Globalistas progressistas financiados por Soros usando o Covid-19 para impulsionar ‘soluções tecnocráticas’ próprias

A família: uma vítima da epidemia?

Reuters / Stephanie McGehee

Os ativistas tecnocráticos estão cheios de soluções para a crise do coronavírus – as mesmas panacéias que eles vêm promovendo há anos. Que problema não seria resolvido com a abolição da família, da privacidade e de outras coisas que tomamos como garantidas?

Sob a honrada rubrica de “nunca deixe uma boa crise ser desperdiçada”, os suspeitos do costume saíram do caminho para apresentar suas “soluções” favoritas como respostas à pandemia de coronavírus e à crise econômica resultante.

É claro que eles vêm promovendo essas iniciativas há anos, e há uma razão (ou três) para que não tenham sido terrivelmente populares – eles exigiriam uma redução total dos modelos sociais atuais e poucos têm estômago para mudanças tão fundamentais.

Mas tempos desesperados exigem medidas desesperadas. Certamente há algo de valor nesses projetos revolucionários? Vamos dar uma olhada, vamos …

Abolir o dinheiroCriptoMoedas,Tecnologia,Bancos,Capitalismo,Bitcoins,Redes sociais,Economia,Internet 01

Aparentemente, acabar com a moeda física no meio de uma epidemia parece fazer sentido. O senso comum sustenta que as notas estão sujas e é lógico pensar que elas podem espalhar doenças. Relatos de que a China estava “colocando em quarentena” remessas de dinheiro, juntamente com um comunicado da Organização Mundial de Saúde para usar pagamentos sem contato sempre que possível, a fim de evitar a disseminação de coronavírus, contribuíram bastante para o consentimento da manufatura para o conceito de perda de dinheiro por completo.

No entanto, a MIT Tech Review não encontrou nenhuma evidência real de que o dinheiro tenha sido um vetor para o coronavírus, após ter consultado vários microbiologistas para entender o assunto. Isso não impedirá os defensores da sociedade sem dinheiro de empurrar a teoria, é claro, mas tira o vento de suas velas (e talvez de suas vendas). Há muita energia por trás do movimento para tirar a economia do caixa – pesos pesados ​​tecnocráticos como o Fórum Econômico Mundial, o ex-chefe do Banco da Inglaterra Mark Carney e, é claro, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, todos investiram recursos sérios nesse projeto.

A idéia já está ganhando moeda mainstream (sem trocadilhos): uma provisão de “dólar digital” chegou à lei de estímulo ao coronavírus obrigatória nos EUA. Embora tenha sido finalmente removido, os defensores da sociedade sem dinheiro continuaram a defendê-lo, argumentando que é a maneira mais rápida de colocar o dinheiro do estímulo nas mãos dos americanos. Enquanto o Federal Reserve despeja trilhões de dólares evocados do nada na economia, parece adequado que os americanos cada vez mais adotem o uso de dinheiro imaginário para representar valor imaginário.

Abolir combustíveis fósseis

A pandemia de coronavírus foi apreendida pelo complexo industrial de mudanças climáticas como prova de que o mundo deve fazer a transição para longe dos combustíveis fósseis. À medida que o preço do petróleo despencou ao lado dos mercados em geral em colapso, os promotores de energia renovável mudaram seus apelos de suplicar pelo planeta para suplicar pelos bolsos dos investidores. Por que investir dinheiro em empresas voláteis de petróleo quando você pode obter lucros constantes com energia eólica e solar? O Dr. Charles Donovan, do Imperial College, uma das vozes mais altas que pedia uma mudança inspirada no coronavírus para as energias renováveis, admitiu à Forbes que uma economia de energia renovável não impediria a próxima pandemia ou mesmo aceleraria a recuperação da atual, mas encobriu essa lacuna com banalidades sobre “resiliência” e o “quadro geral”.

Certamente há algo a ser dito para pegar o dinheiro do estímulo destinado a perfuradores de xisto cujas operações já estavam no pré-coronavírus vermelho e investi-lo em fontes renováveis, especialmente porque é muito provável que a poluição do ar tenha contribuído para o alto número de mortes por coronavírus em áreas como norte da Itália e província de Hubei.

No entanto, há um lado sombrio no apelo de Donovan à descarbonização. Tornar os resgates contingentes à implementação de “transições de baixo carbono” está mantendo a indústria refém de uma agenda de uma maneira que garanta decisões apressadas e mal pensadas em nome da conveniência. Alguns defensores do clima chegaram a sugerir que esse é o resultado desejado, admitindo francamente que as mudanças dramáticas que surgiram da noite para o dia para combater a epidemia significam que mudanças igualmente dramáticas são possíveis a serviço da elaboração de seu futuro verde preferido. “Descarbonizar com pressa, arrepender-se no lazer” pode salvar o planeta ou destruir o que resta do setor pós-coronavírus – de qualquer forma, não é algo a ser empreendido do ponto de pânico.

Abolir a privacidade

Como a legislação relacionada ao coronavírus reduz as proteções de privacidade, uma vez consagradas na lei, alguns ativistas acreditam que devemos dispensar completamente essa noção antiquada e apenas abraçar o microchip. Bill Gates tem sido um promotor entusiasmado da ideia, trazendo-a casualmente durante um Reddit ‘Ask Me Anything’ em resposta a uma pergunta não relacionada. O bilionário da Microsoft que virou ‘filantropo’ respondeu a uma pergunta sobre como os governos podem decidir quais empresas são “essenciais” durante uma crise, sugerindo o uso de “certificados digitais para mostrar quem se recuperou ou foi testado recentemente ou quando temos uma vacina” quem o recebeu “. Uau, amigo.

Gates financiou a pesquisa de “tatuagens de pontos quânticos” que simultaneamente vacinam e deixam um registro da vacinação, permitindo que os receptores da injeção sejam identificados como tal após o fato. Ele também apóia a iniciativa ID2020, que no final do ano passado anunciou planos para implantar a tecnologia biométrica de identificação em bebês nascidos em Bangladesh e sem-teto em Austin, Texas. Artigos sobre a iniciativa distópica tiveram recentemente um aviso de advertência de que o programa “não é [destinado] a rastrear indivíduos, como afirmam alguns teóricos da conspiração”. Nossa, isso é um alívio!

Enquanto isso, várias empresas de tecnologia, incluindo o Google, as líderes de torcida do estado de vigilância em Palantir e (supostamente) o próprio setor global de telefonia móvel, estão em vários estágios de lançamento de programas para rastrear a disseminação do coronavírus usando dados de localização coletados nos telefones das pessoas. Os dados são supostamente anonimizados, mas, devido ao histórico abismal das empresas de tecnologia de prestar atenção à privacidade enquanto alimentam os dados dos usuários a agências governamentais – para não falar de vazamentos catastróficos -, acho que podemos ser perdoados por pedir cautela antes de nos precipitarmos nesse assunto em particular. Admirável mundo novo.

Abolir a família

A crise do coronavírus é sem precedentes na quantidade de perturbações que causou e são esperados manifestos estranhos. Mas o chamado para abolir a família “porque o coronavírus”, publicado pela OpenDemocracy, está em uma classe por si só. A escritora, Sophie Lewis, parece horrorizada com a idéia de as famílias se isolarem juntas, porque os lares são espaços “fundamentalmente inseguros”, repletos de desigualdade. A existência de relacionamentos abusivos é mantida como prova de que a própria família é uma estrutura opressora, enquanto o trabalho doméstico é comparado à tortura psicológica. Em vez disso, ela pede à sociedade que abra as portas de prisões e centros de detenção e abrigue os habitantes em seus “palácios privados”.

Pode ser fácil descartar de maneira tão extremada que “a família privada como modo de reprodução social ainda, francamente, é uma porcaria. Ela nos gera, nacionaliza e estimula. Ela nos normatiza para o trabalho produtivo. Nos faz acreditar que somos indivíduos”. “” Mas este não é apenas um blog pessoal, ou o Tumblr de algum garoto antifa – este é um canal patrocinado por algumas organizações muito influentes, incluindo a Open Society Foundations, de George Soros. Claramente, ele teve que passar por algum tipo de aprovação editorial antes de ser publicado. “Distanciamento social” à parte, não há razão lógica para o coronavírus nos deixar de lado nossos laços familiares, e é preciso se perguntar por que uma saída como essa é boa em convidar outras pessoas a descartar as partes da vida que – para a maioria de nós – fazem vale a pena viver.

Ambiente,Carvão,Energia,Poluição,Aquecimento Global,Blog do Mesquita

Os 10 maiores riscos globais da próxima década

Muito preocupante. E a maioria continua dizendo que meio ambiente é coisa de “esquerdalha” – quão toscos os que assim argumentam. Talvez seja excesso de alfafa na alimentação – comunistas e outras tais desargumentações.
Eis os 10 maiores riscos globais da próxima década, por probabilidade e impacto, segundo o Fórum Econômico Mundial.
Note bem: clima está em tudo. Mais do que bolha de ativos, ciberataques, armas de destruição em massa.Davos,Clima

Brasil sobe oito posições em ranking de competitividade

País é o mais competitivo entre os Brics e ocupa a 56ª colocação em um grupo de 133 economias

O Brasil subiu oito pontos no ranking de competitividade elaborado anualmente pelo Fórum Econômico Mundial, em parceria no país com a Fundação Dom Cabral, e divulgado nesta terça-feira, 8.

Com esse resultado, o país passa a ocupar a 56ª colocação, em um grupo de 133 economias.

O Relatório de Competitividade Global 2009 mostra que o Brasil melhorou sua posição graças, principalmente, a avanços nos pilares de estabilidade econômica e sofisticação do mercado financeiro. Nos dois casos, o país subiu 13 posições.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]O professor da Fundação Dom Cabral, Carlos Arruda, disse que o Brasil ainda está longe dos “dez mais” do ranking, mas que o país “foi o grande destaque do relatório este ano”.

“Se considerarmos sua dimensão e o fato de o país vir sistematicamente ganhando posições, sem dúvida o Brasil foi o grande destaque este ano”, diz Arruda, que é coordenador da pesquisa no Brasil. Nos últimos três anos, o país subiu 16 posições.

Bric

O Brasil apresentou o melhor desempenho entre os quatro principais países emergentes, os chamados Bric. China e Índia subiram um ponto cada, enquanto a Rússia caiu 12 – aparecendo atrás do Brasil, pela primeira vez.

Cabral afirmou que, no caso brasileiro, houve avanços “importantes” dentro do quesito de estabilidade econômica, mas que o Brasil ainda ocupa uma posição “ruim” nessa categoria (109º lugar).

Ele destacou o crescimento do consumo no país e o controle da inflação como fatores que ajudaram o Brasil a melhorar sua posição nesse quesito.

“Mas esse pilar ainda não é o nosso forte. Se consideramos os juros cobrados pelos bancos, por exemplo, o Brasil fica na 128ª posição”, disse o professor.

O relatório de competitividade considera 12 quesitos. As melhores colocações do Brasil foram registradas em tamanho de mercado (9º lugar) e em ambiente empresarial (32º lugar) – praticamente os mesmos níveis registrados no levantamento de 2008.

Segundo Arruda, também houve ganhos na eficiência do mercado de trabalho (11 posições), que avalia sobretudo a relação entre empregadores e empregados.

Fatores negativos

Apesar do ganho de oito pontos no ranking, o Brasil segue com uma posição ruim em diversos itens, como em estabilidade econômica (109º lugar), eficiência do mercado (99º lugar) e instituições (93º lugar).

Segundo Arruda, quando o assunto é competitividade, o país tem três problemas “endêmicos”, ou seja, fatores onde o Brasil não consegue melhorar sua posição, que são: falta de reformas (entre elas, a tributária); infraestrutura e ética na gestão pública.

“Nesse último quesito, estamos entre os piores do mundo”, diz o professor.

Arruda diz que o levantamento, feito com presidentes de empresas de todo o mundo, considera não apenas as estatísticas de cada país, mas também as percepções desses empresários. Os dados foram coletados entre janeiro e junho deste ano.

O relatório mostra ainda que a crise financeira internacional não teve impacto significativo no ranking. Apesar de os Estados Unidos terem perdido a liderança para a Suíça, não há grandes diferenças entre os dez primeiros da lista.

Fonte: BC Brasil

Fórum de Davos – Brasil passa de vidraça a estilingue

O Brasil, zil,zil, que nas outras edições do Fórum Econômico Mundial foi saco de pancada dos países desenvolvidos. agora, em Davos, passa a ser cortejado como se fosse a “última Coca Cola do deserto”.

Na matéria abaixo, fica claro que, tirando os catastrofistas contumazes e os oposicionistas empedernidos, que torcem pelo pior, a política econômica herdado de FHC e incrementada pelo governo Lula começa a dar frutos.

da Folha de São Paulo
Maria Cristina Frias – Enviada especial a Davos

José Sergio Gabrielli, o presidente da Petrobras, foi escolhido por seus pares das empresas do ramo para presidir a “Cúpula da Energia”, que faz anualmente seu encontro em Davos.
Passará, pois, a coordenar as reuniões do grupo, que conta com as grandes petrolíferas do planeta, estatais ou privadas.

A escolha de Gabrielli é uma óbvia homenagem à empresa que preside, especialmente em foco depois das descobertas no pré-sal. Mas é também um homenagem ao Brasil, que, neste ano, no encontro do Fórum Econômico Mundial, passou nitidamente da velha condição de vidraça para a de estilingue.

Tanto é assim que Ricardo Villela Marino, executivo-chefe para a América Latina do banco Itaú e eleito um dos jovens líderes globais deste ano pelo Fórum, estufou o peito para dizer que “o Brasil e os bancos brasileiros não são parte do problema, são parte da solução”, sendo o mal, como é óbvio, a crise.

Marino lembrou os “bilhões” despejados pelo mundo rico para evitar a quebra de seus bancos e emendou: “Nada disso aconteceu no Brasil”.

Logo depois, Gabrielli tomou a palavra para fazer outra comparação representativa da troca de vidraça por estilingue. Afirmou que não era só no setor bancário que o Brasil tinha algo a ensinar ao mundo rico. “Também em matéria de política fiscal sadia estamos melhor que os Estados Unidos” [cujo déficit cresce a cada hora].

O bordão “política fiscal sadia” foi usado pelo mundo rico anos a fio para passar sermões em empresários e autoridades brasileiros. Que Gabrielli o use agora tem sabor de vingança.

Na sua vez, o chanceler Celso Amorim lembrou, por exemplo, dos US$ 20 bilhões que as empresas brasileiras investiram no exterior, quando, em anos anteriores, empresários e autoridades brasileiras usavam Davos para uma espécie de passada de chapéu, implorando por investimentos externos.

Continue lendo

YouTube aposta em anúncios na internet

Em meio ao catastrofismo que impera no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, o co-fundador do YouTube, Chade Hurley, acredita que a atual crise financeira irá incrementar os negócios na web. Para Chad, que fez palestra para seleta plateia de executivos e autoridades governamentais, para quem souber ousar, a demanda de vídeos na internet aponta para um futuro promissor na publicidade online.

Personalidades,Chad Hurley,YouTube,Internet,PublicidadeChad Hurley – Presidente-executivo do YouTube
Foto: Pascal Lauener/Reuters

O mercado mundial de publicidade em vídeos on-line sairá beneficiado da crise econômica mundial porque as empresas estarão à procura de maneiras mais baratas e mais precisas de promover seus produtos, declarou o co-fundador do YouTube nesta sexta-feira (30), durante o Fórum Econômico Mundial em Davos (Suíça).

Chad Hurley, presidente-executivo da empresa agora controlada pelo Google, disse que o rápido crescimento na demanda por vídeo on-line significava que seu site estava atingindo audiências maiores e comercialmente mais valiosas.

O YouTube cresceu rapidamente e se tornou o maior site de vídeo do mundo, com a oferta de uma deslumbrante variedade de conteúdo que varia de brincadeiras adolescentes a pronunciamentos do Papa Bento 16 e do presidente Barack Obama.

Hurley diz que o site recebe mais de 15 horas de conteúdo em vídeo a cada minuto, e que o número de posts continua a crescer.

“O mercado do vídeo on-line está atingindo massa crítica. Algumas das audiências que atraímos já têm dimensões semelhantes às de televisão”, ele declarou em uma mesa redonda durante a edição deste ano do Fórum Econômico Mundial.

do G1

Decisões inteligentes Continue lendo