José Alencar, mito, caráter e paternidade

… ou a vida como não deveria ser.
O Editor


Professora que diz ser filha de José Alencar nunca conseguiu que ele fizesse teste de DNA.

Agora, pede que o meio-irmão faça o exame, também não consegue.

E tinha gente que considerava José Alencar um exemplo.

O empresário José Alencar, vice-presidente de Lula duas vezes, era simpático e coisa e tal.

Sua batalha contra o câncer emocionava o país, sua morte em março foi muito sentida.

Porém, a mais longa batalha que ele travava nada tinha de meritória.

Há mais de dez anos, Alencar vinha lutando para evitar que a professora Rosemary de Morais, hoje com 56 anos, fosse reconhecida como filha dele.

O riquíssimo dublê de empresário e político não só jamais admitiu fazer o teste de DNA, como ainda deu declarações classificando de “prostituta” a mãe de Rosemary, Francisca Nicolina de Morais, circunstância que revelou o verdadeiro caráter de José Alencar.

Na verdade, Francisca era enfermeira e o relacionamento dos dois ocorreu em 1954, quando ambos moravam em Caratinga (MG).

Na ocasião, nenhum dos dois era casado.

Dona Tita, como Francisca era conhecida, morreu de câncer, aos 82 anos, sem ver o antigo namorado reconhecer a filha.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Rosemary foi criada pelos avós, e somente há 16 anos a mãe informou quem era seu verdadeiro pai.

Ela chegou a tentar falar com Alencar quando ainda candidato ao Senado, mas não teve sucesso.

Em 2001, Rosemary desistiu de tentar falar com ele e decidiu recorrer ao Judiciário.

A Justiça em Caratinga, no Vale do Rio Doce, demorou quase 10 anos para condenar o então vice-presidente da República a reconhecer a paternidade de Rosemary, mas a sentença foi de primeira instância e Alencar apresentou recurso.

Para apressar a decisão em segunda instância, Rosemary tenta agora que Josué, filho do casamento de Alencar com dona Mariza Campos Gomes da Silva, faça exame de DNA.

Mas o suposto meio-irmão também está se recusando, o que sugere que a falta de caráter seja problema de família.

“Se ele não era meu pai, por que não fez o exame de DNA? Quando a pessoa não deve, não teme. Se não era meu pai, que fizesse o DNA, porque já ficaria livre desse tormento. E eu também” – desabafa Rosemary.

Ela diz que sempre quis conversar com ele, mas nunca conseguiu.

O caso de José Alencar mostra como as aparências enganam.

Ele procedeu exatamente como Pelé, que tinha uma filha na mesma condição, foi obrigado a reconhecê-la na Justiça, mas jamais a aceitou ou falou com ela.

Nesse particular, o grande exemplo no Brasil é Roberto Carlos, que faz logo o exame de DNA e, em caso positivo, imediatamente incorpora o novo filho à família.

Que Deus o mantenha assim, de coração sempre aberto.

Carlos Newton/Tribuna da Imprensa