Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita,Alter do Chão,Brasil,Pará

Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo. José Ortega y Gasset

Em entrevista, ex-presidente da Funai diz que já na não se pode falar em falha na proteção de reservas, mas numa política deliberada para destruí-las: “Não tem ninguém no governo que seja a favor do meio ambiente”.

Queimada perto de Apui, no estado do Amazonas: destruição da floresta avança sob Bolsonaro

Se nos governos anteriores havia desaprovação a ações pontuais ligadas aos povos tradicionais, no governo de Jair Bolsonaro as críticas são direcionadas a tantas áreas que a questão indígena acaba diluída em meio a uma desaprovação maior e mais geral.

É essa a avaliação do jurista Carlos Frederico Marés de Souza Filho, professor de Direito Agrário e Socioambiental na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Ele foi presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) entre 1999 e 2000.

Para o jurista, a política ambiental da atual gestão, simplesmente, não existe. “Até o ministro [do Meio Ambiente] diz que quer destruir, então não tem ninguém no governo que seja a favor do meio ambiente”, afirma.

Em entrevista à DW Brasil, Marés também comenta o enfraquecimento e desmonte gradual da Funai nos últimos anos, fala sobre o papel do governo federal em conter o avanço do coronavírus e dos recentes incêndios em terras indígenas e explica como a demarcação de terras ganhou cada vez mais ares de processo político em vez de técnico.

DW Brasil: Você foi presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) entre 1999 e 2000. Em essência, o que mudou de lá para cá em relação à questão indígena no Brasil?

Na virada de 1999 para 2000, os povos indígenas estavam muito expostos na mídia por causa dos 500 anos [do descobrimento]. Havia, então, essa exposição muito grande e, consequentemente, uma articulação muito grande. Justamente em 2000, houve uma repressão policial ao movimento indígena na festa dos 500 anos em Porto Seguro (BA), razão pela qual pedi demissão do cargo. Não podia compactuar com uma ação daquelas.

Quanto à Funai, nesses últimos 20 anos, ela foi sendo deteriorada do ponto de vista da ação possível. Até 2016, mais ou menos, embora estivesse fraca, ela ainda tinha dinheiro, funcionários e, portanto, ação. Mas de quatro anos para cá ela foi perdendo tudo isso. Foram muitas aposentadorias sem reposição de quadro funcional e uma deterioração da política significativa. Um exemplo é a proteção dos povos indígenas chamados “isolados”, que demandam somente uma aproximação muito distante. Essa é uma política correta e que não custa muito. Mas nos últimos anos, e principalmente nos primeiros dois anos de gestão [Jair] Bolsonaro, essa política foi rompida. Trata-se de uma política desastrosa, mortal. O correto é proteger as áreas de povos isolados e não deixar ninguém entrar.

A diferença, então, é que houve uma piora funcional e política. A Funai deixou de ser uma intermediária entre governo e povos indígenas para ela mesma ser contrária a essa população. O governo atual incentiva o ingresso em terras indígenas, a ocupação ilegal de terras, e a Funai não faz nada. E não adianta os indígenas correrem para a Funai porque a Funai “corre com eles”.

No fim de agosto, o presidente Bolsonaro afirmou em uma live que há “índios evoluídos” no Brasil, que poderiam ter “mais liberdade sobre sua terra”…

Não posso atribuir isso à ignorância porque o nome disso é racismo. Essa fala é racista e genocida. É uma postura inimiga dos indígenas, porque ele acha que os povos indígenas atrapalham. Quando ele diz que os indígenas devem ter mais liberdade, eu concordo plenamente, mas qual é a liberdade que os indígenas querem? Que ninguém entre em suas terras, que a natureza não seja destruída, que não tenha garimpeiro, madeireiro por lá. Os povos indígenas têm pouca força para usufruir dessa liberdade e quem tem que garanti-la é exatamente o Estado brasileiro. O Estado precisa ouvir os indígenas. Os ianomâmis [grupo que vive na floresta amazônica, na fronteira entre Venezuela e Brasil], por exemplo, eu sei o que vão responder: tirem os garimpeiros das nossas terras.

Os indígenas querem liberdade, mas não para trazer gente branca para a terra deles, e sim para impedir que haja exploração. E o que o presidente quer dizer é que as terras indígenas devem ser mais livres para quem quiser invadir.

Um relatório divulgado recentemente pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), apontou que no primeiro ano de governo Bolsonaro (2019) as invasões em terras indígenas cresceram 135%. É exagero dizer que o atual governo está falhando na proteção aos povos indígenas?

“Falha” é uma palavra gentil. O governo não está falhando, está intencionalmente tentando destruir os povos indígenas. E isso é genocídio.

Até o momento foram registrados 36 mil casos de contaminação pela Covid-19 entre indígenas, segundo dados da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). O senhor acredita que o estabelecimento de barreiras sanitárias em terras indígenas por parte do Governo Federal, previsto emMedida Provisória publicada no último dia 1°, ajudará, de forma efetiva, a conter esse cenário? Além disso, o governo não demorou muito para tomar ações a respeito? A pandemia começou em março.

Essa demora foi intencional. Essas barreiras sanitárias eram muito fáceis de terem sido feitas há seis meses. Alguns povos, inclusive, fizeram barreiras por conta própria, mas mesmo assim teve missionário que quis entrar [nas terras], pessoas do governo, gente para entregar remédio. Há uma tensão muito grande em relação ao coronavírus e os povos indígenas.

Somente em setembro, mais de uma centena de focos de incêndio avançaram sobre terras indígenas na região do Pantanal. Em agosto, foram 200 focos. Ainda que queimadas sejam esperadas para a região nesta época do ano, os números não são altos demais? Qual é o papel do Poder Público para proteger as terras indígenas?

O grande drama que vive o Pantanal, assim como o Cerrado e a Amazônia, é o desmatamento irregular. Sempre que acontece um episódio como esses incêndios temos que nos perguntar: alguém leva vantagem nisso? O incêndio é bom para alguém?

Nesses três biomas, há quem leve vantagem com os incêndios, que é quem quer ocupar terra, que são pessoas que não são de lá. Não são os indígenas, não são os povos tradicionais, os quilombolas. Agora, para quem quer expandir suas terras, o incêndio é bom. Lembro também do Cerrado porque é uma região da qual se fala menos, mas que está sendo duramente castigada pela abertura e derrubada da vegetação nativa para dar lugar a grandes monoculturas.

Podemos então dizer que hoje a demarcação das terras indígenas se transformou em um processo político e não técnico?

A resposta é sim, apesar de que o caráter político sempre esteve presente. Os indígenas têm garantido na Constituição Federal direito à terra que ocupam. Eles têm esse direito com ou sem demarcação. A demarcação é uma providência que a Constituição determinou ao Estado brasileiro para que haja melhor proteção da terra. A ideia, portanto, não é definir qual deve ser essa terra, mas dar proteção à terra que já é do povo. Só que as forças contrárias aos povos indígenas sabem que, uma vez demarcada, é mais difícil invadir a terra, matar índio, tocar fogo. Assim, politicamente, serão contra a demarcação. Essa ação contrária aos povos indígenas é uma ação política, e acaba transformando a demarcação em um ato político.

Já no governo [Michel] Temer, mas com mais força a partir do governo Bolsonaro, veio uma vontade política muito forte de não demarcar. Mais ainda: tentar reverter as demarcações já feiras. E aqui esse adendo vale tanto para as terras indígenas como para os quilombolas. Antes de ser eleito, inclusive, o presidente Bolsonaro declarou que não iria demarcar nenhum centímetro a mais de terra indígena.

Para o senhor, quais são as principais diferenças entre o modo como o governo Bolsonaro trata a questão indígena em relação a governos anteriores? Os governos do Partido dos Trabalhadores (PT), por exemplo, receberam muitas críticas no sentido de que deveriam ter demarcado mais terras.

O governo Bolsonaro recebe críticas em tantas áreas – desenvolvimento, direitos humanos, etc – que a questão indígena é “só” mais uma coisa. No governo do PT houve fortes críticas à política ambiental, mas eram sempre críticas localizadas. A questão de [usina hidrelétrica de] Belo Monte, por exemplo, do rio Xingu, da Usina Hidrelétrica de Jirau. Eram ações específicas. Agora, no governo Bolsonaro, a política ambiental não existe, é de destruição. Até o ministro [do Meio Ambiente, Ricardo Salles] diz que quer destruir, então não tem ninguém no governo que diga que é a favor do meio ambiente. Nos outros governos ao menos tinha alguém para defender. Nesse sentido, as críticas ambientais acabam diluídas em meio a uma crítica maior e mais geral.

Costuma-se contrapor o direito dos povos indígenas ao desenvolvimento nacional. Essa contraposição já não seria, por si só, contraditória?

Dizer que a proteção aos povos indígenas é contrária ao desenvolvimento nacional é uma mentira. Não podemos admitir um desenvolvimento nacional com destruição da natureza, e as terras indígenas preservam a natureza. Quem é contrário a isso está ultrapassado. Uma das maiores preocupações mundiais é a alimentação. Mas a falta de comida significa que temos que invadir terras indígenas? Elas não são o lugar para produzir comida. É preciso pensar em desenvolvimento atrelado à preservação da natureza. Destruir as terras indígenas vai piorar a condição da água, gerando reflexos em todo o país. Dependemos da Amazônia, da Mata Atlântica. Tudo o que for destruidor da natureza prejudica o nosso desenvolvimento. Não se trata, portanto, de mera contradição, mas de uma mentira.

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita,Alter do Chão,Brasil,Pará

‘Acostumados à barbárie’: Pesquisadora de Oxford alerta para risco de normalização de incêndios na Amazônia

Fogo e desmatamento na Amazônia causam preocupação em todo o mundo

Um grande risco para a Amazônia nos próximos anos é a normalização dos incêndios no bioma, alerta a bióloga brasileira Erika Berenguer, pesquisadora das universidades de Oxford e Lancaster, ambas no Reino Unido.

A especialista, que estuda os impactos do fogo na Amazônia, ressalta que neste momento as atenções sobre as queimadas estão voltadas para o Pantanal, que enfrentou a seca mais intensa das últimas décadas e o pior período de incêndios em sua história recente.

Apesar de reforçar a importância de se falar sobre a situação do Pantanal e de cobrar ações rápidas das autoridades para a região, Berenguer pontua que não se deve esquecer dos problemas vividos na Amazônia.

O turismo de onças e a tragédia dos incêndios no Pantanal: Uma reflexão

O Capitalismo da morte!
Da série:”Ao fim e ao cabo não irá sobrar nada. Nem a ira nem o choro”


No início de agosto, resolvi aceitar o convite de um amigo de longa data para ir ao o Pantanal com minha companheira Margarete, para matar a saudade das onças-pintadas do Porto Jofre.

Por:Peter G. Crawshaw Jr.

Uma onça-pintada tomando sol no Pantanal, em agosto de 2019.
Foto: Martha de Jong-Lantink/Flickr.

Iríamos de avião de Porto Alegre a Brasília, onde encontraríamos o meu amigo, e depois seguiríamos em um carro alugado até Porto Jofre. Pelo meu histórico e conhecimento da região, eu havia sido encarregado de providenciar a logística de hospedagem no local. Já nos meus primeiros contatos, fiquei impressionado com o quanto o turismo direcionado às onças havia inflacionado e elitizado a oferta de hotéis e pousadas. Mesmo nas mais simples, as diárias chegavam a R$700,00 por pessoa, incluindo as refeições. A maioria delas era muito mais cara, algumas chegando a R$1.600,00 ou mais, com valores em dólares. O adicional do barco com piloteiro, para ter acesso aos locais usados pelas onças, representava um mínimo de R$1.200,00 a mais por dia. Portanto, para três pessoas por um período de sete dias, baseado nos menores valores que pude negociar, o preço total seria quase R$25.000,00, ou mais de R$7.000,00 por pessoa. Cheguei à conclusão que um funcionário público federal aposentado como eu não tem direito ao privilégio de observar uma onça-pintada na natureza, ao menos através da estrutura normal montada pelo setor especializado disponível no local.

Eu entendo que isso seja resultado da lei da oferta e da demanda, como me foi explicado por um amigo, que “como tem gringo de sobra querendo ver onça, as operadoras e pousadas aumentam o preço e continuam lotadas”, mas isso é tremendamente injusto para o turista brasileiro, que não pode competir com esses preços. Quase desisti da viagem, mas resolvi apelar para amizades e conseguimos, através de favores especiais, negociar uma situação aceitável de hospedagem. Quanto ao barco, uma amiga que desenvolve um projeto na região e que no momento se encontra fora do país, ofereceu o barco do projeto para nosso uso durante a visita. Como o barco se encontrava sem uso há oito meses, pagamos uma revisão completa por um técnico especializado vindo de Cuiabá, que deixou o motor e a embarcação prontos para o nosso uso. Com minha habilitação (arrais) em dia e minha longa experiência com barcos e conhecimento da área, depois de ter morado na região, eu mesmo pilotaria o barco.

Chegamos no Porto Jofre na tarde do dia 5 de agosto, e saímos com o barco para um reconhecimento. Eu já havia marcado de antemão no meu GPS vários pontos de avistamentos de onças ao longo dos rios e corixos repassados por minha amiga, a maioria deles dentro do Parque Estadual Encontro das Águas. O parque é considerado um dos melhores lugares do mundo para a observação da espécie. Saímos do rio Cuiabá e subimos um bom trecho do rio Três Irmãos, mas tivemos que voltar pelo avançado da hora. Fizemos o mesmo trajeto no dia seguinte, subindo novamente o Três Irmãos. Em um ponto, cruzamos com outro barco com turistas, cujo piloteiro nos avisou que tinham encontrado duas onças, dando-nos alguns detalhes dos locais. Seguindo mais ou menos as instruções, subimos até o corixo do Caxiri, entrando por ele e indo até o rio Cuiabá sem, entretanto, encontrar sinais das onças. Voltamos novamente para o Três Irmãos e subimos mais um trecho dele, entrando por outro corixo que também saiu no rio Cuiabá.

No trajeto, passamos por um local onde eu havia me hospedado em agosto de 2007, naquela época um pesqueiro particular, e agora uma pousada chamada Recanto do Jaguar Lodge. Encontramos apenas uma ariranha, que passou várias vezes por baixo do barco enquanto tentávamos tirar algumas fotos dela. Enquanto pilotava o barco, pensava no por que não havíamos encontrado ainda nenhuma onça. Dei-me conta que, pela economia que estávamos fazendo, não pagando os preços vigentes, nos faltava o apoio da eficiente rede montada pelos piloteiros e guias de turismo da região que, com rádios portáteis operando em uma mesma frequência, informavam as posições dos animais avistados para aqueles que se encontravam nos rios, procurando, descrevendo os locais com nomes específicos que todos eles conhecem, e permitindo assim livre acesso às informações e aos animais.

“Sentindo a água gelada, minha primeira reação foi agradecer aos céus por todos nós estarmos com coletes salva-vidas, um detalhe de segurança que eu havia insistido em observar.”

No nosso terceiro dia, ainda nos adaptando ao nosso sistema improvisado de exploração, resolvemos subir o rio Piquiri para visitar uma toca de ariranhas, cuja localização me havia sido passada por minha amiga, e que eu havia marcado no GPS. Antes de chegarmos ao local da toca, no entanto, encontramos o grupo de ariranhas se alimentando, e meu amigo começou a tirar fotos. Havia pelo menos uns 10 a 12 indivíduos espalhados, alguns mergulhando concentrados em pescar e outros, já com peixes, degustando a refeição apoiados em troncos dentro d’água.

O ar vibrava com os sons emitidos pelos animais. Eu havia esquecido meu equipamento fotográfico na casa de minha irmã em Porto Alegre antes de ir para o aeroporto e, portanto, tive que me ater a filmar o que pude com minha versão mais barata de filmadora GoPro. Tudo ia muito bem, o barco a uns 6 metros da margem direita e os animais pescando na margem esquerda a uns 40 metros de distância, todos envolvidos em um clima de exaltação, quando, de repente, aconteceu! Meu amigo, talvez concentrado demais nas fotos que estava tirando e nos equipamentos necessários, fez um movimento muito errado, vindo para o mesmo lado que eu estava, e desequilibrou o barco, desafiando as leis da física. Por uma fração de segundos, esperei o melhor e achei que a embarcação fosse se estabilizar, mas então, sem acreditar no que estava acontecendo, me dei conta que estávamos mesmo virando e íamos inexoravelmente ao fundo.

O peso do motor de 40 hp e a má distribuição momentânea de peso, apesar de perfeitamente dentro da capacidade do barco, fez com que ele girasse no seu eixo horizontal e, em uma velocidade inacreditável, tudo se acabou, ele sumiu na água profunda. Sentindo a água gelada, minha primeira reação foi agradecer aos céus por todos nós estarmos com coletes salva-vidas, um detalhe de segurança que eu havia insistido em observar! Enquanto terminava de fechar o último fecho do meu colete, comecei a chamar meus companheiros.

A Margarete respondeu imediatamente, ainda tentando em vão segurar a corda presa à proa do barco. Como filha de prático de navios no porto de Maceió, em Alagoas, ela havia crescido familiarizada com água. Meu amigo não respondeu e, preocupado, procurei por ele. Vi logo que ele estava flutuando, tentando com dificuldade segurar parte do seu pesado equipamento. Eu disse a ele que soltasse, pois sua vida era mais importante. Juntei duas mochilas que estavam flutuando próximas a mim e, analisando a situação, me dei conta que não conseguiria chegar à praia mais próxima, porque a correnteza, muito forte, nos levava na direção da margem oposta.

Margarete já estava quase chegando à praia, mas gritei para ela que deveríamos permanecer juntos. Segurando as mochilas, comecei a bater pernas e um braço, na intenção de aproveitar a correnteza para chegar à outra margem. Vi que meu amigo seguia mais ou menos o mesmo curso, mesmo sem se movimentar muito. Nadando de costas, eu conseguia enxergar por cima da testa a sombra das árvores se aproximando aos poucos. Quando pude me virar, vi um tronco de árvore enorme caído dentro d’água e me dirigi para ele mas, quando cheguei, a velocidade da correnteza me forçava para baixo dele. Eu sabia que se isso acontecesse, não conseguiria mais subir, pelo cansaço que já sentia. Optei por largar as mochilas, que a Margarete por sorte conseguiu juntar mais abaixo, e reunindo toda minha força, fui me esgueirando com os braços em direção à ponta do tronco, enquanto minhas pernas eram forçadas para baixo dele. Consegui finalmente fazer a volta por cima  e me agarrar em galhos secos um pouco mais abaixo, alguns dos quais iam quebrando, até que pude me firmar. Enquanto isso, a Margarete, em melhores condições físicas, tinha usado o remo que trouxera para puxar meu amigo para a galharia, pouco mais abaixo de onde eu estava. Estávamos agora os três quietos, recuperando o fôlego e nos recobrando do susto.

Pouco depois, antes mesmo de podermos pensar muito, escutamos o barulho de um motor e, em seguida, um barco apareceu na curva acima. Fizemos sinal e eles vieram nos socorrer. Já com quatro pessoas e bastante carga, pedi a eles que nos deixassem na praia do outro lado do rio e que avisassem a pousada onde estávamos hospedados, que eles providenciariam o nosso resgate. O pessoal do barco, no entanto, foi irredutível e não quis nos deixar na praia, pois, segundo eles, uma onça certamente iria nos pegar. Depois de reajeitar a carga e as pessoas no barco, abriram espaço para que embarcássemos. Cansado como eu estava e com as limitações de movimentos que tenho nas pernas desde um acidente de ultraleve em 1998, foi necessário que um dos pantaneiros me içasse como um guindaste para dentro do barco.

Durante o trajeto de volta a Porto Jofre, um dos passageiros nos contou que foi muita sorte eles terem passado por ali naquele momento. Disse ele que eram funcionários de uma pousada mais acima no rio Piquiri, fechada desde março devido à pandemia. Eles haviam saído para ir a Poconé, mas quis o destino que alguém esquecesse um documento e tiveram que voltar à pousada para buscá-lo. Se isso não tivesse acontecido, eles teriam passado por nós enquanto ainda fotografávamos as ariranhas, e nós teríamos perdido nosso resgate quase que imediato. Embora eu tivesse tido a precaução de dizer para onde iríamos, o pessoal da pousada só iria se preocupar com a nossa ausência se não chegássemos ao final da tarde, o que representaria, no mínimo, passar a noite na margem do rio. Se isso acontecesse, não seria a minha primeira vez, mas certamente seria uma experiência traumática para meus companheiros. O curioso foi que a Margarete, sendo neófita no Pantanal, depois de ter se portado exemplarmente durante todo o episódio, contou que havia todo o tempo ficado preocupada com as onças na praia e com jacarés abocanhando-a por baixo d’água, mas ficou horrorizada quando soube depois que havia também piranhas no rio…

Resgate do barco. Foto: Fernando Tortato/Panthera Brasil,

Enfim, chegamos ilesos de volta à pousada. As únicas perdas que tivemos foram os equipamentos, principalmente de meu amigo, que perdeu várias dezenas de milhares de dólares em câmeras e lentes. Mas, como diz o ditado, vão-se os anéis, ficam os dedos. Depois de explicar o ocorrido, o pessoal da pousada conseguiu ajuda da colônia de pescadores e eu voltei ao local do acidente para tentar localizar o barco afundado. Com a ajuda do piloteiro que havia nos resgatado, e tendo identificado o local com a ajuda do malfadado tronco para baixo do qual quase fui levado, achamos o barco. Com cordas e ganchos e puxando com três barcos, conseguimos levá-lo para perto da praia, e a força de oito homens acabou de puxá-lo até a margem. No trajeto de volta à pousada, agradeci aos céus pelas bênçãos que havia recebido naquele dia.

Ao chegar à pousada, providenciei novamente a vinda do mecânico para efetuar os procedimentos necessários para limpeza do motor, troca dupla de óleo e nova revisão. Infelizmente, fiquei sabendo que, por ter afundado, o motor, que tinha menos de 100 horas de uso, perdera a garantia de cinco anos pela fábrica. Isso selou o compromisso de comprar novo motor para devolver à minha amiga. No dia seguinte ao naufrágio, retornamos à Brasília e depois a Porto Alegre. Na semana seguinte, compramos um motor igual e, no dia 18 de agosto, eu estava de volta em Cuiabá para fazer a reposição. O barco está agora pronto para quando minha amiga chegar ao Brasil, no início de outubro. Enquanto isso, o motor afundado está passando por uma revisão completa e será colocado à venda, para diminuir nosso prejuízo. E pensar que tudo isso aconteceu porque estávamos tentando economizar!

“É cedo ainda, mas dá para imaginar o impacto que esses incêndios terão no Pantanal, não apenas nos animais, mas na vegetação como um todo.”

Enfim, usei esse incidente incomum como preâmbulo para escrever sobre a situação que tem deixado estarrecidos a todos aqueles que conhecem e que amam o Pantanal. É irônico agora, e muito triste, pensar que um mês atrás eu estava nesse mesmo local onde agora as chamas reduzem tudo a solo torrado e onde onças e antas são encontradas mortas ou resgatadas por grupos de pessoas abnegadas e levadas para tratamento, onde permanecem lutando entre a vida e morte.  E, como disse um amigo da área, “se os grandes e fortes estão morrendo, imagine os pequenos e indefesos”.

É cedo ainda, mas dá para imaginar o impacto que esses incêndios terão no Pantanal, não apenas nos animais, mas na vegetação como um todo. Esse impacto vai ser diferencial conforme as espécies, algumas se recuperarão mais rápido, outras demorarão muito mais. Talvez algumas não se recuperem. Não sabemos ainda se poderemos acompanhar todos esses processos, em todas as suas escalas. Mas será um imenso aprendizado. E espero, sinceramente, que possamos aprender pelo menos algumas lições básicas sobre como evitar situações semelhantes no futuro para que não se repitam. Porque, infelizmente, agora que o leite já se derramou, sabemos que o desastre vinha se anunciando há décadas.

O Pantanal é resultado de várias características, sendo uma das mais marcantes o seu ciclo anual, de cheia e de seca. Além desse, costumava ser identificado também um ciclo plurianual de secas e cheias, com um período de aproximadamente 14 anos de enchentes mais pronunciadas, seguido depois de outros tantos anos de secas acentuadas, que se alternavam. No entanto, desde as grandes cheias da década de 70, esse ciclo maior tem se desequilibrado, talvez como consequência de alterações antrópicas mesmo fora da bacia do Pantanal. Com o recuo da pecuária na parte central do Pantanal por causa das grandes enchentes, e com a criação e proteção de várias áreas para conservação, mais e mais extensões de mata foram se acumulando. Mesmo na região do Jofre, grandes áreas abertas foram sendo tomadas por ambientes florestados. Com os últimos anos de secas intensas, foram-se criando as condições que culminaram com a ignição dos fogos espalhados praticamente em toda a bacia do Pantanal, intencionais ou acidentais, ainda piorado pela longa ausência de chuvas nesse período. É o aspecto negativo das grandes extensões florestadas protegidas demais com a finalidade de conservação.

Combate aéreo ao incêndio no Parque Estadual Encontro das Águas.
Foto: Mario Friedlander/AECOPAN

São criadas as condições para os chamados “wildfires”, ou incêndios florestais, que, quando começam, ardem sem possibilidade de controle. Isso tem ocorrido mesmo em países com boas políticas de manejo de fogo, como Estados Unidos, Austrália e alguns países da Europa. Temos que proteger grandes áreas de mata, sim, mas, ao mesmo tempo, manter condições de protegê-las contra fogo, por mais dispendioso e trabalhoso que isso possa ser.

Como apontado por um amigo, Walfrido Tomás, da Embrapa Pantanal, as mudanças climáticas globais são agora um componente mais sério. No ano passado, choveu 25% menos que a média na Bacia do Alto Paraguai, e esse ano já estamos ultrapassando 40% de déficit em relação à média. Os cenários de mudanças climáticas indicam que a partir de 2070 os modelos mais negativos seriam de uma redução de 30% em relação à média, com aumento da temperatura e incidência de eventos climáticos extremos. O Pantanal é regido por instabilidade quando se olha em escala de tempo mais longo, não em ciclos previsíveis. O que era o “normal” já não vale mais, mesmo sendo caracterizado por instabilidade. A região vai se tornando mais seca e mais quente, e esse será um novo normal. Assim, como preconizado por ele, talvez seja necessário se adaptar à uma nova realidade, onde mesmo as tradições, usos e costumes no manejo das terras terão que ser adequadas ao novo normal. Isso inclui o manejo de áreas protegidas, cujos gestores precisam ser realistas e adotar a queima prescrita como uma pratica conservacionista de rotina, como já feito por algumas unidades de conservação. Ao invés de disputas e conflitos, quem sabe seja preciso uma aproximação de objetivos, fazendeiros usando a terra de forma mais parecida com as unidades de conservação e as unidades de conservação sendo protegidas de forma mais parecida com as fazendas.

Para o momento, vamos ter que correr atrás do prejuízo, e esperar que o Pantanal, com sua resiliência, comece a se regenerar. E enquanto toda a sua parte biológica lambe suas feridas, a parte antrópica, social, que sobrevive a esse desastre ambiental, com muitos daqueles que viviam em função do turismo da onça, terão que se reinventar e se readequar, na esperança que, algum dia, em breve, as onças possam voltar a ser o astro principal no palco onde a natureza brilha mais forte, nos rios do Pantanal. Esperamos que depois que as chamas se apaguem, possamos descobrir que as sobreviventes serão bem mais numerosas que aquelas mortas ou retiradas para recuperação e que elas consigam se acomodar e sobreviver no que restar da hecatombe que passou pelo que antes era sua casa. É provável que por alguns anos, as fotografias dessas onças tiradas por turistas na beira dos rios não tenham o verde e o aspecto selvagem que costumavam ter, mas com o tempo, eles voltarão. E quem sabe então, esse tipo de turismo possa vir a ser mais equilibrado, e não restrito apenas aos mais abastados, de forma que pessoas com menor poder aquisitivo também tenham acesso ao privilégio de ver uma onça em seu lugar de direito.

Mourão, queimadas e a preparação de militares

Meu pai, já falecido, foi de aluno do Colégio Militar, aos nove anos, até à reserva, no posto de General de Brigada.

Convivi boa parte da minha infância e adolescência nos quartéis. Creio deter algum conhecimento de quão exigente era a preparação de militares ao longo da carreira. Então, espanta-me o despreparo atual dos militares que emitem opiniões e pareceres sobre as mais diversas questões.

Leiam;

“Reconhecendo desconhecer dados, Mourão pede explicações ao Inpe”. Informado posteriormente sobre a competência do Inpe – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, aliás com reconhecimento internacional, o vice-presidente reformulou seu discurso, em partes. “O general disse que desconhecia que os dados sobre queimadas e desmatamento são públicos e qualquer pessoa os pode acessar. No dia anterior afirmou que alguém no Inpe faria oposição ao governo de Jair Bolsonaro e só divulgar dados negativos sobre queimadas”. Não explicou em que sentido uma “queimada teria lado positivo”.

É “fogo” engolir tamanho despreparo em um General e Vice-Presidente da República.

Seca,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 03

Meio Ambiente & Queimadas; Um governo BioGenocida

Da série:”Ao fim e ao cabo não irá sobrar nada. Nem a ira nem o choro”.

O presente virou pó, cinzas. Se não reagirmos agora diante da destruição em massa que abate o Pantanal, a Amazônia e o Cerrado, o futuro próximo será sem ar e sem água.

Eis um biogenocida.

Ministro(?) do Meio Ambiente Ricardo Salles abre a cloaca para excretar estupidez: “questões ideológicas favoreceram #queimadas no Pantanal”.

É um insano, o “Sinistro# do MeioAmbiente ao atribuir perseguição à criação de gado como fator de descontrole, embora reconheça que “há muito fogo” na região.

O Capitalismo da Morte em sua mais tenebrosa ação.

Terra indígena Xingu. Precisamos pressionar o Ministério Público, tanto estadual quanto federal. Precisamos citá-los em todos os posts, e comentários relativos à tragédia ambiental no Brasil. Só assim vão se sentir constrangidos a fazer algo!
Matar índios e pobres é “esporte” ancestral no Brasil.

Rodovia Transpantaneira, antes e depois dos incêndios. O mundo está vendo isso.
News in the international press.
“Road crossing Pantanal, one of the world’s largest flooded grasslands, before and after wildfires. Home to hundreds of animals species turned into an immense graveyard of mammals and reptiles.

“O coronavírus é uma brincadeira de criança diante do que a mudança climática trará”.
Rodrigo Medellín

#ForaRicardoSallesUrgente #BrasilEmChamas #DefundBolsonaro
www.mesquita.blog.br

mundo falhou em cumprir metas para salvar a natureza

Evoluir para a sustentabilidade exige participação social

Em 2010, mais de 150 países chegaram a um acordo sobre 20 metas a serem alcançadas até o fim da década com o objetivo de salvar as espécies em extinção na Terra e preservar os ecossistemas em declínio. Mas nenhuma das metas foi totalmente cumprida, e apenas seis delas foram consideradas parcialmente alcançadas, concluiu a organização.

Relatório aponta que nenhum dos objetivos traçados há uma década para a proteção da biodiversidade foi cumprido. Degradação contínua do meio ambiente aumenta o risco de propagação de doenças, alertam Nações Unidas.

O documento é particularmente significativo pois funciona como um “boletim final” para as chamadas Metas de Aichi, traçadas no início da Década da Biodiversidade das Nações Unidas.

Entre os objetivos estavam, por exemplo, a desaceleração do desmatamento, conservação de áreas úmidas e a conscientização do público sobre a importância da natureza para um planeta saudável.

O relatório apontou, porém, que o uso de pesticidas e a poluição causada pelo descarte de plástico não foram reduzidos a níveis seguros; governos ainda subsidiam negócios que danificam os ecossistemas; e os recifes de coral continuam sendo atingidos por uma ameaça tripla: mudança climática, poluição e pesca predatória.

“Os sistemas vivos da Terra como um todo estão sendo comprometidos, e quanto mais a humanidade explora a natureza de maneiras insustentáveis, mais minamos nosso próprio bem-estar, segurança e prosperidade”, alertou Elizabeth Maruma Mrema, secretária-executiva da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (CBD), que divulgou o relatório.

A preocupação com os impactos ambientais causados pelo ser humano e seu estilo de vida predatório aumentou ainda mais em meio à pandemia de coronavírus, que provavelmente se originou num mercado de animais silvestres na cidade chinesa de Wuhan.

De acordo com os cientistas, a perda “sem precedentes” de biodiversidade e a destruição dos espaços selvagens aumentam o risco de doenças de animais migrarem para seres humanos.

“À medida que a natureza se degrada, surgem novas oportunidades para a disseminação de doenças devastadoras, como o novo coronavírus. A janela de tempo disponível é curta, mas a pandemia também demonstrou que mudanças transformadoras são possíveis”, afirmou Mrema.

Seguindo essa mesma linha, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que as transições descritas no relatório representam uma oportunidade sem precedentes para uma “reconstrução” global, à medida que o mundo emerge dos impactos imediatos da pandemia de covid-19.

“Parte dessa nova agenda deve ser enfrentar os desafios globais de uma maneira mais coordenada, entendendo que as mudanças climáticas ameaçam minar todos os outros esforços para conservar a biodiversidade. E que a própria natureza oferece algumas das soluções mais eficazes para evitar os piores impactos de um planeta em aquecimento”, comentou.Descarte excessivo de plástico continua sendo uma das preocupações da ONU

Atualmente, cerca de 17% das terras continentais estão resguardadas por mecanismos de gestão ambiental. As Nações Unidas estão pressionando os governos a reservarem 30% das áreas terrestres e marítimas do planeta para a conservação. A negociação deve ocorrer na próxima Conferência da ONU sobre as Mudanças Climáticas, a COP26, adiada para 2021 em Kunming, na China.

Nem tudo é negativo

Embora o fracasso no cumprimento das metas seja motivo de preocupação, os autores do relatório frisam que praticamente todos os países estão atualmente tomando algumas medidas para proteger a biodiversidade, sem as quais o estado da biodiversidade do planeta estaria consideravelmente pior.

O relatório cita exemplos positivos, como um programa ambiental no Paquistão que protege o leopardo-das-neves ao conservar os ecossistemas do Himalaia, e o caso da população de íbis-de-crista, uma das aves aquáticas mais ameaçadas de extinção, que começou a ter filhotes após conservacionistas libertaram pássaros criados em cativeiro no Japão.

FA/rtr/ots

Marca francesa cria tênis com “couro” vegano feito de cascas de uva

Os dois novos modelos de sneaker da Le Coq Sportif são produzidos em Portugal, com materiais 100% à base de plantas

Tênis - Le Coq Sportif
A indústria da moda já desenvolveu várias alternativas de origem vegetal para o couro. Uma delas é processada na Itália pela empresa Vegea, a partir das cascas de uva que sobram da produção de vinhos e sucos. Esse é o material que dá origem a dois novos modelos de tênis da marca francesa Le Coq Sportif, confeccionados em Portugal: Gaïa e Nérée. As novidades foram lançadas na Europa no fim de agosto.

Design à base de plantas

O modelo Gaïa é um tênis para prática de running com um design casual, inspirado em outros modelos da própria marca, que homenageou ícones do tênis, como Arthur Ashe e Yannic Noah. Enquanto isso, o modelo Nérée tem um visual mais esportivo e retrô, com alguns detalhes em nobuck vegano.

O cabedal dos calçados é feito em couro de cascas de uva, mas esse não é o único detalhe plant-based dos tênis. O solado é feito de borracha, a palmilha é de cortiça e toda a base têxtil, além de cadarços e palmilhas, é de algodão. Cada tênis é marcado com os números da safra em que as uvas foram colhidas.

Gaïa tem quatro esquemas de cores (colorways) diferentes, e Nérée, sete. Os dois modelos prometem baixas emissões de carbono. Ambos estão disponíveis nas lojas próprias e parcerias da Le Coq Sportif, além do e-commerce. Infelizmente, a versão internacional do site da marca não entrega no Brasil.

Tênis Le Coq Sportif
A marca Le Coq Sportif lançou dois tênis com “couro” vegano que prometem baixas emissões de carbono
Imitação de couro Vegea
O material utilizado é processado na Itália pela empresa Vegea, a partir de cascas de uva oriundas da produção de vinhos e sucos
Tênis Gaia - Le Coq Sportif
Um dos resultados foi este modelo, batizado de Gaïa
Tênis Nereer - Le Coq Sportif
Este, mais “esportivo retrô”, é o Nérée
Confecção de tênis Le Coq Sportif
Além do cabedal de couro, os tênis levam algodão na lingueta e nos cadarços
Confecção de tênis Le Coq Sportif
O solado é de borracha e as palmilhas, de cortiça
Confecção de tênis Le Coq Sportif
Os sneakers são confeccionados em Portugal

 

“Couro” de uvas

A Vegea transforma os restos não utilizados de uva, oriundos da produção de vinho e sucos, em couro vegetal por meio de um processo de tratamento e transformação.

“Esses resíduos são, então, transformados em uma pasta que é colocada sobre uma tela de algodão por meio de um revestimento para encontrar seu formato de couro”, explica a Le Coq Sportif no site oficial.

O uso do material vegetal foi uma alternativa interessante já que, em 2019, a marca francesa decidiu não usar mais poliuretano nas peças. Essa espécie de plástico, derivado do petróleo, costuma ser usada em peças de roupa e calçados que imitam o couro animal. Segundo a Le Coq Sportif, o “couro” vegano da Vegea complementa as “gamas naturais” já trabalhadas pela etiqueta.

Os tênis da marca são produzidos há anos entre a França, onde a marca é baseada, e Portugal. O país vizinho foi escolhido por causa do know-how em tênis de couro.

VEGEA/DIVULGAÇÃOPlantação de uvas
Os resíduos da uva dão origem à matéria-prima trabalhada pela Vegea
Uvas sendo colhidas
Colheita das uvas
Uvas sendo processadas
Elas são processadas e transformadas em vinho ou suco
Bagaço de uva
O bagaço resultante é o que dá origem à imitação de couro feita pela empresa
Bagaço de uva sendo processado
Esse material é processado…
Confecção da imitação de couro Vegea
… e transformado em uma pasta, que é colocada sobre uma tela de algodão para ganhar o formato de couro
Confecção da imitação de couro Vegea
O resultado dá origem ao material similar ao couro

Le Coq Sportif

Conhecida por suas roupas, calçados e equipamentos esportivos, a Le Coq Sportif foi fundada em 1882 por Emile Camuset, na comuna francesa de Aube. A marca começou como uma loja de meias. As primeiras peças foram criadas para amigos do fundador, que eram amantes de esportes assim como ele. Na década de 1920, a etiqueta cresceu junto com os esportes profissionais na França, incluindo futebol, rúgbi, basquete e atletismo.

Suíços adotam lojas de lixo zero

As chamadas lojas de lixo-zero estão surgindo em toda a Suíça, à medida que a demanda do consumidor por mais produtos orgânicos e menos embalagens de plástico vem crescendo.

A loja LOLA faz as suas próprias cervejas orgânicas usando garrafas reutilizáveis swissinfo.ch

Todos os anos, o suíço médio gera mais de 700 quilos de lixo – uma das taxas mais altas do mundo, segundo a Agência Ambiental Europeia e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Muito disso é desperdício de alimentos: 2,5 milhões de toneladas por ano, de acordo com o relatório ambiental do governo de 2018.

E depois há todo o plástico: refeições prontas e embalagens descartáveis para fast food contribuem para a montanha de desperdício e exacerbam o problema do lixo.

Comprar só o estritamente necessário

“Lixo zero” não é apenas sobre o uso de plástico, mas principalmente sobre não desperdiçar recursos em primeiro lugar. A ZeroWaste Switzerland Association, fundada em 2015, quer mudar os hábitos dos consumidores e está lutando por uma legislação que reduza a produção de lixo na Suíça.

O grupo produziu este mapa interativo de empresas em todo o país que compartilham sua filosofia: lojas, restaurantes, lojas a granel, sistemas de depósito, lojas de segunda mão e serviços de reparo.

As lojas oferecem produtos orgânicos que são adquiridos localmente quando possível, muitas vezes vendidos em embalagens reutilizáveis. SWI swissinfo.ch visitou uma dessas lojas na capital, Berna.

A loja “LOLA” é administrada pela associação Contact para ajuda de dependência de pacientes ambulatoriais no cantão de Berna. A loja orgânica começou a oferecer produtos a granel (evitando o uso de plástico) em 2017.

Claudio C. é um cliente regular. Perguntamos a ele qual era o maior desafio ao adotar o estilo de vida com desperdício zero. “O maior desafio é pensar apenas em comprar o que você precisa e não mais”, explicou.

Embalagens de supermercados

O Empresário König está convencido de que a popularidade do lixo zero pressiona as principais redes de supermercados a se tornarem mais verdes.

“No Coop, agora você vê produtos embalados em papel e lacrados com elásticos. Eles estão trabalhando para otimizar processos para reduzir a quantidade de lixo causada pela embalagem”, diz. “Você também encontra nozes a granel nos grandes supermercados – você pega o que precisa”.

Brigitte Jungblut, porta-voz da Coop, diz: “Desde 2012, reduzimos ou otimizamos ecologicamente mais de 19.000 toneladas de material de embalagem. Reduziremos ou otimizaremos mais 8.000 toneladas até 2020”.

Em seu site, o rival da Coop, Migros, explica que os suprimentos agora vêm em embalagens reutilizáveis, em vez de caixas de papelão. Mas para a Migros, o plástico ainda desempenha um papel importante. “A deterioração prematura dos produtos tem um impacto muito maior na pegada ambiental do que a embalagem”, diz.

Por que o lixo plástico é um material de construção ideal

E se transformássemos os crescentes terrenos baldios de plásticos em desuso em um novo tipo de construção sustentável?

O descarte de plásticos é um problema global altamente visível – das montanhas mais altas às fossas oceânicas mais profundas, os resíduos de plástico parecem inevitáveis. Em condições naturais, os plásticos são quase indestrutíveis e, no entanto, são descartados em grande escala no mundo todo: o mundo produz cerca de 359 milhões de toneladas de plásticos por ano. O meio ambiente não consegue lidar com o seu descarte em uma velocidade rápida o suficiente para evitar danos aos seres vivos.

Isso levou a um consenso de que os plásticos são um material insustentável. E sim, os plásticos são certamente um problema enorme, mas não necessariamente têm que ser.

A questão principal não é com o plástico como material, mas com nosso modelo econômico linear: os bens são produzidos, consumidos e depois descartados. Este modelo pressupõe um crescimento econômico sem fim e não considera os recursos esgotáveis ​​do planeta.

Mas existem muitas maneiras de definirmos os plásticos em um ciclo de vida diferente – e uma em que venho trabalhando é transformar plásticos em desuso em um material de construção resistente, confiável e sustentável.

A maioria das pessoas acredita que a reciclagem de plásticos é severamente restrita: que apenas alguns tipos podem ser reciclados. Isso não é surpreendente. A proporção de plásticos que são reciclados é mínima. O Reino Unido, por exemplo, usa cinco milhões de toneladas de plástico a cada ano e apenas 370.000 toneladas são recicladas a cada ano: isso é apenas 7%.

Os plásticos são fortes, duráveis, à prova d’água, leves, fáceis de moldar e recicláveis – todas as propriedades essenciais para materiais de construção
Mas todos os polímeros são, tecnologicamente, 100% recicláveis. Alguns deles têm o ciclo de vida perfeito do berço ao berço: eles podem ser usados repetidamente para produzir os mesmos produtos. Alguns plásticos podem ser reutilizados da mesma forma que fragmentam um objeto em flocos, derretendo-o e reutilizando.

Tijolos como esses poderiam ser o protótipo de tijolos de plástico que são fortes e duráveis ​​o suficiente para serem usados ​​na construção (Crédito: Sibele Cestari)

Esses plásticos reciclados podem ter propriedades mecânicas menores em comparação com os plásticos virgens, porque cada vez que você derrete e processa um plástico, as cadeias poliméricas se degradam. Mas essas propriedades podem ser recuperadas misturando-o a aditivos ou plástico virgem. Exemplos de reciclagem industrial bem-sucedida incluem PET ou poli (tereftalato de etileno), que é usado para fazer garrafas de refrigerantes, e poliestireno.

Todo o resto pode ser tecnicamente reprocessado em novos materiais para diferentes aplicações. No caso final, qualquer resíduo de plástico pode ser triturado e usado como enchimento de asfalto, ou ser pirolisado – decomposto por aquecimento – para produzir combustível. A empresa japonesa Blest Corporation já vende uma máquina portátil para converter resíduos plásticos domésticos em combustível de forma simples e acessível.

Trabalhar com os resíduos ‘não recicláveis’ e desenvolver alternativas de plásticos aos materiais naturais pode reduzir a demanda por recursos do mundo
O problema é que reciclar grande parte desse lixo plástico é atualmente inviável e não rentável. Polímeros como borrachas, elastômeros, termofixos e resíduos plásticos mistos são confortavelmente rotulados como “não recicláveis” pelo setor de reciclagem. Mas a quantidade desses materiais em todo o mundo é assustadoramente grande e continua crescendo. E se esse lixo plástico pudesse ser usado para produzir algo útil para a sociedade?

Itens de plástico que consideramos lixo podem ter uma segunda vida na construção devido às mesmas propriedades que os tornam tão difíceis de descartar (Crédito: Getty Images)

Muitas universidades e empresários estão tentando fazer isso. A maioria das soluções é voltada para resíduos plásticos mistos e sugere aplicações diferentes das originais. Por exemplo, vários grupos desenvolveram materiais de construção feitos de resíduos plásticos.

Os plásticos são fortes, duráveis, à prova d’água, leves, fáceis de moldar e recicláveis ​​- todas as propriedades essenciais para materiais de construção. E daí se todo esse lixo plástico pudesse ser convertido em materiais de construção para populações de baixa renda? As iniciativas existentes são promissoras, mas ainda não reproduzíveis em escala industrial.

Estudo resíduos plásticos com o objetivo específico de encontrar maneiras interessantes de removê-los do meio ambiente. Desde 2009, desenvolvi vários materiais de construção feitos de plásticos pós-consumo misturados com diferentes materiais de fluxo de resíduos. De resíduos agrícolas, como o bagaço da cana-de-açúcar – um subproduto da indústria açucareira no Brasil – e borra do café, até resíduos de concreto e entulho de construção, compostos com plásticos reciclados, existem várias formas de obter materiais para produzir tijolos, telhas, plásticos madeira serrada e outros elementos úteis para a construção.

Nossa equipe está atualmente tentando desenvolver um bloco de construção viável feito de plásticos reciclados. Preparamos uma série de materiais prospectivos usando uma mistura de plásticos virgens e reciclados – garrafas PET coloridas, polipropileno, polietileno – e outros materiais de resíduos locais, como cânhamo, serragem, resíduos de concreto e lama vermelha.

Existe uma concepção comum de que algum plástico é “não reciclável”, mas com o tratamento correto não precisa ir para aterro (Crédito: Sibele Cestari)

Atualmente, estamos ajustando as propriedades dos materiais para o processo de rotomoldagem, uma tecnologia de moldagem de plásticos ideal para a fabricação de grandes artigos ocos. Queremos usar a quantidade máxima de plásticos reciclados neste bloco. Os blocos feitos de 25% de plástico reciclado tiveram um desempenho extremamente bom em testes mecânicos. Em seguida, vamos tentar 50%, 75% e 100%.

Também estamos pensando na estética dos blocos. As misturas de plásticos reciclados de várias cores geralmente acabam com uma cor cinza ou preta. Para habilitar a cor, estamos preparando misturas de plásticos virgens ou reciclados para cobrir a maior parte do bloco.

Portanto, talvez os plásticos não sejam necessariamente o problema. Eles podem fazer parte de um caminho para uma forma de vida mais sustentável. Usar um recurso natural ou renovável não é necessariamente amigo do ambiente. A pegada ecológica de um material polimérico é menor do que a de materiais naturais, que têm uma demanda considerável por terras aráveis, água limpa, fertilizantes e tempo de regeneração.

De acordo com a Global Footprint Network, antes da pandemia estávamos demandando 1,75 vezes os recursos disponíveis do planeta. Trabalhar com os resíduos “não recicláveis” e desenvolver alternativas de plásticos aos materiais naturais pode reduzir essa demanda e deixar um planeta mais limpo e sustentável para as próximas gerações.

Construir com resíduos de plástico requer menos recursos do que produtos naturais e, de outra forma, iria para aterros ou para os oceanos (Crédito: Sibele Cestari)

Os materiais de construção feitos de plástico reciclado ainda não são amplamente usados ​​na indústria da construção – os protótipos têm sido usados ​​principalmente para instalações demonstrativas. Será necessária vontade política e ampla conscientização ambiental para incentivar mais investimentos no potencial da reciclagem de plásticos.

Mas, esperançosamente, a maré está começando a mudar, como consequência da crescente pressão da opinião pública sobre a questão da poluição do plástico. Graças ao envolvimento do governo e da indústria com a ideia de uma economia circular, parece que haverá uma abertura no mercado – e na mente das pessoas – para acolher iniciativas de plástico para substituir os materiais de construção convencionais.


Sibele Cestari é uma cientista de materiais poliméricos do Brasil, que atualmente é pesquisadora na Queen’s University Belfast. Este artigo foi publicado originalmente em The Conversation e é republicado sob uma licença Creative Commons. É também por isso que esta história