W.H. Auden – Poesia – 24/01/23

Boa noite
Acalanto
W.H.Auden

Repousa a fronte, meu amor,
Humana em meu braço descrente;
Que o tempo e as febres crestem, varram
Toda a beleza individual
Das crianças ora pensativas,
Porquanto o túmulo revela
O quanto a criança é passageira:
Mas que em meus braços se demore,
Até que o dia se renove,
Quieta, a vivente criatura –
Mortal, culpada, mas para mim
Tão bela, inteiramente bela.

Não têm amarras alma e corpo:
Aos amantes, quando se deitam
No seu indulgente e encantado
Declive, absortos no langor
Costumeiro, grave é a visão
Que Vênus do alto lhes envia
De sobre-humana simpatia,
E de esperança e de um amor
Universal, enquanto, abstrata,
Uma interior visão desperta
Em meio aos gelos e aos rochedos
Do eremita a carnal euforia.

Como de um sino as vibrações
Quando ressoa a meia-noite,
Fidelidade e segurança
No vento passam, e, pedantes,
Os desvairados do momento
Lançam seu grito aborrecido:
Que do preço todo o montante,
Tal como, tristes, o preveem
Todas as cartas do baralho,
Seja pago; mas desta noite

Nenhum suspiro, pensamento,
Beijo ou olhar seja perdido.
Beleza, noite, visão morrem:
Que os ventos da manhã, soprando
Suaves em torno ao teu sonhar,
Mostrem, que ao olho e ao coração
Venha trazer a sua bênção,
Um dia de amplo acolhimento,
E nos baste o mundo mortal:
E te encontrem as tardes secas
Pelas forças involuntárias
Nutrido; e que as noites de insulto
Te deixem ir sob os cuidados
De cada humano sentimento.