Olimpíadas – Medalha de ouro para o Rio, diz ‘Economist’

Prefeitura do Rio de Janeiro cai nas graças da revista inglesa, que elogia a condução dos projetos de renovação de espaços urbanos na Cidade Olímpica.

Medalha de ouro para o Rio, diz ‘Economist’
Eduardo Paes, o mais novo queridinho da ‘Economist’ (Foto: Wikipédia)

A revista inglesa Economist desta semana chove elogios na prefeitura do Rio de Janeiro pela sua condução de projetos de renovação urbana ligados aos Jogos Olímpicos.

“O Rio de Janeiro é um oásis em um deserto político e econômico chamado Brasil”, diz a revista, fazendo um contraponto entre a recessão econômica e o escândalo de corrupção que paralisaram Brasília e os esforços do prefeito Eduardo Paes em preparação aos Jogos.

Ao contrário dos atrasos nos preparativos para a Copa de 2014, a revista afirma que as instalações do Parque Olímpico estão praticamente prontas há cinco meses dos Jogos.

Também minimiza o impacto das três maiores preocupações com o evento: a poluição na Baía de Guanabara, os atrasos na nova linha de metro ligando Ipanema à Barra da Tijuca e a epidemia de zika vírus.

“Paes diz que as competições acontecerão na boca da baía, onde a água é limpa, e que dois eventos-teste correram bem”, diz a revista.

Quanto ao metrô, a revista também repete o discurso oficial da prefeitura, que garante que a linha estará pronta em tempo e que 90% do trabalho já foi feito.

A Economist acrescenta que as férias escolares irão coincidir com o evento, aliviando os congestionamentos na cidade.

Epidemia de Zika 

A maior preocupação é o zika vírus, que já infectou cerca de 1,5 milhão de brasileiros desde que foi descoberto pela primeira vez no país no ano passado.

O último boletim do governo confirmou 641 casos de microcefalia e os números não param de crescer.

No Rio, um terço das habitações carece de saneamento básico, e a população não tem a disciplina para monitorar possíveis criadouros semanalmente.

Mesmo diante desse cenário a revista tranquiliza o leitor, lembrando que o evento vai acontecer nos meses frios e secos de agosto e setembro, quando a população do Aedes aegypti tende a cair drasticamente.

“Embora as mulheres grávidas e seus parceiros sexuais terão de consultar um especialista, para a massa dos fãs de esportes o  vírus não deve ser uma preocupação”, diz.

“Há muito a celebrar sobre as Olimpíadas do Rio”, conclui a revista.

“A cidade tem usado os Jogos como um catalisador para uma transformação mais ampla (…) Se a renovação urbana fosse um esporte, o Rio levaria medalha de ouro”.

Fontes:
The Economist – An Olympic Oasis