Denit: General Jorge Ernesto Fraxe coloca ordem na bagunça

Novo diretor do órgão, Jorge Fraxe imprime estilo militar no comando, com hierarquia e quadros do Exército. Até telefone é atendido por ajudante de ordens

A crise no Ministério dos Transportes despertou em servidores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) um forte sentimento por mudanças.

O escândalo de corrupção paralisou o órgão, atingiu a autoestima dos funcionários e criou uma expectativa por novos rumos na autarquia.

Toda a cúpula foi trocada pela presidente Dilma Rousseff e, há quase um mês, quem está no comando do Dnit é o general do Exército Jorge Ernesto Pinto Fraxe, de 58 anos. Agora, o sentimento dos servidores, nestes primeiros dias de Fraxe como diretor-geral, é outro: “O Fraxe está militarizando o Dnit.

Até para receber um telefonema quem primeiro atende é um capitão ou um sargento do Exército”, relata um funcionário ao Correio.

Fraxe cercou-se de militares na linha de frente do Dnit, reproduz constantemente jargões do Exército, hierarquizou o comando e a relação com os subordinados e vem adotando medidas duras na retomada de licitações e obras tocadas pelo órgão.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Seu estilo é semelhante ao adotado à frente da Diretoria de Obras de Cooperação do Exército, último cargo exercido antes de ser alçado à Diretoria-Geral do Dnit. O general gosta de explicações longas, didáticas e detalhadas sobre um projeto de engenharia. Mas evita a imprensa e se irrita com informações publicadas pela mídia.

“Cuidado com esse imaginário de vocês de que toda obra tem corrupção por causa de aditivos. Aditivos não são demônios”, disse o general numa das raras entrevistas à imprensa, no último dia 9, ao lado do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos.

O Correio já mostrou que, na antiga ocupação, Fraxe assinou R$ 19,9 milhões em aditivos para obras da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e outros 14 termos em convênios do Exército com a Companhia Docas do Maranhão (Codomar). No dia da sabatina no Senado, em 23 de agosto, Fraxe passou boa parte do tempo explicando o porquê desses aditivos.

Sabatinado e empossado no Dnit, o general se cercou de colegas da caserna.

O chefe de gabinete é um capitão do Exército. A segurança e o transporte particular também seriam feitos por militares, segundo relatos de servidores.

O diretor executivo do Dnit — segundo cargo mais importante na hierarquia do órgão — atuou ao lado de Fraxe no Exército. “Tive a oportunidade de trabalhar com o general no Exército”, disse o diretor executivo, Tarcísio Gomes de Freitas, durante sua sabatina no Senado. Os dois foram sabatinados na mesma ocasião. Tarcísio começou sua carreira no Exército e depois ingressou no quadro de auditores da Controladoria-Geral da União (CGU).

Empreiteiras

Uma das primeiras ações de Fraxe à frente do Dnit foi abrir conversas com empreiteiras já contratadas. Primeiro, ele viajou a Minas Gerais, onde se reuniu com representantes de oito consórcios de empresas projetistas.

“O anel viário de Belo Horizonte está o caos”, disse na ocasião. Na semana passada, voltou a se reunir com empresários, desta vez na sede do Dnit, em Brasília. A conversa foi com empresas responsáveis pela supervisão das obras.

Fraxe anunciou mudanças nas licitações do Dnit, com menos restrições na seleção, uma forma de atrair mais concorrentes. O anúncio foi feito com o ministro Passos. A todo instante, o general cochichava no ouvido do ministro os detalhes sobre as novas regras.

“Tenho de montar uma verdadeira operação de guerra para tirar da velocidade zero editais e projetos que estão parados”, disse quando lhe foi concedida a palavra. O diretor-geral do Dnit garantiu que vai diminuir a delegação de obras para execução pelo Exército. “O Exército participa de obra pública porque precisa se adestrar para a guerra e para a cidadania.”

Um parlamentar próximo ao general diz que o estilo que Fraxe imprimiu na diretoria do Dnit será reforçado nos próximos meses. “É um estilo duro, de monitoramento permanente, de valorização da gestão. Será uma gestão na base da mão de ferro.”

Quem é ele

Neto de imigrante sírio, Jorge Ernesto Pinto Fraxe nasceu em Boa Vista, capital de Roraima, em 1953. Foi criado em propriedades rurais dos municípios de Caracaraí e Mucajaí. “Conheço a Amazônia um pouquinho, graças a Deus”, disse na sabatina do Senado, em 23 de agosto. A família de Fraxe vive em Manaus: são seis irmãos ao todo.

Ele ingressou no Exército em 1972, na Academia Militar das Agulhas Negras. Três anos depois, diplomou-se oficial de engenharia. Hoje, é general da Divisão Combatente do Exército. Fraxe atuou principalmente na Amazônia, mas esteve também no Nordeste, no Centro-Oeste e no Sul do país. Suas missões estiveram relacionadas à execução de obras públicas.

O último cargo foi o de diretor de Obras de Cooperação do Exército.

Entre as obras que gerenciou, estão a BR-174, de Manaus a Boa Vista; a BR-401, de Boa Vista até a fronteira com a Guiana; a BR-101, no Nordeste; uma adutora no Seridó Potiguar, no semiárido do Rio Grande do Norte; e um gasoduto ao longo dos rios Urucu, Solimões e Negro, na Amazônia. Em 2009 e 2010, como diretor de Patrimônio do Exército, foi responsável pela instalação de pontes metálicas em regiões onde enchentes carregaram as de concreto.

Um general afinado com sua época

Eis um general de Exército realista, pragmático, e que não vai além dos seus chinelos.

Trata-se do novo diretor-geral do Departameto Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Jorge Ernesto Pinto Fraxe.

Sabatinado, ontem, no Senado, ele prometeu uma gestão voltada para coibir irregularidades, mas foi logo admitindo não ter autoridade para estender a “faxina ética” às superintendências regionais do Dnit controladas pelo PR.

O PR mandou no Dnit até Dilma dizer chega.

Então anunciou que adotaria uma postura de independência diante do governo e que devolveria os cargos que ocupa.

A nova postura, de fato, começou a ser ensaiada.

O líder do PR na Câmara dos Deputados assinou o requerimento para a criação da CPI da Corrupção.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Quantos ao cargos… Fora os que Dilma tomou, o PR não devolveu nenhum.

Ideli Salvatti, ministra das Relações Institucionais, está empenhada em trazer o PR de volta à base do governo.

Se for preciso contemplar o partido com novos cargos, tudo bem.

De volta à sabatina do general.

Ele estaria disposto a substituir dirigentes regionais do Dnit?

– Não vou dizer:
“Se ele (o superintendente) não for o líder que eu quiser, vou tirar, vou isso, vou aquilo”. Seria leviano da minha parte estar fazendo aqui gracinha, dizendo um negócio desses. Se estão ali, é porque foram indicados por negociação política – respondeu Jorge Ernesto.

Eis um general contemporâneo.

blog do Noblat

Brasil: Os ladrões roubam para ostentar e traem a confiança da presidente

Os ladrões – penso eu – não ostentam porque roubam, mas roubam para ostentar.

Este o seu propósito não muito oculto, o seu impulso no fundo da questão.

Assumindo abertamente tal comportamento, além de traírem a confiança de quem os nomeou – no caso dos Transportes, a presidente Dilma Rousseff – ainda por cima desgastam politicamente o governo e, simultaneamente a imagem do PT.

Por isso, acho que o ex presidente Lula não tem razão quando se preocupa em que as demissões praticadas por Rousseff no DNIT possam isolá-la da base parlamentar no Congresso.

Escrevo a partir da reportagem da Càtia Seabra e Natuza Nery, Folha de São Paulo de quarta-feira.

Sinto sempre a obrigação, não muito levada a sério, de citar a fonte da informação que se transforma em degrau para análise.

Pensar que o ladrão, e também traidor, é um amigo ou aliado é uma ingenuidade ou uma estupidez completa. O ladrão, ao contrário, é o pior e o maior inimigo.

Principalmente porque expõe o outro, a uma grave e aparente contradição.

Ou sabia do roubo e assim é conivente ou leniente, ou é um desinformado .

Como a presidente Dilma não é nem uma coisa nem outra, sua única saída é demitir os culpados. No mínimo.

Pois se infringiram a lei devem ir para a cadeia, se condenados. Mas a cadeia para os colarinhos branco não constitui uma peça da cultura brasileira.

Os ladrões ficam à solta, porém não se pode dizer que seus atos não tenham consequência. Há muitos exemplos e reflexos, como lembrou Dora Kramer em O Estado de São Paulo da mesma quarta-feira.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

No incrível DNIT outras demissões estão anunciadas.

Como Luis Inácio da Silva pode temer fraturamento ou fracionamento da base parlamentar aliada? Não faz sentido. A roubalheira pela própria roubalheira já constitui uma cisão. Claro.

Pois não pode ser esse o projeto do governo.

Dilma não atribuiu o espaço do Ministério dos Transportes ao PR, partido que foi do vice José Alencar, para que seus representantes agissem como os piratas do século 16 que tinham o Caribe como ponto de encontro e refúgio.

Deram margem na literatura até a lendas de raro fascínio. O cinema americano aproveitou-se de várias delas para filmes de aventuras. Mas o cenário da política brasileira é diferente.

Dilma Roussef e o PT terão que enfrentar as urnas municipais de 2012, prévia das sucessões estaduais e da sucessão presidencial de 2014. É verdade que não existe oposição federal no país.

O DEM desapareceu. O PSDB está dividido entre as correntes de Aécio Neves e José Serra, e Aécio não tem a menor pegada oposicionista.

Nem adiantaria. A força popular de Lula não se evapora facilmente, pois com ele, e Dilma, como já escrevi, o desemprego caiu de 12 para 6%, e os salários subiram concretamente na escala de 15%.

O PSDB, para confrontar o ex presidente, teria que defender abertura social ainda maior.

Atacar só à base da corrupção não resolve. Aécio Neves já sentiu isso. É jovem. Pode esperar. Daqui a dois anos ainda será difícil para ele. Mas a política é como a nuvem. Pode mudar de a forma e direção a qualquer instante.

O fato essencial é que não se pode aceitar e conviver com a corrupção e os corruptos sob pena pelo menos de contaminação.

Assim não tem cabimento, em nome da maioria na Câmara e no Senado, o governo, qualquer governo, perder a credibilidade e a confiança da opinião pública. Sem opinião pública a favor, não se governa país algum.

Muito menos o Brasil.

Pedro do Coutto/Tribuna da Imprensa

Dilma, a limpeza e comentário de Lula

Ponto para Dilma Rousseff, a ser verdadeira a informação de o ex-presidente Lula temer que ela fique afastada de sua base parlamentar, caso continue demitindo funcionários acusados de corrupção no ministério dos Transportes.

Porque mesmo se despertar amuos e indignação nos partidos que a apóiam, a atual presidente credencia-se junto à população, em especial a classe média.

Resta saber se o Lula anda com ciúmes ou se começa a ter receio da limpeza promovida pela sucessora, porque, afinal, quem permitiu a montagem do esquema de corrupção nos Transportes foi ele mesmo.

Impossível, nos seus oito anos de governo, ele não ter tido notícia da lambança promovida por Alfredo Nascimento, Waldemar da Costa Neto, Luiz Antônio Pagot e o resto da quadrilha.

Estaria o antecessor adotando medidas acautelatórias para o caso de algum desses singulares “republicanos” abrir o bico ou jogar barro nmo ventilador? De qualquer forma, é profundamente injusto o comentáriodo Lula.

A parte podre de sua base parlamentar do governo apenas depõe contra quemestimulou sua formação.

Se for preciso passar o rodo em ministérios dominados pelo PMDB, o PT, o PTB e penduricalhos, que assim aconteça no mais breve espaço de tempo possível.

O que não dá é assistir o governo trasnformado num balcão de negócios por partidos que lhe dão respaldo no Congresso.

Apesar do recesso do Congresso, ontem, em Brasília, aguardava-se com ansiedade um desmentido do Lula ao suposto comentário divulgado pela Folha de S. Paulo.

Em especial no palácio do Planalto.

Carlos Chagas/Tribuna da Imprensa

Corrupção trafega solta no Ministério dos Transportes

Um dos melhores símbolos do estágio de degradação a que chegou o Ministério dos Transportes sob controle do PR e auspícios do lulopetismo é Frederico Augusto de Oliveira Dias.

Pois Fred, ao cumprir expediente no mal-afamado Dnit sem pertencer aos quadros do departamento, é a prova viva de como a repartição pública foi privatizada pelos interesses da baixa política.

O clandestino Frederico, segundo confirmou o novo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, tratava no Dnit dos interesses do virtual chefe da Pasta, o mensaleiro Valdemar Costa Neto, deputado por São Paulo pelo PR e tido como o grande negocista de toda a rede de corrupção montada no setor desde o início do primeiro governo Lula.

Parece sem fim a sucessão de malfeitos no ministério. Apenas no quesito corrupção com nepotismo, surgiram dois casos: o enriquecimento vertiginoso de Gustavo — filho do ex-ministro Alfredo Nascimento, presidente do PR —, patrocinado pela influência do pai; e contratos de obras públicas repassados à construtora da mulher de José Henrique Sadok de Sá, diretor-executivo do Dnit, afastado quando circulou a denúncia.

Há inúmeras evidências de superfaturamento para financiar o pagamento de propinas por empreiteiros, dinheiro que, no mínimo, abasteceria o caixa dois do PR.

Na outra ponta desta rede de corrupção estão milhares de quilômetros de estradas em condições precárias.

Como informa reportagem do GLOBO: no ano passado, do 1,5 milhão de quilômetros de estradas existentes no país, só 212 mil, ou 13%, estavam pavimentados.

Esta é a face perversa de todo esquema de corrupção na esfera pública: gastam-se bilhões em contratos, e os principais beneficiários não são os usuários das estradas, mas empresas de livre trânsito em Brasília e políticos que vivem de vender “facilidades” para empreiteiros.

Como os do PR flagrados em delito.

Quando estourou o escândalo que arrastou o ministro Alfredo Nascimento, junto com Luiz Pagot, diretor-geral do Dnit, e fez Valdemar Costa Neto mergulhar para fugir do noticiário, Jorge Hage, controlador-geral da União, foi sucinto e certeiro: “O Dnit tem o DNA da corrupção.”

De 2009 para 2010, ano eleitoral, o total de contratos firmados pelo departamento sem licitação aumentou 33%. Apenas no ano passado — não por acaso de eleições —, o Dnit pagou, com dinheiro do contribuinte, R$ 228,2 milhões por obras não licitadas.

Gastos em “gerenciamento ambiental” são astronômicos, também feitos, em certos casos, sem concorrência.

Uma empresa de nome Contractor deverá receber R$ 66,8 milhões para fazer este gerenciamento num trecho de apenas 6,2 quilômetros da BR-101, no contorno rodoviário de Vitória, Espírito Santo.

Uma conta aritmética simples chega ao custo de R$ 10,7 milhões por cada mil metros.

A abertura da caixa-preta do Ministério dos Transportes confirma que o brasileiro está no pior dos mundos: recolhe ao Estado bilhões em impostos, mas quase nada recebe em troca, enquanto parte do dinheiro desaparece nos desvãos da fisiologia que passou a imperar em Brasília a partir de janeiro de 2003.

O Globo

Ministério dos Transportes e a ponte na China

Não há corrupção sem corruptor. Nem tão pouco sem a conivência e/ou omissão de Presidente, Ministro, DNIT, Empreiteiros, Políticos, etc.

Porque a Abin que não investiga esses caras antes de a posse ser feita?

E o Gabinete de Segurança Institucional que não alerta a presidente dos processos aos quais respondem essas pessoas? Serão as revistas semanais mais competentes pra revelarem o envolvimento dessas pessoas em todo tipo de desvios, nepotismos e corrupção?
O Editor 


Caso o ainda diretor Pagot e os representantes do Planalto se acertem nesse fim de semana e ele se mantenha discreto, sem fazer maiores revelações nos depoimentos à Câmara e ao Senado, mesmo assim as informações sobre o Ministério sempre acabarão vazando, como aconteceu semana passada com o impressionante vídeo da IstoÉ demonstrando que o ministro Alfredo Nascimento, há mais de 8 anos no cargo, não sabia nada sobre estradas e era feito de marionete pelo deputado Waldemar Costa Neto, que funcionava como se fosse o verdadeiro ministro e tinha até sala privativa no gabinete.

O pior são as comparações entre os custos da construção civil no Brasil do governo Lula Rousseff e nos outros países. Como se sabe, a China acaba de inaugurar a ponte da Baía de Jiaodhou, que liga o porto de Qingdao à ilha de Huangdao.

Tem 42 km de extensão, bem mais do que o dobro da Rio-Niterói, que tem 16 km.

Construída em apenas quatro anos, a gigantesca obra custou o equivalente a R$ 2,4 bilhões.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Na internet, circula um estudo comparativo realizado pelo matemático gaúcho Gilberto Flach, com base no projeto da nova ponte do Rio Guaíba, em Ponte Alegre, recentemente aprovado pelo Dnit de Pagot.

Com 2,9 quilômetros de extensão, a obra brasileira vai custar R$ 1,16 bilhão e também deverá ficar pronta em quatro anos. Espantado, o matemático começou a fazer as contas, que foram publicadas pelo jornal Zero Hora, o mais importante do Rio Grande do Sul.

Os números indicam que, se o Guaíba ficasse na China, a obra seria concluída apenas em 102 dias, ao preço de R$ 170 milhões, vejam só que absurdo.

E se a Baía de Jiadhou ficasse no Brasil, a ponte chinesa não teria prazo para terminar e seria calculada em trilhões.

Além disso, se a construção da ponte sobre o Rio Guaíba fosse na China, como a corrupção seria logo descoberta, tal a disparidade dos números, os criminosos teriam execução rápida e suas famílias ainda seriam obrigadas a pagar pela munição gasta no fuzilamento.

Carlos Newton/Tribuna da Imprensa