Tecnologia,CriptoMoedas,Bancos,Capitalismo,Bitcoins,Redes sociais,Economia,Internet,WhatsApp,Telegram,Instagram,Facebook,Mark Zuckerberg

Facebook e sua moeda, a Libra, põem em xeque a soberania monetária

A criptomoeda da rede social dispara o alarme nos bancos centrais do mundo todo.

CriptoMoedas,Tecnologia,Bancos,Capitalismo,Bitcoins,Redes sociais,Economia,Internet

Faz tempo que o Facebook perdeu a confiança do mundo. Faz tempo que quer ser um país. A empresa de Mark Zuckerberg tenta conectar dois vértices que se repelem como cargas magnéticas de sinais opostos. Mas o que a física nega é substituído pela ambição, que é tão grande quanto um oceano sem margem.

A rede social pretende se transformar em uma nação rica, superpovoada, com cerca de 2,4 bilhões de usuários (somando WhatsApp, Instagram e Facebook Messenger) habitando seu território digital. Uma geografia conectada 24 horas por dia, que transforme uma torrente de trilhões de dados em rios de dinheiro; uma nova superpotência nascida da tecnologia, não da geopolítica do ser humano.

Zuckerberg acordou há 18 meses com esse sonho. Desde então, na sede central da empresa em Menlo Park, Califórnia, uma equipe trabalha em segredo para recriar a identidade econômica e social de um país: sua moeda. O resultado é a libra. Uma criptomoeda que a rede social planeja lançar em 2020 com o apoio de 27 empresas, entre elas Visa, MasterCard e Uber, e que pode ser um cavalo de Troia geoestratégico e financeiro. Se (porque esta história deve ser escrita no condicional) os 2,4 bilhões de usuários da plataforma utilizassem essa ciberdivisa para comprar e enviar dinheiro (como se faz no PayPal e no WeChat), ela poderia se tornar a maior entidade financeira do planeta.

Se cada poupador ocidental destinasse um décimo de seus recursos à libra, ela valeria 2 trilhões de dólares (7,5 trilhões de reais). O alvorecer de um colosso − e seu potencial desestabilizador − no mercado de títulos. “Esta moeda tem muito impacto e é preciso agir com grande cautela”, alerta Emilio Ontiveros, presidente da empresa espanhola de consultoria Analistas Financieros Internacionales (AFI). “É como se um Estado novo, e poderoso, emitisse uma moeda que estivesse entre as dez mais importantes do mundo.” Uma moeda que, além disso, tem a capacidade de afetar a soberania monetária de países frágeis.

A criptomoeda do Facebook e seus parceiros oculta dentro dela um “tique-taque” que ultrapassa os limites da economia. Porque, até agora, a forma como o dinheiro e os pagamentos são estruturados era função exclusiva das instituições democráticas, não das grandes empresas de tecnologia. Agora, os reguladores se perguntam se as velhas ferramentas de política econômica servirão para controlar esses gigantes. Usurpadas as funções, acendem-se os alertas vermelhos.

“Todos os bancos centrais do mundo vão se opor à libra, e Mark Zuckerberg, que tem um patrimônio líquido de 73,6 bilhões de dólares [275 bilhões de reais], pode correr o risco de fazer isso. No entanto, tem grandes possibilidades de sair perdendo”, reflete Guillermo de la Dehesa, presidente honorário do Centre for Economic Policy Research (CEPR) de Londres. Por enquanto, aumenta a cautela recomendada por Ontiveros.

O Bundesbank alerta para o “retorno ao Velho Oeste dentro do sistema monetário” e o Banco da Inglaterra encara o assunto “com a mente aberta, mas não com a porta aberta”. Uma desconfiança que atinge os próprios donos da plataforma. “Temo que a libra faça à indústria financeira o que o Facebook fez à privacidade e ao debate público”, alerta Jonas Kron, vice-presidente sênior da firma de investimentos Trillium Asset Management, que tem 53.000 ações da rede social.

Mais uma vez a tecnologia no século XXI é parte do problema, não da solução; mais uma vez o Facebook precisará dar explicações ao Congresso dos EUA. Na próxima quarta-feira, a pedido da democrata Maxine Waters, presidenta do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes, o diretor-executivo da libra, David Marcus, fará provavelmente um relato que pode ser assim:

— Por que criaram a libra? − talvez pergunte Waters.

— Queremos empoderar 1,7 bilhão de adultos no mundo que não têm acesso a serviços bancários — responderá a empresa.

— Por que devemos confiar no Facebook? Recordo-lhe o escândalo da Cambridge Analytica.

— Reforçamos os controles e a criptomoeda é respaldada por meios de pagamento (PayPal, Visa, MasterCard) com décadas de experiência em segurança digital.

Esse poderia ser o início do interrogatório. Mas a aceitação da moeda será uma batalha. E o Facebook sabia disso. Eis as pistas: em janeiro, a empresa contratou o ex-vice-primeiro-ministro do Reino Unido Nick Clegg como responsável por Assuntos Globais e Comunicação e, segundo o Financial Times, em setembro Edward Bowles, do banco inglês Standard Chartered, vai se unir a ela para cuidar dos problemas regulatórios na Europa.

Zuckerberg previa a tempestade. Mas principalmente a fragilidade que a tecnologia provocou em muitas instituições financeiras. “O que as grandes plataformas, como Facebook, Google e Amazon, pretendem é tirar negócios dos bancos, assim como o Alibaba na China. A libra é o primeiro ataque”, afirma Kenneth Rogoff, ex-economista-chefe do Fundo Monetário Internacional.

Volatilidade
Isso porque a moeda de Zuckerberg − o “Mark”, como Steve Forbes, editor da Forbes Media, propõe ironicamente que seja chamada − está bem cunhada. Não é um bitcoin. É o que se chama de stablecoin (“moeda estável”). É respaldada por uma cesta de moedas “tradicionais” e por títulos. Com essa arquitetura, evita-se a volatilidade das criptomoedas. E, ao ser de código aberto, qualquer um (pensemos na Amazon) pode criar aplicativos baseados nela.

Tudo com um só anseio: controlar os dois trilhões de dólares movimentados pelas transferências no planeta. O Facebook quer enviar dinheiro ao custo de um WhatsApp. “Provavelmente começará cobrando pequenas taxas das empresas pelas transações”, prevê Joaquín Robles, analista da corretora XTB. Inicialmente, os consumidores poderiam economizar 25 bilhões de dólares (93,5 bilhões de reais) em comissões. Em troca, isso sim, de entregar mais dados e confiar em uma empresa que já mostrou muitas vezes não ser digna de confiança. Nem Fausto concordaria em queimar assim no inferno.

Se os 2,4 bilhões de usuários da plataforma utilizassem essa ciberdivisa para comprar e enviar dinheiro, ela poderia se tornar a maior entidade financeira do planeta.

“A libra precisa convencer de que não invadirá os bancos centrais do mundo, de que não está aperfeiçoando ainda mais sua captura em massa de dados, de que não é um novo canal para a lavagem de dinheiro”, afirma Kevin Werbach, professor da escola de negócios Wharton e referência em tecnologia digital. É claro que se a plataforma quiser recuperar a confiança (essência dos serviços bancários, do comércio e das relações humanas) da sociedade lançando a libra, terá de justificar seus contrassensos.

“As promessas do Facebook de dar as boas-vindas à responsabilidade e à regulação soam vazias. Basta pensar na decisão de estabelecer a sede da criptomoeda [a Libera Association] na Suíça: a pior jurisdição secreta do mundo. Em termos de transparência, é o mesmo que abrir um café vegano dentro de um matadouro”, compara Alex Cobham, diretor-executivo da Tax Justice Network, uma organização ativista especializada em assuntos fiscais.

A desconfiança é a verdadeira moeda que o Facebook controla. Entre seus 27 parceiros não há nenhum banco. Por quê? A plataforma se aproximou, conta o The New York Times, de grandes empresas de investimento, incluindo Goldman Sachs, JP Morgan Chase e Fidelity, mas elas se negaram a participar, em parte pelos problemas regulatórios e talvez porque a aventura anda muito concorrida. “A JP Morgan está preparando sua própria moeda e 13 dos maiores bancos do mundo lançarão suas stablecoins no próximo ano. Confiaremos mais no Facebook do que nos bancos?”, pergunta Giles Alston, analista da firma de consultoria britânica Oxford Analytica.

A viagem de Zuckerberg atravessará densos bancos de nevoeiro. Evasão fiscal, lavagem de dinheiro, privacidade, preocupações regulatórias e a possibilidade de que − aponta a Standard & Poor’s − a libra seja vista como um pseudodepósito bancário. Inclusive o tempo lhe volta as costas. Até o tempo lhe vira as costas. O consórcio global Swift, líder mundial de serviços seguros de mensagens financeiras, “demorou mais de 40 anos para construir uma rede de 11.000 bancos que adotassem sua solução”, lembra Meng Liu, especialista da Forrester Research.

Mas o Facebook não tem a virtude da paciência. Seu antigo lema, “Move fast and break things” (“mova-se rápido e quebre coisas”), revela sua relação com a sociedade e as horas. Castigado por seus erros, muito poucos defenderão “o ator mais terrivelmente irresponsável do panorama tecnológico”, afirma Enrique Dans, professor da IE Business School. Então, o que restará depois de tanta porcelana quebrada? Os reguladores provavelmente frearão a entrada da libra nos créditos hipotecários, nos empréstimos e na compra e venda de ações.

“No entanto, a ameaça para o negócio das transferências já está aí”, aponta Ontiveros. Um perigo que testa suas fronteiras. “A moeda funciona bem como meio de pagamento, mas não é um risco para o dólar, porque por trás dele estão o peso do contribuinte americano e o maior poderio militar do mundo”, diz Miguel Otero Iglesias, pesquisador principal do Real Instituto Elcano. Uma batalha que nem Zuckerberg ousaria travar.

Tecnologia,Azul,Blog do mesquita 01

Facebook lança aplicativo para acessar dados de usuários em troca de dinheiro

O aplicativo Study from Facebook.
O aplicativo Study from Facebook.

Facebook já sabe o tempo que seus usuários passam no aplicativo, os anúncios em que clicam e quais são seus amigos na rede social. Também tem dados sobre sua atividade no WhatsApp e no Instagram. Mas quer ir mais longe. A empresa de Mark Zuckerberg lançou o aplicativo Study from Facebook com o objetivo de coletar dados sobre o uso de outros apps por usuários maiores de idade. “Acreditamos que este trabalho é importante para nos ajudar a melhorar nossos produtos para as pessoas que usam o Facebook”, afirma a gigante da tecnologia em um comunicado publicado em seu site. O Facebook que não especifica quanto dinheiro pagará, garante que não venderá os dados a terceiros nem os usará para oferecer publicidade dirigida.

O Study from Facebook é, segundo a empresa, um aplicativo de pesquisa de mercado. Estará disponível primeiro para os usuários de dispositivos Android nos Estados Unidos e na Índia, e depois poderá ser baixado também em outros países. Entre os dados solicitados por esse novo app estão a lista de todos os aplicativos instalados no telefone, o tempo que o usuário os usa e informações sobre o país, o dispositivo e o tipo de rede de acesso. O Facebook garante que não coletará o ID de usuário, senhas e nenhum outro tipo de conteúdo, como fotos, vídeos ou mensagens.

Borja Adsuara, advogado especializado em direito digital, considera que com essas informações a empresa “vai querer ver as migrações que ocorrem do Facebook para outras redes sociais, principalmente dos jovens para aplicativos como o TikTok”. “As estatísticas das redes sociais contêm o número de usuários, mas não o tipo e a evolução do uso”, acrescenta. Ele ressalta que alguns internautas continuam mantendo um perfil no Facebook, mas o usam cada vez menos.

O aplicativo estará disponível primeiro para os usuários de dispositivos Android nos EUA e na Índia, e depois poderá ser baixado nos outros países

A empresa informa que publicará anúncios para incentivar as pessoas maiores de idade a participar desse programa de pesquisa de mercado. Quando alguém clicar em um anúncio, terá a opção de se registrar, e a empresa o convidará a baixar o aplicativo na Google Play Store. “À medida que se inscreverem, as pessoas verão uma descrição de como funciona o aplicativo e quais informações compartilharão conosco, para que possam confirmar que desejam participar”, explica a companhia, ressaltando que todos os usuários poderão optar, a qualquer momento, por deixar de participar. A empresa Applause, especializada em pesquisa de mercado, será a encarregada de administrar tanto o processo de registro como as compensações econômicas.

O lançamento do novo aplicativo ocorre após meses de críticas, depois que o site TechCrunch revelou que o Facebook oferecia uma quantia mensal a menores em troca de espionar seus telefones. Desde 2016, a empresa pagou até 20 dólares (77 reais) por mês a usuários entre 13 e 35 anos pela instalação do Facebook Research, uma VPN (rede privada virtual) que lhe permitia conhecer todas suas atividades na Internet.

Agora o Facebook assegura que só coletará dados de maiores de idade. E fará isso com seu consentimento, depois de informar adequadamente quais dados serão coletados e como serão utilizados: “Aprendemos que o que as pessoas esperam quando se inscrevem para participar de pesquisas de mercado mudou, e criamos este aplicativo para atender a essas expectativas. Estamos oferecendo transparência, compensando todos os participantes e mantendo as informações das pessoas a salvo e seguras”.

A importância do consentimento

Para Adsuara, “a base de tudo é o consentimento”. Existem várias confusões em termos de proteção de dados, assinala o especialista: “Não se trata de proteger os dados, e sim de proteger as pessoas no uso de seus dados pessoais. Nas pessoas, o que se protege é o direito à privacidade. O terceiro nível é que não se protege a privacidade das pessoas contra elas mesmas, e sim a liberdade das pessoas de fazer o que quiserem com sua privacidade”.

O especialista faz uma comparação com a liberdade sexual: “O que a lei protege é que você possa fazer o que tiver vontade com seu corpo. Protege tanto quem quer ser casto como quem quer ser promíscuo”. Da mesma forma, assinala que a Agência Espanhola de Proteção de Dados protege a liberdade do usuário de fazer o que quiser com seus dados. “Você compartilha sua intimidade física com quem quiser, quando quiser e pelo preço que quiser, e seus dados também. E a única coisa que tem de ficar clara é que é que isso seja feito livre e voluntariamente. Se não for assim, haverá uma violação da intimidade”, afirma.

Mas será que é possível garantir que o consentimento seja totalmente livre e não esteja condicionado quando se oferece uma compensação econômica em troca? “É um assunto delicado e polêmico”, reconhece. Ele sustenta que “assim como há uma prostituição da intimidade física, também há uma prostituição da intimidade não física de seus dados”, acrescentando: “Existem pessoas que fazem menos objeções a transformar seus dados do que seu corpo em mercadoria. Se vejo que existe gente disposta a pagar por meus dados e eu preciso do dinheiro, é minha decisão. Não se pode negar a uma pessoa que faça, de forma livre e voluntária, o que achar conveniente”.

Existem empresas que oferecem há anos serviços ou descontos em troca de poder coletar e utilizar dados dos usuários. Adsuara cita como exemplo a AT&T, que anunciou em 2013 um plano chamado Internet Preferences, pelo qual oferecia a seus clientes em Austin (Texas) um desconto na conta da fibra óptica em troca de poder utilizar seus dados de navegação para lhes oferecer publicidade adaptada a seus interesses, com o compromisso de não repassá-los a terceiros. “Os serviços pagos só podem solicitar os dados imprescindíveis para prestar o serviço ao cliente e cobrar por esse serviço, porque você está pagando por ele. Mas se outras empresas lhe oferecem serviços gratuitos, podem pedir como moeda de troca dados dos quais não necessitam para esse serviço, mas que elas podem oferecer, por exemplo, a anunciantes”, explica.

No caso do Study from Facebook, a empresa afirma que não venderá os dados a terceiros nem os usará para oferecer publicidade dirigida. Depois de ser atingida por vários escândalos devido à forma como lida com os dados dos usuários, o Facebook diz ter “a responsabilidade de manter a informação das pessoas a salvo”, assinalando: “Com este aplicativo, estamos coletando a quantidade mínima de informação necessária para nos ajudar a desenvolver melhores produtos”.

Além disso, o Facebook garante que recordará periodicamente aos participantes que eles estão inscritos no programa e lhes oferecerá a oportunidade de revisar as informações que compartilham com a empresa. “A transparência e o tratamento responsável das informações das pessoas orientaram a forma como criamos o Study from Facebook. Planejamos adotar, no futuro, esse mesmo enfoque em outros projetos de pesquisa de mercado que nos ajudem a compreender como as pessoas usam diferentes produtos e serviços”, explica a empresa.

Wire, a terceira via que quer ser a alternativa ao WhatsApp e Telegram

A notícia caiu como um balde de água fria: o Facebook exploraria comercialmente os dados e as comunicações do WhatsApp e, a quem não gostou, foi mostrada amavelmente a porta de saída.

Aplicativo Wire. GEMA G | EPV

Um “ou aceita ou saia”, que não agradou nada os usuários e muito menos as autoridades de alguns países da União Europeia que obrigou o gigante de Zuckerberg a cancelar essa medida.

Telegram foi o grande beneficiado por essa incerteza sobre a privacidade do usuário no WhatsApp, mas existe uma terceira alternativa que não para de ganhar usuários e que reúne o melhor desses serviços. Estamos nos referindo ao Wire.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

A empresa, radicada na Suíça e cujo produto possui o mesmo nome, criou um sofisticado aplicativo de troca de mensagens que reúne o melhor do WhatsApp e Telegram (e também do Mensagens em iOS), evitando ao mesmo tempo os defeitos desses aplicativos. O WhatsApp foi criticado, sem dúvida, por sua privacidade especialmente agora que o Facebook irá explorar comercialmente as comunicações, mas também pela ausência de ligações por vídeo.

O Telegram recebeu críticas por sua incapacidade de realizar ligações simples e por vídeo (o serviço preferiu focar unicamente nos chats) e, além disso, existe certa incerteza, já que esse serviço é gratuito e não prevê nenhuma forma de obtenção de ganhos no futuro.

Ou seja, os gastos de manutenção são pagos exclusivamente pelo magnata russo Pavel Durov e como o próprio confirmou categoricamente ao EL PAÍS ao ser perguntado sobre o modelo de negócios do serviço: “Não existe”.

Wire é gratuito e no futuro poderá ter ‘serviço premium

O Wire surgiu mais tarde e possivelmente com discrição, mas o aplicativo de mensagens soube aproveitar as circunstâncias multiplicando até quase por seis o número de usuários em sua Alemanha natal após o affaire do WhatsApp.

E o aplicativo se mostra ao mercado com argumentos de peso. Para começar, é totalmente gratuito e, segundo seus criadores, jamais terá publicidade e comercializará os perfis e os dados dos usuários.

Mas é um projeto que visa o lucro e seu modelo de negócios consistirá em dar serviços premium a sua crescente base de usuários. Um sistema sustentável que garantirá a continuidade do serviço e que acabará com as dúvidas sobre seu futuro.

“Nós nos centramos na privacidade do usuário e nunca a comprometemos para obter rendimento comercial. Não existe e não existirá publicidade e, com certeza, não venderemos dados do usuário a terceiros”, afirma Alan Duric, diretor técnico da Wire, tentando dissipar a incerteza criada por outros serviços. No futuro, planejam a incorporação de “serviços premium” e a entrada no mundo empresarial mediante “soluções seguras de comunicação”.

Permite anexar documentos, realizar ligações de vídeo e enviar GIF

Grátis, multi-plataforma (pode ser utilizado no computador, tablet e celular tanto iPhone como Android) e obcecado pela segurança. Por que todo mundo não usa o Wire? Os responsáveis por esse projeto que já emprega 50 pessoas acreditam em conquistar um nicho, especialmente tendo em vista a expansão vivenciada em apenas um mês na Alemanha.

O Wire oferece também ligações simples e por vídeo totalmente cifradas, a possibilidade de se rascunhar mensagens assim como o envio de arquivos anexos. O Wire suporta o envio de GIF e possui também filtro de áudio para os que pretendem se divertir enviando áudios.

Terá sucesso no futuro? É difícil saber uma vez que luta contra o peso do WhatsApp, mas os que querem buscar uma terceira via têm uma séria opção a considerar.
JOSÉ MENDIOLA ZURIARRAIN/ElPais

Tecnologia: Você pode pagar a conta do jantar com este rival do WhatsApp

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, anunciou em abril que o aplicativo de mensagens da sua rede social, o Messenger, ganharia bots, uma espécie de robôs que utilizam inteligência artificial para se comunicar com humanos em linguagem natural, sem comandos específicos. 

Bot no Telegram da empresa Kiik

Kiik: empresa tem bot para o aplicativo Telegram

A Kiik, uma empresa concorrente da Cielo, já tornou isso realidade e oferece uma maneira de pagar a conta do seu jantar pelo aplicativo de mensagens e também no Telegram, concorrente do WhatsApp.

Ao interagir com o bot da Kiik no fim da refeição, ele detecta a localização do usuário e se oferece como meio de pagamento.

É preciso digitar um breve código que vem na conta, em uma etiqueta da Kiik – que tem também um QR code para pagamentos pelo app da própria empresa – para ver o valor da conta, confirmar e autorizar a transação.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O estabelecimento, então, recebe um SMS informando sobre o pagamento realizado via bot.

É possível cadastrar vários meios de pagamentos, como o MasterPass, solução de pagamentos móveis da MasterCard, cartões de créditos ou PayPal.

Um dos locais que já aceitam o pagamento por bots da Kiik no Messenger (kiik.pay) ou no Telegram (kiik_bot) é o restaurante Corsi, que fica perto da estação Santa Cecília, da linha vermelha do metrô. Outro é o La Casserole, que fica no Largo do Arrouche.

A Kiik trabalha com 2.000 estabelecimentos brasileiros para a adoção da sua plataforma de pagamentos móveis e almeja que todos os vendedores e prestadores de serviços que não têm um meio de pagamento eletrônico possam adotar sua tecnologia.

A ideia, para isso, é o uso do QR code, um código de barras digital que oferece um link para a realização do pagamento via smartphone, dispensando a necessidade de ter um terminal de pagamentos.

A plataforma só funciona no Brasil no momento, mas foi pensada para ser utilizada globalmente. Se um restaurante na Argentina quiser usar o sistema, basta que ele se cadastre no site da Kiik.

Modelo de negócio da empresa se baseia em uma porcentagem sobre o valor pago pelos clientes, que faria de acordo com o preço. Em uma compra de 200 reais, eles recebem pouco mais de 4 reais.

A meta da Kiik é ousada. Ela quer colocar sua plataforma de pagamentos nos 2.000 mil estabelecimentos que já mapeou até outubro deste ano. 2016 será um ano disputado nesse segmento.

A Samsung está para lançar o Samsung Pay, que permite realizar pagamentos com celulares topo de linha da marca em terminais de pagamentos comuns, como máquinas da Cielo. A Visa e MasterCard também têm suas próprias soluções móveis e todos esses concorrentes vão brigar pela preferência dos clientes, especialmente dos turistas, durante os Jogos Olimípicos do Rio de Janeiro, que acontecem em agosto.

Confira abaixo o vídeo de divulgação da Kiik, que mostra também os beacons, dispositivos que podem ser adotados por pontos de vendas para a implementação do sistema de pagamentos via Telegram e Facebook Messenger.
Lucas Agrela/Exame

Terrorismo no Brasil – Grupo do EI em português preocupa autoridades brasileiras

Segundo Abin, troca de mensagens em aplicativo já serviu para divulgar discurso traduzido de porta-voz dos extremistas. A menos de dois meses dos Jogos Olímpicos no Rio, “lobos solitários” são vistos como ameaça.

Silhueta de soldado com fuzil no Iraque

A criação de um grupo em português do “Estado Islâmico” (EI) no aplicativo de mensagens instantâneas Telegram elevou a preocupação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) sobre um risco de atentado terrorista no país, que sediará os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em agosto.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A Abin confirmou nesta quinta-feira (16/06) a existência do grupo chamado “Nashir Português”, em referência à agência de notícias dos jihadistas, a “Nashir News Agency”.

“Essa nova frente de difusão de informações voltadas à doutrinação extremista, direcionada ao público de língua portuguesa, amplia a complexidade do trabalho de enfrentamento ao terrorismo e representa facilidade adicional à radicalização de cidadãos brasileiros”, alertou a Abin em nota.

Ataques feitos por “lobos solitários”, simpatizantes que agiriam de forma individual, como o atirador de Orlando, são uma das principais preocupações da Abin.

De acordo com a agência de monitoramento de terrorismo SITE Intelligence Group, o grupo em português no app Telegram foi criado no último dia 29 de maio.

Em trocas de mensagens, outros grupos anunciaram a busca de simpatizantes para traduzir o conteúdo dos materiais de propaganda do EI.

Uma das primeiras mensagens publicadas é um discurso recente de 14 páginas do porta-voz do grupo terrorista, Abu Muhammad al-Adnani.

“Organizações terroristas têm empregado ferramentas modernas de comunicação para ampliar o alcance de suas mensagens de radicalização direcionadas, em especial, ao público jovem”, disse a Abin.

Ameaças

Em abril, a agência já havia alertado que o Brasil poderia sofrer ameaças terroristas durante os Jogos Olímpicos. Um mês depois, um homem que teria recebido treinamento militar na Síria foi preso em Chapecó, em Santa Catarina, suspeito de planejar um atentado.

Em novembro do ano passado, um combatente francês do EI publicou no Twitter que o Brasil seria o próximo alvo dos jihadistas, na sequência dos atentados em Paris e Bruxelas.

Nas Olimpíadas do Rio, o Brasil irá receber 10.500 atletas de 206 países de 5 a 21 de agosto.

Entre as dez delegações classificadas pela Abin como potenciais alvos de ataques estão as dos Estados Unidos e Canadá.

Cinco alternativas ao Whatsapp que sempre usaram criptografia

O serviço de troca de mensagens mais usado do mundo obteve boa publicidade com o anúncio de que passaria a usar criptografia de ponta a ponta. Mas nem de longe ele foi o primeiro. E não é o mais seguro.

Depois que o serviço de troca de mensagens Whatsapp passou a usar criptografia, um usuário mais desavisado pode até pensar que se trata de algo novo no mundo da tecnologia da informação.

Só que não: a criptografia é usada desde os primórdios da computação, e antes do Whatsapp já havia outros serviços de troca de mensagem mais preocupados com a segurança das informações transmitidas por seus usuários.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A decisão do Whatsapp parece se inserir num contexto maior: o da batalha entre autoridades americanas e gigantes da tecnologia da informação em torno da privacidade dos usuários.

O ponto alto dessa disputa foi o recente caso envolvendo a Apple e o FBI, que exigia que a empresa de tecnologia desbloqueasse o celular de Syed Rizwan Farook, um dos autores do recente atentado em San Bernardino, na Califórnia.

A Apple se negou a fazê-lo, colocando em primeiro lugar a privacidade do usuário, e foi elogiada por outras gigantes do setor, como Google e Twitter, e também pelo Facebook, a quem pertence o Whatsapp. (Com a ajuda de um prestador de serviços externo, o FBI enfim obteve acesso aos dados no smartphone de Farook, encerrando a querela com a Apple.)

A criptografia de ponta a ponta usada pelo Whatsapp significa que apenas as duas pessoas envolvidas na comunicação podem ter acesso ao conteúdo dela. Mesmo chegando tarde, trata-se de uma boa notícia para os usuários do serviço. Ainda assim, vale lembrar alguns que já usavam criptografia bem antes do Whatsapp.

Wickr

Fundada em 2011, a empresa é uma das pioneiras entre os apps que usam criptografia de ponta a ponta e com mensagens autodestrutivas. A ONG americana Fundação Fronteira Eletrônica (EFF, na sigla em inglês) comparou diversos aplicativos de troca de textos e atribuiu ao Wickr nota 5 de no máximo 7 no quesito segurança de mensagens.

A Wickr defende que a privacidade de dados é um direito humano universal e, por isso, emprega uma criptografia multicamada, com base no algoritmo AES256, que é padrão na indústria.

Telegram

Os responsáveis pelos atentados terroristas de 13 de Novembro em Paris teriam usado esse serviço de mensagens instantâneas. No tocante ao serviço básico, a EFF dá nota 4 de no máximo 7 ao Telegram. Já os chamados chats secretos receberam a maior nota: 7. O aplicativo usa duas camadas de segurança: a criptografia servidor-cliente para os chamados “chats na nuvem” (que permitem armazenamento na “nuvem”) e a criptografia cliente-cliente para os chats secretos.

Os chats secretos do Telegram utilizam criptografia de ponta a ponta, não deixam rastros nos servidores da empresa, possuem mensagens autodestrutivas e não permitem encaminhamento para outros usuários. A única coisa que os chats secretos não permitem é o armazenamento na nuvem, ou seja, as mensagens apenas existem nos celulares dos usuários.

A criptografia do Telegram é baseada no algoritmo AES256, no RSA 2048 e na troca de chaves seguras Diffie-Hellman.

iMessage

A reputação da Apple como defensora da criptografia e da privacidade vem de longa data. Em 2013, um relatório interno da DEA, agência antidrogas dos EUA, afirmava ser impossível interceptar mensagens do aplicativo iMessage entre dois aparelhos da Apple.

O iMessage, serviço de mensagens instantâneas da Apple, foi apresentado em 2011 com criptografia de ponta a ponta. Tanto ele como o serviço de chat e vídeo Facetime receberam nota 5 de 7 na tabela da EFF.

Signal

O Signal, da Open Whisper Systems, é um aplicativo de código aberto que oferece chamadas de voz e mensagens instantâneas criptografadas tanto para aparelhos Android como iOS. Em 2015, a Whatsapp fechou uma parceria com Open Whisper Systems para utilizar o protocolo do Signal.

A criptografia de voz original do Signal se baseia no protocolo de troca de chaves seguras ZRTP (Protocolo de Transporte em Tempo Real Zimmermann), um método que protege contra ataquesman-in-the-middle (MiTM, literalmente homem no meio, em referência ao ato de grampear um telefonema). O Signal recebeu a nota máxima da EFF: 7 de 7.

Silent Phone

O aplicativo de segurança Silent Phone se diferencia por oferecer tanto o software quanto o hardware. Segundo o fabricante, o telefone Blackphone é o primeiro celular do mundo que foi desenvolvido como um smartphone privado.

Da mesma forma que o Signal, o Silent utiliza a tecnologia ZRTP para a proteção contra a espionagem e chamadas de voz seguras pela internet. O protocolo ZRTP foi desenvolvido por Phil Zimmermann. No início da década de 1990, o inventor americano desenvolveu o Pretty Good Privacy (PGP) ou “privacidade muito boa”, o software de criptografia de e-mails mais empregado no mundo. O Silent ganhou nota 7 de 7 da EFF.

Whatsapp

O serviço de mensagens instantâneas mais popular do mundo tem 1 bilhão de usuários e eles devem ter ficado contentes com a introdução da criptografia completa para todos os conteúdos. Na lista da EFF, o Whatsapp recebeu 6 de 7 pontos.

Assim como o Wickr, o aplicativo também utiliza o algoritmo de criptografia AES256, assim como uma função de dispersão criptográfica HMAC em combinação com uma chave secreta. Em comparação, o chat do Facebook, que é dona do Whatsapp, recebeu somente 2 dos 7 pontos atribuídos pela ONG americana.
DW

Seria mesmo possível bloquear o acesso ao WhatsApp?

A Justiça no Piauí decidiu que as operadoras brasileiras deveriam bloquear o WhatsApp já que os responsáveis pelo comunicador não forneceram dados solicitados, desobedecendo uma ordem da Justiça. 

Se não ficou sabendo disso, acalme-se: não há mais risco do WhatsApp ser bloqueado no Brasil, pelo menos por enquanto, já que a decisão foi derrubada na semana passada.

Mas seria mesmo tecnicamente possível bloquear o acesso ao aplicativo?

A verdade é que sim. É possível bloquear, embora também seja possível burlar o bloqueio. Com as operadoras brasileiras impedindo o acesso ao serviço do WhatsApp, internautas seriam obrigados a achar um provedor externo, acessível, para servir de “ponte” no acesso e configurar o aplicativo para usar essa rede. Esse último passo provavelmente exigiria algum esforço, mas ainda é realizável.

No fim das contas, sairia perdendo o brasileiro que não poderia falar com seus amigos no exterior que usam o WhatsApp. Afinal, a situação dentro do país já estava aparentemente se resolvendo, com o uso do Telegram.

O que é engraçado nisso é que o Telegram é ainda mais privativo que o WhatsApp. Enquanto o WhatsApp está apenas começando a ter conversas privadas e antigrampo – as quais o WhatsApp não pode fornecer à Justiça, mesmo que seja solicitado, simplesmente porque não as têm –, o Telegram já dispõe desse recurso.

Em outras palavras, se os usuários envolvidos estivessem usando o Telegram, ou se o pedido fosse feito daqui mais alguns meses, é provável que não haveria dado algum para que a Justiça solicitasse. O que seria feito nesse caso?[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A julgar pelo desfecho até o momento, nada seria feito. Pelo visto, já aceitamos a realidade em que nada pode ser feito: não dá para multar, não dá para solicitar, é desproporcional bloquear. Resta desistir. No entanto, é difícil de acreditar que estamos entendendo as consequências dessa postura.

Acordo de cooperação
Existe um acordo de cooperação entre o Brasil e os Estados Unido para facilitar a troca de informações que autoridades precisam para investigar crimes. De acordo com o juiz Luiz de Moura Correia – o que inicialmente ordenou o bloqueio do WhatsApp –, esses dados foram solicitados por meio do acordo. Nenhuma informação chegou à polícia do Piuaí.

A demora nesse tipo de solicitação não é incomum. Por causa disso, a Justiça brasileira já decidiu que não é preciso fazer uso dessa via quando forem solicitados dados de brasileiros envolvendo ações no Brasil.  O funcionamento desse acordo, portanto, permanece moribundo e usuários brasileiros dependem da boa vontade de empresas estrangeiras.

Isso acaba sendo pior para o Brasil, já que a ausência de representação no país não é exclusividade do WhatsApp. Brasileiros que têm problemas ou que necessitam de dados de qualquer outro serviço continuarão tendo dificuldade para obter as informações. Com o risco do bloqueio do WhatsApp – evidentemente indesejável – esse detalhe ficou esquecido.

Afinal, melhor esquecer tudo do que perder o WhatsApp.

Sem dados para revelar
Em breve, no entanto, essa questão pode deixar de existir, pelo menos para o WhatsApp. Com a adoção de criptografia, as únicas informações que poderão ser obtidas de um perfil são a foto e o nome. Considerando-se que a foto não é muito útil e que é preciso um número de telefone para obter o nome, e este pode ser obtido junto ao cadastro da operadora no Brasil, o WhatsApp não terá nada para oferecer.

Isso porque, se a empresa continuar no rumo atual, todas as conversas serão codificadas de tal maneira que apenas os participantes poderão ler as mensagens trocadas. Quem está de fora – inclusive o próprio WhatsApp – não terá acesso algum. Não que investigar torne-se impossível, mas será preciso mais agilidade da polícia e apreensões de aparelhos onde as informações e conversas estejam armazenadas.

Mas serviços que não podem cumprir ordens judiciais também serão proibidos, mesmo que a incapacidade esteja relacionada à privacidade de seus usuários? O Brasil não parece querer entrar nessa briga agora, mas o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, já sinalizaram a pretensão de armar o ringue, pedindo que a sociedade discuta os prós e contras da criptografia.

O Brasil, aparentemente sem querer, deu o exemplo: “com a criptografia, vocês também não terão os dados, assim como nós não temos”.

Nada mais justo.
por Altieres Rohr