacionais em agosto do ano passado, quando incêndios florestais gigantescos tomaram conta da região, uma prática agrícola anual agora levada ao extremo pela apropriação de terras.

Cerca de 124 incidentes de incêndios foram registrados pelas autoridades de Novo Progresso em apenas um dia, coordenados em grande parte por um grupo, principalmente agricultores, procurando limpar a terra da floresta e reivindicá-la por si mesmos.

Leis e regulamentos atuais

De acordo com a agência espacial brasileira INPE, o desmatamento entre 1 de agosto e 30 de novembro de 2019 totalizou 4.217 quilômetros quadrados, ou 46.000 campos de futebol americano – mais do que o dobro dos números de 2018 no mesmo período.

Manifestantes no Rio de Janeiro exigem mais proteção para a Amazônia

Especialistas dizem que as leis atuais incentivam um processo interminável de incêndios, desmatamento e apropriação de terras. “Existe um incentivo claro na lei”, disse Brenda Brito, pesquisadora do Instituto Imazon, uma organização de pesquisa com sede no Brasil. “Ele permite que você ocupe terras públicas, finja que as está usando [para trabalho legítimo] e depois reivindique o título da terra”.

Em dezembro do ano passado, o presidente Jair Bolsonaro afrouxou ainda mais as regulamentações, triplicando a quantidade de terras que podem ser reivindicadas e permitindo que aqueles que ocupam terras desde pelo menos 2014 recebam títulos – anteriormente o limite era 2008.

Apoio ao desenvolvimento

Das estradas de terra que cortam a Terra Nossa, usadas para transportar madeira extraída ilegalmente, surge uma cena de encostas empilhadas com troncos de árvores de décadas. “Era uma vez bonito aqui”, disse Melo. “Antes de todo esse negócio começar.”

Mas a Amazônia é uma das regiões mais pobres do Brasil, com 45% de seus 23 milhões vivendo abaixo da linha da pobreza. Há raiva de alguns agricultores locais com a sugestão de que a floresta tropical seja priorizada sobre as condições de vida dos trabalhadores normais. Bolsonaro, eleito após fazer campanha para abrir a Amazônia à indústria, acendeu apoio ao desenvolvimento.

Vista aérea da terra limpa em Novo Progresso, Brasil

“O que eles esperam que façamos? Para alimentar nossa família com sujeira?” disse Agamenon da Silva Menezes, líder sindical de agricultores em Novo Progresso.

“Mesmo que a mudança climática seja real, e não tenho certeza se acredito, por que você [o Ocidente] pode ficar rico e esperar que o resto de nós fique feliz por permanecer pobre?” Menezes adicionado.

Conflito com as comunidades locais

Apesar da ampla condenação internacional, Bolsonaro incentivou e defendeu essas práticas. “O desmatamento e os incêndios nunca terminarão”, disse o presidente no ano passado, argumentando que “é cultural”.

Na busca pelo lucro, no entanto, os ocupantes de terras em grande escala – tanto fazendeiros locais ricos como estrangeiros – estão cada vez mais entrando em conflito com as comunidades locais.

“Onde há desmatamento, geralmente há desapropriação e violência”, disse Mauricio Torres, cientista social e especialista em apropriação de terras na Amazônia. “Para desmatar, é necessário remover as comunidades que ocupam essa floresta.”

Alguns argumentam que incêndios, desmatamento e apropriação de terras no Brasil são incentivados por leis e regulamentos.

A apropriação de terras e incêndios na Amazônia tiveram um impacto direto nas comunidades locais no Brasil

Terra Nossa, da casa de Melo, é incomum entre pequenos agricultores que usam a terra e a floresta circundante repleta de açaí e castanha do Brasil de forma sustentável. A onda de ocupação de terras revirou esse modo de vida.

Raione Lima Campos, advogada da Comissão Pastoral da Terra na região, diz que líderes locais como de Melo frequentemente se tornam alvo de madeireiros e fazendeiros quando falam.

Ela acrescenta que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), o órgão nacional para questões de reforma agrária, fez pouco esforço para resolver as questões de invasão e violência de terras. “O INCRA não tem interesse nisso”, acrescentou, referindo-se à falta de ação. “Sempre foi ruim, mas agora a situação piorou.” O INCRA não respondeu a uma solicitação de comentário.

Para De Melo, o resultado é uma mistura estonteante de desconfiança nas instituições públicas que deveriam protegê-la. Mas a apropriação de terras é apenas uma parte do plano de Bolsonaro – juntamente com a ferrovia Ferrograo para transportar soja, barragens hidrelétricas ao longo do rio Tapajós e a rodovia BR-163 através do Pará – projetada para abrir a Amazônia ao agronegócio.Ambiente,Amazônia,Brasi,Desmatamento,Grilagem,Floresta,Meio Ambiente,Queimadas,Ecologia,Fauna,Flora,Pecuária,Pesticidas,Agrotóxicos,Biodiversidade,CrimesAmbientais,Sustentabilidade,VidaSelvagem,AquecimentoGlobal,Água,Alimentos,Clima,Agricultura

Passeando pelo jardim da casa de Melo, onde seu filho Elmiro já brincou entre as plantações de caju, pupunha e açaí, há uma sensação de que ela é completamente isolada e vulnerável, mas também no coração pulsante de uma das infra-estruturas mais significativas projetos no mundo.

“Esses grileiros são uma gangue organizada que está em toda parte”, disse ela. “Eles até têm políticos influentes no meio deles. Qualquer problema que eles tenham, como eu, acabará por desaparecer.”

Desmatamento na Amazônia atinge nível recorde no primeiro trimestre de 2020

O primeiro trimestre de cada ano costuma ser o que apresenta os níveis mais baixos de desmatamento na Amazônia, devido às chuvas fortes que marcam o inverno amazônico e dificultam a propagação de incêndios e a própria operação de desmate.

Este ano, entretanto, nem a chuva impediu que o desmatamento na Amazônia Legal entre janeiro e março alcançasse a marca recorde para o período de 796,08 km², de acordo com os alertas do sistema Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Os 796 km² desmatados no trimestre, o equivalente a quase 80 mil campos de futebol oficiais, representam um aumento de 51% em relação aos três primeiros meses de 2019 e um recorde para o período desde que o Deter adotou a metodologia atual, há 5 anos. “O mais preocupante é que no acumulado de agosto de 2019 até março de 2020, o nível do desmatamento mais do que dobrou. Isso é o mais preocupante”, ressalta o coordenador-geral do Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil (MapBiomas), Tasso Azevedo.

Entre agosto de 2019 e março de 2020, período referência para o cálculo da taxa anual de desmatamento, o acumulado foi de 5.260,18 km² de área desmatada. No período anterior do ano anterior, entre agosto de 2018 a março de 2019, o acumulado foi de 2.525,5 km².

“Esse aumento no primeiro trimestre tem muito a ver com o ritmo que o desmatamento vinha já desde o ano passado por conta de todas as políticas que afrouxaram a fiscalização, das restrições que houve às operações de fiscalização, da redução do número de multas e tudo mais. O que estamos vendo é um reflexo disso”, analisa o coordenador.

Os estados que lideraram o desmatamento no primeiro trimestre de 2020 foram o Mato Grosso, com 267,07 km² desmatados, e o Pará, com 257,24 km². No Pará também está o município que mais desmatou no trimestre, Altamira, onde foram detectados quase 90 km² de perda de cobertura florestal. Amazonas, Roraima e Rondônia completam o pódio dos 5 estados que mais derrubaram florestas entre 1 de janeiro e 31 de março de 2020.

No ranking das áreas protegidas da Amazônia brasileira com maiores índices de desmatamento em primeiro está a Floresta Nacional do Jamanxim (5,43km²), seguida pela Área de Proteção Ambiental do Tapajós (5,11km²), ambas unidades de conservação localizadas no Pará e, em terceiro, a Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre (3,53km²).

O coordenador do MapBiomas esclarece que os dados levantados pelo DETER mostram o quanto de desmatamento foi detectado nesses meses e não o que efetivamente foi desmatado no período. “Um desmatamento pode ter começado em outubro e terminado em fevereiro, mas o DETER só conseguir detectá-lo em março”.

Meio Ambiente,Ecologia,Blog do Mesquita 00

Dez governos europeus pedem plano de recuperação de áreas verdes

Dez governos de toda a UE emitiram uma declaração aberta pedindo uma recuperação das áreas verdes como resposta à crise do Covid-19 e à conseqüente desaceleração econômica.

Devido à quarentena do coronavírus (Covid-19), as praças públicas, parques, ruas e restaurantes estão quase desertos. As pessoas têm que manter distância. Localização: Potsdamer Platz, centro de Berlim.

O consultor de política climática da Greenpeace da UE, Sebastian Mang, disse: “A Europa precisa de um plano para uma transformação social e econômica que nos proteja de futuras crises – sejam elas causadas por um vírus, desigualdade ou quebra do clima. Reconhecer que as enormes quantias gastas em recuperação econômica moldarão o modo como nossas sociedades operam no futuro é um começo. Mas é chocante que a Alemanha e a França não tenham assinado esta declaração.

A política da austeridade e a exploração das pessoas e da natureza estão apenas piorando a crise. Os negócios como de costume não são mais uma opção: apenas uma recuperação justa e verde pode reiniciar nossa economia e tornar nossas sociedades mais resilientes. ”

A declaração pede que a Comissão avance com o Acordo Verde Europeu e impulsione as metas climáticas da UE para 2030, conforme exigido pelo acordo climático de Paris.

Os governos argumentam que “as respostas precisam ser encontradas de maneira concertada por meio de uma resposta européia comum […] para trabalhar em conjunto para criar a ponte entre o combate ao COVID-19, a perda de biodiversidade e as mudanças climáticas” e que a UE “precisa aumentar os investimentos, principalmente nos campos de mobilidade sustentável, energia renovável, reformas de edifícios, pesquisa e inovação, recuperação da biodiversidade e economia circular. ”

O Greenpeace, juntamente com muitas outras organizações da sociedade civil, está pedindo aos governos e à UE que ajudem a construir uma sociedade mais justa e resiliente, baseada em princípios democráticos e solidariedade internacional, e oferecendo melhores cuidados de saúde, padrões de emprego, proteção social e ambiental.

A crise do Covid-19 e a crise econômica resultante demonstram a profunda necessidade de uma transição social e econômica ser justa e verde, permitindo que as sociedades sejam resilientes diante da crise.

O Greenpeace é uma organização global independente de campanha que atua para mudar atitudes e comportamentos, proteger e conservar o meio ambiente e promover a paz. O Greenpeace não aceita doações de governos, UE, empresas ou partidos políticos.

 

Plantio para polinizadores

Os polinizadores nativos estão enfrentando ameaças crescentes. Aqui estão algumas maneiras fáceis e divertidas de ajudá-los!

Na cidade costeira de Pacific Grove, Califórnia, oferecerá uma fantasia de asas alaranjadas e negras cintilantes, enquanto milhares de borboletas-monarca descem nos pinheiros, ciprestes e eucaliptos, onde se agrupam para passar o inverno.

Mas o outono de 2018 foi diferente. Emma Pelton, bióloga da Sociedade Xerces de Conservação de Invertebrados, foi a Pacific Grove e perto de Pismo Beach para a contagem anual de monarcas do Dia de Ação de Graças da organização, esperando alguma aparência da cena “completamente mágica” que ela havia observado nos anos anteriores. O que ela descobriu foi uma sombra pálida de contagens passadas, com apenas alguns pedaços dispersos de borboletas nos galhos.

Era o mesmo no litoral: em centenas de locais, do condado de Mendocino até a Baixa Califórnia, os voluntários contavam apenas 30.000 monarcas ocidentais – 86% menos que o número de borboletas no ano anterior.

Uma queda tão grande em um ano não é necessariamente incomum, diz Pelton, mas como parte de um declínio de longo prazo na população da borboleta, é preocupante. A população atual é estimada em menos de 1% do seu nível no início dos anos 80, diz ela. “Estamos bastante preocupados que essa seja a contagem mais baixa que já tivemos. Os pesquisadores colocaram o limite – abaixo do qual a população poderia entrar em colapso – em torno desse número. Portanto, a hipótese de que esse é o ponto de inflexão será posta à prova. ”

As Borboletas Monarcas estão desaparecendo.
Ilustração Lisel Jane Ashlock

Há mais em jogo do que a perda de um espetáculo anual chamativo e uma das migrações mais intrigantes da natureza (os monarcas viajam milhares de quilômetros ao longo de várias gerações para alcançar seus destinos migratórios). Alguns pesquisadores estão preocupados que o declínio recente de algumas espécies de borboletas possa ser um indicador de que mais polinizadores estão enfrentando dificuldades. E se os polinizadores estão lutando, o mesmo acontece com as plantas com flores que dependem deles para espalhar seu pólen.


Ilustração Lisel Jane Ashlock

A situação da abelha européia, importada da Europa no século XVII e amplamente utilizada para serviços de polinização na agricultura comercial, recebeu muita atenção. Mas menos pessoas sabem que os polinizadores nativos – incluindo borboletas, abelhas, beija-flores, mariposas e morcegos – também polinizam as culturas alimentares, bem como mais de 75% das plantas com flores do mundo. E, como monarcas e abelhas, muitos desses polinizadores estão com problemas.

Alguns polinizadores, como a abelha em risco de extinção, são generalistas, capazes de polinizar uma variedade de espécies de plantas. Outros pares de plantas e animais evoluíram para parcerias exclusivas e altamente especializadas. Por exemplo, as figueiras podem ser polinizadas apenas por uma única espécie de vespa. Em geral, os destinos dos polinizadores e de suas plantas hospedeiras estão entrelaçados. E para muitos polinizadores nativos, as plantas nas quais eles dependem são plantas nativas que enfrentam suas próprias ameaças de espécies invasoras, desenvolvimento e mudanças climáticas.

O destino dos polinizadores e de suas plantas hospedeiras está entrelaçado. Para muitos polinizadores nativos, as plantas nas quais eles dependem enfrentam suas próprias ameaças.

Ameaças aos polinizadores
As ameaças aos polinizadores são tão numerosas e variadas quanto as próprias espécies – e outros fatores ainda podem ser descobertos – mas os cientistas apontam para alguns dos principais contribuintes: inseticidas; espécies invasivas; parasitas e doenças; e mudanças climáticas.

“Muitos desses polinizadores evoluíram para emergir exatamente quando suas plantas estão florescendo”, diz Deborah Landau, cientista de conservação da The Nature Conservancy em Maryland. Mas as mudanças climáticas estão causando estragos no momento de muitos eventos naturais. “Se uma flor florescer muito cedo ou um inseto chocar de seu ovo muito cedo, eles podem sentir uma falta total da outra.”

Ilustração deLisel Jane Ashlock

Menos flores.
À medida que mais e mais terras são desenvolvidas, os polinizadores perdem as plantas que as sustentam.
Um dos maiores contribuintes, e o que a TNC está abordando mais diretamente, é o desaparecimento e a fragmentação do habitat de plantas nativas. Cada quilômetro quadrado de terreno aberto voltado para shopping centers ou rodovias é o equivalente polinizador do nivelamento de Manhattan.

E para os polinizadores que migram, como borboletas-monarca e muitas espécies de beija-flores, a perda de habitat está ocorrendo ao longo de todo o seu alcance – portanto, um conjunto residencial da Califórnia construído com madeira extraída de florestas mexicanas pode estar causando o dobro do dano.

A perda de polinizadores é parte de um padrão maior com o qual os conservacionistas e cientistas estão lidando. Estudos recentes na Europa relatando enormes reduções no volume de insetos capturados em armadilhas provocaram manchetes alertando sobre um “apocalipse de insetos”. Embora não esteja claro se esses resultados são o principal indicador do colapso da população global, conservacionistas como Landau os consideram preocupantes.

Ilustração de Lisel Jane Ashlock

Como você pode ajudar os polinizadores
A boa notícia é que mesmo pequenas ações individuais podem ajudar. Uma chave para tornar os polinizadores nativos mais abundantes é aumentar a abundância de plantas nativas.

Moradores de apartamentos urbanos podem se envolver com hortas comunitárias ou colocar uma caixa de janela com flores nativas. (Visite o Centro de flores silvestres Ladybird Johnson em wildflower.org e escolha a guia “Plantas nativas” para encontrar flores que funcionem para sua área.) E, para quem tem um gramado, algo tão simples quanto tolerar dentes de leão fornece um polinizador no início da primavera refeição antes que outras flores apareçam.

Ainda melhor: Substitua pelo menos um pedaço dessa grama bem cuidada por um jardim nativo. Entre os produtos químicos, as necessidades de água, a poluição do cortador de grama e a falta de plantas com flores, diz Landau, “os gramados são apenas desastres ecológicos”.

Insetos voadores podem encontrar caixas de flores e jardins em varandas e telhados altos.

Ilustração de Lisel Jane Ashlock
Se você mora em um prédio alto da cidade, em um beco sem saída suburbano ou em uma fazenda, você pode criar um oásis de habitat de polinizador. “Os insetos podem voar”, ressalta Megan Whatton, diretora de projetos da TNC na Virgínia, “portanto, mesmo se você estiver no 10º andar, se plantá-lo, eles virão”.

Alguns anos atrás, Whatton estava comprando sua primeira casa quando começou a trabalhar na The Habitat Network, uma parceria entre a TNC e o Cornell Lab of Ornithology que permitia às pessoas mapear o habitat dos polinizadores em suas comunidades. Achando que deveria praticar o que pregava, Whatton e o marido plantaram um jardim nativo. “Foi muito divertido”, diz ela, observar o que acontece durante uma refeição – desde lagartas-monarca mastigando serralha até beija-flores bebendo néctar.

Um boom de energia renovável está mudando a política do aquecimento global

Nos últimos anos, Dewey Engle, um trabalhador aposentado de 81 anos que mora nos arredores de Tahoka, uma pequena cidade agrícola no oeste do Texas, adquiriu uma nova visão de sua varanda dos fundos.

Dezenas de turbinas eólicas zumbem 300 pés sobre os campos de algodão atrás de sua casa. Algumas pessoas podem ficar perturbadas com a chegada repentina de máquinas tão monstruosas praticamente em seu jardim. Engle diz que seu único problema com eles é que eles não estão em seu modesto pedaço de terra, de modo que ele não recebe royalties. “Eu adoraria receber esse dinheiro”, diz ele. “Gostaria de ter dez deles.”

O parque eólico de Tahoka é de propriedade da Orsted, uma empresa dinamarquesa de energia que entrou no mercado americano há menos de dois anos. É composto por 120 turbinas, cada uma capaz de gerar energia suficiente para 1.000 residências. Na porta seguinte, Sage Draw, outras 120 turbinas ainda estão sendo montadas e conectadas à rede do Texas. O Fracking, outro setor que transformou partes do oeste do Texas na última década, agora está com problemas. Mas as pás da turbina não param de girar. Dirija de Lubbock a Sweetwater e, durante quase toda a jornada, o horizonte está repleto de moinhos de vento em todas as direções. A grande maioria foi apresentada nos últimos dez anos. O Texas agora atende a 20% de sua demanda considerável de eletricidade com o vento. Se fosse um país, o Lone Star State seria o quinto maior do mundo em sua produção de energia eólica.Energia,Renovável,Solar,Eólica,Blog do Mesquita

Curiosamente, o boom de energia renovável da América tem sido mais forte em estados controlados pelos republicanos como o Texas. Lugares controlados por democratas como Nova York têm políticas destinadas a atrair investimentos, por exemplo, promessas de que os governos estaduais comprem apenas energia verde. Mas o Texas tem muito vento e sol e muito menos Nimbys. O presidente Donald Trump, que gastou uma pequena fortuna tentando combater um parque eólico à vista do seu clube de golfe escocês, evidentemente não suporta turbinas. Em comícios, ele gosta de reclamar sobre como eles matam pássaros. Mas para muitos de seus apoiadores, principalmente nas áreas rurais, turbinas eólicas e painéis solares são um impulso para as economias em dificuldades. No Condado de Lynn, do qual Tahoka é a sede, 77% das pessoas votaram em Trump. O boom poderia convencer os republicanos de que a descarbonização pode ser uma oportunidade econômica, não apenas um custo?

Nos últimos anos, turbinas surgiram nas planícies americanas; proporcionalmente, Kansas e Oklahoma dependem mais do vento do que o Texas. Há alguns anos, uma das categorias de trabalho que mais crescem nos Estados Unidos é o “técnico de turbinas eólicas”. Nem o boom está confinado ao vento. O investimento está sendo investido em usinas solares e sistemas de bateria, especialmente no sudoeste banhado pelo sol. O crescimento do número de instaladores de painéis solares ultrapassou o dos técnicos de turbinas eólicas. Em conjunto, a energia solar e eólica representam 55% da nova capacidade de geração de eletricidade adicionada a cada ano, de acordo com a Associação de Indústrias de Energia Solar, um grupo da indústria. Como as usinas de carvão estão fechando mais rápido do que as de gás, a capacidade geral de combustíveis fósseis está diminuindo.Tecnologia,Energia Eólica,Ciêcia,Energia,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

O que precipitou esse boom? As políticas federais ajudaram – o vento se beneficiou de um crédito de imposto de produção por décadas, apesar de expirar nos próximos anos. Um crédito fiscal de investimento solar continuará. Mas as políticas locais também ajudaram. O Texas tem sua própria rede de eletricidade, administrada pela ercot, uma empresa estatal. Nos anos 2000, o lobby de políticos no oeste do estado levou-o a criar um fundo para construir uma nova rede de linhas de transmissão, o que possibilitou aos produtores de energia eólica fornecer energia à rede a partir de partes remotas, mas com muito vento do estado. As mesmas linhas agora estão ajudando a aumentar a energia solar, diz Dan Woodfin, da ercot. Ele diz que, há dez anos, ele não acreditava que o sistema seria capaz de lidar com tanta energia renovável quanto agora; no pico, 55% da eletricidade do Texas é fornecida pelo vento.

No entanto, o maior impulsionador foi simplesmente o baixo custo e a alta demanda. O custo de turbinas eólicas e painéis solares caiu vertiginosamente. E em locais rurais como o Texas (ao contrário de partes mais densamente povoadas do país), os royalties pagos pelo uso da terra são importantes o suficiente para que os proprietários de terras e os governos locais detenham a oposição. Enquanto isso, um número crescente de grandes empresas deseja comprar eletricidade verde para reduzir suas próprias emissões de carbono, o que significa que os produtores podem empacotar suas energias renováveis ​​para vender com contratos virtuais de fornecimento de energia.

Todo esse crescimento começará a mudar atitudes em relação às mudanças climáticas? Por enquanto, o Texas tem cerca de 35.000 empregos em energia solar e eólica. O número cresceu rapidamente, mas dez vezes esse número ainda está em combustíveis fósseis. O Texas é o maior produtor de emissões de carbono da América. Portanto, talvez não seja surpreendente que seu governador, Greg Abbott, tenha sido cético quanto à humanidade ter muito a ver com o aquecimento global. Muitos políticos republicanos, como o senador Chuck Grassley, de Iowa, mostram que é perfeitamente possível ser um defensor entusiasmado da energia verde em seu distrito, enquanto ainda negam que a mudança climática em geral exija qualquer resposta política nacional.Ambiente,Carvão,Energia,Poluição,Aquecimento Global,Blog do Mesquita

Mas a mudança para uma energia mais verde está mudando algumas mentes. Curt Morgan, CEO da Vistra Energy, uma das maiores empresas de eletricidade do Texas, que gera e vende eletricidade, diz que sua empresa passou de contar com carvão para cerca de 70% de sua geração para menos da metade agora. Todos os novos investimentos da Vistra são em energia renovável, e a empresa agora apóia um imposto sobre o carbono, que Morgan diz ser a melhor maneira de incentivar empresas como a dele a deixar de poluir o carbono. A ExxonMobil, uma gigante de combustíveis fósseis com sede no estado, é outro proponente da idéia.

No entanto, isso convencerá os republicanos? Morgan diz que acha que o partido está indo na direção certa. Eles deixaram de ser “apenas diga que não há partido sobre mudança climática para um partido que reconhece que é um problema”, diz ele. Mas, ele acrescenta, o progresso é lento. “Os políticos têm um problema – eles precisam ser reeleitos.” Em fevereiro, os republicanos da Câmara dos Deputados propuseram reduzir as emissões criando um crédito fiscal para o seqüestro de carbono e incentivando o plantio de árvores. Apesar da modéstia, o plano foi imediatamente denunciado como capitulação por alguns grupos à direita. O Partido Republicano corre o risco de ser deixado para trás defendendo indústrias antigas, mesmo quando novas as varrem.

O que o mundo perderia com a extinção das abelhas

Philip Donkersley estuda insetos para ganhar a vida, e as abelhas são favoritos.

Eles são os animais mais carismáticos e amigáveis ​​que você provavelmente verá por aí.

Infelizmente, suas chances de ver um zangão na Europa e na América do Norte caíram um terço desde 1970, segundo uma nova pesquisa.

Em toda a Europa, temos 68 espécies de abelhas, mas o aumento da temperatura global e o clima imprevisível obrigaram alguns a abandonar as regiões sul. Como resultado, aproximadamente metade dessas espécies estão em declínio, com 16 já ameaçadas.

Muitas dessas espécies são encontradas em apenas alguns lugares, como Bombus hyperboreus, que vive apenas na tundra escandinava. À medida que o clima muda, essas abelhas ficam sem ter para onde ir e podem morrer completamente.

Suas peles grossas e felpudas e o ferrão alto diferenciam essas abelhas de outros insetos, e são uma visão familiar em grande parte do mundo. Existem até abelhas tropicais que podem ser encontradas na floresta amazônica. Mas como seria um mundo sem eles?Bombus hyperboreus é listado como ‘Vulnerável’ pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Crédito: Smithsonian Institution / Wikimedia Commons, CC BY-SA

Polinizadores especializados

Mais de três quartos das culturas do mundo se beneficiam da polinização por insetos, avaliada em US $ 235-577 bilhões anualmente. Das 124 culturas básicas cultivadas para consumo humano, 70% dependem da polinização por insetos. Embora a situação das abelhas tenda a chamar mais atenção, pesquisas recentes sugerem que as abelhas são polinizadores muito mais eficientes.

Os zangões são maiores e mais peludos e, portanto, podem transportar mais pólen. Eles também  podem transferir o pólen de maneira mais eficaz para fertilizar as plantas. Eles se comportam de maneira diferente em torno das flores, movendo-se metodicamente para cobrir cada flor em um trecho, enquanto as abelhas tendem a se mover aleatoriamente entre as flores em um trecho.

Os zangões também são mais duros que as abelhas e continuão a polinizar sob ventos fortes ou chuva. Ainda poderíamos cultivar alimentos sem abelhas, mas podemos nos esforçar para conseguir o suficiente e nossa dieta não seria tão diversa.

Os zangões são mestres da “polinização por zumbido”. Eles podem vibrar em uma frequência particularmente alta (até 400Hz) perto das flores, para liberar o pólen que é difícil de alcançar. Os abelhões estão entre uma pequena minoria de insetos polinizadores que podem fazer isso, e tomates, batatas e mirtilos dependem dele para se reproduzir.

A vida interior dos zangões

Como as abelhas, as bumbles são criaturas sociais e vivem em colméias. Eles são governados por uma rainha solteira que é sustentada por suas filhas (as trabalhadoras) e alguns filhos (zangões).

Embora as abelhas normalmente formem colmeias de cerca de 30.000 indivíduos, que podem ser quase tão grandes quanto uma pessoa, os zangões vivem muito mais modestamente. Suas colméias hospedam cerca de 100 abelhas e são pequenas o suficiente para caber em um vaso.

À medida que as temperaturas aumentam no início da primavera, as enormes rainhas que hibernaram no subsolo durante o inverno acordam e procuram néctar e pólen, e um local de nidificação adequado para o ano. Eles não são exigentes – cavidades de árvores, caixas de pássaros e o espaço sob os galpões de jardim servem.A abelha-comum (Bombus pascuorum) forma um ninho acima do solo na grama e no musgo. Crédito: Panoramedia / Wikimedia Commons, CC BY-SA

As operárias guardam o ninho e a forragem da rainha, que põe ovos no final do verão para drones masculinos e novas rainhas. Ambos saem para acasalar com abelhas de outras colméias, enquanto novas rainhas se alimentam de pólen e néctar, armazenando a energia como gordura dentro de seus corpos, para que possam hibernar durante o inverno e emergir na primavera, para iniciar o ciclo novamente. Enquanto isso, os trabalhadores e os drones morrem a cada inverno.

Nem todas as abelhas vivem em colmeias e produzem mel. A abelha cuco, por exemplo, pertence à família das abelhas, mas é uma espécie de ovelha negra. Os cucos se disfarçam de outras espécies de abelhas, escondem seus ovos nas colméias e permitem que os anfitriões que trabalham duro criem e cuidem deles. Tão bem disfarçados são esses parasitas que até os entomologistas lutam para identificá-los na natureza.

Embora as abelhas sejam generalistas e se alimentem de tudo o que possam encontrar, os abelhões tendem a ter uma dieta altamente especializada, e as flores desenvolveram relações estreitas com determinadas espécies. Plantas como trevo vermelho têm longos e complexos tubos de flores que apenas espécies de língua longa como Bombus hortorum podem alcançar. Em sistemas altamente especializados como esse, a perda da planta ou do polinizador pode levar à perda da outra, causando uma cascata de extinções.

Primavera Silenciosa?

A mudança climática não é a única ameaça aos abelhões. Mudanças na maneira como a terra é usada – mais agricultura rica em pesticidas, menos pastagens selvagens – significam menos forragem. Isso causou declínios maciços, mesmo recentemente. O humilde bumble de Cullum (Bombus cullumanus) caiu 80% em todo o mundo desde 2010

Mas as abelhas selvagens são resistentes e respondem mais rapidamente às melhorias em seu habitat, como as tiras de flores silvestres, do que as abelhas. No Reino Unido, o zangão de pelos curtos (Bombus subterraneus) foi declarado extinto em 2000, mas a colaboração entre o RSPB e o Bumblebee Conservation Trust ajudou a reintroduzir a espécie em locais no sul da Inglaterra, perto de Dungeness e Romney Marsh.