Manoel Caixa D’Água – Versos na tarde – 01/04/2014

Se as noites envelhecessem
Manoel Caixa D’Água ¹

Se as noites envelhecessem,
se os meus olhos cegassem,
se as fantasmas danças
em blocos de neve
para que me ensinassem o caminho
por onde eu caminhei.

A cidade sem porta, as ruas brancas de
minha infância
que não voltam mais.

Se minha mãe se abruma,
se o mar geme,
se os mortos não voltam mais,
se as matas silenciosas
não recebem visitas,
se as folhas caem,
se os navios param,
se o vento norte
apagou a lanterna,
eu tinha nas minhas mãos somente sonhos!

¹ Manoel José de Lima
* João Pessoa, PB – 1931 d.C
+ João Pessoa, PB – 28 de Março de 2006 d.C


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Manoel Caixa D’Água – Versos na tarde – 26/05/2013

Se as noites envelhecessem
Manoel Caixa D’Água¹

Se as noites envelhecessem,
se os meus olhos cegassem,
se as fantasmas danças
em blocos de neve
para que me ensinassem o caminho
por onde eu caminhei.

A cidade sem porta, as ruas brancas de
minha infância
que não voltam mais.

Se minha mãe se abruma,
se o mar geme,
se os mortos não voltam mais,
se as matas silenciosas
não recebem visitas,
se as folhas caem,
se os navios param,
se o vento norte
apagou a lanterna,
eu tinha nas minhas mãos somente sonhos.

¹Manoel José de Lima
* João Pessoa, PB – 1931 d.C
+ João Pessoa, PB – 28 de Março de 2006 d.C
Poeta popular, cordelista, cantador e repentista. Considerado ao lado de Zé Limeira um dos mais importantes nomes do surrealismo poético brasileiro.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Manoel Caixa D’Água – Versos na tarde

Se as noites envelhecessem
Manoel Caixa D’água¹

Se as noites envelhecessem,
se os meus olhos cegassem,
se as fantasmas danças
em blocos de neve
para que me ensinassem o caminho
por onde eu caminhei.
A cidade sem porta, as ruas brancas de
minha infância
que não voltam mais.

Se minha mãe se abruma,
se o mar geme,
se os mortos não voltam mais,
se as matas silenciosas
não recebem visitas,
se as folhas caem,
se os navios param,
se o vento norte
apagou a lanterna,
eu tinha nas minhas mãos somente sonhos.
Eu tinha nas minhas mãos somente sonhos!

¹Manoel José de Lima
* João Pessoa, PB – 1931 d.C
+ João Pessoa, PB – 28 de Março de 2006 d.C