Tópicos do dia – 25/11/2011

08:37:44
Brasil: da série “o tamanho do buraco”!
Muitos me criticam quando escrevo aqui e no blog que no Brasil o fundo do poço é somente um estágio. Mas, vejam só:
1. Um ‘ilustre’ deputado federal — esqueci o nome da figurita. Busquem o nomezinho dele no site da câmara federal — apresentou um projeto de lei criando, pasmem!!!, o Dia Nacional da Cachaça. E mais, tão importante projeto já foi aprovado na Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal.Isso mesmo: Cultura!

2. Loja de conveniência em postos de combustíveis da Petrobras, BR Mania, vende bebida alcoólica. A Petrobras é empresa governamental.
O governo, dono da Petrobras, gasta um ‘grana braba’ na campanha da Lei Seca!

3. Loja de conveniência da Petrobras em postos de combustíveis, BR Mania, vende cigarro. A Petrobras é empresa governamental.
O governo, dono da Petrobras, gasta um ‘grana braba’ em campanhas antitabagismo!

4. Loja de conveniência da Petrobras em postos de combustíveis, BR Mania, vende papel de seda – Dona Leda – próprio pra fazer enrolar cigarro de maconha.
A Petrobras é empresa governamental.
O governo, dono da Petrobras, gasta um ‘grana braba’ em campanhas contra o consumo de drogas!

09:56:15
Relatório sigiloso mostra o que todo mundo já sabe: o total sucateamento das Forças Armadas
.
Paulo Peres/Tribuna da Imprensa

Reportagem de Tania Ferreira, do Estadão, revelou que um documento sigiloso produzido pelos comandos militares sobre a situação da defesa nacional, repassado ao Palácio do Planalto, nos últimos dias, mostra um sucateamento dos equipamentos das três Forças com consequencias para os militares, porque estes dados esvaziam as pretensões brasileiras de obter uma cadeira permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas, além de inibir a participação do País em missões especiais da ONU.

De acordo com uma planilha, “a Marinha, que em março mantinha em operação apenas dois de seus 23 jatos A-4, não tem hoje condições de fazer decolar um avião sequer do porta-aviões São Paulo. Com boa parte do material nas mãos de mecânicos, a situação da Marinha se distancia do discurso oficial, cuja missão seria zelar pela área do pré-sal, apelidada de Amazônia Azul”.

Segundo o balanço, que mostrou uma piora em relação ao último levantamento, realizado em março, a situação da flotilha também não é confortável. Apenas metade dos navios chamados de guerra está em operação.

Das 100 embarcações, incluídas corvetas, fragatas e patrulhas, apenas 53 estão navegando. Dos cinco submarinos, apenas dois ainda operam. Das viaturas sobre lagartas (com esteiras), como as usadas pelos Fuzileiros Navais para subir os morros do Rio de Janeiro, apenas 28 das 74 estão em operação.

A presidente Dilma Rousseff já foi informada das dificuldade que as Forças estão enfrentando e a expectativa, pelo menos da Aeronáutica, é de que a partir do ano que vem o governo retome as discussões em relação à compra dos novos 36 caças brasileiros já que os atuais deixam de voar em 2014.

17:35:01
Lampião gay? O Virgulino?
“A família de Lampião conseguiu na Justiça sergipana impedir, ontem à noite, o lançamento do livro “Lampião, o mata sete”, de Pedro de Morais, que sustenta que o cangaceiro era gay.
Em Aracaju, vivem uma filha de Lampião, Expedita, e netos.”
O Globo


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Cangaceiros Gay. Lampião tá se revirando no túmulo

Os cabra da peste estão indignados na caatinga. Na terra de Lampião, não pode haver desfaçatez pior. Se o capitão Virgulino fosse vivo essa turma iria ficar sem o couro, provavelmente extraído a punhal. Agora, macho mesmo era o cangaceiro Volta Seca que dava um “trato” na Maria Bonita, mulher de Lampião, e primeira dama da caatinga. Cabra corajoso tava ali!

O editor

CangagaysIntegrantes do Cangagay a cárater: iniciativa contra a homofobia divide Serra Talhada, terra de Lampião
Foto: Hans von Manteuffel

Cangagay: o bando de cangaceiros cor-de-rosa cria polêmica com versão estilizada do grupo de Lampião

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]SERRA TALHADA, PE – Bandido para uns, herói para outros, Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião, ainda inspira polêmica mais de 60 anos após sua morte. O motivo da controvérsia, agora, é o Cangagay, grupo de ativistas homossexuais de Serra Talhada, terra de Lampião, que adotou a indumentária do cangaço, só que cor-de-rosa, relata reportagem de Letícia Lins na edição deste domingo, do Globo. Enquanto uns apoiam a iniciativa de defesa das minorias e contra a homofobia, outros acusam o grupo de estelionato cultural e de profanar a memória do “cabra macho” que é um dos maiores ícones do Nordeste.

A confusão já mobiliza a Câmara Municipal da cidade, a 418 quilômetros de Recife. Semana passada, o vereador José Pereira de Souza (PT) apresentou projeto de lei que faz de vestimentas e acessórios usados pelos cangaceiros patrimônio cultural e histórico de Serra Talhada, e torna crime contra o patrimônio público seu uso “de forma pejorativa, que vise a denegrir ou ridicularizar os elementos culturais e históricos do cangaço”.

O projeto está em discussão nas comissões e deve ir a plenário no próximo dia 11. O vereador José Raimundo (PTB) assegurou seu voto, mesmo tendo apoiado a parada gay realizada no início de outubro, quando o grupo pink de cangaceiros ganhou as ruas.

Todos os elementos da indumentária dos cangaceiros foram aproveitados pelo Cangagay. Só que a mescla de azulão e cáqui das roupas dos chamados Guerreiros do Sol foi substituída por diversas tonalidades de rosa. Os adereços originais – chapéu, cartucheiras, santinha (testeira), bornais -, que eram feitos de couro curtido, foram estilizados e reproduzidos em tecidos rosa escuro, que ganham destaque sobre a calça e a camisa rosa mais suave dos ativistas do grupo.

Anildomá Wilians de Souza, da Fundação Cultural Cabras de Lampião: ‘É falta de respeito’ O presidente da Fundação Cultural Cabras de Lampião, Anildomá Willans de Souza, de 47 anos, reprova o movimento:

– A falta de respeito aos símbolos de nossa cultura é um estelionato. É uma coisa sem sentido, que pode ser comparada a vestir de cor de rosa o padre Cícero em Juazeiro do Norte, ou o Cristo Redentor no Rio de Janeiro.

A repercussão surpreendeu Ivan Rodrigues de Lima, de 41 anos, enfermeiro e espécie de teórico do grupo. Ele lembra que o direito de expressão é uma garantia constitucional.

– Não ofuscamos a imagem de Lampião, que é história, e continuará sendo. A gente utiliza é a estética do cangaço. É absurdo que se proponha uma lei para nos processar por isso – reclama Neguinho, como é conhecido.

Quanto à prática de homossexualismo no cangaço, o historiador Anildomá Willans de Souza, autor do livro “Lampião, nem herói nem bandido, a história”, diz não haver qualquer evidência disso. Para alguns militantes do Cangagay, no entanto, há indícios de que pelo menos um seguidor de Lampião, Sabonete, seria homossexual.

– Ele preparava chás para as mulheres doentes, cuidava das joias de Maria Bonita e era o único com autorização de Lampião para vigiá-la no banho – afirma Neguinho.

Leia a íntegra desta reportagem na edição do Globo Digital

O Globo

História e Estórias – Notórios e notáveis

Do notável Sebastião Nery – Tribuna da Imprensa – reproduzo essa notável estória sobre alguns notórios políticos brasileiros.

Antonio Candido de Melo e Sousa, paulista carioca, mestre da crítica literária (autor, entre outros, dos clássicos “Formação da literatura brasileira” e “Literatura e sociedade”), criticou Gilberto Freire porque escrevia seu nome com “y” (“Freyre”) e não com “i” (“Freire”).

Gilberto Freire não gostou, mas não reclamou. Algum tempo depois, Antonio Candido telefonou para Gilberto Freire, que atendeu: – Quem fala? É o Antonio Candido? O Antonio sem o circunflexo no “ô” de “Antônio” e no “â” de “Cândido”, com “Mello” de dois “elles” e “Souza” com “z”?

Suassuna
Mas os pernambucanos nem sempre são tão sutis. João Alexandre Barbosa, consagrado crítico literário, fazia concurso para a Universidade de Pernambuco. Na banca, o renomado professor Antonio Candido, e o extraordinário Ariano Suassuna. Antonio Candido elogiou Alexandre:

– Ele tem notório e notável saber.

Suassuna interrompeu Antonio Candido:

– Até concordo com o professor Antonio Candido. Mas há uma grande diferença entre notório e notável. Alguns políticos de Pernambuco são ladrões notórios. Já Lampião foi um ladrão notável.

PSDB
O PSDB foi fundado dizendo-se um “partido de notáveis”. Agora, o procurador geral da República, Antonio Fernando de Souza, mostra que não é bem assim. Tem seus “notáveis”. Mas também um punhado de “notórios”.

O “mensalão” do PT tinha o mesmo DNA do “mensalinho” de Minas. Não importa que o tamanho da roubalheira não tenha comparação. Mas está provado que os tucanos mineiros também têm seus “notórios”.