• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Uma nova guerra imperialista parece cada vez mais perto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A contenda na Ucrânia entre a Rússia e as potências capitalistas ocidentais, USA à frente, parece perto de transbordar para um conflito interimperialista que já há tempos se anuncia. Conflito este que, historicamente, se prenuncia como o desaguadouro natural das insanáveis contradições que apertam o nó no pescoço do grande capital monopolista em profunda crise. No limite do tensionamento, estas contradições atiçam, atiram e compelem os blocos de poder globais ao choque retumbante da guerra.

Tropas Americanas desembarcam na Polônia,Blog do MesquitaTropas ianques desembarcam em base militar polonesa

O USA intenta mover tropas e equipamento militar pesado para a Polônia, Romênia, Letônia, Lituânia, Bulgária e Estônia, justamente os países que o ex-secretário de defesa ianque Donald Rumsfeld chamou uma vez cinicamente de “Nova Europa”, ou seja, nações do Leste Europeu que outrora integraram o “bloco soviético”, e que, agora, Washington vai, pouco a pouco, integrando à Otan justamente para montar um cerco à Rússia, potência militar que representa o obstáculo de porte à estratégia de dominação planetária do USA e de seus monopólios — único caminho vislumbrando pela grande burguesia ianque para tentar mitigar a crise que lhe corrói as estruturas desde a década de 1970.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

São pelo menos cinco mil soldados, peças de artilharia e tanques a serem posicionados de frente para a Rússia e prontos para o combate. No último dia 14 de junho, os ministros da defesa da Lituânia e da Polônia confirmaram publicamente o aval à chegada de tropas do USA, sendo que aquele último esteve pessoalmente em Washington dias antes para discutir o assunto.

Quem hoje ocupa o cargo que já foi de Rumsfeld, Ash Carter, falou, em discurso feito no último 22 de junho em Berlim, que o governo russo está tentando recriar a Guerra Fria, e que o USA e seus sócios (“aliados” é a palavra que se usa) não vão deixar Moscou “nos arrastar de volta ao passado”. Ele estava em Berlim para acompanhar a formação de uma força militar de intervenção rápida da Otan, criada em meio a todo este rufar de tambores. Um dia antes, 21 de junho, o mesmo Carter dissera que o USA está se preparando militarmente para o caso de o rompimento com a Rússia “ir além do rompimento com Putin”. Nos dias subsequentes, o secretário de defesa ianque subiria a bordo de um navio de guerra do USA estacionado em águas territoriais estonianas para “supervisionar” exercícios militares da Otan no mar Báltico, uma ostensiva provocação à Rússia que contou com nada menos que 50 navios de guerra e 5.600 militares de 17 países da Otan.

No mesmo dia em que Ash Carter falava da iminência da guerra em Berlim, a União Europeia anunciava o prolongamento das sanções à Rússia até 2016, enquanto a Rússia se preparava, em “reciprocidade”, a estender até igual data a proibição à compra de alimentos de países da Europa.

A Rússia reagiu ao anúncio de movimento de tropas e equipamento militar pesado da Otan no Leste Europeu dizendo que este é “o mais agressivo passo do Pentágono e da Otan desde a Guerra Fria”, que vai mover tropas e aparato bélico para reforçar sua fronteira ocidental e que pretende fechar o ano de 2015 com seu arsenal reforçado por 40 novos mísseis balísticos intercontinentais e com sua estrutura de defesa incrementada por um novo radar de detecção de alvos aéreos.

Antes disso, em discurso proferido em meados de junho durante o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo, Putin afirmou que a saída do USA do Tratado de Mísseis Antibalísticos entre os dois países (abandonado por Washington há quase 15 anos, em 2001, quando a nova estratégia de dominação global pelo imperialismo foi posta em marcha, na sequência dos “atentados” do 11 de setembro), empurra a Rússia para uma “nova rodada de corrida armamentista”.

O USA abandonou este tratado porque ele impunha aos seus signatários a contenção do uso de sistemas BMD, sigla em inglês para Defesa de Mísseis Balísticos. São precisamente os sistemas BMD que compõem grande parte da chamada “Abordagem Adaptativa” para a Europa, cuja segunda fase será concluída ainda em 2015 com a instalação de um sistema desse tipo na Romênia.

Por Hugo R.C. Souza – via a nova democracia/Tribuna da Imprensa

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me