• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

O Inferno é aqui! Cadeias de El Salvador: onde o distanciamento social é impossível

Com os prisioneiros amontoados em minúsculas celas às dúzias, o distanciamento social é impossível e as más instalações médicas significam que qualquer surto de coronavírus se espalhe como fogo.

As Nações Unidas instaram os governos a fazer mais para proteger os presos e sugeriram que os mais vulneráveis fossem liberados temporariamente para facilitar a superlotação.

Chile, Colômbia e Nicarágua anunciaram que levará milhares de prisioneiros para prisão domiciliar com prioridade dada a idosos, mulheres grávidas e pessoas com condições subjacentes. O Brasil já começou a transferir presos com mais de 60 anos para prisão domiciliar e o Peru diz que planeja conceder anistia a presos vulneráveis.

Mas o país com a segunda maior população carcerária per capita depois dos EUA ainda não tomou nenhuma dessas medidas. El Salvador enfrenta a violência de gangues há décadas e suas prisões estão explodindo.

O fotógrafo Tariq Zaidi passou dois anos documentando as condições nas prisões de El Salvador antes que o surto de coronavírus se espalhasse para o país da América Central. Ele teve acesso a seis prisões, bem como a duas celas de detenção da polícia, para uma visão rara das instituições penais do país da América Central.

Além de uma das maiores populações carcerárias per capita, El Salvador tem uma das mais altas taxas de homicídios per capita do mundo.

Mas essa taxa caiu de sua altura de 17,6 assassinatos por dia em 2015 para uma média de 3,6 homicídios por dia em outubro de 2019 e novamente para 2,1 em março de 2020.

O presidente Nayib Bukele, que assumiu o cargo em junho de 2019, reivindica grande parte do crédito por essa queda.

Sua política de tolerância zero à violência de gangues também se estende às prisões do país, com membros de gangues encarcerados que não permitem visitas ou telefones e ficam confinados em suas celas 24 horas por dia, 7 dias por semana. Se, por outro lado, a situação dentro e fora da cadeia for calma, o horário normal e os direitos de visita serão restabelecidos.

Antes de Bukele chegar ao poder, um programa chamado “Yo cambio” (eu mudo) oferecia aos presos a oportunidade de aprender habilidades para aumentar sua empregabilidade.

Alguns até criaram seus próprios desenhos e os exibiram em desfiles de moda na prisão.

Dado o grave problema de gangues de El Salvador e o fato de que até 80% dos ataques cometidos no exterior foram ordenados por trás das grades, muitos temem que a libertação de prisioneiros aumente ainda mais a violência das gangues.
Os guardas prisionais costumam usar balaclavas para proteger suas identidades, para que eles e suas famílias não sejam alvejados.

Mas as prisões com superlotação em massa também podem se tornar pontos quentes para infecções por coronavírus.

As doenças respiratórias já têm maior incidência nas prisões do país. A taxa de infecção por tuberculose nas prisões de El Salvador foi mais de 50 vezes maior que a da população em geral, de acordo com o Jornal Pan-Americano de Estudos de Saúde Pública.

Dado que o coronavírus e a tuberculose se espalham de maneira semelhante, as autoridades estão se esforçando para se preparar para o que o infectologista Jorge Panameño chamou de “bomba-relógio” esperando para explodir.

O presidente Bukele vem fazendo algumas mudanças no sistema prisional salvadorenho. Em 26 de dezembro – antes da disseminação do coronavírus para El Salvador – ele anunciou que a prisão de Chalatenango (foto acima) seria transformada em universidade. Seiscentos presos foram transferidos e o presidente disse no Twitter – sem oferecer mais detalhes – que os 730 restantes seriam removidos nos dias seguintes.

Mas enquanto o presidente Bukele foi rápido em ordenar um bloqueio em todo o país e um toque de recolher para conter a propagação do vírus, nenhuma política oficial de libertação de prisioneiros foi anunciada.

As prisões de El Salvador têm capacidade para 18.051, mas o sistema atualmente abriga mais de 38.000 detentos.

Calor extremo, condições insalubres e tuberculose mataram muitas pessoas antes mesmo do coronavírus.

A pandemia de coronavírus, portanto, apresenta um grande problema ao Presidente Bukele.

Para se preparar para um possível coronavírus na prisão, o presidente já teve que suspender algumas das medidas de emergência que impôs para controlar melhor os presos.

Além disso, juízes em El Salvador argumentaram que aqueles com mais de 60 anos e com doenças terminais deveriam ser libertados temporariamente – no entanto, os membros de gangues não seriam incluídos nesse movimento.

Violência Urbana,Homicídios,Facções,Milícias,Menores,Blog do Mesquita,Ceará

Os jovens Kamikazes; como nascem as crianças soldados das Facções no Ceará

Violência Urbana,Homicídios,Facções,Milícias,Menores,Blog do Mesquita,Ceará

MATEUS* OUVIU COCHICHOS e achou estranho. Com apenas 14 anos, ele dividia o alojamento de um centro socioeducativo de Fortaleza com quatro adolescentes da sua idade, todos membros do Comando Vermelho.

Mas Mateus era um rival: havia jurado lealdade à facção Guardiões do Estado. O menino sentiu medo,  já sabia das mortes provocadas por disputas entre adolescentes de facções rivais dentro da instituição e precisava agir rápido.

Ele chamou o responsável pelo setor, encheu uma vasilha com a própria urina e jogou no rosto no homem. “Pedi pra sair, mas ele disse que não ia me tirar. Eu avisei que se ele não tirasse por bem, ia ser por mal”.

Conseguiu o que queria: ser levado para um local isolado dos demais internos, equivalente à solitária nas prisões – a “tranca”. “Se eu dormisse [no mesmo alojamento dos rivais], eles iam querer me enforcar”, ele me disse em uma conversa na sede do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente, o Cedeca, uma ONG que acompanha jovens no sistema socioeducativo. Ele estava sentado ao lado da mãe, que não sabia da história.

Mateus não é o único adolescente nas fileiras da Guardiões do Estado, a GDE. Criada em janeiro de 2016, ela é hoje a maior facção do Ceará, e tem predileção por alistar garotos pré-adolescentes. São seus “batizados”.

Ao entrar no grupo, o novo membro se transforma em um soldado a serviço da facção. Como um adulto, deve estar preparado para defendê-la com a própria vida, se necessário. Em troca, ganha respeito e proteção.

Parte do apelo da GDE é sua estrutura flexível, sem hierarquia rígida, o que a torna mais atrativa para os jovens que têm dificuldades em cumprir as regras das facções tradicionais. Abrindo seu leque para os pré-adolescentes, a GDE cresceu de modo avassalador – hoje, cerca de três anos depois de fundada, ela teria cerca de 15 mil homens. Com medo de serem esmagados, Comando Vermelho e PCC, que também atuam no Ceará, abriram as portas para os garotos. “Têm muitos molecotes que, você sabe, além de ser de menor, são bandido e têm muita atitude. Poderia ser feito uma matrícula pra eles ficarem do nosso lado e não virar a cabeça”, sugere um membro do PCC no Ceará em um áudio enviado a comparsas pelo WhatsApp. Em São Paulo, o PCC só aceita maiores de 18 anos e o CV, no Rio de Janeiro, só permite que crianças e adolescentes desempenhem funções secundárias, como a de fogueteiro (responsável por soltar fogos para avisar sobre a chegada da polícia na favela).

Não foi por acaso que as facções tiveram facilidade em recrutar crianças justamente no Ceará. Essa história começa alguns anos antes, com as gangues de adolescentes.

balas-1553093574

Das gangues às facções

Até 2015, a disputa pelo tráfico de drogas se concentrava entre as inúmeras gangues que dominavam a periferia de Fortaleza. Em 2014, de acordo com um levantamento da Polícia Civil do Ceará divulgado pelo jornal O Povo, havia 33 bairros de Fortaleza dominados por gangues.

As disputas de então já eram protagonizados por adolescentes. A rivalidade envolvia, em especial, o território, me disse o pesquisador Luiz Fábio Paiva, do Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará. Passar de um bairro para outro desavisadamente poderia significar uma sentença de morte.

As facções, em especial a Guardiões do Estado, diz Paiva, organizaram essas ‘lideranças juvenis’, colocando-se acima da lealdade aos bairros. E foi este o contexto que o PCC e o CV encontraram.

“Quando essas facções chegaram aqui, já havia as gangues nos bairros de Fortaleza, com conflitos armados entre os adolescentes. Esses meninos eram muitos e tinham força dentro da periferia. Com o surgimento da GDE e sua tropa de menores, as outras facções tiveram que entender essa demanda, mesmo que isso fosse contra a ética deles.”

14-03-19-faccao-2-1552585386

Alice foi presa depois que policiais encontraram drogas dos filhos em casa. Agora, convive com uma tornozeleira eletrônica. Foto: Zerosa Filho/The Intercept Brasil

Eu perdi meu filho

Falar sobre o envolvimento dos três filhos com o crime é a única coisa que acaba com o jeito divertido de Alice*. “Às vezes eu me pergunto porque eles mudaram desse jeito”, me contou, enquanto conectava a tornozeleira eletrônica à tomada. Em 2 de outubro de 2018, a polícia entrou na sua casa e encontrou drogas, segundo ela, escondidas por um dos filhos, um integrante do Comando Vermelho que entrou para a facção aos 13 anos de idade. Única maior de idade da casa, ela foi presa. Ficou nove dias na cadeia e, hoje, não trabalha. “É difícil criar os filhos na periferia, mas a gente tem que morar aqui dentro, né? Eu, por mim, já tinha me mudado, mas não tenho pra onde ir”, lamenta.

“Eu saía para trabalhar 5h da manhã e só chegava de noite. Aí ficava sabendo que eles não tinham ido pra escola, que faltaram no projeto social. Eu brigava, batia, mas não adiantou.”

Depois que a mãe foi presa, um dos filhos, de 16 anos, saiu de casa e não voltou mais. Ficou a lição, ela me disse, para os irmãos mais novos, que dormiam no quarto enquanto conversávamos na sala de sua casa de dois cômodos por volta das 10h30 da manhã. Quando acordaram por causa do nosso barulho, um deles me disse: “Se o traficante me pedir pra esconder droga, eu escondo, mas não aqui dentro de casa”. Com 14 anos, o menino já foi apreendido duas vezes. Em uma delas estava na casa de um traficante do Comando Vermelho.

Na minha passagem por Fortaleza, também encontrei Valéria*, mãe de um jovem detido aos 14 anos pelo roubo de uma moto. Para punir o garoto, ela o deixou no centro socioeducativo da cidade. A ideia era que o filho passasse 45 dias lá, tempo mínimo da internação provisória. Queria que ele voltasse a obedecê-la como antes. Mas o plano deu errado. No dia em que foi buscá-lo, soube que ele havia sido sentenciado pela Justiça e que ficaria mais seis meses no local.

A pena fez o filho de Valéria peregrinar por três diferentes unidades de internação, onde, ele diz, foi agredido, humilhado e recebeu droga das mãos dos socioeducadores que deveriam cuidá-lo. Se transformou no oposto do que a mãe queria. “Eu não vou mentir. Ali ninguém se ressocializa. No natal e no ano novo, um orientador ia me entregar mais 25 gramas de maconha e um isqueiro pra eu curtir. Só não peguei porque eu saí do sistema antes das festas”, disse o adolescente, ao mesmo tempo em que, chorando, a mãe lamentava. “Eu não vejo mais felicidade nele. Está um menino recalcado, não quer mais carinho. É uma pessoa que eu desconheço. Eu perdi meu filho. Fico tentando resgatar ele, mas não estou conseguindo”.

Ritual de batismo começa com uma foto

A vida das crianças do tráfico começa com um batismo. Em uma comunidade dominada pelo Comando Vermelho, conversei com Mariana*, uma jovem de 22 anos íntima de membros do conselho local da facção. Ela me contou como acontecem os rituais: tudo começa com o envio de uma foto do candidato por um “padrinho” para os grupos espalhados em todo o Brasil. O objetivo é saber se alguém tem algo contra o futuro integrante. “Se nenhum irmão barrar, a pessoa responde a umas perguntas”, disse. O CV, conta Mariana, pede então para que o padrinho pergunte ao candidato se ele já usou crack, se é estuprador, se matou “sem ser necessário”. “Até pra ser criminoso você tem que ter escrúpulos”, divaga. “Se estiver tudo certo, a pessoa é batizada.”

Na GDE, o ritual é semelhante. E mesmo que as regras sejam mais frouxas, há obviamente controle. “Não pode tomar atitudes isoladas sem comunicar aos membros superiores. E também não pode roubar na sua área”, me disse o iniciado Mateus.

Perguntei a Mariana se no CV crianças também podem ser batizadas. Ela estava com a própria filha no colo quando me respondeu que depende do que considero criança. “Para mim, é só enquanto é inocente. A partir do momento em que rouba, que mata, já não é mais. Eu conheço meninos que têm uma mentalidade que adulto não tem. Eles pensam planos de crime que eu não conseguiria.”

Ao ser batizado, o membro da facção também assume a responsabilidade de matar qualquer rival que encontrar, principalmente se o inimigo estiver fora da sua área. Há ainda uma mensalidade, que varia entre R$ 100 e R$ 200. O dinheiro fica com os líderes no estado e é usado para financiar a organização.

Mariana me disse que muitos meninos aceitam o batismo depois de terem sofrido alguma violência por parte de outra facção ou da polícia. Mas também há outros motivos. “Uns é por falta de opção, outros em busca de adrenalina. Conheço outros que foram só por diversão, pra se achar o bandidão e impressionar as meninas.”

“As facções criaram uma situação na qual vários meninos falam de si como jovens kamikazes, que vão fazer o que for preciso, porque é dever e eles têm que cumprir”, diz o pesquisador Luiz Paiva.

Para Paiva, além da falta de oportunidades, o interesse dos meninos pelo crime tem relação direta com a proximidade que eles criam com a morte desde a infância. “O horizonte desse jovem é muito curto”, diz o pesquisador. “O que as facções fazem para atrair esses meninos é oferecer um projeto de vida que pode não ser o mais longo e feliz, porém é o que faz sentido no contexto em que eles estão inseridos”.

Facção como plano de carreira

Felipe*, de 18 anos, vive em Bom Jardim, favela na periferia de Fortaleza marcada pelos altos índices de assassinatos de adolescentes. Em 2017, ele perdeu seis amigos em menos de um mês. Apesar de não fazer parte de nenhuma facção, ele diz entender o que leva os amigos a serem batizados e vê os criminosos como responsáveis pela segurança da favela. “Aqui na periferia, a gente entende que nem tudo vai dar certo. E aprende isso com sangue, quando vai abraçar um amigo nosso e ele está no chão, baleado. A periferia é isso.”

A relação com a polícia é outro incentivo. Felipe lembra de pelo menos três ocasiões em que esteve na rota de uma bala, em tiroteios dentro da favela, e de quando apanhou de policiais.

Em 2017, o Ministério Público de São Paulo grampeou uma ligação entre membros do PCC na qual eles falavam sobre a grande quantidade de membros do GDE no Ceará. “Eles têm 15 mil integrantes dentro do estado e nós tem sabe quantos? Mil e pouco (…) Como é que nós vai declarar guerra com eles? (…) Os cara batizam qualquer um. Você não viu que o CV matou quatro moleques deles esses dias aí de 12, 13 anos?”, dizia um dos interlocutores. Atualmente, estima-se que existam cerca de 2.500 membros do PCC batizados no estado.

O PCC e o CV se fortaleceram no Ceará a partir de 2015. Antes, havia apenas alguns membros que atuavam em casos específicos, como o famoso assalto ao Banco Central em Fortaleza, conhecido como o maior do país, e em roubos a agências bancárias pelo interior.

O exército de adolescentes do GDE foi um dos motivos que levou o PCC a se aliar à facção local no início de 2017, parceria que se mantém até hoje. Policiais federais do Ceará acreditam que os portos de Pecém e Mucuripe são úteis para controlar a rota do tráfico internacional. A rivalidade pelo mercado de drogas é com o Comando Vermelho, a segunda maior facção no estado, com mais de 9 mil membros. Estar em uma dessas organizações é como ser funcionário de uma multinacional, oportunidade que a maioria das crianças da periferias não tem.

14-03-19-faccao-4-1552586874

Matheus e a mãe, no Cedeca. Para ele, a entrada na facção foi uma forma de sobreviver ao sistema socioeducativo.Foto: Zerosa Filho/The Intercept Brasil

Menos assistência, mais mortes

O próprio estado tem ajudado as facções a conseguirem membros cada vez mais jovens. Quando entram no sistema socioeducativo, diz Mara Carneiro, coordenadora do Cedeca, os meninos são separados por bairros, de acordo com a facção que domina a área onde moram.

Há ainda as “regalias”. “Um instrutor não mexe com adolescentes iniciados nas facções. Quem sofre são os adolescentes que não são batizados. Ser de um grupo é uma forma de estar mais seguro”, afirma Carneiro.

O mesmo estado que já separa meninos em facções dentro do sistema em que eles deveriam entrar para se regenerar também não parece ter interesse em ajudá-los a terem um futuro melhor. Em 14 anos, de acordo com levantamento do Cedeca, os investimentos em assistência social de crianças e adolescentes caíram drasticamente. Os recursos da Fundação da Criança e da Família Cidadã, órgão da prefeitura de Fortaleza responsável por promover políticas de defesa e assistência a jovens da periferia, encolheram 72%. A média é de R$ 1,7 milhão a menos por ano.

Também perdeu orçamento o programa Adolescente Cidadão, cuja missão é profissionalizar jovens da periferia. A redução foi de 97,6% entre 2005 e 2018. Talvez não por coincidência, dados do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência mostram que apenas 2% dos adolescentes assassinados em Fortaleza tiveram alguma experiência como estagiário ou aprendiz.

Um relatório do Unicef coloca ainda o Ceará como o estado brasileiro em que mais jovens morrem. O Índice de Homicídios de Adolescentes é de 8,71 a cada 100 mil habitantes, o dobro do índice no Rio de Janeiro e cerca de cinco vezes maior que o índice de São Paulo. As vítimas são quase sempre meninos negros da periferia – o mesmo alvo das facções. “Fortaleza é a quarta capital brasileira com menor investimento em assistência social a crianças e adolescentes. É também a capital que mais mata adolescentes. Isso não é coincidência”, diz Carneiro.

Apesar de entrar em uma facção significar de imediato proteção e prestígio, é o tipo de decisão difícil de voltar atrás. A única forma de sair e permanecer vivo é se convertendo a alguma igreja evangélica e abandonando o crime de vez. Ou então, claro, assinando ficha em outra facção.
Nayara Felizardo/TheIntercept

* Os nomes foram modificados para não colocar em risco a vida das pessoas entrevistadas.

Brasil: Falência do sistema prisional – A guerra entre a Constituição e a população

Cleptocracia,Brasil,Política,Blog do Mesquita,CorrupçãoColunista volta a apontar a “kleptocracia” com raiz de muitos males, no Brasil e fora dele.
“Pelo nível de fúria das populações, cabe prognosticar ventos prósperos ao populismo radical no mundo todo.
O sonho de uma selva civilizada, lamentavelmente, foi adiado novamente”

Por Luiz Flávio Gomes

Esse é o conflito que a Súmula Vinculante (SV) 56 do Supremo Tribunal Federal (STF) enfrentou. Ela foi editada em 29 de junho de 2016 e é de cumprimento obrigatório por todos, incluindo os juízes. Decidiu o STF: “Não havendo vaga [por culpa, evidentemente, do Estado], o preso não pode ficar no regime prisional mais severo, devendo ir para situação menos gravosa”.

Detalhe: não se faz a progressão per saltum (Súmula 491, do Superior Tribunal de Justiça). O preso vai, na prática, para uma situação melhor, mas juridicamente continua no regime fixado na sentença. Quando surgir vaga, volta a cumprir pena no estabelecimento correspondente. Se cumprir todo tempo, julga-se extinta a pena.

Por que o STF fez isso? Porque a falência dos serviços públicos é nítida e indiscutível (veja o caso do Rio de Janeiro, por exemplo). O sistema prisional entrou em colapso. Por culpa do Estado (cujas receitas são roubadas diariamente, sobretudo pelas elites políticas e empresarias), quem deveria permanecer encarcerado, agora será favorecido (vai para situação mais branda, podendo ser a rua).

O Estado não cumpre seu papel porque o dinheiro se tornou escasso. A kleptocracia (governos e empresários ladrões – com “k”, é neologismo) desvia o que pode (veja a Lava Jato) e está pouco se lixando para a população, que está enfurecida. A indignação aumenta a cada dia, porque incrementa a sensação de abandono.

Tudo era para funcionar equilibradamente na selva (no “estado de natureza” de Hobbes). A cada habitante da área caberia direitos, deveres e responsabilidades. Mas as raposas kleptocratas abocanham quase tudo de todos. Definhou o Estado, prejudicando seriamente o povo (de cuja soberania emanaria todo poder).

Soberanos, na verdade, na selva, são as elites e as oligarquias políticas e empresariais (os leões e as raposas). Mandam em tudo e em todos. É o poder do dinheiro. Ciência, tecnologia e dinheiro é a santíssima trindade secular (Eduardo Giannetti). O dinheiro “compra” inclusive a democracia (financiando as campanhas eleitorais), que deixou de servir o povo para satisfazer a ganância dos leões e das raposas.

A instrumentalização da democracia é uma das manifestações do “estado de natureza” de Hobbes (situação de guerra de todos contra todos, que conduz ao salve-se quem puder, porque a lei imanente da selva é a do mais forte). O mais forte “compra” as leis que lhe interessa e ainda faz com que o Estado não cumpra suas obrigações (daí o colapso nos serviços públicos).

As leis encomendadas pelos donos do poder são “democráticas” porque aprovadas pelos “representantes do povo” (que, na verdade, não representam o povo coisa nenhuma). O sistema jurídico projetado em 1988 para pôr ordem na selva está se desmoronando.

A lei fala em regimes prisionais (fechado, semiaberto e aberto). O que está programado na norma, no entanto, não bate com a realidade. Descompasso. O Estado projetado (criatura espiritual) opõe-se ou não tem aderência à “essência íntima do empírico” (Holanda). Discracia. O regime jurídico elaborado para trazer paz e tranquilidade para a selva (civilizando-a) não corresponde à realidade complexa e dinâmica. Daí o conflito (entre o que está na Constituição, na lei e a vontade popular).

Para complicar mais ainda: a vontade popular, no campo punitivo, vem revestida de uma forte ideologia punitivista (populismo penal e midiático), que busca ignorar por completo o liberalismo político (desenhado nos séculos XVII e XVIII). O populismo é contra tudo que ameaça a harmonia e a integridade da comunidade do povo. Sua cultura é coletiva, não individualista. É pós-iluminista. Os direitos individuais devem sucumbir diante do valor maior da paz coletiva, da saúde do organismo nacional.

A Constituição (que foi feita para reger todas as relações da selva, leia-se, do “estado de natureza”, elevando-o para a civilização) contempla precisamente os direitos liberais esgrimidos por Stuart Mill e tantos outros e conquistados pela burguesia francesa (em 1789), quando derrubou a monarquia absolutista que nada respeitava. Esses leões e raposas tiram agora, da população (veja a Lava Jato), o que os reis lhe tiravam até o século XVIII (a oportunidade de prosperar).

A relação entre o populismo midiático oclocrata e a Constituição é, por conseguinte, de muita tensão. Que se agrava nos momentos de crise, quando o povo está mais irado (porque se sente desprotegido e enganado diante das promessas de que teria uma selva ordenada e cheia de oportunidades).

Às vezes o STF, mesmo contrariando a Constituição, atende aos reclamos populistas (por exemplo, no caso do cumprimento da pena imediatamente após o julgamento de segundo grau). Outra vezes ele se atém à literalidade da Carta Magna ou das leis (como no caso da SV 56).

Aí as faíscas pululam. As crispações se agudizam. As aporias eclodem. O povo se sente impotente e desprezado. Se conforma, mas com o grito na garganta. Nem o leão e a raposa da selva (as elites políticas e econômicas que comandam o país) conseguem domar as decisões finais vinculantes da Corte Máxima. Eles tentam interferir no julgamento (quando podem – vejam o áudio do Sérgio Machado). Mas respeitam ou toleram o resultado. O jogo prossegue. Para eles, não está nada desfavorável.

Onde deságuam as frustrações do povo com a Constituição, com o STF e demais juízes, com a política, com os políticos, com os empresários corruptos, com a kleptocracia, com a democracia incompleta, com os partidos saqueadores etc? Nas teses do populismo radical fundamentalista, que usa com habilidade a demagógica retórica sedutora dos xamãs (ver V. Lapuente, El retorno de los chamanes).

Indo à raiz dos problemas coletivos nunca resolvidos, eletrizando o povo com sua verborragia, prometendo soluções rápidas e sempre identificando um “bode expiatório”, que será alvo de todas as iras e frustrações da população, consegue-se facilmente o seu voto.

Pelo nível de fúria das populações, cabe prognosticar ventos prósperos ao populismo radical no mundo todo (não só no Brexit, no caso Trump etc). O sonho de uma selva civilizada, lamentavelmente, foi adiado novamente.

Em tempos de Papuda, Simolândia dá exemplo

Logo que Joaquim Barbosa mandou prendê-los, os ‘presos políticos’ do PT manifestaram o desejo de puxar cadeia nos seus respectivos Estados.

Mudaram de ideia após conhecer os serviços carcerários do Papuda’s Inn. Confortados pelo governador Agnelo Queiroz (PT), que os visitou, os presidiários petistas acharam melhor permanecer em Brasília.

O goiano Delúbio Soares talvez mudasse de ideia se soubesse o que se passa na cidade de Simolândia (GO).

A cadeia local foi, por assim dizer, rejuvenescida. Em dois meses de obras, renovaram-se a cozinha, o pátio do banho de sol e até a fachada do imóvel.

Ainda sobrou dinheiro para a aquisição de um equipamento eletrônico de monitoramento dos presos. Deve-se o feito a uma parceria de três autoridades municipais.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]O promotor de Justiça Diego Braga, a presidente do Conselho de Segurança da cidade Maria de Fátima Pereira e o diretor da cadeia Valdick Feitosa da Silva se uniram para melhorar as condições do inferno carcerário. Fizeram isso com dinheiro coletado por meio de uma ferramenta chamada tecnicamente de “transação penal”.

Consiste no seguinte: nos casos que envolvem crimes de baixo potencial ofensivo, com pena inferior a dois anos de prisão, o Ministério Público oferece ao investigado a opção de negociar. Em troca do arquivamento da denúncia, o acusado se dispõe a prestar serviços à comunidade ou a pagar multas. Foi com a caixinha das multas que Simolândia humanizou seu presídio. O promotor Diego Braga diz que o próximo projeto a ser executado na cadeia é a construção de uma sala de aula.

Ao optar por Brasília, Delúbio Soares não sabe o que perdeu.

A pequena Simolândia (6.215 habitantes espalhados por 351 km²) fica mais perto de Brasília (260 km), onde despacha a presidente petista Dilma Rousseff, do que de Goiânia (465 km), onde trabalha o governador tucano Marconi Perilo.

A exemplo da Capital de Agnelo Queiroz, o município também é governado por um petista, o prefeito Celso Zanon.

Nascido num local assemelhado, a cidade goiana de Buriti Alegre, o ex-gestor das arcas do PT era professor de matemática antes de virar dirigente da CUT e militante do PT.

Abandonou a sala de aula em 1984. Em Simolândia, poderia se reencontrar com o giz e a lousa, ministrando aulas aos companheiros de cárcere.

Não teria status de funcionário da CUT de Brasília. Mas quem garante que a Vara de Execuções penais vai autorizar o retorno do preso à velha central sindical?
Blog Josias de Souza

Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo diz que preferiria morrer a ficar preso no Brasil

Barbaridade!

Que declaração mais infeliz vinda de um ministro da justiça!

Por que sua excelência não optou por declarar que iria melhor as condições dos presídios na Brasil?

“O ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) declarou nesta terça (13) que ‘preferia morrer’ a cumprir muitos anos de cadeia no sistema penitenciário brasileiro.”[…]

na coluna Claudio Humberto


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]