É a economia estúpido

EUA anunciam venda bilionária de caças ao CatarCaças F15

Caças F15: negócio entre EUA e Catar vale 12 bilhões de dólares e pode envolver até 36 jatos

Em meio à crise no Oriente Médio, Washington fecha venda de aviões de guerra no valor de US$ 12 bilhões e faz operações navais conjuntas com país árabe, que abriga maior base militar americana na região.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Os Estados Unidos fecharam uma venda bilionária de caças ao Catar e começaram manobras navais conjuntas com o país nesta quinta-feira (15/06), ressaltando seu compromisso com seu aliado militar, apesar da crise entre Doha e governos vizinhos.

Washington tem enviado sinais contraditórios a seu aliado de longa data em relação à sua posição sobre a crise diplomática, desatada após a Arábia Saudita e seus aliados suspenderem relações com o Catar, impondo sanções ao emirado.

Na semana passada, o presidente dos EUA, Donald Trump, expressou seu apoio às acusações contra o Qatar, afirmando que o emirado tem sido “historicamente um financiador do terrorismo em um nível muito alto”.

Mas funcionários do Pentágono e do Departamento de Estado têm se esforçado desde então para tranquilizar o emirado, que abriga cerca de 10 mil soldados americanos, a maior base aérea dos EUA no Oriente Médio e a central de comando para operações militares dos EUA no Iraque, Síria e Afeganistão.

Visita a Washington

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, recebeu seu homólogo do Qatar, Khalid al-Attiyah, em Washington nesta quarta-feira, para a assinatura do acordo para a venda de caças F-15. “A venda de 12 bilhões de dólares dará ao Qatar uma capacidade de tecnologia avançada e aumentará a cooperação de segurança e de interoperabilidade entre os Estados Unidos e Qatar”, disse o Pentágono, sem fornecer detalhes adicionais sobre a venda. A agência de notícias Bloomberg relatou que ela pode envolver até 36 caças.

“O Catar e os Estados Unidos solidificaram sua cooperação militar lutando lado a lado por muitos anos, em um esforço para erradicar o terrorismo e promover um futuro de dignidade
e prosperidade”, disse Attiyah em comunicado.

Os militares americanos haviam anunciado um negócio semelhante de 21,1 bilhões de dólares em novembro, envolvendo 72 caças F-15 para o Catar nos dias finais da administração Obama. Não ficou imediatamente claro se os dois negócios se tratam do mesmo acordo. Representantes do governo do Qatar não responderam imediatamente à essa questão na quinta-feira.

Exercícios militares conjuntos

O Pentágono enviou dois navios de guerra para realizar manobras conjuntas com a Marinha do Catar, no Golfo. Os navios atracaram no Porto Hamad, ao sul da capital Doha, na quarta-feira, segundo o Ministério da Defesa do Catar.

Washington expressou crescente preocupação com o impacto da crise diplomática em suas operações militares contra o “Estado Islâmico“. O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, disse na semana passada que a crise estava “atrapalhando” a campanha e pediu que a Arábia Saudita e seus aliados aliviassem seu “bloqueio”.

A Arábia Saudita e seus aliados Emirados Árabes Unidos, Egito e Bahrein disseram que não haverá retomada das relações até o Qatar suspender seu apoio a organizações como a Irmandade Muçulmana, que os quatro governos consideram um grupo terrorista.

Mas o Qatar e seus aliados – liderados pela Turquia – dizem que o emirado tem todo o direito de conduzir uma política externa independente e chamaram as sanções impostas como “desumanas e anti-islâmicas”.

md/afp/ap

Insensatez de Chávez beneficia Lula, diz colunista do ‘El País

O maluquete das Caraíbas, continua o mais ferrenho adepto da insensatez. Permanece com o ditatorial hábito, de querer decidir tuto e por todos. Por sua vez, o grande chefe dos Tupiniquins, contrariando o temperamento “caliente” típico do agreste nordestino, de onde migrou pra terra da garoa, vai, mineiramente, como politicava Tancredo Neves, “comendo pelas beiradas”.

Da BBC Latino América

As iniciativas de Lula parecem mais sensatas e ajuizadas
O presidente Luis Inácio Lula da Silva se beneficia no cenário internacional com a “falta de bom senso” do líder venezuelano Hugo Chávez, na opinião de um proeminente colunista do jornal espanhol “El País“.
“Com a insensatez do líder bolivariano, as iniciativas de Lula acabam parecendo exemplos de bom senso e moderação”, diz a coluna de Miguel Angel Bastenier, publicada nesta quarta-feira no jornal El País.

O comportamento de Chávez acabaria reforçando, também, segundo Bastenier, “o sentimento coletivo na América Latina de que o Brasil se tornará “uma grande potência”.

“Se Hugo Chávez não existisse, o presidente brasileiro Lula da Silva teria que inventá-lo”, diz o texto.

De acordo com o colunista, essa discrepância entre as imagens dos dois líderes ajuda a criar a conjuntura ideal para que o Brasil “capitalize” o sentimento coletivo na região, que “não se mostrava com tanta força desde os mil Vietnãs de Che”.

Bastenier afirma que a Constituição da Unasul (União das Nações Sul-americanas) seria a convocação de Lula para a união do mundo sul-americano e reforçaria ainda mais a imagem do Brasil na região.

Global

O artigo destaca também episódios da política internacional que ajudam a estabelecer essa imagem positiva do Brasil como grande potência.

Segundo o diário, a “seqüência de preocupações e desgostos para os Estados Unidos” seria uma das razões. Isso porque a crise gerada pela política exterior americana com questões relacionadas ao Irã, Afeganistão e Iraque teria afastado Washington da América Latina, que, enquanto isso, “elegia um número crescente de governos contrários ao neoliberalismo”.

De acordo com o El País, combinadas, as conjunturas regional e internacional favorecem a ascensão do sentimento público acerca do potencial brasileiro e reforçam o “convencimento nacional de que o país está destinado a ser uma grande potência”.

“Essa conjunção astral da geopolítica mundial e regional tem as características do Brasil e favorecem Lula da Silva”, conclui o texto.