Avião cai em Nova York e mata 49

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

foto-aviao-da-continental-express-caiu-em-area-residencial-do-suburbio-de-buffaloClique para ampliar

Um avião da Continental Express caiu no subúrbio da cidade de Buffalo, estado de Nova York, por volta das 22 horas (hora local – madrugada de sexta-feira no Brasil) de quinta-feira, 12, deixando ao menos 49 mortos e dois feridos. A aeronave tinha 48 pessoas a bordo, sendo 44 passageiros e 4 tripulantes, segundo a Agência Federal de Aviação americana (FAA). A queda aconteceu a 16 km do Aeroporto Internacional Buffalo Niagara e o voo saiu de Newark (New Jersey) para Buffalo.
Ted Lopatkiewicz, porta-voz da Agência Nacional de Segurança em Transportes, disse não saber se há sobreviventes. Chris Collins, coordenador do serviço de emergências do condado de Erie, afirmou em uma coletiva de imprensa que 49 pessoas morreram, incluindo uma que não estava no avião. Pelo outras duas que não eram passageiras ficaram feridas e foram levadas para o hospital.

O site do jornal The Buffalo News, citando uma fonte não identificada do Aeroporto Internacional  Buffalo Niagara, confirmou as mortes de todos os que estavam a bordo. Uma funcionária do governo do condado disse ao jornal que a tripulação teria relatado problemas mecânicos quando o avião se aproximava do aeroporto. O site informou ainda que vários feridos foram levados para o Centro Médico do Condado de Erie.

Veja o Vídeo

A Continental Airlines divulgou um comunicado segundo o qual o avião acidentado fazia o voo 3407 e era operado pela Colgan Air. Segundo a Continental, tratava-se de um voo de conexão para a companhia e o acidente ocorreu às 22h20, hora local (1h20 de Brasília). O avião era um Bombardier, modelo Dash 8 Q400.

A casa que foi atingida pela aeronave pegou fogo e outras 12 residências ao redor foram evacuadas. O guarda da Polícia do estado de Nova York, John Manthey, informou que a aeronave caiu no vilarejo de Clarence Center. Segundo ele, não está claro se havia alguém na casa no momento do acidente.

Collins qualificou de “tragédia” o ocorrido e assinalou que, após estabelecer um perímetro de segurança em torno da zona do acidente, “é preciso levar muitos elementos em conta para começar a investigação”.

As imagens da TV local mostravam uma zona residencial tomada pelas chamas e bombeiros tentando controlar o incêndio gerado pela queda que, aparentemente, ainda tinha bastante combustível.

Segundo Collins, autoridades federais americanas de aviação civil, assim como os especialistas da companhia aérea, que tem sua sede em Houston, no Texas, chegarão em algumas horas para iniciar a investigação.

Por enquanto, as autoridades abriram uma linha de telefone para informar aos familiares das vítimas sobre a situação após o acidente.

Chris Kausmer, parente de uma passageira, expressou comovido às redes de TV locais que “esperava notícias da irmã” e que “temia o pior”. Emocionado, Kausmer afirmou que a única coisa em “que pode pensar no momento” é que sua mãe e seus dois filhos “têm que pegar um avião da Flórida” até Nova York.

Especialistas consultados por redes de TV como a CNN citaram a possibilidade de que as más condições meteorológicas, de chuva gelada e vento forte, possam ter influenciado no acidente.

Um porta-voz da Continental Airlines, citado pela CNN, informou que as equipes de sua subsidiária Colgar Air, que tem sua sede em Manassas, na Virgínia, iniciaram já o processo de coleta de informação para ajudar a determinar as causas do acidente.

Este é o segundo acidente aéreo que ocorre no estado de Nova York em menos de um mês. Em 15 de janeiro, o piloto de um Airbus-320 da companhia US Airways, que levava 155 pessoas a bordo, se viu obrigado a fazer um pouso de emergência nas águas do rio Hudson.

do G1

admin

admin

Administrado do sistema do blog!

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me