Ambiente,Carvão,Energia,Poluição,Aquecimento Global,Blog do Mesquita

Os 10 maiores riscos globais da próxima década

Muito preocupante. E a maioria continua dizendo que meio ambiente é coisa de “esquerdalha” – quão toscos os que assim argumentam. Talvez seja excesso de alfafa na alimentação – comunistas e outras tais desargumentações.
Eis os 10 maiores riscos globais da próxima década, por probabilidade e impacto, segundo o Fórum Econômico Mundial.
Note bem: clima está em tudo. Mais do que bolha de ativos, ciberataques, armas de destruição em massa.Davos,Clima

Brasil sobe oito posições em ranking de competitividade

País é o mais competitivo entre os Brics e ocupa a 56ª colocação em um grupo de 133 economias

O Brasil subiu oito pontos no ranking de competitividade elaborado anualmente pelo Fórum Econômico Mundial, em parceria no país com a Fundação Dom Cabral, e divulgado nesta terça-feira, 8.

Com esse resultado, o país passa a ocupar a 56ª colocação, em um grupo de 133 economias.

O Relatório de Competitividade Global 2009 mostra que o Brasil melhorou sua posição graças, principalmente, a avanços nos pilares de estabilidade econômica e sofisticação do mercado financeiro. Nos dois casos, o país subiu 13 posições.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]O professor da Fundação Dom Cabral, Carlos Arruda, disse que o Brasil ainda está longe dos “dez mais” do ranking, mas que o país “foi o grande destaque do relatório este ano”.

“Se considerarmos sua dimensão e o fato de o país vir sistematicamente ganhando posições, sem dúvida o Brasil foi o grande destaque este ano”, diz Arruda, que é coordenador da pesquisa no Brasil. Nos últimos três anos, o país subiu 16 posições.

Bric

O Brasil apresentou o melhor desempenho entre os quatro principais países emergentes, os chamados Bric. China e Índia subiram um ponto cada, enquanto a Rússia caiu 12 – aparecendo atrás do Brasil, pela primeira vez.

Cabral afirmou que, no caso brasileiro, houve avanços “importantes” dentro do quesito de estabilidade econômica, mas que o Brasil ainda ocupa uma posição “ruim” nessa categoria (109º lugar).

Ele destacou o crescimento do consumo no país e o controle da inflação como fatores que ajudaram o Brasil a melhorar sua posição nesse quesito.

“Mas esse pilar ainda não é o nosso forte. Se consideramos os juros cobrados pelos bancos, por exemplo, o Brasil fica na 128ª posição”, disse o professor.

O relatório de competitividade considera 12 quesitos. As melhores colocações do Brasil foram registradas em tamanho de mercado (9º lugar) e em ambiente empresarial (32º lugar) – praticamente os mesmos níveis registrados no levantamento de 2008.

Segundo Arruda, também houve ganhos na eficiência do mercado de trabalho (11 posições), que avalia sobretudo a relação entre empregadores e empregados.

Fatores negativos

Apesar do ganho de oito pontos no ranking, o Brasil segue com uma posição ruim em diversos itens, como em estabilidade econômica (109º lugar), eficiência do mercado (99º lugar) e instituições (93º lugar).

Segundo Arruda, quando o assunto é competitividade, o país tem três problemas “endêmicos”, ou seja, fatores onde o Brasil não consegue melhorar sua posição, que são: falta de reformas (entre elas, a tributária); infraestrutura e ética na gestão pública.

“Nesse último quesito, estamos entre os piores do mundo”, diz o professor.

Arruda diz que o levantamento, feito com presidentes de empresas de todo o mundo, considera não apenas as estatísticas de cada país, mas também as percepções desses empresários. Os dados foram coletados entre janeiro e junho deste ano.

O relatório mostra ainda que a crise financeira internacional não teve impacto significativo no ranking. Apesar de os Estados Unidos terem perdido a liderança para a Suíça, não há grandes diferenças entre os dez primeiros da lista.

Fonte: BC Brasil

Fórum de Davos – Brasil passa de vidraça a estilingue

O Brasil, zil,zil, que nas outras edições do Fórum Econômico Mundial foi saco de pancada dos países desenvolvidos. agora, em Davos, passa a ser cortejado como se fosse a “última Coca Cola do deserto”.

Na matéria abaixo, fica claro que, tirando os catastrofistas contumazes e os oposicionistas empedernidos, que torcem pelo pior, a política econômica herdado de FHC e incrementada pelo governo Lula começa a dar frutos.

da Folha de São Paulo
Maria Cristina Frias – Enviada especial a Davos

José Sergio Gabrielli, o presidente da Petrobras, foi escolhido por seus pares das empresas do ramo para presidir a “Cúpula da Energia”, que faz anualmente seu encontro em Davos.
Passará, pois, a coordenar as reuniões do grupo, que conta com as grandes petrolíferas do planeta, estatais ou privadas.

A escolha de Gabrielli é uma óbvia homenagem à empresa que preside, especialmente em foco depois das descobertas no pré-sal. Mas é também um homenagem ao Brasil, que, neste ano, no encontro do Fórum Econômico Mundial, passou nitidamente da velha condição de vidraça para a de estilingue.

Tanto é assim que Ricardo Villela Marino, executivo-chefe para a América Latina do banco Itaú e eleito um dos jovens líderes globais deste ano pelo Fórum, estufou o peito para dizer que “o Brasil e os bancos brasileiros não são parte do problema, são parte da solução”, sendo o mal, como é óbvio, a crise.

Marino lembrou os “bilhões” despejados pelo mundo rico para evitar a quebra de seus bancos e emendou: “Nada disso aconteceu no Brasil”.

Logo depois, Gabrielli tomou a palavra para fazer outra comparação representativa da troca de vidraça por estilingue. Afirmou que não era só no setor bancário que o Brasil tinha algo a ensinar ao mundo rico. “Também em matéria de política fiscal sadia estamos melhor que os Estados Unidos” [cujo déficit cresce a cada hora].

O bordão “política fiscal sadia” foi usado pelo mundo rico anos a fio para passar sermões em empresários e autoridades brasileiros. Que Gabrielli o use agora tem sabor de vingança.

Na sua vez, o chanceler Celso Amorim lembrou, por exemplo, dos US$ 20 bilhões que as empresas brasileiras investiram no exterior, quando, em anos anteriores, empresários e autoridades brasileiras usavam Davos para uma espécie de passada de chapéu, implorando por investimentos externos.

Continue lendo

YouTube aposta em anúncios na internet

Em meio ao catastrofismo que impera no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, o co-fundador do YouTube, Chade Hurley, acredita que a atual crise financeira irá incrementar os negócios na web. Para Chad, que fez palestra para seleta plateia de executivos e autoridades governamentais, para quem souber ousar, a demanda de vídeos na internet aponta para um futuro promissor na publicidade online.

Personalidades,Chad Hurley,YouTube,Internet,PublicidadeChad Hurley – Presidente-executivo do YouTube
Foto: Pascal Lauener/Reuters

O mercado mundial de publicidade em vídeos on-line sairá beneficiado da crise econômica mundial porque as empresas estarão à procura de maneiras mais baratas e mais precisas de promover seus produtos, declarou o co-fundador do YouTube nesta sexta-feira (30), durante o Fórum Econômico Mundial em Davos (Suíça).

Chad Hurley, presidente-executivo da empresa agora controlada pelo Google, disse que o rápido crescimento na demanda por vídeo on-line significava que seu site estava atingindo audiências maiores e comercialmente mais valiosas.

O YouTube cresceu rapidamente e se tornou o maior site de vídeo do mundo, com a oferta de uma deslumbrante variedade de conteúdo que varia de brincadeiras adolescentes a pronunciamentos do Papa Bento 16 e do presidente Barack Obama.

Hurley diz que o site recebe mais de 15 horas de conteúdo em vídeo a cada minuto, e que o número de posts continua a crescer.

“O mercado do vídeo on-line está atingindo massa crítica. Algumas das audiências que atraímos já têm dimensões semelhantes às de televisão”, ele declarou em uma mesa redonda durante a edição deste ano do Fórum Econômico Mundial.

do G1

Decisões inteligentes Continue lendo