Paulo Preto,Corrupção,Rodoanel,PSDB,Alckmin,Serra,Aloysio Nunes Ferreira,Tucanoduto,Blog do Mesquita

Suíços ligaram Paulo Preto ao PCC quando revelaram contas secretas ao Brasil

Pode ter sido um erro de análise dos suíços, segundo investigadores da Lava Jato responsáveis pela prisão do homem apontado como operador de propinas do PSDB.Paulo Preto,Corrupção,Rodoanel,PSDB,Alckmin,Serra,Aloysio Nunes Ferreira,Tucanoduto,Blog do MesquitaPaulo Vieira da Silva, o Paulo Preto, apontado como operador de propinas do PSDB.
José Cruz / Agência Brasil

A revelação de quatro contas secretas atribuídas ao ex-presidente da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, foi feita por autoridades suíças em uma comunicação espontânea ao Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Internacional do Ministério da Justiça, em Brasília.

Paulo Preto é apontado como operador de propinas do PSDB e, segundo os investigadores da Lava Jato, ele manteve um bunker com mais de R$ 100 milhões para esconder dinheiro pago pelas empreiteiras com contratos com os governos tucanos de São Paulo.

Datado de 17 de agosto de 2017, o ofício de cinco páginas, assinado pela procuradora suíça Graziella de Falco Haldeman, trazia os dados de quatro contas numeradas no banco Border & CIE, com sede em Genebra, em nome da offshore Groupe Nantes cujo controlador seria Paulo Preto. Na ocasião, as contas tinham 35 milhões de francos suíços (R$ 130 milhões, pelo câmbio de hoje), que foram bloqueados.

Reprodução

No ofício, a procuradora Haldeman lista informações que tornariam Paulo Preto, ex-dirigente de estatal, uma pessoa politicamente exposta, exemplificando com as suspeitas de desvios no Rodoanel e recebimento de propina da Camargo Corrêa, que foram alvo da operação da Castelo de Areia (que foi anulada pelo Superior Tribunal de Justiça).

Mas, em seguida, a procuradora suíça afirma que Paulo Vieira de Souza teria pago a pessoas vinculadas ao PCC. Diz o trecho: “Verifica-se igualmente que Paulo Vieira de Souza teria pago comissões ocultas a pessoas vinculadas com uma organização chamada
‘Primeiro Comando da Capital’.”

Aqui trecho da tradução juramentada para o ofício da procuradora suíça.

O ofício foi repassado à Procuradoria Geral da República e, de lá, a procuradores de São Paulo e do Paraná – no caso destes últimos, dando origem à fase deflagrada hoje da Lava Jato, que levou Paulo Preto para a cadeia.

A suposta ligação de Paulo Preto com o PCC provavelmente pode ter sido um erro dos analistas suíços que instruíram a procuradora, de acordo com investigadores da Lava Jato que falaram ao BuzzFeed News na tarde desta terça (19).

Fontes em Brasília e Curitiba disseram que não havia elementos concretos ou qualquer indício de ligação entre o operador de propinas do PSDB e a facção criminosa que domina os presídios de São Paulo e de vários Estados brasileiros.

“A organização criminosa dele é outra”, disse, com ironia, um investigador ao BuzzFeed News.

O BuzzFeed News ainda não conseguiu contato com a defesa de Paulo Vieira. Assim que isso acontecer, este post será atualizado.

Como Serra enviava dinheiro para o exterior

Delator entrega Serra e mostra como ele mandava dinheiro da corrupção ao exterior.

Serra,Blog do Mesquita,PSDB,CorrupçãoO ex-diretor da Odebrecht, Luiz Eduardo Soares, disse em depoimento que ajudou a dar destino a R$ 4 milhões de reais do hoje senador José Serra, dinheiro vivo que o ex-diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, escondia em casa. 

O depoimento de Soares, dado no inquérito 4428, que corre no Supremo Tribunal Federal, coloca em dúvida a versão que circulou durante a campanha de 2010, quando José Serra enfrentou e foi derrotado por Dilma Rousseff.

Em debate na TV Bandeirantes, Dilma fez menção a Paulo Vieira, que segundo ela havia “fugido com R$ 4 milhões de sua [dele, Serra] campanha”.

Questionado sobre o personagem, até então desconhecido do grande público, Serra disse não conhecê-lo.

Num evento de campanha em Goiânia, afirmou: “Isso é pauta petista. Eu nunca ouvi falar”, para em seguida reforçar, sobre o suposto sumiço de dinheiro: “Nunca ouvi falar disso. Eles [da campanha de Dilma] falam isso para que vocês perguntem”

Foi então que Paulo Preto, entrevistado pela Folha, disparou: “Ele me conhece muito bem. Não se larga um líder ferido na estrada, a troco de nada. Não cometam esse erro”.

Serra, imediatamente, recuou.

No dia seguinte ao evento de Goiânia, já em Aparecida do Norte, disse: “Evidente que eu sabia do trabalho do Paulo Souza, que é considerado uma pessoa muito competente”.

Numa entrevista ao Jornal Nacional, defendeu a contratação da filha de Paulo Preto pelo governo paulista: “Essa menina foi contratada, não por mim, para trabalhar no cerimonial. Ela tinha currículo, sabe dois idiomas, sempre trabalhou corretamente. Só fui saber muito tempo depois que era filha de um diretor. E não é um cargo que tome decisões, como no caso dos filhos da Erenice [Guerra, ministra de Dilma]”.

A jornalista Tatiana Arana Souza Cremonini, filha do diretor da Dersa, foi contratada como assistente técnica de gabinete. O decreto foi assinado pelo governador José Serra em 29 de janeiro de 2007. O salário era de R$ 4.595, com gratificações.

Tatiana era casada com Fernando Cremonini, que em sociedade com a mãe de Paulo Preto, Maria Orminda Vieira de Souza, controlava a empresa Peso Positivo, sub-contratada pelo consórcio Andrade Gutierrez/Queiroz Galvão para obras do Rodoanel.

Outra filha de Paulo Preto, a advogada Priscila Arana, também foi envolvida em controvérsia.

“Paulo Preto contratou a própria filha para defender a Dersa, ao mesmo tempo que advogava para as construtoras. É um aberração, já que era o engenheiro que liberava o dinheiro para as empresas clientes da filha e do governo”, denunciou na época o deputado federal José Mentor (PT-SP).

Para Serra, encerrar o assunto era do interesse de sua campanha.

O ARROGANTE SUPER-HOMEM

A importância de Paulo Preto nos bastidores era óbvia.

Tanto que, num e-mail endereçado a Serra e ao então secretário de Transportes, Mauro Arce, o vice-governador Alberto Goldman reclamou da arrogância de Paulo Preto, no contexto de um desabamento que aconteceu no Rodoanel, em 2009: “Parece que ninguém consegue controlá-lo. Julga-se o Super-Homem”.

Paulo Preto foi exonerado do cargo assim que Goldman assumiu o poder, quando Serra deixou o Palácio dos Bandeirantes para disputar o Planalto.

Ele comandou as principais obras dos tucanos em São Paulo: o trecho Sul do Rodoanel, a ampliação da marginal do Tietê, a construção do Complexo Viário Jacu-Pessego e de trecho da rodovia Carvalho Pinto.

Na campanha de 2010, foi a revista IstoÉ quem forneceu munição a Dilma Rousseff, noticiando o desvio de cerca R$ 4 milhões de dinheiro do PSDB, supostamente arrecadado “por fora” por Paulo Preto junto a empreiteiras.

A informação ganhou ares de veracidade, pois vinha acompanhada de uma declaração do tesoureiro-adjunto e ex-secretário-geral do PSDB, Evandro Losacco, que confirmou que Paulo Preto tinha poder suficiente para arrancar dinheiro de doadores: “Todo mundo já sabia disso há muito tempo. Essa arrecadação foi puramente pessoal, mas só faz isso quem tem poder de interferir em alguma coisa. Poder infelizmente ele tinha.”

Em abril do ano passado, a imprensa noticiou a delação de Luiz Eduardo Soares sem que a íntegra do vídeo que reproduzimos acima ganhasse toda uma edição do Jornal Nacional, como merecia.

No dia 17 de abril, o Jornal Nacional dedicou 6 minutos e 18 segundos às acusações contra Serra, mas não reproduziu o trecho em que o delator menciona as malas de dinheiro na casa de Paulo Preto.

É uma omissão surpreendente, já que malas de dinheiro vivo costumam chamar a atenção de repórteres e editores.

Na mesma edição, o JN dedicou 5’39” a supostas tentativas da Odebrecht de evitar o avanço da Lava Jato no governo Dilma, durante as quais a presidenta teria sido informada sobre doações por fora para o PT.

No trecho do vídeo que a Globo utilizou, Luiz Eduardo Soares conta que a contabilidade paralela da Odebrecht registrava os pagamentos a José Serra em nome de “Vizinho”, o codinome do ex-governador paulista, escolhido porque Serra foi vizinho de Pedro Novis, ex-presidente da empreiteira (cujo depoimento também foi utilizado pelo JN).

Luiz Soares descreve detalhadamente os pagamentos feitos a Serra, através de contas de empresas controladas pelo lobista José Amaro Pinto Ramos, amigo de José Serra, fora do Brasil.

Amaro Ramos atuou como lobista da Alstom, grande fornecedora de governos tucanos paulistas. Na Suiça, chegou a ser acusado de lavagem de dinheiro e corrupção de funcionários estrangeiros.

Em 21 de fevereiro de 2011, autoridades suiças encaminharam um dossiê sobre o caso ao Ministério Público Federal de São Paulo, com pedido de oitiva de Amaro Ramos.

Mas o dossiê ficou dormente dois anos e oito meses em alguma gaveta ou escaninho do MPF-SP, levando o caso a ser arquivado na Suiça — e a nunca ser apurado no Brasil.

PROVAS DOCUMENTAIS E ENCONTRO COM PAULO PRETO

Agora, Luiz Soares, o ex-diretor da Odebrecht, apresentou comprovantes das transferências eletrônicas que fez a Amaro Ramos, o amigo de Serra, além de uma planilha (ver abaixo) com os pagamentos relativos ao período de 2006 a 2009, totalizando o equivalente a mais de R$ 10 milhões, sempre em nome do “Vizinho”.

Seriam propinas relativas às obras do Rodoanel, linha 2 do Metrô e rodovia Carvalho Pinto.

A partir dos 8 minutos e 40 segundos do vídeo acima, trecho omitido pelo Jornal Nacional, Luiz Soares narra uma reunião que teve com Paulo Preto em 2010.

O objetivo era tirar das mãos do diretor da Dersa R$ 4 milhões que ele mantinha em casa, em malas.

O encontro foi na sede da Dersa, em São Paulo.

“Eu entendi que esse dinheiro não era dele e nós estavamos fazendo uma ajuda para alguém reaver o seu dinheiro e colocar num lugar mais seguro”, disse Soares.

O dinheiro foi retirado da casa de Paulo Preto pelo doleiro Álvaro José Galliez Novis, da Hoya Corretora de Valores e Câmbio.

Mais tarde, a Odebrecht depositou U$ 2 milhões numa conta da Suiça em nome de Jonas Barcellos, da Brasif, o que seria a contrapartida pelos R$ 4 milhões retirados em dinheiro da casa de Paulo Preto.

O que a Brasif fez com o dinheiro? Repassou a Serra? Ficou com o dinheiro por “serviços” anteriormente prestados? Pagou cala boca a alguém?

Isso ainda não foi esclarecido.

BRASIF, MIRIAM E FHC

Jonas Barcellos, da Brasif, é o mesmo homem que, em dezembro de 2002, fechou um contrato falso com a jornalista Miriam Dutra, permitindo a ela ganhar sem trabalhar no Exterior até 2006.

Foi mais uma etapa na compra do silêncio da ex-amante de FHC, que vinha desde os anos 90.

Dutra, repórter da TV Globo, foi para a Europa ao se ver grávida depois do affair extraconjugal com o então senador Fernando Henrique Cardoso que poderia, se exposto, retirá-lo da disputa pelo Planalto.

Segundo fontes de Brasília, José Serra teve participação no arranjo.

Em 1997, depois de desistir de retornar ao Brasil, “convencida” por políticos que pretendiam ver FHC reeleito, Miriam comprou um apartamento em Barcelona que precisava de reformas.

Segunda ela contou ao repórter Joaquim de Carvalho, em 2016, quem tratou da reforma foram José Serra e o ex-sócio dele, Gregório Marin Preciado, que é casado com uma prima de Serra.

Uma terceira pessoa com participação no esquema, definida por ela como “operador deles”, Miriam preferiu não identificar.

A essa altura, já se sabia que o filho de Dutra que FHC ajudou a manter fora do Brasil não era dele.

A irmã de Miriam, Margrit Dutra Schmidt, foi funcionária fantasma do gabinete de Serra no Senado.

PAULO PRETO ARRECADOU PARA SI OU PARA SERRA?

A gravação de Luiz Eduardo Soares, contextualizada, abre as portas para especulações interessantes: Paulo Preto arrecadou dinheiro para si junto a empreiteiras ou seu papel de “líder” incluía a tarefa de arrecadar em nome das campanhas do PSDB para em seguida desviar dinheiro para uso pessoal de José Serra no Exterior?

Vazamento recente da delação completa de Pedro Novis, o “vizinho” de José Serra, sugere que o atual senador do PSDB recebeu da Odebrecht mais de R$ 50 milhões entre 2002 e 2012, inclusive “milhões em espécie”.

O doleiro Adir Assad, que também fechou acordo de delação premiada, assumiu que montou um esquema através do qual as empreiteiras pagavam por serviços fictícios a empresas de fachada montadas por ele, que depois de descontar um “pedágio” devolviam o dinheiro.

As empreiteiras, então, usavam o dinheiro devidamente lavado para o pagamento de propinas.

Assad disse a investigadores que ouviu de Paulo Preto que o diretor da Dersa operava em nome de José Serra e do senador Aloysio Nunes Ferreira.

Foi Aloysio Nunes quem levou Paulo Preto a seu primeiro cargo em governos tucanos, como assessor especial da Presidência no segundo mandato de FHC (1998-2002).

A proximidade entre os dois foi escancarada quando se revelou que, em 2007, Paulo Preto emprestou 300 mil reais a Aloysio para que o então ex-deputado federal comprasse um apartamento no Higienópolis, bairro nobre de São Paulo.

Do total, 250 mil vieram da filha advogada de Paulo Preto, Priscila — ela mesma, a que trabalhou para empreiteiras enquanto elas construiam o Rodoanel sob o comando… do pai.

Aloysio diz que pagou tudo de volta, mas sem juros.

Segundo nota publicada na Folha de S. Paulo, Adir Assad chegou a dizer a investigadores que Paulo Preto mantinha um quarto de seu apartamento apenas para guardar dinheiro, à la preposto do ex-ministro Geddel Vieira Lima, em Salvador.

Adir Assad disse ter repassado R$ 100 milhões a Paulo Preto durante o governo Serra (2007-2010).

SILÊNCIO ENSURDECEDOR

Miriam Dutra abriu o bico em entrevistas, denunciando FHC. Prometia contar tudo.

Chegou a chamar o ex-presidente de velhaco, como relatou Joaquim de Carvalho, depois que um agente da Polícia Federal conseguiu ligar para marcar um depoimento dela, na Espanha:

Com certeza, foi aquele velhaco que deu o telefone do Tomás para a polícia, para que ele informasse o meu número. É assim que ele age. Ele tem meu número, mas prefere não se comprometer e pede que outros façam o serviço por ele. Envolve o meu filho nesses assuntos, e isso é difícil de perdoar. Velhaco!

De repente, numa viagem ao Brasil, Miriam atenuou seu discurso, mentiu numa entrevista televisiva e… se calou.

Paulo Preto, por sua vez, mandou o recado do “líder” caído na estrada e… desde então mantém o silêncio.

No final do ano passado, um advogado negou especulações de que o ex-diretor da Dersa faria acordo de delação.

“Esquecido” uma vez num escaninho do MPF, o que lhe garantiu impunidade, José Amaro Pinto Ramos não tem motivos para acreditar que agora será diferente.

José Serra e Aloysio Nunes negam todas as acusações.

FHC, como nunca deixou de fazer, pontifica sobre o futuro da Nação em generosos espaços da mídia.

Serra é senador da República e possível candidato a cargo majoritário em 2018.

Aloysio Nunes é ministro das Relações Exteriores.

Não há nada, absolutamente nada como ser tucano paulista no Brasil.
Fonte:ViaMundo

Fatos & Fotos -28/08/2017

Blog do Mesquita“É impossível para um homem aprender aquilo que ele acha que já sabe.” Epiteto

*****
A meritíssima está togada de razão.

Ministra Cármen Lúcia; “Nenhum brasileiro acredita mais nas instituições”.Justiça,Humor,Blog do Mesquita

*****
Design – Mobiliário – EstantesBlog do Mesquita,Design,Mobiliário,Estantes
*****
Happy 99th birthday Katherine Johnson, NASA mathematician who calculated the trajectory of the Apollo 11 mission.Katherine Johnson,Nasa,Matemática,Apolo 11,Blog do Mesquita
*****

O gigante voltou! Pro Paraguai. Segundo esse jornal comunista.
Brazil’s Woes Multiply as Manufacturers Move to Paraguay
Éeeeeeeeeeeeeegua! Quidiabuéisso?
Internet lotada de imagens da caravana da enganação do Lula, o “omi” nos braços do povo, falando para multidões e as TVs não dão uma noticiazinha? Lula,Blog do Mesquita,Eleições 2018
Ótima publicidade para quem faz discurso de perseguido pela mídia. “Ô” povo burro, caraglio! Irá terminar igual aos comícios da Diretas Já.

*****

Brasil da série: “É impressionante o dano que uma pessoa munida só com a burrice pode causar”
Dei uma olhada na sua timeline e vi que estou perdendo tempo ao tentar argumentar – seu negócio é antissemitismo da pior espécie. Bloqueado.
Mas, ainda lhe darei uma chance de usar o cérebro com lógica. Leia esse:Hannah Arendt,Literatura,Livros,Blog do Mesquita

 *****
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Brasil da série “só dói quando eu rio”Blog do Mesquita,STF,Lava Jato,Brasil,Justiça

*****
Tucanada tem desaprovação maior do que a do Lula.Blog do Mesquita,Brasil,Humor,Pesquisas,Maurício Silva,Eleições 2018

Desaprovação – Fonte: Estadão
Doria 53%
Bolsonaro 56%
Ciro 63%
Marina 65%
Lula 66%
Alckmin 73%
Serra 82%
Aécio/Cunha 91%
Ps. Eu não acredito em pesquisas. Nenhuma.

*****

STF precisa urgentemente pacificar a questão da Delação Premiada como Prova. Como está, tal fica seletivamente interpretada pelos magistrados. Aos amigos tudo. As inimigos as delações são provas concretas e inquestionáveis.
Ou todos ou nenhum.

*****

Os arrependidos do – “Eu não tenho culpa. Votei no Aécio” – breve terão mais um ídolo para demonstrarem novo arrependimento. Quando aprenderão que um país que precisa de ídolos está no caos?

*****

Filha do gatuno Romero Jucá possui mineradora – mera coincidência seus maldosos – na Amazônia que o escroque do Jaburu está entregando às multinacionais.Romero Jucá,Blog do Mesquita

*****

Após proibição de usar a palavra Helicoca para a aeronave dos Perrelas, que nome você daria para o aspirador voador preso pela Polícia Federal com 400K de cocaína?
A – Cocacóptero
B – Helicócatero
C – Helipóptero
D – O Brasil é um put**ro

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]


[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Michel Temer e a República dos Velhacos

E assim será com todos os governos que carregarem para dentro deles essas figurinhas mais do que carimbadas.

A Folha nos presta um grande desserviço trazendo em sua página inicial de hoje as piores possibilidades para futuros presidente: Marina, Lula, Serra, Aécio, Alckmin

Pergunto, este país tem jeito com essa turma aí no poder?[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Pois é. Enquanto a imprensa fica falando de Dilma, que Lula bla bla bla, assuntos já encaminhados, este grupo que tá mamando há muito tempo, inclusive na Petrobras já no governo FHC, estes senhores Jucá, o Caju, Renan o Justiça (vai ver que é porque foi ministro da Justiça do ilibado FHC), Padilha, Geddel e Temer, subiram a rampa para tentar fugir da Justiça.

A maioria da imprensa foi cúmplice disso e manifestante que saiu às ruas, com discurso de moralidade, gritando fora Dilma, se não sair agora vai revelar sua verdadeira face. Não se importa de ser roubado desde que não seja por petralhas. Estes serão a mais pura hipocrisia.

E notícias ruins de tucanos não ficam nem meia hora nas manchetes. Não são somente os políticos que são cínicos não.

E cadê a Fiesp, que tem um diretor e político citado, também, e cadê o MBL?

Delação da Odebrecht é democrática: pega todos os partidos

Delação premiada vai esclarecer se repasses indicados em planilhas apreendidas na casa de executivo da empreiteira eram doações legais, caixa dois ou propina.

Serra, Alckmin e Aécio, os três presidenciáveis do PSDB aparecem na planilha da Odebrecht. Delação vai esclarecer se valores atribuídos foram de fato repassados e se eram doação legal, propina ou caixa dois.

Pelo menos 71 parlamentares, entre eles Rodrigo Maia e Renan, oito governadores e sete ministros aparecem entre os cerca de 300 nomes. Confira a lista divulgada pelo Congresso em Foco.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Com o fechamento do acordo de delação premiada de 77 executivos da maior empreiteira do país, cresce a expectativa pela divulgação dos nomes que serão arrastados para o centro da Operação Lava Jato.

O potencial explosivo da maior delação já feita no Brasil é certo. Uma mostra dos danos que a colaboração pode causar já foi dada no começo do ano, quando a Polícia Federal apreendeu planilhas na casa de um ex-diretor da Odebrecht que listava valores atribuídos a pelo menos 316 políticos de 25 partidos.

O aprofundamento das investigações, com o acordo de delação da Odebrecht, vai permitir esclarecer caso a caso – pode tanto reparar injustiças como arruinar carreiras políticas. Os repasses foram feitos nas campanhas municipais de 2012 e para a eleição de 2014. Porém, não se pode afirmar com certeza de que se tratam os números das planilhas: podem ser doação legal, caixa dois, ou propina.

O material foi apreendido em fevereiro com o então presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa Silva Júnior, no Rio de Janeiro, durante a fase Acarajé da Lava Jato. Os papéis, entre os quais cópias de planilhas com várias anotações a mão, atribuem doações eleitorais a cerca de três centenas de políticos.

O número de citados é menos expressivo que a sua importância. Se os citados na papelada formassem, digamos, um “Partido da Odebrecht”, ele superaria todos os outros em número de governadores (8), teria a segunda maior bancada no Senado (16) e a terceira na Câmara dos Deputados (55).

Entre eles, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RN), do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que patrocinam no momento medidas de reação ao Judiciário e ao Ministério Público.

Maia costurou ontem, com líderes partidário, a proposta que pretende anistiar todos o crime de caixa dois praticado antes da vigência da lei de combate à corrupção em votação na Casa. Também estão na relação, além de ex-auxiliares de Dilma, sete ministros do presidente Michel Temer: José Serra (Relações Exteriores), Osmar Terra (Desenvolvimento Social e Agrário), Raul Jungmann (Defesa), Roberto Freire (Cultura), Bruno Araújo (Cidades), Mendonça Filho (Educação) e Ricardo Barros (Saúde).

Há na lista apurada pelo Congresso em Foco ainda em março nomes do Distrito Federal e de todos os estados brasileiros. Estão entre eles grande parte das principais lideranças políticas nacionais, incluindo chefes de Executivo das unidades federativas economicamente mais fortes do país. Em ordem decrescente, São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Bahia têm os maiores contingentes de candidatos possivelmente financiados pela Odebrecht.

PT, PSDB e PMDB

Nada menos que 25 partidos são contemplados. PT (76), PSDB (48), PMDB (41), PP (22), PSB (17) e DEM (16) lideram as doações. A relação traz ainda 48 prefeitos, 33 vereadores e 23 deputados estaduais, fora uma infinidade de ex-governadores, dirigentes partidários e candidatos nas eleições disputadas no Brasil desde 20120.

A lista publicada com exclusividade pelo Congresso em Foco em março envolveu um complexo trabalho para confrontar indicações de datas, nomes e locais constantes dos documentos originais, além da eliminação de erros de grafia e da decodificação de certos apelidos. Por exemplo, no contexto encontrado nos papéis, há pouca margem para dúvidas quanto à identidade do “Gato Angorá”. Trata-se do secretário do Programa de Parceria de Investimentos, Rio Moreira Franco (PMDB), assim conhecido pelos seus cabelos brancos.

Nem por isso é possível garantir que a presente lista é 100% completa e livre de equívocos. Se você notar a necessidade de algum acréscimo ou retificação, escreva para redação@congressoemfoco.com.br. O mesmo e-mail está à disposição dos interessados em esclarecer a menção a seus nomes. Foram desconsideradas as referências a repasses feitos diretamente aos partidos.

Vale acrescentar, finalmente, que as doações – cujo montante total supera as contribuições da Odebrecht registradas pela Justiça eleitoral nos pleitos de 2010, 2012 e 2014 – envolvem valores contabilizados oficialmente pelos candidatos ou partidos, mas não só eles.

Em off, alguns dos citados admitem que o dinheiro foi entregue por caixa dois, mas não se confundiriam com propinas pagas em troca da defesa dos interesses da empresa.

Mistérios

Também há casos em que os políticos mencionados garantem que a transferência do dinheiro não ocorreu. Outro ponto a ser esclarecido é se aqueles que aparecem nos documentos como “históricos” são, como sugere a palavra, políticos habitualmente premiados com contribuições do grupo Odebrecht – regulares na periodicidade com que foram feitas, mas irregulares por estarem à margem de qualquer previsão legal.

A qualificação é dada a um seleto grupo de políticos poderosos, quase todos do PMDB: o ex-deputado cassado Eduardo Cunha (RJ), o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL); o ex-presidente José Sarney (AP); o senador Romero Jucá (PMDB-RR); o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ); o ex-ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves; o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, Jorge Picciani; e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, preso desde a semana passada. Há dois “históricos” não peemedebistas: o senador e presidente nacional do DEM, José Agripino (RN), e o líder licenciado do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB).

Enfim, não falta material para ser investigado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público. Nesse aspecto, a decisão da Odebrecht – e em especial do seu herdeiro e principal executivo, Marcelo Odebrecht – de aderir à delação premiada deve esclarecer muita coisa. Ou seja: a Operação Lava Jato continua a prometer novos e impactantes revelações sobre o relacionamento espúrio entre os políticos e as grandes empreiteiras.

Tremsalão e o Ministro Eduardo Cardozo

Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo Blog do MesquitaAo confessar que entregou à Polícia Federal o documento sobre as ‘maracutaias’ do metrô de S.Paulo, matéria que circula na última edição da revista Veja, sou obrigado a concluir que esse trapalhão ministro da justiça José Eduardo Cardozo, seja um quinta coluna infiltrado no governo de D.Dilma.

A patética confissão de culpa enterra de vez a possibilidade do Trensalão sair do túnel.

Penas voltam a se agitar nos poleiros.

1. No aspecto funcional, esse ministro deveria ter sido exonerado no ato.
2. No aspecto político, esse ministro fez mais contra D.Dilma do que toda a oposição poderia fazê-lo.
3. No aspecto corrupção, os que estão atolados nos digamos, ‘Delubianos’ negócios não contabilizados, agradecerão o envio da credibilidade das investigações sobre o “Trensalão” às calendas.

Cada dia fico mais impressionado com a “capacidade” que tem o PT de marcar gol contra.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]