Gerardo Melo Mourão – Versos na tarde – 09/07/2015

E a duração do lírio fora um hálito
Gerardo Melo Mourão ¹

E a duração do lírio fora um hálito,
o lírio, Geraldino, de cristal,
que te floresce sobre a sepultura;
o lírio, Telmo, que em teus olhos pálpebras
apascentam de pétalas no claustro.

E no entanto durara: ao tempo quando
a madressilva não temia os pés
desabrochados entre margaridas
e a mão sabia a dança que hoje não.

Era não distinguir do dia a noite,
entre uma lua e um quarto errar em casa,
morar nas mangas e nas rosas hóspede
e ao pássaro alugar-se de repente.

E alugavam-se ao vento os calendários,
as datas e os ponteiros do relógio
sucediam-se pétalas de espátulas
alugados aos ventos os ponteiros
giravam girassóis de cataventos.

E a duração do lírio fora um hálito.

¹ Gerardo Melo Mourão
* Ipueiras, CE – 8 de Janeiro de 1917 d.C
+ Rio de Janeiro, RJ – 9 de Março de 2007 d.C

>> biografia de Gerardo Melo Mourão


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Gerardo Melo Mourão – Versos na tarde – 23/06/2014

Poema
Gerardo Melo Mourão ¹

Herdei o ferro em fogo – herdeiro
e do ferro e do fogo
fazenda, cabedal, moeda
gasto ferro e fogo na compra
das noites e dos dias e das fêmeas
na compra da lágrima e sorriso
e compro eu mesmo a minha própria dor
e lavro o mármore
do chão de viver e do chão de morrer
marcada a letra a fogo e ferro

¹ Gerardo Melo Mourão
* Ipueiras, CE – 8 de Janeiro de 1917 d.C
+ Rio de Janeiro, RJ – 9 de Março de 2007 d.C

>>biografia de Gerardo Melo Mourão


[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Gerardo Melo Mourão – Versos na tarde – 04/08/2013

Eva
Gerardo Melo Mourão¹

Adormecera à beira do riacho
e o sonho e a flor dessa maçã
da primeira saudade – do primeiro desejo do mundo
habitavam seu sono.

Despertara – e dela despertaram
um tato uns olhos um perfume – e o véu
dos cabelos cobria ancas
seios nunca vistos:

Eva bailava sobre chão de folhas

Desde então
desde sono e sonho se incorpora sempre
ao homem sonhador o sortilégio
da primeira mulher
coisa e criatura e criadora
de seus tatos seus aromas – aflição e festa
de estrelas na pupila.

¹Gerardo Melo Mourão
* Ipueiras, CE – 8 de Janeiro de 1917 d.C
+ Rio de Janeiro, RJ – 9 de Março de 2007 d.C

>> Biografia de Gerardo Melo Mourão


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Gerardo Melo Mourão – Versos na tarde

Poema
Gerardo Melo Mourão ¹

E surgia ao salto de um peixe de prata na cachoeira
a garganta respondia ao tom das águas
e o reflexo dos mangarás vermelhos se quebrava na lagoa
aos cangapés e deles súbito
o fauno de sete anos relinchava no barranco
erguendo a saia
da menina aguadeira

¹ Gerardo Melo Mourão
* Ipueiras, CE – 8 de Janeiro de 1917 d.C
+ Rio de Janeiro, RJ – 9 de Março de 2007 d.C
>> biografia