Versos na tarde – José Albano – 24/11/2012

Esparsa
José Albano¹

Há no meu peito uma porta
A bater continuamente;
Dentro a esperança jaz morta
E o coração jaz doente

Em toda parte onde eu ando,
ouço este ruído infindo:
São as tristezas entrando
E as alegrias saindo

¹José Albano
* Fortaleza, CE. – 12 de Abril de 1882 d.C
+
Montauban, França – 11 de julho de 1923 d.C
[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Poeta singular, no dizer de Manuel Bandeira, “porque inteiramente fora dos quadros da poesia brasileira”, José de Abreu Albano nasceu em Fortaleza, mas logo o pai o mandou estudar na Europa, onde frequentou os melhores colégios, na Inglaterra (Stonyhurst College), na Áustria (Colégio Stella Matutina) e na França (Colégio dos Irmãos da Doutrina Cristã).

Deve-se a Manuel Bandeira e a Braga Montenegro o estudo e a divulgação de suas Rimas. Manuel Bandeira, como inúmeros críticos da obra de José Albano, ficou indeciso quanto à classificação estética do poeta, naquele começo do século com escolas que se entrecruzavam e influenciavam lealmente os poetas.

Continue lendo