Coronavirus, Itália enfrenta um aumento constante de casos

Com a imprevisível e repentina disseminação do coronavirus, a Itália passou a ser o país europeu mais afetado pelo covid-19.

Em 23 de fevereiro, o número de pessoas infectadas com o coronavírus que surgiram na cidade chinesa de Wuhan, saltou para 190 infectados e 12 mortos, um salto de cerca de 100 em um dia. Três deles, todos com 60 anos ou mais, já morreram. A Itália agora tem o terceiro maior número de casos no mundo, depois da própria China, onde 77.000 foram infectados, e da Coréia do Sul, onde o total subiu para mais de 600.

Dois grupos de infecção surgiram, ambos no norte. Um fica ao sudeste de Milão, ao redor da cidade de Codogno; o outro fica a sudoeste de Veneza, perto de Pádua.
O Carnaval de Veneza foi cancelado

Ambas as áreas foram colocadas em quarentena, restringindo o movimento de cerca de 50.000 pessoas. Mais 500 policiais foram enviados para realizar patrulhas e bloquear barreiras nas estradas de e para as duas áreas.

Quatro dos jogos de domingo da Série A de futebol, todos no norte, foram cancelados. O governo de Roma proibiu as excursões escolares. Luca Zaia, governador de Veneto, a região que circunda Veneza, anunciou que estava encerrando o famoso carnaval da cidade à meia-noite de 23 de fevereiro, cancelando assim os dois últimos dias de um festival que atrai cerca de 3 milhões de visitantes por ano. Zaia também disse que estava fechando os museus da cidade e suspendendo todos os outros eventos envolvendo multidões. Ele reconheceu que as medidas que aprovara eram drásticas. Mas ele acrescentou: “Queremos prevenir e não curar”.

Na vizinha Lombardia, na região de Milão, creches, escolas e universidades não reabrirão por pelo menos uma semana. A Ópera La Scala e a Pinacoteca di Brera, o mais famoso museu de arte de Milão, também estão fechando.

Giorgio Armani e Laura Biagiotti, duas estilistas, exibiram suas coleções de outono e inverno na cidade via transmissão ao vivo, a portas fechadas.

O governador da Lombardia, Attilio Fontana, disse que se a situação piorasse, ele imporia mais medidas draconianas, semelhantes às de Wuhan.

Os consumidores da capital de negócios da Itália, temendo um bloqueio, entraram nos supermercados para estocar alimentos e outros itens essenciais. “Estamos trabalhando como animais de carga”, disse um funcionário à agência de notícias Ansa. Outros varejistas disseram que sofreram uma queda drástica nas vendas.

As autoridades de saúde italianas pensaram que haviam identificado a fonte do surto: um executivo que retornou da China em 21 de janeiro. Mas ele já deu negativo para o vírus; em 22 de fevereiro, emergiu que não havia evidências até o momento para sugerir que ele havia desenvolvido anticorpos. Isso deixa em aberto a questão de quem trouxe a doença para a Itália e complica os esforços para conter o surto.

O primeiro ministro, Giuseppe Conte, disse que ficou surpreso com o que chamou de “explosão de casos”. O Sr. Conte apelou pela unidade entre partes para enfrentar a emergência. Em uma aparente referência ao chefe da Liga Norte de extrema-direita, Matteo Salvini, ele disse que havia informado o líder da oposição sobre as medidas que seu governo estava tomando.

Salvini, cujo partido foi deposto do poder no ano passado depois que ele não forçou uma eleição geral, parecia não estar disposto a cooperar. “Mais de cem infectados na Itália”, ele escreveu em sua página no Facebook.

“No entanto, para alguns gênios do governo, até alguns dias atrás, o problema era Salvini e a Liga: odiadores e racistas que tocavam o alarme sem motivo. Você devia se envergonhar]!” O susto com a saúde parece mais provável de intensificar as amargas divisões políticas da Itália do que de amenizá-las.