PT abre os braços pra mensaleiros e cuequeiros

Ok. Está bem. Não devemos condenar sem julgar. Concordo.

Os caras ainda não foram, julgados e gozam, além da cara dos Tupiniquins, do princípio jurídico da presunção da inocência. Agora, se os petralhas querem recuperar a ética perdida nas calendas das safadezas nepotistas, deveriam aguardar o julgamento das figuritas envolvidas nas maracutaias petistas, para readmiti-las, as figuritas, em seus (deles) quadros.

O editor


“Novo” PT dá sinal verde a mensaleiros

Dutra, favorito na disputa pela presidência do partido amanhã, e seu principal adversário, Cardozo, admitem volta de envolvidos

Réus do caso do mensalão no STF, Dirceu, Genoino e João Paulo estão entre os que podem assumir cargos na nova direção da legenda

[ad#Retangulo – Anuncios – Normal]O candidato favorito a vencer o PED (Processo de Eleições Diretas) do PT, amanhã, José Eduardo Dutra, e seu principal adversário, José Eduardo Cardozo, afirmam que, se eleitos, não colocarão obstáculo à volta ao comando da sigla de petistas envolvidos no escândalo do mensalão (transferência de recursos a parlamentares em 2005), a maior crise do primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O ex-ministro José Dirceu e os deputados federais José Genoino e João Paulo Cunha integram a chapa de Dutra, requisito para que eles possam ocupar cargos de direção, o que não acontece desde a primeira eleição do PT após o escândalo.

Os três são réus no processo do caso no STF (Supremo Tribunal Federal). Outros cinco petistas ligados ao escândalo estão na chapa de Dutra.

Mas até Cardozo, que chegou a pregar a “refundação” do PT, diz agora que aceita o retorno do grupo ao comando do partido. “O estatuto do PT define a composição proporcional. Não cabe a nenhum membro de uma chapa estabelecer qualquer tipo de veto a um militante que está no exercício de seus direitos”, afirma o deputado.

Dutra usa o mesmo argumento para defender a volta dos mensaleiros. “Todos estão em pleno gozo de seus direitos como filiados ao partido. São companheiros importantes, de tradição e história no partido. Eu não sinto nenhum incômodo em tê-los na minha chapa.”

Folha de S.Paulo

Procurador pede a TCU apuração sobre a filha de FHC

A coisa tá braba. Nós, os Tupiniquins, não temos nem tempo pra tomarmos fôlego. O tsunami de lama que vem do senado, nos afoga a todos.

O que mais impressiona é que se ligarmos a TV Senado, os nécios se sucedem na tribuna e nenhum das 81 ex-celências, toca no assunto. Parecem todos habitantes de outro planeta. Ninguém sabia da ocorrência das bandalheiras.

E eu que pensava que Lula e aloprados mensaleiros não tinham feito escola!

O editor

blog Josias de Souza

Nesta terça (31), o procurador Marinus Eduardo Marsico pedirá ao TCU que abra uma investigação em torno dos malfeitos do Senado.

Ele representa o Ministério Público no TCU. Protocolará sua ação na presidência do tribunal, um órgão auxiliar do Legislativo.

Entre os episódios que Marinus Marcico deseja ver acomodados em pratos bem asseados está a contratação de uma filha de Fernando Henrique Cardoso.

Chama-se Luciana Cardoso. É contratada do gabinete do senador Heráclito Fortes (DEM-PI). Mas não dá as caras no Senado.

Escondida nas dobras da folha de pagamentos do Senado, a filha de FHC foi desencavada pela coluna da repórter Mônica Bergamo.

Ouvida, Luciana soou curiosamente debochada: “Trabalho mais em casa, na casa do senador…”

“…Como faço coisas particulares e aquele Senado é uma bagunça e o gabinete é mínimo, eu vou lá de vez em quando…”

Perguntou-se à filha de FHC se já havia entrado no gabinete de Heráclito. E ela: “Cabe não, meu filho! É um trem mínimo e a bagunça, eterna…”

“…Trabalham lá milhões de pessoas. Mas se o senador ligar agora e falar ‘vem aqui’, eu vou lá”.

Ou seja, Luciana é, por assim dizer, parte de um fenônome que o pai dela batizou de “cupinização” do Estado.

Além de varejar este caso, o procurador Marinus Marcico deseja que o TCU esquadrinhe outros dois episódios:

1. O pagamento de horas extras a mais de 3.000 servidores do Senado em plenas férias;

2. A denúncia de que a servidora Elga Lopes recebeu normalmente o contracheque em fases nas quais assessorou as campanhas eleitorais de senadores.

Entre os “assessorados” estão José Sarney e a filha dele, Roseana Sarney. Elga era diretora de Modernização do Senado (!?!?!). Hoje, dirige a Comunicação Social.

O objetivo do procurador é a restituição às arcas da Viúva de valores eventualmente dispendidos em afronta à lei.

Marinus Marcico talvez devesse ampliar o foco da ação que vai propor ao TCU. Há inúmeros outros “fantasmas” flanando sobre a folha salarial do Senado.

No último final de semana, os repórteres Otávio Cabral e Alexandre Oltramari lançaram um facho de luz sobre dois desses ectoplasmas.

O primeiro se chama Aricelso Lopes. É “coordenador de atividade policial” do Senado. Está lotado no gabinete do senador Mão Santa (PMDB-PI).

“Faz no mínimo dois anos que ele não aparece aqui”, disse Rauf de Andrade, chefe de gabinete da polícia do Senado.

O gabinete de Mão Santa informou que o servidor foi requisitado, veja você, para capturar um pistoleiro que supostamente ameaçava o senador.

O outro “fantasma” atende pelo nome de Weber Magalhães. É diretor da CBF. Mas está escalado como servidor do gabinete de Wellington Salgado (PMDB-MG).

A Viúva paga-lhe o salário. Mas Weber não dá expediente no Senado. “Acompanho projetos para o senador”, diz ele.

Inquirido a respeito, o pseudochefe Wellington deu uma explicação saiu-se com um salgado deboche ao contribuinte: “Ele é muito feio. Melhor não aparecer por aqui”.

Como se vê, a situação no Senado é mais feia do que supõe o procurador Marinus Marsico. Melhor ampliar o escopo da ação. Quem sabe nao se anima logo a incluir a Câmara.

Deve-se aos repórteres Leonardo Souza e Maria Clara Cabral a descoberta de que a folha da Câmara serve de abrigo até para empregada doméstca.

Descobriu-se que o deputado licenciado Alberto Fraga (DEM-DF) mantinha em casa uma doméstica, Izolda da Silva Lima, cujo salário sai da bolsa da Viúva.

Depois de negar o malfeito à saciedade, Fraga traiu-se numa entrevista ao “Jornal Nacional”. Disse o seguinte:

“Ela faz serviço no meu gabinete. Ela paga contas, serve cafezinho, é uma empregada que presta serviços domésticos…”

“…Perdão, presta serviços externos. Agora, realmente ficou complicado de explicar”.

De fato, ficou complicado. Tão complicado que Fraga viu-se compelido a pedir ao suplente Osório Adriano (DEM-DF), no exercício do mandato, que demitisse Izolda.

No Senado, acossado pelo inadmissível, José Sarney disse que terá “tolerância zero” com os malfeitos. A essa altura, não resta à platéia senão agarrar-se a São Tomé.

Lula não sabia e a Yeda Crusius, também não?

Brasil: da série “cuméquié?”

Ok!

Papai Noel existe e a mula sem cabeça é vista pastando na Praça dos Três Poderes, trazendo no lombo o Saci Pêrêrê. Temos que acreditar que no planalto central, onde a farsa é prática política contumaz, tudo o mais é possível.

Do apedeuta, que tenta um emprego, pós-presidência da República, como garoto propaganda do velho Óleo de Peroba, juntamente com todos os aloprados, mensaleiros e cupinchas, como autênticos caras-de-pau na arte cínica do “eu não sabia”, todo mundo já ouviu a cantilena.

Agora, seguindo os passos do chefe dos Tupiniquins, a prenda gaúcha do tucanato, Yeda (Cruz Credo) Crusius, também alega que:
“eu não sabia, tchê!”.

Uáu!

Então, vamos lá.

Do blog do Noblat

Você acredita que Lula sabia ou não do mensalão pago a deputados para que votassem na Câmara de acordo com a orientação do governo?
Sua crença, seja qual for, deveria prevalecer também no caso da governadora Yeda Crucius (PSDB), do Rio Grande do Sul, que enfrenta grave crise política.

O chefe da Casa Civil do governo dela foi grampeado pelo vice-governador, que é do DEM. E admitiu em parte do diálogo que dinheiro desviado do Detran e de outros órgãos públicos do Estado sempre financiou campanhas eleitorais – inclusive de partidos aliados do atual governo.

É razoável que Yeda não soubesse? Que jamais tivesse ouvido falar a respeito? Que tenha sido surpreendida pelas revelações do seu principal auxiliar – assim como Lula disse depois que Roberto Jefferson detonou o caso do mensalão?

A crise que sufoca o governo de Yeda já custou a demissão de três secretários dela. Outros secretários deverão ser substituídos nos próximos dias.

Esta semana, o DEM deverá repreender o vice-governador por seu comportamento no episódio. Na verdade deveria condecorá-lo por ter denunciado algo de escandaloso.

Por ora, o PSDB nacional ainda não saiu em peso em socorro de Yeda. Guarda um silêncio obsequioso.

PSDB e PT. Tudo os une ao cinismo

Brasil: da série “quem te viu, quem te vê”

Prossegue a acelerada mutação do tucanos em petistas.
Impressiona a desfaçatez com que os emplumados tucanos vestem a delubiana máscara do cinismo.

Agem no Rio Grande do Sul da mesma forma que os petralhas atuam na taba dos Tupiniquins.

Argh!

PSDB repete o PT na defesa de Yeda
Coluna Claudio Humberto

A nota oficial da executiva nacional do PSDB assinada pelo presidente senador Sérgio Guerra provocou euforia entre os petistas. Guerra saiu em defesa da governadora Yeda Crussius usando argumentos bem parecidos com os utilizados pelo PT para defender aloprados, sanguessugas, mensaleiros e outros tantos petistas enrolados em escândalos.

Guerra alega que Crusius está sendo perseguida “por ter contrariado interesses no Rio Grande do Sul”.

A cúpula do PSDB não diz palavra sobre as denúncias de corrupção.

PT e PSDB são parecidos sobretudo quando se recusam a apurar seus próprios suspeitos de corrupção.

Grávida está presa há três dias por tentar furtar lata de leite

Brasil: da série ” O tamanho do buraco”

O Deputado Estadual do Rio de Janeiro, Álvaro Lins – acusado de chefiar quadrilha que vendia proteção a criminosos – , após prisão é flagrante, foi solto. O ex-governador Garotinho, indiciado por formação de quadrilha armada, tá solto, o Deputado Federal Paulinho (PDT-SP) da Força Sindical, tá solto, mensaleiros, os sanguessugas, aloprados, Marcos Valério, Duda Mendonça, o banqueiro Cacciola, estão soltos. A lista é longa.

Enquanto isto, na taba dos tupiniquins, onde reina a desigualdade…

De O Globo Online

Uma mulher grávida de seis meses está presa porque teria falado que ia furtar uma lata de leite. Patrícia Galvão Camelo, de 33 anos, está há três dias na Delegacia de Capturas.

Segundo a polícia, ela foi presa depois de tentar furtar uma lata de leite em uma padaria, no centro da capital. Patrícia Galvão está grávida de seis meses, ela disse que queria o leite porque estava desempregada e com fome, mas não chegou a levá-lo.

O delegado Antunes Teixeira disse que Patrícia Galvão não tinha passagem pela polícia e que ela só poderá deixar a cadeia se pagar fiança ou após uma determinação do juiz.

Saiu na mídia – Antonio Fernando de Souza. O demolidor

De Eliane Cantanhêde – Folha de São Paulo

Procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, não perdoa. Depois de chamar o esquema petista do mensalão de “quadrilha”, ontem ele atingiu dois alvos com uma só penada: a coordenação política do governo e o congresso/convenção do PSDB.

No Planalto, Lula às voltas com a queda do ministro Walfrido dos Mares Guia. No PSDB, o fantasma do senador Eduardo Azeredo.

Mares Guia e Azeredo, ex-presidente tucano, são os pais do esquema Marcos Valério de financiamento de campanhas, que na era petista evoluiu para compra de apoio parlamentar ao governo. Uns criaram, outros refestelaram-se.

O PT passou oito anos chamando o governo FHC de corrupto. O PSDB devolveu comemorando no governo Lula os Waldomiros, mensaleiros, caseiros e aloprados. Era dois a um, depois inverteu o placar. Mas a entrada de Azeredo no mesmo campo da ética zera o jogo. Empatou. A torcida não sabe quem aplaudir, quem vaiar.

O próprio encontro tucano de ontem deixou claro que o discurso ético está fora de moda, na base do “vamos deixar isso pra lá”. Dez entre dez discursos focaram na ameaça golpista, real ou não, de terceiro mandato para Lula.

Como tudo começou a e a denúncia do Procurador Geral da República Continue lendo