Lívio Barreto – Versos na tarde – 15/01/2014

Lágrimas
Lívio Barreto¹

Lágrimas tristes, lágrimas doridas,
Podeis rolar desconsoladamente!
Vindes da ruína dolorosa e ardente
Das minhas torres de luar vestidas!

Órfãs trementes, órfãs desvalidas,
Não tenho um seio carinhoso e quente,
Frouxel de ninho, cálix recendente,
Onde abrigar-vos, pérolas sentidas.

Vindes da noite, vindes da amargura,
Desabrochastes sobre a dura frágua
Do coração ao sol da desventura!

Vindes de um seio, vindes de uma mágoa
E não achastes uma urna pura
Para abrigar-vos, frias gotas d’água!

¹Lívio da Rocha Barreto
* Granja, CE. 18 de Fevereiro de 1870 d.C
+ Camocim, CE. – 29 de Setembro de 1895 d.C

>> biografia de Lívio Barreto


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]