Sylvia Plath – Versos na tarde – 16/02/2014

Eu sou vertical
Sylvia Plath ¹

Mas não que não quisesse ser horizontal.
Não sou árvore com minha raiz no solo
Sugando minerais e amor materno
Para a cada março refulgir em folha,
Nem sou a beleza de um canteiro
Colhendo meu quinhão de Ohs e me exibindo em cor,
Desconhecendo que me despetalo em breve.
Comparados a mim, uma árvore é imortal
E um pendão nada alto, embora mais assombroso,
O que eu quero é a longevidade de uma e a audácia do outro.

À luz infinitesimal das estrelas,
Flores e árvores trescalam seus frios perfumes.
Eu me movo entre elas, mas nenhuma me nota.
Chego a pensar que pareço o mais perfeitamente
Com elas quando estou dormindo –
Os pensamentos esmaecem.
É mais natural para mim deitar.
Céu e eu então animamos a prosa,
Hei de servir no dia em que deitar afinal:
E as árvores aí talvez em mim tocassem e as flores comigo se ocupassem.
(28-11-1961)

Sylvia Plath ¹
* Massachusetts, USA – 27 de Outubro de 1932
+ Primrose Hill, Londres, Inglaterra – 11 de Fevereiro de 1963 d.C

>> biografia de Sylvia Plath


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]