Votação a favor do ‘Brexit’ anima os xenófobos europeus

A francesa Le Pen, o holandês Wilders e o italiano Salvini reagem com euforia.

Marine Le Pen, nesta sexta-feira. AFP

Se existem ganhadores claros da vitória do não britânico à União Europeia são os partidos da extrema direita europeia. A eclosão do ceticismo europeu britânico ocorre em um momento de profundo desencanto e renovados sentimentos nacionalistas no Velho Continente que as forças xenófobas souberam explorar com eficiência.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

MAIS INFORMAÇÕES

O júbilo dos radicais se traduziu desde o começo da manhã de sexta-feira em exigências concretas. “A Liberdade venceu”, publicou no Twitter Marine Le Pen, presidenta da Frente Nacional francesa. “Como peço há anos, agora é preciso convocar um plebiscito na França e nos outros países da UE”.

O holandês Geert Wilders pediu a mesma coisa, o político de cabeleira oxigenada que lidera as pesquisas de seu país com um projeto político abertamente anti-imigração. “Queremos ser donos de nosso próprio país, de nosso dinheiro, nossas fronteiras e nossa política imigratória”, disse em um comunicado.

“Nós holandeses precisamos ter a oportunidade de expressar nossa opinião sobre nossa permanência na UE o quanto antes”, acrescentou agitando o fantasma do chamado Nexit, uma hipotética saída da Holanda do bloco comunitário que hoje se mostra mais possível do que nunca. Os dois países são membros fundadores da União.

Na Itália, Matteo Salvini, da Liga Norte, felicitou “os cidadãos livres” que não sucumbiram “à chantagem, às mentiras e às ameaças”.

Wilders é junto com Le Pen a grande referência dos partidos xenófobos bem-sucedidos na Europa continental e que mostram uma crescente coordenação e assertividade, conscientes de que o vento sopra a seu favor.

O Brexit é o grande suporte a seu ideal, cuja espinha dorsal é composta pela xenofobia, o recuo identitário, o binômio povo-elite e o protecionismo econômico. Ou seja, a recusa de tudo o que venha de fora de suas fronteiras, com as políticas europeias na cabeceira.

A crise econômica, os refugiados, o islã… vale tudo para transformar Bruxelas no perfeito bode expiatório. O Brexit é o ponto de inflexão que esperam há anos e agora acreditam que será o início do fim do projeto europeu. São respaldados por milhões de eleitores aborrecidos com a UE.

Os holandeses expressaram claramente sua ira no começo do ano, no plebiscito contra o acordo de associação da UE com a Ucrânia vencido por larga margem pelos contrários à União. Em 2005, os holandeses já refutaram o projeto de Constituição Europeia, depois rebaixado no formato do Tratado de Lisboa. “Se eu me tornar primeiro-ministro, ocorrerá um plebiscito para deixar a UE”. As eleições estão previstas para o começo de 2017 e Wilders arranca como franco favorito nas pesquisas. O boicote dos outros partidos prejudica, entretanto, suas possibilidades de Governo.

Seis dias antes do plebiscito, os críticos à UE realizaram uma reunião em Viena, batizada de “a primavera dos patriotas”. Era um respaldo aos partidários do Brexit, mas também para demonstrar seu crescente poderio pan-europeu como membros de um grupo na Eurocâmara, de onde destroem por dentro o projeto comunitário. Lá, Le Pen – que será o principal nome da Frente Nacional nas eleições presidenciais em 2017 – defendeu uma Europa por conta própria, que cumpra os desejos e exigência de cada país membro.

O líder da também bem-sucedida ultradireita austríaca, Heinz Christian Strache, enfatizou a democracia direta e a conveniência de se consultar a população sobre seu futuro, tal como os britânicos acabaram de fazer. Disse que a Suíça é seu modelo. Seu partido, o FPÖ, acaba de perder as eleições presidenciais por muito pouco e agora disputa o resultado nos tribunais. O cansaço dos austríacos com o bipartidarismo e a busca de uma identidade que acreditam que corre o risco de se diluir com a chegada de 90.000 asilados ao país, impulsionaram os radicais no país centro-europeu.

O timing do Brexit, como dizem os britânicos para se referir ao momento dos fatos, não poderia ser melhor para os populistas de direita. Sabem que o caldo de cultura é propício para seus interesses e acreditam que os partidos tradicionais e Bruxelas serão incapazes de reagir a tempo e de acordo com as regras. Sentem que seu momento chegou.
Ana Cabajosa/ElPaís

O que o ressurgimento do fascismo pode nos ensinar

Fascismos,Hitler,Mussoline,Democracia,Blog do MesquitaPensamos que ele tinha desaparecido de vez. Foi um engano. Eis aqui por que.
Veja um pequeno exercício de reflexão.

Por Umair Haque¹

Publicado originalmente no site Bad Words, integrante da plataforma Medium.

Se no natal passado eu lhe tivesse dito que o principal candidato a presidente do país mais poderoso do mundo tivesse dito, abertamente, que concordava com a venda de armas, com campos de concentração, com proibições extrajudiciais e com direitos de sangue, a menos que você fosse um sócio atuante da Internacional dos Teóricos da Conspiração, você provavelmente teria dado uma gargalhada na minha cara.

E, no entanto… Aqui estamos nós, precisamente nessa realidade. E não se trata apenas de Donald Trump. O espectro mais tenebroso da política global, aquele que pensávamos ter sido exorcizado, de alguma maneira foi convocado e renasceu: é o ressurgimento do fascismo. Aquilo que chamarei, nesta pequena série de ensaios, de novo fascismo é um fenômeno global.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Marine Le Pen, a mais extremista dos políticos que contestam as lideranças nacionais desde Hitler… triunfou, com um terço dos votos, no primeiro turno das eleições de dezembro na França [1]. O mundo procura equilibrar-se à beira do precipício de uma Era das Trevas do Novo Fascismo – que se levanta, como um cérebro, da Escandinávia à Europa e da Turquia à Austrália.

Acredito que o Novo Fascismo, em sua individualidade, é o acontecimento político mais importante de nossas vidas. Trata-se de um momento crítico para a sociedade global – um momento decisivo. E, como todo momento decisivo, é um teste. Um teste que avalia o melhor de nós: se as sociedades civilizadas podem, de fato, continuar civilizadas, no sentido mais essencial dessa expressão – ou se corremos o risco de mergulhar, outra vez, numa era de guerra mundial e genocídio.

Isso lhe parece um exagero? Então, torne a ler o primeiro parágrafo deste ensaio e pergunte a si próprio se esperava que um possível presidente norte-americano defendesse campos de concentração… apenas um ano atrás. A primeira coisa que você precisa aprender sobre a ascensão do fascismo é que ele desafia suas expectativas de um mundo sensato. Ninguém espera – como na famosa frase do Monty Python – a Inquisição Espanhola.

Um produto de uma inconveniência econômica

Por conseguinte, eu irei discutir o Novo Fascismo nesta série de ensaios. No primeiro ensaio, explicarei sua ascensão; no segundo, a sua dinâmica: por que cresce tão rapidamente, pegando todo mundo de surpresa; no terceiro, discutirei como combatê-lo – se, na verdade, for possível combatê-lo.

Então, como ele surgiu? Minha explicação é simples – mas exigirá que você faça uma reflexão cuidadosa. Irei argumentar que o fascismo é um produto do extremismo – tanto de esquerda quanto de direita. Que o extremismo acabou com o centro – o que criou um vácuo no qual nasceram os Novos Fascistas, que combinam os piores elementos da esquerda e da direita.

Para começar, deixem-me dar uma ideia geral das quatro etapas pelas quais o fascismo cresce. Meu ensaio está incompleto e é simplificado em excesso, com certeza. Não pretendo escrever uma história definitiva do fascismo: simplesmente apresentar um retrato cru que possa ser usado para compreendermos em que etapa estamos.

Eis aqui a etapa incipiente do fascismo: vamos chamá-la estagnação.

O fascismo é sempre um produto de uma inconveniência econômica. A inconveniência cria uma sensação ardente de injustiça. O bolo da riqueza encolhe, desmorona e se deteriora. As sociedades começam a disputar a quem pertencem as fatias, que vão ficando cada vez mais finas, cada vez mais emboloradas.

Seres existencialmente inferiores

E aqui vem a segunda etapa do fascismo: vamos chamá-la demagogia.

Surge uma briga entre os líderes no sentido de fazer alguma coisa em relação ao problema da estagnação. Tanto a esquerda quanto a direita vão ficando mais extremadas. E aí acaba o centro. O vácuo que o centro ocupava dá espaço para um tipo de político inteiramente novo – um tipo de político que normalmente era freado pela esquerda em sua luta contra a direita, mas agora livre para combinar o que há de pior na esquerda e na direita.

Logo aparece um demagogo, que grita: o bolo pertence ao povo – e só ao povo! Ele sintetiza o que há de pior, tanto na esquerda quanto na direita. É um socialista, mas só para as pessoas certas. Mas também é um nacionalista e não reivindica apenas domínio e recursos, como terra: ele reivindica a superioridade, pelo sangue ou por deus, de um povo, para além dos recursos. Daí a expressão, paradoxal, “nacional socialismo”.

A perigosa apelação do demagogo é a seguinte: ele localiza a fonte de estagnação naqueles que não têm pertencimento, que são inferiores – não apenas moral, mas existencialmente – e os aponta com o dedo, aponta o veneno dentro da sociedade. É muito mais fácil acreditar que a sociedade está sendo envenenada por um conjunto de pessoas corruptas que não pertencem a ela, do que acreditar que o contrato social acabou e deve voltar a ser escrito – e assim se abre o caminho do demagogo para o poder.

E chegamos ao terceiro estágio do fascismo: a tirania.

Mas quem é “o povo”? Quem é, de fato, inferior e quem é superior? Quem merece os frutos do nacional socialismo – o direito a consumir fatias do bolo que encolhe, que é do que trata toda esta ideologia? E aí vem à tona a noção de volk: os verdadeiros moradores da terra, os herdeiros do destino, o direito de nascer, a superioridade. E como os definiríamos? Afinal, essa é uma pergunta traiçoeira, que não admite certezas óbvias. Você merece os recursos da Nação-Sociedade simplesmente por ter nascido ali? Ou porque você viveu ali? Ou seria porque seus avós já nasceram ali? É justamente a essas perguntas que a Nação-Sociedade, Na-Zi, começa a dedicar seus recursos. Imensas burocracias são organizadas, trilhas de papel são criadas, investigações são realizadas.

E aqui chegamos à última etapa: a autodestruição.

Busca-se saber quem é um “verdadeiro” cidadão. Depois, busca-se saber quem é um “verdadeiro” membro do volk [povo], por nascimento ou pelo sangue. E depois busca-se saber quem é “verdadeiramente” – e simplesmente – uma pessoa. Esse é o abismo. Isso porque, por essa lógica, se você não for um membro do volk, você deve ser subumano. É isso que significa não ser apenas moralmente, mas existencialmente inferior. Os subumanos, os não-volk, não são apenas o sorvedouro dos recursos minguantes da Nação-Sociedade, que não merecem qualquer fatia encolhida do bolo da Nação-Sociedade – na verdade, e em primeiro lugar, eles são o motivo pelo qual o bolo está encolhendo. Portanto, agora eles representam um problema. Um problema para o qual os volk precisam achar uma “solução”. Os líderes coçam a cabeça e chegam a uma conclusão. Soluções temporárias para problemas permanentes não são um bom negócio.

O que se precisa é de uma solução final.

Uma crença ideológica extremista

Agora, a sociedade está se destruindo a si própria. Isso porque nenhuma sociedade civilizada pode obedecer às ordens de expulsar, prender ou assassinar seus cidadãos por um motivo qualquer e continuar sendo civilizada. Mas isso é algo que os fascistas, que agora já compõem a maioria da população, dos volk, não conseguem ver. Eles só veem pureza, perfeição e um destino glorioso.

Tudo isso é o que Umberto Eco chamou o “fascismo eterno” – a dinâmica que cria qualquer fascismo, seja qual for a sociedade em que surge. Passemos, agora, a ser específicos. Onde se encaixa o Novo Fascismo no meu modelinho de fascismo eterno? Em que etapa nosencontramos?

De 1950 a 1970, os Estados Unidos se encontravam numa Idade do Ouro. Não era apenas o país mais rico, mais seguro, mais tecnologicamente avançado e mais educado: em média, suas famílias também eram. Ou seja, tinha elaborado um contrato social historicamente único, em que o crescimento econômico era amplamente compartilhado pela média de seus cidadãos.

Mas aí, alguma coisa deu errado – muito errado. Os rendimentos começaram a estagnar. A média das famílias começou a sofrer e o país logo ficaria para trás dos restantes mais avançados do mundo em simples termos humanos, como saúde, educação e poupança.

Por que o padrão de vida começou a estagnar na década de 70 – e continuou por quase uma década? A explicação é a seguinte. Num caso único entre as economias mais avançadas, os Estados Unidos foram quase totalmente consumidos por uma ideologia econômica de extrema-direita. A ideia era simplesmente de que a prosperidade lá de cima caísse na forma de gotas de chuva para os que estavam mais em baixo. Portanto, fundamentalmente, a renda foi redistribuída de baixo para cima – com a crença de que amanhã os beneficiados seriam os de baixo. E como foi executada essa redistribuição? Simples: cortando, com austeridade, os impostos lá de cima, retalhando o poder de negociação dos de lá de baixo com o mesmo rigor e financeirizando a economia, isto é, desregulamentando o mercado de capitais para que os de cima pudessem investir os lucros que estavam colhendo.

Desnecessário dizer que tudo isso estava em desacordo com a realidade. A classe média e a de baixo nunca gozaram de benefício algum – e nunca houve um pingo de evidência que sugerisse que gozariam. Essencialmente, os Estados Unidos rasgaram o contrato social de sua Idade do Ouro em nome de uma crença ideológica extremista.

Neoliberalismo retirou milhões da pobreza

E quando a estagnação se impôs, as instituições e os líderes brigaram sobre a forma pela qual o contrato social deveria ser reescrito – mas não o reescreveram. Assim, a estagnação continuou, ganhou força e a classe média não só deixou de prosperar como passou a encolher.

Recentemente, os Estados Unidos chegaram a ponto crítico histórico: pela primeira vez, a classe média é minoria. Nem você nem eu podemos dizer que isso “prova”, em termos acadêmicos, que isso é uma causa para o fascismo. No entanto, podemos dizer, com confiança, o seguinte: o fascismo é sempre um produto da inconveniência. Nos Estados Unidos, a classe média e seu padrão de vida atingiram seu pico por volta de 1970. Desde então, a classe média vem encolhendo continuamente. E nos dias de hoje, o fascismo vem crescendo precisamente no momento em que a classe média chegou a um ponto crítico, passando de maioria para minoria.

Teria a classe média fracassado devido a seus líderes e instituições? Estaria angustiada com isso e desesperada pela prosperidade? Sim. Mas não se trata disso. A questão é simplesmente a seguinte: a classe média está reagindo a seu próprio declínio dando seu apoio aos Novos Fascistas.

Mas isso é apenas metade da história. Segue-se a outra metade.

Enquanto a direita não se limitava a divulgar uma crença econômica extremista e não comprovada, a esquerda nem sequer compreendia com o que lutava. Em vez disso, uma geração de esquerdistas decidiu que a verdadeira oposição não era uma economia de direita local – e sim, uma política global chamada “neoliberalismo”.

Mas boa parte do neoliberalismo, em completa oposição à economia segundo a qual a prosperidade lá de cima cairia na forma de gotas para os que estavam mais abaixo, retirou, na realidade, milhões de pessoas da pobreza, da miséria e do desespero pelo mundo afora. Por que? Porque o liberalismo, tenha ele a definição que tiver, não é uma economia de conta-gotas. É precisamente o contrário: investe em instituições, em pessoas e em sociedades para que o excedente não se acumule na parte de cima.

Já apareceu um líder demagogo

No entanto, a esquerda começou a manifestar-se e protestar justamente contra as instituições que defendiam o mundo da economia de conta-gotas – o Banco Mundial, o FMI e a ONU. É claro que tenho certeza de que aqueles de vocês que forem de esquerda irão se opor a mim com veemência e dirão que eu sou uma pessoa detestável. O fato, entretanto, é que o FMI e o Banco Mundial foram criados por Keynes justamente para evitar que a riqueza se acumulasse no topo [da pirâmide] – e foi precisamente isso que eles fizeram. Portanto, vocês, esquerdistas, estão simplesmente provando uma terrível e profunda ignorância da história econômica. Perdoem-me por ser duro, mas agora devemos falar verdades nuas e cruas.

E esse erro trágico, histórico e colossalmente imbecil – a confusão da política de conta-gotas com o liberalismo, da esquerda com a direita – condenou a esquerda a um caminho de total irrelevância. Ao invés de lutar contra a direita, a esquerda passou a lutar… contra si própria.

Se você não acredita, responda: onde está a esquerda agora? Trava uma nobre e valente luta em favor dos… transgêneros em videogamespronomes de gênerobanheiros para todos os gêneros. Mas não diz uma palavra sobre a questão do Novo Fascismo. Organiza manifestações, protestos e movimentos em defesa dos primeiros, mas nada em relação ao último. Entende o que eu digo? A esquerda está lutando contra si própria, trava uma luta cada vez mais extremada contra a esquerda. Mas não enfrenta a direita.

Pessoas de bom senso podem discordar a respeito de banheiros para todos os gêneros – mas pessoas de bom senso não podem discordar sobre campos de concentração. No entanto, enquanto a esquerda se deixa consumir pela política de identidade sexual, as ideias fascistas começam a assumir o controle das sociedades por atacado (por exemplo, 47% dos norte-americanos concordam com a proposta de Trump de “banir” os muçulmanos). Com que se pode comparar isso? É como se você quisesse uma pedicure enquanto uma gigantesca gangrena devora sua perna… porque você quer marcar um encontro.

Portanto, a causa concreta da ascensão do Novo Fascismo é o extremismo. De ambos os lados – esquerda e direita. Podemos chamar o extremismo de direita fundamentalismo e o de esquerda, narcisismo. Mas ambos são extremismos. Nenhum dos lados prioriza uma nova redação do contrato social – apenas disputam suas fatias minguantes de um bolo que encolhe cada vez mais.

Portanto, o crescimento do extremismo de ambos os lados provocou o fim do centro. Esquerda e direita já não evitam os piores excessos. Consequentemente, a doença que combina o pior deambos tem liberdade para crescer e o nome desse câncer é fascismo.

Respondendo à pergunta: em que etapa de meu modelinho nos encontramos? Eu diria que estamos mais ou menos em um terço do arco do fascismo. Já ultrapassamos as etapas iniciais. Considerando o que dissemos acima, já passamos a etapa da estagnação e estamos quase nofinal da etapa da demagogia – pois já apareceu um líder demagogo. Não estamos simplesmente correndo o risco de que “aconteça aqui” em algum tipo de futuro improvável.

A exaltação da destruição

Minha história tem sutilezas. Tentei fazer uma distinção entre uma causa imediata e a causa definitiva. A causa definitiva do fascismo é a direita – mas a causa imediata é a esquerda. Em termos simples, as origens do fascismo estão no extremismo de direita – mas foi a irrelevância que se auto-impôs a esquerda que permitiu sua ascensão, e talvez até lhe tenha dado um impulso. Você pode discordar de minha história. É apenas uma síntese entre tantas outras. No entanto, eu o previno contra o extremismo de opostos que define a nossa época. Para explicar plenamente a ascensão do fascismo – por ser a mais venenosa fusão de ambos os lados –, devemos falar aberta e honestamente dos erros da esquerda e da direita.

Na história da ascensão do Novo Fascismo vemos precisamente os mesmos elementos que funcionam no fascismo eterno. O bolo encolhe. Os líderes e as instituições brigam – enquanto o bolo encolhe. Então, o momento crítico, quando o centro desaparece. O demagogo fica desimpedido para cantar sua canção das trevas. Cai a noite. E começa a Idade do Ouro dos volk, a longa marcha rumo à terra prometida por entre vales de sangue e de desespero.

Escrevi demais. Fiquei cansado, assim como você. Portanto, vamos parar por aqui para dar uma pausa e refletir. O fascismo, a venenosa mistura do que há de pior na esquerda e na direita, é um câncer que pode ter infectado o corpo político quando este estava entorpecido e minimizado, adoecido e frágil devido à estagnação. E a obrigação de todas as pessoas de bom senso é enfrentá-lo. Não apenas porque ele destrói e classifica  a destruição como um destino glorioso, nem porque ele mata e considera o assassinato como uma forma nobre de justiça, e sim, porque a exaltação da destruição é o fim de tudo aquilo que representa a civilização. Não apenas o tecido de nossas sociedades, mas a própria sobrevivência da humanidade.

[1] O partido de Marine Le Pen foi no entanto derrotado no segundo turno das eleições, também em dezembro de 2015

¹ Umair Haque é escritor, economista e diretor do Havas Media Lab

Soumission: Houellebecq faz capa do Charlie Hebdo no dia em que sai novo romance

O célebre e polêmico escritor imagina a França dirigida por um Presidente muçulmano. O semanário põe Houllebecq a afirmar: “Em 2015, perdi os dentes,em 2022, cumpro o Ramadão”.

Na edição, que tem como tema principal as previsões do chamado “mago Houellebecq”, lê-se no editorial assinado por Bernard Maris: “Suprimam a polícia uns dias e verão que o temor a Deus não impedirá grande coisa”. Páginas à frente, num cartoon assinado por Charb, uma das vítimas do atentado, que ganha agora uma trágica ressonância, um jihadista armado, perante o cabeçalho “ainda sem atentados em França”, comenta: “Escutem, temos até ao fim de Janeiro para vos endereçar os nossos votos de Bom Ano”.

O Charlie Hebdo é um semanário célebre pelo humor que desenvolve em forma de cartoon, sem poupar ninguém. Nas suas páginas são e foram satirizados todo o tipo de religiões, políticos, actores, músicos e outras figuras públicas.

Horas antes, numa entrevista à emissora France Inter dedicada ao seu novo romance Michel Houellebecq defendeu-se das acusações de racismo e islamofobia de que Soumission vem sendo acusado. “Não julgo que isso seja evidente neste livro”, declarou.

Terça-feira à noite, convidado no noticiário nocturno do canal televisivoFrance 2, o escritor foi confrontado com a declaração, por parte do dirigente de uma associação anti-racismo, de que Soumission é o melhor presente de Natal que Marine Le Pen, líder do partido de extrema-direita Frente Nacional, poderia ter desejado. Ripostou não existir “nenhum romance que tenha alterado o rumo da História”, acrescentando que “Marine Le Pen não precisa disto. As coisas estão a correr-lhe muito bem neste momento”.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A narrativa de Soumission decorre em 2022 e imagina um cenário em que Marine Le Pen e o fictício Mohammed Bem Abbes, candidato de um partido formado por muçulmanos franceses, a Irmandade Muçulmana Francesa, se defrontam na segunda volta das eleições presidenciais. A vitória deste último, apoiado por todos os partidos à esquerda da Frente Nacional para impedir a sua vitória, conduz a várias transformações em França (as mulheres largam os seus empregos para cuidar dos filhos em casa; as universidades tornam-se centros de ensino islâmicos) e na Europa (a Turquia e vários países norte-africanos juntam-se à União Europeia).

Soumission tem sido qualificado como irresponsável por propagar as ideias da Frente Nacional (disse-o, por exemplo, Laurent Joffrin, director do Libération) mas também descrito como “sublime, de uma extraordinária consistência romanesca” pelo escritor Emmanuel Carrère, que o alinha na tradição da literatura profética de 1984, de George Orwell, ou de Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley.

Em entrevistas anteriores Houellebecq defendera-se invocando a neutralidade do seu gesto criativo. “Não estou a escolher um lado, não defendo qualquer regime. Declino qualquer responsabilidade, reivindico até total irresponsabilidade”, afirmou, citado pelo Telegraph. Confrontado com declarações suas no passado, nas quais referira o Islão como “a mais estúpida das religiões”, confessou ter entretanto mudado de opinião: “O Corão revelou-se bem melhor do que pensava, agora que reli, ou melhor, que o li”. Na entrevista desta quarta-feira à France Inter, afirmou: “A parte do romance que assusta é acima de tudo a anterior à chegada dos muçulmanos ao poder. Não podemos dizer que isso, esse regime [imaginado em Soumission], seja aterrorizador”. Segundo o autor, “as coisas não correm assim tão mal [no livro]” – excepto “se for feminista”.

Soumission é alvo de uma primeira edição de 150 mil exemplares e está já no topo da lista de best-sellers da Amazon francesa, algo pouco surpreendente tendo em conta o estatuto do autor de As Partículas Elementares, que acumula os títulos de mais polémico e mais célebre romancista francês da actualidade. Soumission, porém, parece estar a ultrapassar polémicas anteriores. A AFP escreve que a “avalanche de comentários” gerados pela obra na imprensa e nas redes sociais é, “segundo vários peritos”, algo “nunca visto em França a propósito de um romance”.
Por MárioLopes, de Portugal