Versos na tarde – José Albano – 24/11/2012


Esparsa
José Albano¹

Há no meu peito uma porta
A bater continuamente;
Dentro a esperança jaz morta
E o coração jaz doente

Em toda parte onde eu ando,
ouço este ruído infindo:
São as tristezas entrando
E as alegrias saindo

¹José Albano
* Fortaleza, CE. – 12 de Abril de 1882 d.C
+
Montauban, França – 11 de julho de 1923 d.C
[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Poeta singular, no dizer de Manuel Bandeira, “porque inteiramente fora dos quadros da poesia brasileira”, José de Abreu Albano nasceu em Fortaleza, mas logo o pai o mandou estudar na Europa, onde frequentou os melhores colégios, na Inglaterra (Stonyhurst College), na Áustria (Colégio Stella Matutina) e na França (Colégio dos Irmãos da Doutrina Cristã).


Você leu?: Fernando Pessoa – Arte e Sensibilidade


Deve-se a Manuel Bandeira e a Braga Montenegro o estudo e a divulgação de suas Rimas. Manuel Bandeira, como inúmeros críticos da obra de José Albano, ficou indeciso quanto à classificação estética do poeta, naquele começo do século com escolas que se entrecruzavam e influenciavam lealmente os poetas.

Dessa formação algo “eclesiástica” duas ilações podem ser tomadas: uma, a linhagem de sua poesia mística; a outra, a sua predileção pelo passado, pois achava que a perfeição artística estava lá. Não lia os escritores de seu tempo e a sua obra, de modo geral, é de gosto clássico, arcaizante, camoniana. Assim, fugia ao esquema, algo repetitivo do Romantismo/Parnasianismo/Simbolismo, fuga para o passado, pois “propositadamente ele não quis ultrapassar a Renascença”, como diz José Sombra.

Bem jovem ainda, José Albano está de volta à terra natal, quando começa a publicar seus poemas no jornal A República e estuda no Liceu do Ceará. Em 1902 vai para o Rio de Janeiro, com a intenção de estudar Direito, mas interrompe o curso e volta ao Ceará, na condição de professor de latim do Liceu. Europa, Ceará e Rio de janeiro marcarão as várias etapas da vida do poeta.

Depois de trabalhar no Ministério das Relações Exteriores, José Albano, já casado, vai para o consulado brasileiro em Londres. Mas abandona a carreira pública para viajar pelo mundo, enquanto continua a produzir seus poemas de feição clássica. Poliglota, escreve em francês, inglês e alemão, mas, como lembra Manuel Bandeira, “tão versado em idiomas estrangeiros, prezava como ninguém a pureza do vernáculo”.

Inquieto, “um doido com intervalos de gênio”, como disse Gondin da Fonseca, José Albano acaba abalado mentalmente, mas se recupera após três anos de tratamento no Brasil e volta à Europa. Alguns de seus poemas são enfeixados, pelo próprio autor, em “plaquetes requintadas”, dificilmente encontráveis hoje em alguma biblioteca.

Como o Parnasianismo tinha uma feição algo clássica, tal constatação levou alguns estudiosos a incluírem José Albano nesta Escola. Manuel Bandeira, depois de julgá-lo fora “dos quadros da poesia brasileira”, levanta a questão: “Todavia, alguma coisa em sua poesia soa à corrente poética do tempo em que ele viveu. Esse tempo era o simbolismo. Pela espiritualidade de sua inspiração, pela musicalidade de sua forma, pela sensibilidade por assim dizer outonal de seus versos, é dentro do quadro simbolista que melhor cabe a sua singular figura.

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , ,

Leia também:

Mario Quintana - Bem Aventurados - Poesia
Mario Quintana - Bem Aventurados - Poesia

Bem-aventurados os pintores escorrendo luz

December 20, 2019, 7:21 pm
René Descartes- Existo
René Descartes- Existo

De há muito tinha notado que, pelo que respeita à conduta

December 20, 2019, 7:32 pm
Abel Silva - Troca de bem
Abel Silva - Troca de bem

Esquece a briga, esquece o grito

December 24, 2019, 7:00 pm
Simone de Beauvoir - Para que minha vida me bastasse
Simone de Beauvoir - Para que minha vida me bastasse

A literatura aparece quando alguma coisa na vida se desregra

December 22, 2019, 5:00 pm
Tavinho Paes - No mar do Amor
Tavinho Paes - No mar do Amor

pode ser que no mar o amor flutue

January 13, 2020, 5:39 pm
Versos na tarde - Djalma Portela
Versos na tarde - Djalma Portela

Poema dos enamorados Djalma Portela Como sem destino Escrito na palma da mão Caminhando sem rumo Numa vida sem prumo. Dono absoluto, da pior sensação, Momento cruel domina meu coração....

December 23, 2019, 9:00 pm