Elisa Lucinda – Cor-respondência

de versos que nos bolinaram os dois


Cor-respondência
Elisa Lucinda

Remeta-me os dedos
em vez de cartas de amor
que nunca escreves
que nunca recebo.
Passeiam em mim estas tardes
que parecem repetir
o amor bem feito
que você tinha mania de fazer comigo.
Não sei amigo
se era o seu jeito
ou de propósito
mas era bom, sempre bom
e assanhava as tardes.
Refaça o verso
que mantinha sempre tesa
a minha rima
firme
confirme
o ardor dessas jorradas
de versos que nos bolinaram os dois
a dois.
Pense em mim
e me visite no correio
de pombos onde a gente se confunde
Repito:
Se meta na minha vida
outra vez meta
Remeta.

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Nietzsche - Conhecimento sem paixão seria castrar a inteligência
Nietzsche - Conhecimento sem paixão seria castrar a inteligência

Como investigadores do conhecimento, não sejamos ingratos

September 4, 2019, 6:55 pm
Mario Cesariny - Uma Certa Quantidade - Poesia
Mario Cesariny - Uma Certa Quantidade - Poesia

como se é uma nuvem um atelier um astro...

September 6, 2019, 8:06 pm
Júlio Dantas - O Talento na Juventude e na Velhice
Júlio Dantas - O Talento na Juventude e na Velhice

...supor que o talento constitui privilégio da mocidade.

September 15, 2019, 9:06 pm
Rousseau - Entendimento Apaixonado
Rousseau - Entendimento Apaixonado

O entendimento humano deve muito às paixões...

September 8, 2019, 7:45 pm
Jean Cocteau - Poesia
Jean Cocteau - Poesia

Aproveitei-me, confesso, de certos acidentes

August 25, 2019, 7:00 pm
O Deus de Ezpinoza - O que é a filosofia
O Deus de Ezpinoza - O que é a filosofia

Já em seu Tratado Teológico Político, anterior à Ética

September 9, 2019, 11:55 am