Os algoritmos que tomam decisões importantes em sua vida

Milhares de estudantes na Inglaterra estão irritados com o uso controverso de um algoritmo para determinar o GCSE e os resultados A-level deste ano.

Eles não puderam fazer os exames devido ao bloqueio, então o algoritmo usou dados sobre os resultados das escolas nos anos anteriores para determinar as notas.

Isso significa que cerca de 40% dos resultados do nível A deste ano ficaram abaixo do previsto, o que tem um grande impacto sobre o que os alunos são capazes de fazer a seguir. Os resultados do GCSE serão divulgados na quinta-feira.

Existem muitos exemplos de algoritmos que tomam grandes decisões sobre nossas vidas, sem que necessariamente saibamos como ou quando o fazem.

Aqui está uma olhada em alguns deles.

Mídia social

De muitas maneiras, as plataformas de mídia social são simplesmente algoritmos gigantes.

Copyright da imagem GETTY IMAGES

No fundo, eles descobrem no que você está interessado e, em seguida, fornecem mais informações – usando o máximo de pontos de dados que conseguirem.

Cada “gosto”, relógio, clique é armazenado. A maioria dos aplicativos também coleta mais dados de seus hábitos de navegação na web ou dados geográficos. A ideia é prever o conteúdo que você deseja e mantê-lo rolando – e funciona.

E esses mesmos algoritmos que sabem que você gosta de um vídeo de gato fofo também são implantados para vender coisas a você.

Todos os dados que as empresas de mídia social coletam sobre você também podem personalizar anúncios para você de uma maneira incrivelmente precisa.

Mas esses algoritmos podem dar muito errado. Provou-se que eles levam as pessoas a conteúdos odiosos e extremistas. Conteúdo extremo simplesmente faz melhor do que nuances nas redes sociais. E os algoritmos sabem disso.

A própria auditoria de direitos civis do Facebook pediu que a empresa fizesse tudo ao seu alcance para evitar que seu algoritmo “levasse as pessoas a câmaras de eco do extremismo que se auto-reforçam”.

E no mês passado relatamos como algoritmos em sites de varejo online – projetados para descobrir o que você quer comprar – estavam promovendo produtos racistas e odiosos.

Seguro

Copyright da imagem GETTY IMAGES

Quer se trate de casa, carro, saúde ou qualquer outra forma de seguro, sua seguradora tem que avaliar de alguma forma as chances de algo realmente dar errado.

De muitas maneiras, a indústria de seguros foi pioneira no uso de dados sobre o passado para determinar resultados futuros – essa é a base de todo o setor, de acordo com Timandra Harkness, autora de Big Data: Does Size Matter.

Fazer com que um computador fizesse isso sempre seria o próximo passo lógico.

“Os algoritmos podem afetar muito a sua vida, mas você, como indivíduo, não recebe necessariamente muitas informações”, diz ela.

“Todos nós sabemos que se você muda para um código postal diferente, seu seguro sobe ou desce.

“Não é por sua causa, é porque outras pessoas têm mais ou menos probabilidade de ter sido vítimas de crimes, ou de sofrerem acidentes, ou algo assim.”

Inovações como a “caixa preta”, que pode ser instalada em um carro para monitorar como um indivíduo dirige, ajudaram a reduzir o custo do seguro do carro para motoristas cuidadosos que se encontram em um grupo de alto risco.

Poderíamos ver cotações de seguro mais personalizadas à medida que os algoritmos aprendem mais sobre nossas próprias circunstâncias?

“Em última análise, o objetivo do seguro é dividir o risco – então todos colocam [dinheiro] e as pessoas que precisam o retiram”, diz Timandra.

“Vivemos em um mundo injusto, então qualquer modelo que você fizer será injusto de uma forma ou de outra.”

Cuidados de saúde

A Inteligência Artificial está dando grandes saltos em ser capaz de diagnosticar várias condições e até sugerir caminhos de tratamento.

Copyright da imagem GETTY IMAGES

Um estudo publicado em janeiro de 2020 sugeriu que um algoritmo teve um desempenho melhor do que os médicos humanos quando se tratou de identificar o câncer de mama em mamografias.

Policiamento

Copyright da imagem GETTY IMAGES

Big data e aprendizado de máquina têm o potencial de revolucionar o policiamento.

Em teoria, os algoritmos têm o poder de cumprir a promessa da ficção científica de “policiamento preditivo” – usando dados, como onde ocorreu o crime no passado, quando e por quem, para prever onde alocar recursos policiais.

Mas esse método pode criar preconceito algorítmico – e até racismo algorítmico.

“É a mesma situação que você tem com as notas dos exames”, disse Areeq Chowdhury, do think tank de tecnologia WebRoots Democracy.

“Por que você está julgando um indivíduo com base no que outras pessoas fizeram historicamente? As mesmas comunidades estão sempre sobre-representadas”.

No início deste ano, o think tank de defesa e segurança RUSI publicou um relatório sobre policiamento algorítmico.

Levantou preocupações sobre a falta de diretrizes nacionais ou avaliações de impacto. Também exigiu mais pesquisas sobre como esses algoritmos podem exacerbar o racismo.

O reconhecimento facial também – usado pelas forças policiais no Reino Unido, incluindo o Met – também foi criticado.

Por exemplo, tem havido preocupações sobre se os dados que vão para a tecnologia de reconhecimento facial podem tornar o algoritmo racista.

O problema é que as câmeras de reconhecimento facial são mais precisas na identificação de rostos brancos – porque possuem mais dados sobre os rostos brancos.

“A questão é: você está testando isso em um grupo demográfico suficientemente diversificado de pessoas?” Areeq diz.

“O que você não quer é uma situação em que alguns grupos sejam erroneamente identificados como criminosos por causa do algoritmo.”

Entenda como o Facebook relacionou fake news à família Bolsonaro

O Facebook promoveu a remoção de uma rede de contas, páginas e grupos coordenados por funcionários de gabinetes ligados à família do presidente da república, Jair Bolsonaro.

A investigação, que partiu da Atlantic Council’s Digital Forensic Research Lab (DFRLab), descobriu que administradores dessas redes estavam diretamente ligados aos gabinetes dos filhos do presidente, Eduardo e Flávio Bolsonaro e a outros deputados do Partido Social Liberal (PSL).

Em uma publicação no Medium, o DRFLab descreveu como seguiu com as investigações para encontrar e dar baixa à rede de fake news que favorece o presidente, seus filhos e parceiros do seu antigo partido, o PSL. O laboratório precisou identificar padrões de comportamento entre essas milhares de contas inautênticas — observando identidades, seguidores e quem seguiam — para rastrear os administradores das redes de falsas informações.

Das acusações e remoções do Facebook foram 14 páginas e 35 contas pessoais; do Instagram, 38 páginas e um grupo que compunha a rede de fake news ligada ao presidente. Essas entidades apresentavam comportamento sistemático e já atuava nessas redes desde as eleições de 2018.

O perfil “Fábio Muniz” (à esquerda) usou a foto de perfil de outro usuário e defendia tanto Alana Passos (PSL-RJ) quanto Jair Bolsonaro em grupos locais.


Fonte: DRFLab/Reprodução

Rede complexa de desinformação

Segundo o DFRLab, nenhuma das páginas ou contas informava ligação com o presidente, gabinete ou outros deputados do PSL. Parte da rede, inclusive, foi gerada antes do período eleitoral de 2018 e atacava constantemente os adversários do presidente. Depois da vitória nas urnas, a rede se voltou contra as instituições — incluindo o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal — e até atuou contra ex-membros do governo, como Sérgio Moro e Luiz Henrique Mandetta.

O DRFLab descreveu que a rede era centralizada em três diferentes locais: Brasília, Rio de Janeiro e São Bernardo do Campo. Cada uma apresentava um comportamento distinto: a do Rio de Janeiro (a maior entre os centros) e de São Bernardo do Campo concentravam suas atividades na desinformação por meio de contas duplicadas ou fakes; enquanto a de Brasília era voltada à atividade de páginas na rede social e contava com duas contas inautênticas.

A investigação concluiu que dois deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) estavam envolvidos na rede de desinformação carioca, Alana Passos e Anderson Moraes — ambos do PSL-RJ. Posteriormente, a análise do laboratório apontou a conexão entre a rede e dois filhos do presidente, Eduardo e Carlos Bolsonaro. Além deles, o Coronel Nishikawa (PSL-SP), deputado estadual do estado de São Paulo, também foi apontado durante a análise.

Perfis com variações do nome Leonardo apresentavam comportamento coordenado e foram ligados ao deputado Anderson Moraes (PSL-RJ).
Fonte: DRFLab/Reprodução

Envolvimento direto de funcionário do presidente

Tercio Arnaud Tomaz, funcionário do gabinete de Jair Bolsonaro e conhecido administrador da página do Facebook “Bolsonaro Opressor 2.0”, foi identificado como um dos operadores da rede de fake news. Tercio, por sua vez, estava envolvido na comunicação digital de Jair Bolsonaro durante sua campanha eleitoral.

Já sobre Eduardo Bolsonaro, Paulo Eduardo Lopes, um de seus funcionários, foi identificado como um dos mais importantes administradores da rede. Paulo Chuchu, como também é conhecido, é líder do partido Aliança pelo Brasil em São Bernardo do Campo. Em sua conta pessoal, Chuchu afirma que trabalha com a família Bolsonaro há 5 anos.

Essa ação do Facebook e DRFLab é inédita no Brasil e exigiu a colaboração de pesquisadores associados na América Latina. O relatório completo da investigação é público e pode ser conferido na página da Medium da DRFLab (somente em inglês)

Troca de SIM: saiba o que é e como funciona o método de fraude

Você sabia que criminosos podem acessar dados bancários e outros dados pessoais utilizando sua linha telefônica?

Na chamada fraude da troca de SIM, fraudadores conseguem acessar o código de verificação que empresas, plataformas e bancos enviam para smartphones.

Esta técnica, segundo a empresa de segurança ESET, não acontece por conta de alguma falha de segurança nos dispositivos, mas sim da falta de protocolos de verificação quando uma cópia do cartão SIM é solicitada.

Como funciona a fraude?

O primeiro passo do fraudador é usar de técnicas de engenharia social, que é a habilidade de conseguir informações sobre determinada pessoa ou instituição pela persuasão. Desta forma, ele envia diversos e-mails de phishing, se passando por algum banco, por exemplo, e tenta verificar o máximo de informações pessoais da vítima.

Ele também pode enviar um link por e-mail se passando por empresas ou aplicativos reais. Quando o usuário clica no link enviado, ele é redirecionado para sites fraudulentos.

Criminosos podem acessar dados bancários e até contas de redes sociais com a troca de SIM. Crédito: Pixabay

Quando o criminoso está em posse dos dados pessoais da vítima, ele entra em contato ou até vai pessoalmente até a operadora do SIM para reclamar de perda ou dano e, então, solicita um novo número, concretizando a clonagem da linha.

Com o número clonado em mãos ele consegue fazer login em contas bancárias e, assim, fazer transferências ou até solicitar créditos no nome da vítima. Quando a operação é confirmada, o criminoso recebe as mensagens de duplo fator de autenticação no próprio SIM clonado.

Além das contas bancárias, os fraudadores também podem ter controle de contas de serviços online e redes sociais como Facebook, Instagram e TikTok.

Como se proteger?

“Para combater essa ameaça, seria necessário repensar completamente o procedimento de verificação de identidade que muitos bancos e serviços online ainda realizam”, disse o chefe do laboratório de pesquisa da ESET, Camilo Gutiérrez.

“Uma dessas medidas seria entrar em contato com a operadora e garantir que nenhuma clonagem do cartão seja realizada, a menos que solicitada pessoalmente em uma loja ou escritório com um documento que identifique o proprietário da conta”, completou.

Além disso, o usuário também pode tomar algumas precauções para se prevenir desse tipo de fraude, como ter mais cuidado ao revelar informações pessoais por e-mail, evitar usar SMS como a principal forma de autenticação com sua operadora bancária e verificar com a sua empresa de telefonia se novos cartões SIM foram gerados.

Tecnologia,Crimes Cibernéticos,Internet,Redes Sociais,Hackers,Privacidade,Malware,Stalkware,WhatsApp,Facebook,Instagram,Twitter

O dia em que as grandes empresas de tecnologia deixaram de ser intocáveis

Os CEOs da Apple, Amazon, Google e Facebook testemunham juntos pela primeira vez nesta quarta-feira perante o comitê antitruste do Congresso dos EUA.

Chefes do Facebook, Mark Zuckerberg; do Google, Sundar Pichai; Apple, Tim Cook e Amazon, Jeff Bezos, testemunharão juntos pela primeira vez no comitê antitruste do Congresso dos EUA.

 BERTRAND GUAY TOBIAS SCHWARZ ANGELA WEISS MARK RALSTON / AFP

A regulamentação, o principal medo das grandes empresas de tecnologia, está se aproximando todos os dias. Após um ano de investigação, dezenas de entrevistas e centenas de milhares de documentos, os 15 membros do comitê antitruste do Congresso dos Estados Unidos estão prontos para seu maior exame: interrogar os presidentes executivos das quatro principais empresas de tecnologia nesta quarta-feira. Jeff Bezos, da Amazon; Tim Cook da Apple; Sundar Pichai, do Google, e Mark Zuckerberg, do Facebook, terão que se explicar e se defender sobre se suas empresas prejudicam a concorrência e os consumidores. Além do espetáculo, sua capacidade de condenação dependerá em parte se eles merecerem que novas leis regulem suas práticas.

Eles aparecerão juntos, mas o interrogatório será virtual, o que evitará a parafernália emblemática pela qual outras indústrias passaram ao se defender: empresas de tabaco, empresas farmacêuticas ou bancos, após a última crise. A maioria dos americanos acredita que o poder da tecnologia é excessivo e a sensação é de que algo deve ser feito: 77% acreditam que têm muito poder ou 60% acreditam que fazem mais para dividir a sociedade do que para uni-la, de acordo com dados de Gallup.

No entanto, quando perguntados sobre cada empresa em particular, quase todos obtêm uma boa nota, de acordo com dados anuais do meio digital The Verge: cerca de 70% dos americanos confiam na Netflix, Apple e Google, que estão atrás da Microsoft (75% ) e Amazônia (73%). Dos quatro primeiros, apenas o Facebook suspende com 41% de confiança.

O problema dessa longa batalha pela regulamentação não é apenas decidir se o poder de mercado dessas empresas prejudicou os consumidores e limitou seus rivais, mas como remediar a situação sem piorá-la. A principal solução que surge, por ser a mais simples, é quebrá-los: separar o WhatsApp e o Instagram do Facebook, o YouTube do Google ou o Amazon Web Services da Amazon. A situação recente mais semelhante foi a Microsoft há duas décadas e não deu em nada. Mas as soluções que acabam aparecendo também podem ser mais criativas. Nesta quarta-feira, às 18h00, uma longa batalha começou. Acima de tudo, é algo que até agora eles tinham pouca preocupação. Mas os tempos de crescimento como o único guia terminaram.Tecnologia,Internet,Redes sociais

Entre os que aparecem, estará a pessoa mais rica do mundo, Jeff Bezos, e o sétimo, Mark Zuckerberg, de acordo com a lista da Forbes. Zuckerberg também será o mais novo, aos 36 anos e, ao mesmo tempo, o mais velho veterano de aparições no Congresso. Será a quarta vez após suas declarações devido à interferência eleitoral e à privacidade. Para Pichai, 48, e Cook, 59, será o segundo. Apenas Bezos, aos 56 anos, estreará.

Apesar do ritual conjunto e da importância da aparência, os desafios e as estratégias de defesa de cada uma dessas empresas são diferentes. Desinformação, radicalização, comissões exageradas, obtenção ilegítima de dados da competição, decisões aleatórias sobre rivais ou a limitação da oferta são apenas alguns exemplos. Nessas empresas dominantes, há várias razões pelas quais elas podem estar explorando sua posição.

Essas são as críticas que cada uma dessas empresas recebeu. Durante a aparição, no entanto, alguns congressistas provavelmente postarão suas perguntas sobre supostos danos contra causas conservadoras ou outros problemas colaterais para ganhar pontos. No final, isso também é político.

Amazon e a nuvem

A Amazon cresceu mais, se possível, durante a pandemia. Apesar de sua reputação de ser um site de comércio digital, seu serviço de servidor em nuvem para governos e empresas, chamado Amazon Web Services (AWS), também é líder em seu setor.

Mas Bezos não estará perante o Congresso por isso, mas por abusar de seu papel dominante de fornecedor com seus fornecedores e de plataforma para terceiros. O frete grátis pelo Amazon Prime é uma opção tremendamente popular nos EUA, limitando as opções da concorrência. A Amazon possui informações detalhadas sobre o que outros produtos vendem melhor, para que possam ser fabricados com a sua marca. A empresa também controla logicamente a maneira como os produtos são exibidos na web. 49% das pesquisas de produtos começam na Amazon e apenas 22% no Google. A Amazon domina cerca de metade do comércio eletrônico nos EUA.

Apple e sua App Store

O grande debate da Apple está na App Store. Fora da China, Apple e Google, com sua plataforma Android, dominam o mercado global. A empresa Cupertino cobra uma comissão de 30% de todas as vendas de aplicativos e dentro de aplicativos de sua loja online. E publicou um relatório nesta semana em que diz que 30% é padrão no setor, sem notar que a própria empresa era um dos principais fatores desse padrão.

Mas esse não é o único problema da App Store: o Spotify iniciou uma longa guerra com a Apple sobre se a empresa beneficia seu próprio aplicativo, o Apple Music, em sua plataforma. O poder da empresa de Tim Cook se estende além da própria loja: até agora o navegador de seu sistema operacional era, por padrão, o Safari, o navegador da empresa. Com a nova versão de seu sistema, os usuários poderão escolher.

Google e um mecanismo de pesquisa em mudança

O Google é, junto com a Apple, a empresa que deve se defender mais. Seu monopólio nas plataformas móveis é quase inabalável. Além disso, ele ainda domina a pesquisa. Não apenas por causa do Google, mas porque o YouTube é o segundo mecanismo de pesquisa mais usado no mundo. O mecanismo de pesquisa do Google tradicionalmente servia para enviar usuários à web mais útil para sua pesquisa. Esse resultado ideal foi oculto ao longo dos anos sob uma ampla camada de anúncios, mapas, “coisas que as pessoas também procuram” e outros serviços que limitam a aparência dos resultados desejados.

Uma investigação do site de marcação das 15.000 pesquisas mais populares nos EUA resulta em 41% do principal espaço móvel ocupado por resultados oferecidos pelo próprio Google na mesma página, sem a necessidade de clicar para acessar outro site . O que anteriormente era um serviço para o usuário acessar o site mais adequado para sua pesquisa se tornou um espaço para o Google tentar fazer com que o usuário seguisse o Google.

O Google também possui uma plataforma essencial para colocar anúncios em sites, no navegador principal (Chrome) e na maior plataforma de vídeo (Youtube). Além disso, seu papel no Android oferece uma capacidade incrível de pressionar quando se trata de saber como outros aplicativos são usados ​​ou pressionar os desenvolvedores a usarem seu mecanismo de pesquisa em aplicativos.

Facebook e a desculpa perfeita

A empresa de Zuckerberg tem sido a mais analisada e odiada nos últimos anos. Seu principal serviço, o Facebook, é amplamente utilizado em todo o mundo, mas também tem sido um centro de críticas por razões tão diversas e terríveis quanto o suposto facilitador de genocídio ou trapaça eleitoral. Ao contrário do Amazon ou do Gmail, milhões de usuários veem o Facebook como uma ferramenta para espalhar desinformação e causar desunião, em vez de conectar pessoas.

A futura integração de mensagens diretas do Messenger, Instagram e WhatsApp provavelmente será uma das chaves para a aparência. Zuckerberg é claro, no entanto, sua desculpa perfeita hoje: TikTok. Se as empresas americanas que competem nas mídias sociais forem fragmentadas, elas terão mais dificuldade em competir com seus novos rivais, que também são chineses.

A luta anônima de três brasileiros contra sites de fake news

Atuando no anonimato desde maio, idealizadores do movimento Sleeping Giants Brasil estimam ter feito com que páginas propagadoras de notícias falsas tenham deixado de embolsar R$ 448 mil por mês.Fake News,Redes Sociais,Internet,Blog do Mesquita

Twitter e fake news

Em pouco menos de dois meses, Sleeping Giants Brasil acumulou 377,4 mil seguidores no Twitter

Principal plataforma de anúncios da internet, o Google Adsense é o que garante a saúde financeira de boa parte dos sites campeões de audiência mundo afora. E é justamente por meio desse sistema que ativistas do movimento Sleeping Giants Brasil pretendem sufocar propagadores de notícias falsas e fomentadores de discurso de ódio.

Inspirados pelo Sleeping Giants original – criado por um publicitário americano e em operação desde 2016 –, três brasileiros decidiram criar uma versão tupiniquim do movimento em 18 de maio deste ano. Passaram, então, a mirar os esforços em conhecidos sites de fake news, expondo publicamente, via redes sociais, empresas que apareciam como anunciantes nessas páginas, via AdSense.

Pelo sistema do Google, as empresas podem criar uma lista com todos os sites nos quais não querem aparecer de forma alguma. Essa é a ideia do Sleeping Giants: pressionar os anunciantes para que incluam sites de notícias falsas em suas listas e, assim, estes sejam desmonetizados.

A ideia parece estar funcionando. De acordo com balanço fornecido por um dos criadores do movimento, no primeiro mês de atividade o Sleeping Giants Brasil conseguiu que páginas propagadoras de fake news deixassem de embolsar 448 mil reais. O grupo contava com 377,4 mil seguidores no Twitter na manhã desta segunda-feira (13/07) e, no Instagram, com 126 mil seguidores, além de estar presente no Facebook e no Linkedin.

Por temerem ameaças como as sofridas pelo criador da versão original e sua família nos Estados Unidos, os idealizadores do projeto brasileiro não dão nenhuma pista de suas identidades. Eles só toparam conversar via mensagens diretas no Twitter, não aceitando passar nenhuma outra forma de contato.

Segundo eles, na maior parte das vezes, depois da exposição pública, as empresas respondem ao perfil e se comprometem a incluir os sites reconhecidos como propagadores de notícias falsas na lista de exclusão da plataforma AdSense.

“Recebemos mais de 400 respostas [de empresas anunciantes] em apenas um mês e meio de atuação”, afirmam. “Muitas empresas estão aderindo ao movimento, se conscientizando e passando a analisar melhor a forma como promovem sua publicidade e cedem espaços a perfis que promovem a desinformação e o ódio.”

Em um conturbado cenário político como o brasileiro atual, marcado por uma acirrada polarização, o grupo tem sido criticado por apoiadores do governo do presidente Jair Bolsonaro. O deputado federal Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do presidente, classificou o Sleeping Giants como “a nova forma de censurar a direita”.Whatsapp,Facebook,Fakenews,Educação,Analfabetismo,Redes Sociais,Internet

“Somos contra todos os disseminadores de fake news e discursos odiosos, e sabemos que isso independe de espectro político”, defendem-se os idealizadores. “Mas no atual momento, a extrema direita concentra poder se utilizando de conteúdos falsos e odiosos. Além de que, em meio a uma pandemia, propagar desinformação é extremamente perigoso, visto que estamos falando de vidas sendo perdidas.”

Gigantes na mira

Os criadores do Sleeping Giants Brasil afirmam que os alvos são escolhidos com base na “proporção, relevância e alcance” de seus sites.

A partir de uma lista de empresas fornecida pelos criadores, a reportagem da DW Brasil buscou contato com Americanas, Nike, Spotify e MRV, as quatro mencionadas em primeiro lugar e que não responderam ao grupo, mesmo diante de constantes exposições públicas no Twitter. Nenhuma delas retornou o pedido de posicionamento da reportagem.

A DW Brasil apurou, contudo, que algumas das empresas expostas estão bloqueando sites de fake news de sua lista do AdSense, ainda que prefiram não assumir isso publicamente. Mais que isso, há empresas que, cientes da atuação do Sleeping Giants Brasil, estão se antecipando a uma provável exposição pública e adicionando sites propagadores de fake news a sua lista de exclusão da plataforma do Google.

“A liberdade de expressão é um direito de todos, não estamos aqui para contrariar isso”, afirmam os ativistas. “O movimento busca alertar as empresas de que estão contribuindo com o discurso de ódio e a desinformação, mas cabe a elas a escolha de retirar ou não seu anúncio do site. Só queremos seu posicionamento.”

Trabalho de formiguinha

E por que então não mirar os esforços diretamente na Google, em vez de fazer o trabalho de formiguinha? Segundo os idealizadores do Sleeping Giants, cobrar a responsabilidade da empresa de tecnologia não traria resultados.

“As grandes plataformas são, sim, responsáveis pelo espaço dado a disseminadores de conteúdos falsos e odiosos, mas é muito difícil ganharmos a atenção delas”, argumentam. “Em quatro anos de existência do perfil americano, nenhuma das grandes plataformas tomou medidas ou contatou o Sleeping Giants. Mas esperamos que isso mude e que elas entendam a responsabilidade que têm quando não há um selecionamento criterioso do que admitem ou não no ambiente virtual.”

Procurado pela Dw Brasil, o escritório da Google no Brasil se posicionou via assessoria de imprensa. “Temos políticas rígidas que limitam os tipos de conteúdo nos quais exibimos anúncios, como a que não permite que publishers busquem enganar o usuário sobre sua identidade ou produtos. Quando uma página ou site viola nossas políticas, tomamos medidas imediatas e removemos sua capacidade de gerar receita”, disse a empresa, em nota.

“Entendemos que os anunciantes podem não desejar seus anúncios atrelados a determinados conteúdos, mesmo quando eles não violam nossas políticas, e nossas plataformas oferecem controles robustos que permitem o bloqueio de categorias de assuntos e sites específicos, além de gerarem relatórios em tempo real sobre onde os anúncios foram exibidos”, acrescentou.

A Google afirmou que, apenas em 2019, encerrou mais de 1,2 milhão de contas e retirou anúncios de mais de 21 milhões de páginas “por violação de políticas”.

Bolsonaro,Amazônia,Poluição,Desmatamento,Garimpo,Meio Ambiente,Brasil

Entenda como o Facebook relacionou fake news à família Bolsonaro

O Facebook anunciou a remoção de uma rede de contas, páginas e grupos coordenados por funcionários de gabinetes ligados à família do presidente da república, Jair Bolsonaro.

A investigação, que partiu da Atlantic Council’s Digital Forensic Research Lab (DFRLab), descobriu que administradores dessas redes estavam diretamente ligados aos gabinetes dos filhos do presidente, Eduardo e Flávio Bolsonaro e a outros deputados do Partido Social Liberal (PSL).

Em uma publicação no Medium, o DRFLab descreveu como seguiu com as investigações para encontrar e dar baixa à rede de fake news que favorece o presidente, seus filhos e parceiros do seu antigo partido, o PSL. O laboratório precisou identificar padrões de comportamento entre essas milhares de contas inautênticas — observando identidades, seguidores e quem seguiam — para rastrear os administradores das redes de falsas informações.

Das acusações e remoções do Facebook foram 14 páginas e 35 contas pessoais; do Instagram, 38 páginas e um grupo que compunha a rede de fake news ligada ao presidente. Essas entidades apresentavam comportamento sistemático e já atuava nessas redes desde as eleições de 2018.

O perfil

O perfil “Fábio Muniz” (à esquerda) usou a foto de perfil de outro usuário e defendia tanto Alana Passos (PSL-RJ) quanto Jair Bolsonaro em grupos locais.Fonte: DRFLab/Reprodução

Rede complexa de desinformação

Segundo o DFRLab, nenhuma das páginas ou contas informava ligação com o presidente, gabinete ou outros deputados do PSL. Parte da rede, inclusive, foi gerada antes do período eleitoral de 2018 e atacava constantemente os adversários do presidente. Depois da vitória nas urnas, a rede se voltou contra as instituições — incluindo o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal — e até atuou contra ex-membros do governo, como Sérgio Moro e Luiz Henrique Mandetta.

O DRFLab descreveu que a rede era centralizada em três diferentes locais: Brasília, Rio de Janeiro e São Bernardo do Campo. Cada uma apresentava um comportamento distinto: a do Rio de Janeiro (a maior entre os centros) e de São Bernardo do Campo concentravam suas atividades na desinformação por meio de contas duplicadas ou fakes; enquanto a de Brasília era voltada à atividade de páginas na rede social e contava com duas contas inautênticas.

A investigação concluiu que dois deputados da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) estavam envolvidos na rede de desinformação carioca, Alana Passos e Anderson Moraes — ambos do PSL-RJ. Posteriormente, a análise do laboratório apontou a conexão entre a rede e dois filhos do presidente, Eduardo e Carlos Bolsonaro. Além deles, o Coronel Nishikawa (PSL-SP), deputado estadual do estado de São Paulo, também foi apontado durante a análise.

Perfis com variações do nome Leonardo apresentavam comportamento coordenado e foram ligados ao deputado Anderson Moraes (PSL-RJ).
Perfis com variações do nome Leonardo apresentavam comportamento coordenado e foram ligados ao deputado Anderson Moraes (PSL-RJ).Fonte: DRFLab/Reprodução

Envolvimento direto de funcionário do presidente

Tercio Arnaud Tomaz, funcionário do gabinete de Jair Bolsonaro e conhecido administrador da página do Facebook “Bolsonaro Opressor 2.0”, foi identificado como um dos operadores da rede de fake news. Tercio, por sua vez, estava envolvido na comunicação digital de Jair Bolsonaro durante sua campanha eleitoral.

Já sobre Eduardo Bolsonaro, Paulo Eduardo Lopes, um de seus funcionários, foi identificado como um dos mais importantes administradores da rede. Paulo Chuchu, como também é conhecido, é líder do partido Aliança pelo Brasil em São Bernardo do Campo. Em sua conta pessoal, Chuchu afirma que trabalha com a família Bolsonaro há 5 anos.

Essa ação do Facebook e DRFLab é inédita no Brasil e exigiu a colaboração de pesquisadores associados na América Latina. O relatório completo da investigação é público e pode ser conferido na página da Medium da DRFLab  página da Medium da DRFLab (somente em inglês).

Coronavírus dos meios de transporte da Peste Negra para a Amazon com a cobertura-19: mostra as pandemias impulsivas às megacorporações

Em plena Idade Média na Europa, em junho de 1348, os cidadãos da Inglaterra começaram a ter sintomas misteriosos. No início, eram leves e difusas: dor de cabeça, mal-estar e náusea.

“O triunfo da morte” representa o que aconteceu no século XIV.

Isso foi seguido pelo aparecimento de inchaços negros dolorosos, ou bolhas, que cresceram nas axilas e na virilha, que deram à doença o nome: peste bubônica.

O último estágio da infecção foi febre alta e morte.

Originados na Ásia Central, soldados e caravanas trouxeram as bactérias que causavam o vírus, a Yersina pestis, e que carregavam pulgas que viviam em ratos, aos portos do Mar Negro.

O comércio de mercadorias no Mediterrâneo causou a rápida transmissão da praga, através de navios mercantes que chegaram primeiro na Itália e depois em toda a Europa.

A Peste Negra matou entre um terço e meio da população da Europa e do Oriente Médio.

Esse grande número de mortes foi acompanhado por devastação econômica geral.

“A alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo. Ele continuará sendo capitalismo, mas não será visto como tal.”
Desde que um terço da força de trabalho morreu, as colheitas foram deixadas sem coleta e as conseqüências para as comunidades que nelas viviam foram devastadoras.

Uma em cada dez cidades da Inglaterra (como muitas na Toscana e outras regiões da Itália) desapareceu e nunca foi re-fundada.

As casas se tornaram ruínas e estavam cobertas de grama e sujeira. Somente as igrejas foram deixadas de pé.

Portanto, se você se deparar com uma igreja ou capela solitária no meio do campo, é provável que esteja vendo os últimos remanescentes de uma das aldeias perdidas da Europa.

Havia uma cidade ao redor daquela igreja em ruínas?

A experiência traumática da Peste Negra, que matou talvez 80% das pessoas infectadas, levou muitas pessoas a escrever para entender o que haviam experimentado.

Em Aberdeen, John de Fordun, um cronista escocês, registrou que:

“A doença afetou a todos, mas principalmente as classes média e baixa, raramente os nobres.”

“Isso gerou tanto horror que as crianças não ousaram visitar seus pais moribundos, nem os pais seus filhos, mas fugiram por medo de contágio, como lepra ou cobra”.

Essas linhas quase poderiam ter sido escritas hoje.

Yuval Noah Harari: “Esta não é a peste negra. Não é como se as pessoas morressem e não tivéssemos ideia do que as mata”
Embora a taxa de mortalidade da covid-19 seja muito menor que a da Peste Negra, as consequências econômicas foram severas devido à natureza globalizada e altamente integrada das economias modernas.

E, como isso foi adicionado à mobilidade da população, a pandemia se espalhou pelo mundo em questão de meses, não anos.

Mão de obra

Embora a Peste Negra tenha causado danos econômicos a curto prazo, as consequências a longo prazo foram menos óbvias.

Antes de começar a se espalhar, o crescimento da população havia causado um excedente de trabalho há séculos, que foi abruptamente substituído por uma escassez de mão-de-obra quando muitos servos e camponeses livres morreram.

Os historiadores argumentam que essa escassez de mão-de-obra permitiu que os camponeses que sobreviveram à pandemia exigissem melhores salários ou procurassem emprego em outro lugar.

Apesar da resistência do governo, a epidemia corroeu o sistema feudal.

Muita literatura foi escrita sobre o que aconteceu com a peste negra.

Mas outra conseqüência da Peste Negra foi a ascensão de empresários ricos e o estreitamento dos laços entre governos e o mundo dos negócios.

Embora a doença tenha causado perdas de curto prazo para as maiores empresas da Europa, elas concentraram seus ativos no longo prazo e permaneceram com uma participação maior no mercado, enquanto aumentavam sua influência nos governos.

Isso tem fortes paralelos com a situação atual em muitos países do mundo.

Embora as pequenas empresas dependam do apoio do governo para evitar o colapso, muitas outras, principalmente as maiores ou aquelas que entregam em casa, estão se beneficiando generosamente das novas condições do mercado.

O que a peste negra pode nos ensinar sobre as conseqüências econômicas globais de uma pandemia.
A economia de meados do século XIV e hoje são muito diferentes em tamanho, velocidade e interconexão para fazer comparações exatas.

Mas certamente podemos ver paralelos com a forma como a Peste Negra fortaleceu o poder do Estado e acelerou o domínio do domínio das megacorporações sobre os principais mercados.

O negócio da morte

A perda repentina de pelo menos um terço da população da Europa não levou a uma redistribuição uniforme da riqueza para todos os outros.

Em vez disso, as pessoas reagiram à devastação mantendo dinheiro dentro da família.

A peste negra matou de 75 a 200 milhões de pessoas em todo o mundo.
Ao mesmo tempo, o declínio do feudalismo e o surgimento de uma economia baseada em salários, seguindo as demandas camponesas por melhores condições de trabalho, beneficiaram as elites urbanas.

O pagamento em dinheiro, e não em espécie (na concessão de privilégios como o direito de coletar lenha) significava que os camponeses tinham mais dinheiro para gastar nas cidades.

Essa concentração de riqueza acelerou bastante uma tendência pré-existente: o surgimento de empresários mercantes que combinavam o comércio de bens com sua produção em uma escala disponível apenas para aqueles com quantidades significativas de capital.

Por exemplo, a seda, uma vez importada da Ásia e Bizâncio, agora era produzida na Europa.

Mercadores italianos ricos começaram a abrir oficinas de seda e tecido.

Esses empresários estavam em uma posição única para responder à súbita falta de mão-de-obra causada pela Peste Negra.

Diferentemente dos tecelões independentes, que careciam de capital, e diferentemente dos aristocratas, cuja riqueza vinha da terra, os empresários urbanos podiam usar seu capital líquido para investir em novas tecnologias, compensando a perda de trabalhadores com máquinas.

Paradoxalmente, ao reduzir a população, a vida dos sobreviventes melhorou.
No sul da Alemanha, que se tornou uma das áreas mais comercializadas da Europa nos séculos 14 e 15, empresas como a Welser (que mais tarde administrou a Venezuela como colônia privada) combinaram o cultivo de linho com posse dos teares.

Nesses teares, o linho era trabalhado para produzir um tecido que a empresa posteriormente vendeu.

Após a Peste Negra, nos séculos XVI e XV, a tendência era de poucas empresas concentrarem todos os recursos: capital, habilidades e infraestrutura.

A era da Amazon

Avançando para o presente, existem algumas semelhanças claras.

Certas grandes organizações aproveitaram as oportunidades oferecidas pela pandemia da covid-19.

Em muitos países, pequenos restaurantes, bares e lojas fecharam subitamente.

O mercado de alimentos, o varejo em geral e o entretenimento tornaram-se digitais e o dinheiro praticamente desapareceu.

Com os restaurantes fechados, grande parte desse suprimento de alimentos foi absorvida pelas redes de supermercados.

A Amazon é vista como um dos vencedores da pandemia.
Eles têm muitas áreas de vendas e muitos funcionários, além da capacidade de acelerar a contratação e no momento em que muitas pessoas ficam sem emprego.

Eles também têm armazéns, caminhões e capacidade logística complexa.

O outro grande vencedor foram os gigantes do varejo on-line, como a Amazon, que possui serviços de vendas de alimentos nos Estados Unidos, Índia e em muitos países europeus.

Quem está ganhando dinheiro com o coronavírus?

As lojas do nível da rua sofrem com a concorrência de preços e a conveniência da Internet há anos, tornando comuns as notícias de fechamentos e falências.

Empresas em ascensão

Agora, grande parte do espaço de negociação “não essencial” está encerrado, e nossos desejos só podem ser realizados através da Amazon, eBay, Argos, Screwfix e outros.

Houve um claro aumento nas compras on-line, e os analistas se perguntam se essa é uma reviravolta definitiva no mundo virtual e demonstra maior domínio das grandes corporações.

A indústria de streaming de entretenimento, um setor de mercado dominado por grandes corporações como Netflix, Amazon Prime (novamente), Disney e outras, nos mantém distraídos enquanto aguardamos nossos pacotes em casa.

Outros gigantes online como Google (dono do YouTube), Facebook (dono do Instagram) e Twitter fornecem as outras plataformas que dominam o tráfego da Internet.

A paralisação das atividades pelo coronavírus elevou o número de desempregados nos Estados Unidos para 22 milhões.

Pandemias do governo

No nível estadual, a Peste Negra provocou uma aceleração da centralização, aumento de impostos e dependência do governo de grandes empresas.

Na Inglaterra, o declínio no valor da terra e a consequente queda na renda levaram a Coroa, o maior proprietário de terras do país, a tentar limitar os salários aos níveis anteriores à Peste Negra com o Estatuto dos Trabalhadores de 1351, e impor impostos adicionais à população.

Anteriormente, os governos se financiavam e impunham impostos para despesas extraordinárias, como guerras.

Mas os impostos estabelecidos após a Peste Negra estabeleceram um precedente importante para a intervenção do governo na economia.

Esses esforços do governo resultaram em um aumento significativo na participação da Coroa na vida cotidiana.

Nos surtos subsequentes de peste, que ocorreram a cada 20 anos ou mais, o movimento das populações foi restringido por toque de recolher, proibição de viagens e quarentena.

“Obrigado, tio Sam”: os US $ 1.200 que os EUA paga milhões de pessoas para combater o impacto econômico do coronavírus.
Isso fez com que o Estado concentrasse ainda mais poder e substituísse a distribuição regional de autoridade por uma burocracia centralizada.

Muitos dos homens que dirigiram o governo após a praga, como o poeta Geoffrey Chaucer, vieram de famílias mercantes inglesas, algumas das quais ganharam poder político.

Detalhe de uma tapeçaria florentina com dois anjos segurando o brasão de Médici.

O exemplo mais proeminente disso foi o da família De la Pole, que em duas gerações passou de comerciante de lã a detentor do título de Suffolk County.

Com o colapso temporário do comércio e das finanças internacionais após a Peste Negra, Richard de la Pole se tornou o maior prestamista da Coroa e amigo íntimo de Richard II.

Quando as megaempresas italianas reapareceram nos séculos 14 e 15, também se beneficiaram da crescente dependência da coroa de empresas comerciais.

A família Medici, que acabou governando Florença, é o exemplo mais impressionante.

Os comerciantes também ganharam influência política comprando terras, cujo preço havia caído após a Peste Negra.

Possuir terras permitiu que se tornassem nobres e aristocratas e casassem seus filhos com os filhos de senhores com problemas de liquidez.

Com seu novo status e com a ajuda de sogros influentes, as elites urbanas ganharam representação política no Parlamento.

No final do século XIV, o controle estatal do governo e seus estreitos laços com empresas mercantis levaram muitos nobres a se voltar contra Ricardo II.

Depois que Ricardo II levantou impostos para arrecadar dinheiro para continuar sua campanha no exterior, os camponeses pegaram em armas em 1381.

Eles transferiram sua lealdade ao primo, que se tornou Henrique IV, na (vã) esperança de que ele não seguisse as políticas de Ricardo.

Isso e as subsequentes Guerras das Rosas foram impulsionadas em parte pela hostilidade da nobreza em relação à centralização do poder do governo.

A derrota de Enrique a Ricardo III em 1485 não apenas terminou a guerra, mas anulou qualquer tentativa da nobreza inglesa de recuperar a autoridade regional, abrindo caminho para o crescimento contínuo das empresas e do governo central.

O estado em que estamos

O poder do estado é algo que assumimos amplamente no século XXI.

Em todo o mundo, a idéia de nação soberana tem sido central na política e na economia imperiais nos últimos séculos.

Mas a partir da década de 1970, tornou-se comum os intelectuais sugerirem que o Estado era menos importante, seu monopólio sobre o controle do território começou a ser disputado por empresas multinacionais.

Em 2016, das 100 maiores entidades econômicas, 31 eram países e 69 eram empresas.

O Walmart era maior que a economia da Espanha, a Toyota, maior que a da Índia.

A capacidade dessas grandes empresas de influenciar políticos e reguladores já foi clara o suficiente: basta olhar para o papel das empresas de petróleo em negar as mudanças climáticas.

E que Margaret Thatcher, primeira ministra do Reino Unido de 1979 a 1990, declarou que pretendia “reverter o Estado” também trouxe mudanças.

Desde então, mais e mais ativos que antes eram estatais começaram a ser operados como empresas ou como agentes privados em um mercado regulamentado pelo estado.

Aproximadamente 25% do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, por exemplo, possui contratos com o setor privado.

O sistema de saúde do Reino Unido tem sofrido muita pressão durante a pandemia – Direitos autorais da imagem GETTY IMAGES

Em todo o mundo, transportes, serviços públicos, telecomunicações, dentistas, oftalmologistas, correios e muitos outros serviços costumavam ser monopólios estatais e agora são administrados por empresas.

É comum ouvir-se que as indústrias nacionalizadas ou estatais são lentas e precisam de disciplina no mercado para se tornarem mais modernas e eficientes.

Mas, graças ao coronavírus, o estado voltou novamente como um tsunami.

Seus gastos foram direcionados aos sistemas nacionais de saúde, abordaram os problemas dos sem-teto, forneceram renda básica universal para milhões de pessoas e ofereceram garantias de empréstimos ou pagamentos diretos a um grande número de empresas.

Essa é a economia keynesiana de larga escala, na qual os títulos nacionais são usados ​​para emprestar dinheiro lastreado em impostos futuros dos contribuintes.

As idéias sobre o equilíbrio orçamentário parecem ser, por enquanto, históricas, dado o número de setores que dependem de resgates públicos.

Políticos de todo o mundo tornaram-se repentinamente intervencionistas, usando metáforas da época da guerra para justificar gastos gigantescos.

Também não se fala muito da restrição surpreendente das liberdades pessoais. A autonomia do indivíduo é fundamental para as idéias neoliberais.

Os “povos amantes da liberdade” contrastam com aqueles que vivem suas vidas sob o jugo da tirania, de estados que exercem poderes de vigilância como um Big Brother sobre o comportamento de seus cidadãos.

Quase metade da população da Inglaterra desapareceu devido à peste negra.

No entanto, nos últimos meses, estados ao redor do mundo restringiram o movimento para a grande maioria das pessoas e estão usando a polícia e as forças armadas para impedir multidões em espaços públicos e privados.

Teatros, bares e restaurantes estão fechados.

Também parques estão fechados, e até sentar em bancos pode motivo para levar uma multa, ou bem correr muito perto de alguém.

Um rei medieval ficaria impressionado com esse nível de autoritarismo.

O poder do Estado está agora sendo exercido de maneiras nunca vistas desde a Segunda Guerra Mundial, e tem havido amplo apoio público a ele.

Resistência popular

Para retornar à Peste Negra, o crescimento da riqueza e a influência de comerciantes e grandes empresas agravaram seriamente o sentimento anti-comércio que já existia.

O pensamento medieval, intelectual e popular, sustentava que o comércio era moralmente suspeito e que os comerciantes, especialmente os ricos, eram propensos à ganância.

A Peste Negra foi amplamente interpretada como a punição de Deus pelo pecado da Europa, e muitos escritores pós-epidêmicos culparam a Igreja, os governos e as empresas ricas pelo declínio moral da cristandade.

O famoso poema de protesto de William Langland, Piers Plowman (“Peter, o Labrador”), era fortemente anti-comercialista.

Lutero ficou indignado com o monopólio da Igreja Católica.

Outras obras, como o poema de meados do século XV, o Libelle de Englysche Polycye, toleraram o comércio, mas o desejavam nas mãos dos comerciantes ingleses e fora do controle dos italianos, que, segundo o autor, empobreceram o país.

Com o avanço dos séculos XIV e XV, e as corporações ganharam maior participação no mercado, a hostilidade popular e intelectual aumentou. A longo prazo, isso teria resultados incendiários.

Já no século XVI, a concentração do comércio e das finanças nas mãos das empresas havia se tornado um monopólio próximo dos bancos reais e papais.

Essas empresas também tinham o monopólio ou quase as principais matérias-primas da Europa, como prata, cobre e mercúrio, e importações da Ásia e das Américas, principalmente especiarias.

Martin Luther (o teólogo que promoveu a reforma religiosa na Alemanha e cujos ensinamentos foram inspirados pela Reforma Protestante) ficou indignado com essa concentração e principalmente com o monopólio da Igreja Católica.

Em 1524, ele publicou um tratado argumentando que o comércio deveria ser conduzido em nome do bem comum (alemão) e que os comerciantes não deveriam cobrar preços altos por seus produtos.

Este sinal foi colocado em cemitérios para alertar sobre a Peste Negra.

Juntamente com outros escritores protestantes, como Philip Melancthon e Ulrich von Hutten, Luther apontou o sentimento anti-mercado existente de criticar a influência dos negócios no governo, acrescentando injustiça financeira ao seu pedido de reforma religiosa.

Max Weber associou o protestantismo ao surgimento do capitalismo e do pensamento econômico moderno.

(Recomendo a leitura de “A ética Protestante e O Espírito do Capitalismo”, de Weber)

Mas os primeiros escritores protestantes se opuseram às corporações multinacionais e à comercialização de suprimentos básicos, apontando para o sentimento anti-comercial que teve suas raízes na Peste Negra.

Essa oposição popular e religiosa acabou levando à ruptura com Roma e à transformação da Europa.

Pequeno é sempre bom?

No século 21, nos acostumamos à idéia de que as empresas capitalistas produzem concentrações de riqueza.

Quer se trate de industriais vitorianos, aristocracia, ladrões americanos ou bilionários pontocom, as desigualdades geradas pelos negócios e a capacidade de corromper governos moldaram o debate comercial desde a revolução industrial.

Para os críticos, as grandes empresas costumam ser caracterizadas como cruéis.

Um gigante que esmaga as pessoas comuns sob as rodas de suas máquinas ou extrai vampiricamente os lucros do trabalho das classes trabalhadoras.

Como vimos, o debate entre pequenas empresas locais e aqueles que favorecem corporações e poder estatal remonta há muitos séculos.

Poetas e radicais românticos lamentavam como os “moinhos satânicos escuros” estavam destruindo o campo e produzindo pessoas que nada mais eram do que apêndices em máquinas.

As populações dos países ocidentais foram alimentadas por grandes redes de supermercados durante a pandemia.

A idéia de que o artesão honesto estava sendo substituído pelo empregado alienado, um escravo assalariado, é comum tanto aos críticos nostálgicos quanto aos progressistas do capitalismo primitivo.

Na década de 1960, a fé nos negócios locais, combinada com suspeitas sobre empresas e o estado, deu origem a movimentos ecológicos, como o Occupy ou o Extinction Rebellion.

Consumir comida local, usar dinheiro local e tentar aumentar o poder de compra de “instituições âncoras”, como hospitais e universidades, em direção a pequenas empresas sociais tornou-se o senso de muitos ativistas econômicos contemporâneos.

Mas a crise do covid-19 questiona esse “pequeno é bom e grande é ruim” de algumas maneiras fundamentais.

Do Washington Post a uma cadeia de supermercados: os tentáculos do império de Jeff Bezos além da Amazon.

Parece ser necessário uma organização em larga escala para lidar com a grande variedade de problemas que o vírus gerou, e os estados que parecem ter tido mais sucesso são aqueles que adotaram as formas mais intervencionistas de vigilância e controle.

Até o mais ardente pós-capitalista teria que reconhecer a incapacidade das pequenas empresas sociais de equipar um hospital gigantesco em poucas semanas.

E, embora existam muitos exemplos de empresas locais envolvidas na entrega de alimentos e uma quantidade louvável de ajuda ao cidadão, a população dos países ocidentais está sendo amplamente alimentada por redes de supermercados com operações logísticas complexas.

Após o coronavírus

O resultado a longo prazo da Peste Negra foi o fortalecimento do poder das grandes empresas e do Estado. Os mesmos processos ocorreram durante a quarentena de coronavírus e muito mais rápidos.

Mas devemos ser cautelosos com as fáceis lições históricas.

A história nunca se repete realmente.

As circunstâncias de cada época são únicas e simplesmente não é aconselhável tomar as “lições” da história como experimentos que testam certas leis gerais.

O coronavírus não matará um terço de qualquer população, portanto, embora seus efeitos sejam profundos, eles não causarão a mesma escassez de trabalhadores. Na verdade, reforçou o poder dos empregadores.

A diferença mais profunda é que a causada pelo vírus coincide com outra crise, a das mudanças climáticas.

Existe um risco real de que as políticas de recuperação econômica simplesmente substituam a necessidade de reduzir as emissões de carbono.

Este é o cenário de pesadelo, em que o covid-19 é apenas um prenúncio de algo muito pior.

O coronavírus está afetando o planeta.

Mas as enormes mobilizações de pessoas e dinheiro que governos e empresas implementaram também mostram que as grandes organizações podem se reformar e ao mundo notavelmente rapidamente, se quiserem.

Isso fornece um motivo real de otimismo em relação à nossa capacidade coletiva de redesenhar a produção de energia, transporte, sistemas alimentares e muito mais – o novo acordo ecológico que muitos formuladores de políticas têm patrocinado.

A Peste Negra e o covid-19 parecem ter causado a concentração e centralização dos negócios e do poder do Estado.

É interessante saber disso.

Mas a questão mais importante é se essas forças podem ajudar a combater a crise que se aproxima.

Eleanor Russell é Doutor em História na Universidade de Cambridge e Martin Parker é professor na Universidade de Bristol, ambos no Reino Unido.

Tecnologia,Crimes Cibernéticos,Internet,Redes Sociais,Hackers,Privacidade,Malware,Stalkware,WhatsApp,Facebook,Instagram,Twitter

Twitter bane mais de 170 mil perfis ligados ao governo da China

Segundo a rede social, perfis disseminavam informações falsas para difamar movimento pró-democracia em Hong Kong e espalhar críticas aos EUA e Taiwan.

Contas também publicavam notícias falsas sobre pandemia de covid-19.

Twitter cancelou mais de 170 mil perfis associados a campanhas chinesas de desinformação

O Twitter informou nesta sexta-feira (12/06) que cancelou mais de 170 mil perfis ligados ao governo da China que propagavam campanhas de desinformação que tinham como alvo o movimento pró-democracia em Hong Kong, além de disseminar propagandas antiamericanas.

Após uma análise realizada juntamente com grupos de pesquisadores, o Twitter disse que desmantelou redes associadas ao governo chinês administradas por um núcleo bastante ativo de 23.750 contas, além de outros 150 mil perfis que funcionavam como “amplificadores” desse conteúdo.

“Eles tuitavam predominantemente no idioma chinês e disseminavam narrativas geopolíticas favoráveis ao Partido Comunista da China, ao mesmo tempo em que empurravam narrativas sobre a dinâmica política em Hong Kong”, afirmou a rede social em sua análise.

O Twitter foi banido na China, assim como as plataformas Youtube, Google, Instagram e Facebook, com a imposição do chamado “Grande Firewall”, que restringe o acesso a sites de notícias e de informação de fora do país. Mesmo assim, diplomatas chineses e a imprensa estatal do país costumam recorrer a esses meios para difundir a narrativa de Pequim.

Além de disseminar a narrativa chinesa sobre os protestos em Hong Kong, os tuítes chineses também espalhavam informações falsas sobre a pandemia de covid-19 e críticas ao governo de Taiwan. Analistas e alguns governos ocidentais já vinham alertando sobre as suspeitas de que a China manipula perfis e contas controladas pelo Estado, disfarçados de usuários normais, para disseminar os pontos de vista do governo e espalhar desinformação.

Um analista do Instituto Australiano de Políticas Estratégicas (Aspi), que estudou os dados antes do anúncio feito pelo Twitter, disse que os perfis chineses lançavam críticas à reação do governo americano aos protestos antirracistas no país, no intuito de “criar uma percepção de equivalência moral com a supressão dos protestos em Hong Kong”.

“Nossa análise mostra que, ao mesmo tempo em que não permite que os cidadãos utilizem o Twitter, o Partido Comunista chinês gosta de utilizá-lo para disseminar propaganda e desinformação internacionalmente”, disse Fergus Hanson, diretor do Aspi.

O especialista observou também que as postagens da rede chinesa eram feitas, na maioria das vezes, durante o horário de expediente no país e nos dias úteis. Esse padrão, segundo Hanson, “demonstra claramente a não autenticidade e a coordenação” da divulgação de informações falsas.

O anúncio do Twitter veio no mesmo dia que o aplicativo Zoom, de conversas em grupo, acatou exigências impostas pelo governo chinês e fechou contas de ativistas pró-democracia dos Estados Unidos e de Hong Kong. A plataforma, que ganhou milhões de novos usuários durante a pandemia do novo coronavírus, foi utilizada para relembrar o massacre promovido pelo regime na Praça da Paz Celestial, em Pequim.

Tecnologia,Economia,Trabalho,Emprego,Blog do Mesquita 01

O trabalho remoto não é o fim do vale do silício, mas é o fim de algo

A era de ouro dos escritórios
de tecnologia chega ao fim

Os funcionários trabalham na “Sala de Guerra” do Facebook durante uma demonstração na mídia em 17 de outubro de 2018, em Menlo Park, Califórnia. Foto: Noah Berger / Getty Images

A noção de que o trabalho remoto é o caminho do futuro não é nova. É muito anterior à pandemia e se tornou popular nos Estados Unidos quase tão logo os bloqueios começaram. A resposta ao coronavírus é uma prévia do futuro auto-isolante da sociedade – um futuro que ameaça exacerbar as divisões de classe, entre outros efeitos de longo alcance.
Ainda assim, é notável o quão subitamente algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo adotaram esse futuro.

Na semana passada, conforme coberto neste boletim, o Twitter anunciou que permitiria que seus funcionários trabalhassem em casa permanentemente. Nesta semana, as comportas foram abertas.Você pode tirar os técnicos do Vale do Silício…

Em 2013, a ex-CEO do Yahoo, Marissa Mayer, tomou uma medida controversa para proibir seus funcionários de trabalhar em casa. A ideia de que o trabalho remoto era antitético à colaboração rapidamente ganhou força no mundo corporativo e, em 2017, era uma sabedoria convencional. Eu acho que essa foi uma daquelas “opiniões fortes, fracamente defendidas” pelas quais alguns líderes do Vale do Silício gostam, porque nesta semana o mundo da tecnologia girou na direção oposta. No espaço de alguns dias, Square, Shopify e Facebook seguiram o Twitter, sinalizando uma mudança para adotar o trabalho remoto como padrão.

O anúncio do Facebook na quinta-feira foi demais, por causa da enorme escala e influência da empresa, mas também porque até recentemente era um exemplo da perspectiva de “escritórios importantes”. Como o Google antes, a cultura do Facebook desfocou famosamente as linhas entre vida profissional e vida pessoal, com escritórios que funcionavam como uma extensão da experiência da faculdade para seus funcionários, em sua maioria jovens. A palavra “campus” era apropriada de várias maneiras, e a sede do Menlo Park, projetada por Frank Gehry, no Facebook, incorporava a tendência em direção a complexos cada vez maiores e extravagantes.

O CEO Mark Zuckerberg disse à equipe em uma reunião ao vivo que a empresa permitiria que muitos funcionários trabalhassem em casa permanentemente. Ele previu que metade de sua força de trabalho o faria dentro de cinco a dez anos.Facebook,Zuckerberg,Tecnologia,Redes Sociais,Internet,Privacidade

Compreensivelmente, as notícias desencadeiam uma cascata de tomadas e previsões sobre o que as empresas podem seguir, se os funcionários se mudarão do Vale do Silício, onde se estabelecerão e se receberão o mesmo valor quando chegarem. A última é uma pergunta interessante, que Matt Zeitlin explorou no OneZero, assim como a tecnóloga Blair Reeves em seu blog pessoal e, bem, muitas outras em muitos outros lugares. Zuckerberg já respondeu pelo Facebook, dizendo que os funcionários que saírem da área da baía terão seus salários ajustados com base em sua localização.

Quanto esses salários serão ajustados, é claro. Se mudar para Detroit ou Montana significa, digamos, um corte de 15% nos salários, é muito melhor trabalhar a partir daí do que em Menlo Park (pelo menos em termos financeiros). Mas se os salários fossem totalmente reduzidos ao custo de vida local, o corte salarial seria muito mais profundo e a maioria dos funcionários ficaria melhor nas cidades mais caras, onde poderiam despejar seus salários muito mais altos em imóveis mais valiosos, para não mencionar desfrutando das comodidades que colocam essas cidades em uma demanda tão alta em primeiro lugar.

É tentador, com um anúncio como esse, jogar imediatamente todas as implicações e assumir que elas já aconteceram. Provavelmente, existe alguma linha do tempo possível em que isso acaba sendo o começo do fim do Vale do Silício, à medida que os técnicos fogem em massa para locais distantes, a sede fica vazia, os preços dos imóveis em Bay Area convergem para a média nacional e a tecnologia se torna uma indústria totalmente distribuída. Realisticamente, no entanto, isso não acontecerá tão cedo. Os seres humanos ainda são criaturas sociais, Zoom e Slack são substitutos profundamente defeituosos da presença física, e grande parte da indústria criou raízes no Vale do Silício (ou Seattle, nos casos da Microsoft e da Amazon).

Essas raízes não serão simplesmente arrancadas pela opção de trabalhar remotamente. Também existem empresas, como a Apple, para as quais a presença física não é apenas uma questão de cultura, mas de sigilo e segurança operacional. (Mark Gurman, da Bloomberg, teve uma boa notícia em março sobre como a Apple está se adaptando em particular.) Portanto, não, isso não será um golpe mortal para o Vale do Silício – embora, como apontou minha colega do OneZero, Sarah Emerson, possa ter efeitos profundos no Menlo Park e seus arredores imediatos. Mas isso pode marcar o fim de grandes e importantes escritórios de tecnologia que formaram não apenas o coração pulsante da cultura de uma empresa, mas também um ponto focal da vida social dos funcionários.O Spotify está se tornando o Netflix de podcasts. Na terça-feira, a empresa sueca de streaming anunciou que assinou um contrato exclusivo com Joe Rogan, cujo podcast está entre os mais populares do mundo. É um golpe no YouTube, onde Rogan não publicará mais seus podcasts na íntegra e, de maneira mais geral, um golpe nos podcasts como um ecossistema aberto. O Spotify já havia adquirido as redes de podcast Gimlet Media e The Ringer, e agora está claro que a empresa leva a sério a vantagem de conquistar o máximo de mercado possível.

A corporação e o isolamento dos podcasts é um lamento para outra época. Mas, do ponto de vista estratégico, o conteúdo exclusivo é uma proteção astuta para uma empresa cujo principal produto, a música, está disponível de forma quase idêntica em outras plataformas, incluindo a Apple, que tem poder de mercado para inclinar o campo a seu favor.

O conteúdo original provou ser crítico no setor de streaming de vídeo, onde Netflix, Amazon Prime, Hulu e Disney + competem pelo menos tanto em sua lista de exclusivos quanto em preço ou interface do usuário. Embora o acordo com a Rogan possa parecer um alvo improvável para o escrutínio antitruste, Matt Stoller apresenta um argumento surpreendentemente persuasivo para a intervenção regulatória.Ciência,EUA,China,Tecnologia,Computação Quântica

O bate-papo por voz está crescendo, por enquanto. Enquanto plataformas de bate-papo por vídeo, como Zoom e Houseparty, ganham mais atenção como beneficiárias do bloqueio de coronavírus, a próxima onda de aplicativos sociais se concentra no áudio. O Clubhouse, um aplicativo de bate-papo por voz que ganhou popularidade em uma versão beta privada com o conjunto de capital de risco, foi avaliado em US $ 100 milhões na semana passada em uma rodada de angariação de fundos liderada pela A16Z, informou a Forbes.

E o Discord, cujas conversas por voz há muito tempo são as favoritas dos jogadores, estava em negociações para levantar uma nova rodada com uma avaliação de US $ 3 bilhões. Embora o Discord esteja bem estabelecido para certos casos de uso, se uma empresa pode cumprir as esperanças dos investidores dependerá se o apetite das pessoas por melhores maneiras de conversar entre si on-line persistirá quando voltarem à melhor maneira de conversar entre si. outro, que está offline.

Facebook cria órgão independente que decidirá o que seus usuários podem ver

Uma ganhadora do Nobel da Paz, uma ex-primeira-ministra dinamarquesa, um ex-diretor do ‘The Guardian’ e um professor da UERJ estão entre os membros do novo conselho moderadorFacebook,Zuckerberg,Tecnologia,Redes Sociais,Internet,Privacidade

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

Nick Clegg: “O Facebook não pode ser a polícia da Internet”

Tribunais europeus podem obrigar Facebook a apagar comentários ofensivos em todo o mundo

Facebook amplia restrições de conteúdos políticos no Vietnã e nos EUA

O Facebook anunciou a composição de um novo organismo que moderará conteúdos, uma instância independente à qual os usuários e a própria companhia podem recorrer para tomar decisões sobre publicações que afetam a liberdade de expressão e os direitos humanos.

Mark Zuckerberg, fundador da rede social, anunciou sua intenção de criar uma entidade à margem da estrutura da empresa para moderar os conteúdos mais polêmicos. O resultado é um conselho formado, até o momento, por 20 personalidades de todo o mundo, que selecionará e ponderará sobre os limites globais da liberdade de expressão. Suas decisões serão transparentes e de cumprimento obrigatório para a rede, desde que não entrem em conflito com leis locais. Os conteúdos suscetíveis de serem moderados serão os do Facebook e Instagram. O conselho não terá, ao menos por enquanto, capacidade sobre o WhatsApp, outra plataforma pertencente à companhia.

Esta nova instância depende de uma organização alheia à empresa, embora tenha sido criada pela matriz com uma doação irrevogável de 130 milhões de dólares (800 milhões de reais). Os membros do conselho, composto por 10 mulheres e 10 homens, não são funcionários do Facebook nem podem ser demitidos por Zuckerberg. Nesta quarta-feira, foi anunciada a composição desse órgão, que incluirá personalidades como a ativista iemenita Tawakul Kerman, ganhadora do Nobel da Paz de 2011, a ex-primeira-ministra dinamarquesa Helle Thorning-Schmidt e o jornalista britânico Alan Rusbridger, que dirigiu o jornal The Guardian durante duas décadas.

Ronaldo Lemos, advogado de propriedade tecnológica e intelectual e professor de Direito da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), é um dos dois únicos latino-americanos da lista, ao lado da jurista colombiana Catalina Botero-Marino, diretora da Faculdade de Direito da Universidade de Los Andes e, entre 2008 e 2014, relatora para a liberdade de expressão na Organização dos Estados Americanos.

O nome oficial é conselho assessor de conteúdo, ou oversight board, e seus membros têm, sobretudo, perfis vinculados ao mundo do direito, ao ativismo digital e aos meios de comunicação. Ao todo serão 40, o dobro dos atuais, embora o processo de seleção deva se prolongar até 2021. O órgão tem quatro copresidentes, que são os que se encarregaram, junto ao Facebook, de recrutar os outros 16 convidados. Além de Botero-Marino e Thorning-Schmidt, os outros dois copresidentes serão os norte-americanos Jamal Greene, catedrático da Universidade Columbia, e Michael McConnell, ex-juiz federal dos EUA e hoje professor em Stanford.

“Isso representa uma mudança fundamental quanto à forma como as decisões difíceis são tomadas no Facebook”, disse Brent Harris, diretor de Assuntos Globais da empresa, em uma entrevista coletiva para jornalistas de todo o mundo, à qual o EL PAÍS assistiu e que teve a participação dos quatro copresidentes e de Thomas Hughes, diretor-administrativo do conselho. Embora sua fundação já seja oficial, só começará a analisar casos dentro de alguns meses. Nas próximas semanas, e com as dificuldades acrescentadas pela pandemia, a instituição contratará pessoal e decidirá a melhor forma de se coordenar e trabalhar.

Outros encarregados

 

Com esse conselho, a intenção da empresa é terceirizar um dos aspectos que mais lhe causam problemas em seu trabalho: os limites à liberdade de expressão dos usuários, levando em conta seus contextos nacionais. O Facebook já transferiu a verificação rotineira de conteúdos para organizações externas, que são as que assumem a avaliação sobre a veracidade de determinada publicação. O Facebook então só acrescenta esse veredicto ao conteúdo questionado e faz que essas mensagens sejam menos visíveis nas contas dos outros usuários.

Com o novo tribunal supremo ocorrerá algo semelhante. As atribuições difíceis não ficarão nas mãos dos funcionários da companhia, que assim se isolarão de decisões que frequentemente dependem de sensibilidades ideológicas ou regionais. Os veredictos deliberados do tribunal, que inclui gente muito diversificada, evitarão a sensação de que um grupo de executivos em Palo Alto decide o que centenas de milhões de pessoas veem ou deixam de ver. Por outro lado, o Facebook se comprometeu publicamente a cumprir as decisões do conselho. “Se não fizerem isso, o custo para a reputação seria muito alto”, disse Botero-Marino.

“Não seremos a polícia da Internet”, quis esclarecer McConnell. “Não será algo rápido, será mais uma corte de recursos que delibera depois do fato. O objetivo é promover a justiça, a neutralidade”, acrescentou. Serão três os critérios para selecionar os casos entre os milhares que chegarão, segundo McConnell: que afetem muita gente, que tenham muita importância por suas consequências, ou que possam afetar as políticas do Facebook. “Não haverá respostas corretas. Ninguém estará sempre satisfeito com nossas decisões”, acrescentou. Como empresa privada, o Facebook pode decidir sobre seu conteúdo. “O direito público vai por outro caminho”, explicou McConnell.

Inicialmente, o tribunal verá casos denunciados por usuários que tiveram conteúdo apagado pelo Facebook, mas depois permitirá os recursos de usuários que queiram pedir que se apague um conteúdo determinado. O conselho poderá decidir não só sobre publicações, também sobre anúncios ou grupos. Poderá também recomendar políticas ao Facebook baseadas nos veredictos.

“Sempre estive comprometido com a liberdade de expressão e de pensamento, mas o crescimento do Facebook criou novas oportunidades e desafios”, diz o juiz húngaro András Sajo, ex-vice-presidente do Tribunal Europeu de Direitos Humanos e um dos membros do conselho, numa mensagem de apresentação no site do organismo.

A rede social do mundo

Tecnologia,Internet,Redes,Computadores,Blog do Mesquita,Informática

Este novo tribunal dará mais peso à imagem do Facebook como a grande rede social do mundo. A metáfora que fala do Facebook como um país próprio ganha agora um pouco mais de fundamento: já tem seu poder judiciário independente. É difícil pensar em redes concorrentes que tenham a capacidade de instituir organismos que incluam personalidades de tanto nível e com capacidade de decisão real sobre os limites da liberdade de expressão em lugares com tradições diferentes. O tribunal se centrará no conteúdo do Facebook e Instagram, mas está aberto a assumir outras redes sociais, como o Twitter, conforme disse Thomas Hughes, seu diretor-administrativo.

O conselho permitirá, segundo Botero-Marino, que os Estados pensem duas vezes sobre a conveniência de regular a rede: “A melhor maneira de manter a arquitetura atual da Internet e evitar a regulação de Estados é que as companhias se autorregulem”, disse. “Este é um bom exemplo porque inclui independência, transparência e diversidade.”

“As sociedades não podem funcionar se seus cidadãos não chegarem a um acordo sobre que significa prova, fato e verdade”, diz Rusbridger em uma mensagem na Internet. “Talvez tenhamos demorado demais para percebermos isso. O conselho assessor de conteúdo parece ser o primeiro passo ousado e imaginativo da parte de um dos principais atores para encontrar um modo de conciliar a necessidade de impor algum tipo de padrão ou julgamento do que é publicado, ao mesmo tempo em que mantêm as coisas que são maravilhosas nas redes sociais e necessárias para a liberdade de expressão”, acrescenta.

Faltando ainda a definição de metade de seus membros, o conselho também tem lacunas. O Facebook não está presente na China, então a única integrante de fala chinesa é a taiwanesa Katharine Chen, catedrática de Comunicação na Universidade Nacional Chengchi. E a única pessoa vinculada à Rússia é a camaronesa Julie Owono, diretora-executiva da organização Internet Sem Fronteiras, que cresceu nesse país.

Há também cinco membros norte-americanos contra apenas três europeus (Sajo, Rusbridger e Thorning-Schmidt). Esse número de norte-americanos se deve, segundo Harris, ao fato de que havia muitos candidatos de lá que os impressionaram, e que a maioria dos casos mais polêmicos para a rede começaram nesse país.Internet,Tecnologia,Vírus,Malware,WhatsApp,Blog do Mesquita

Ao menos por enquanto, os membros trabalharão em tempo parcial e receberão uma compensação compatível “com os conselhos do setor tecnológico”, segundo Hughes. O trabalho deste tribunal não tem em princípio por que interferir na atuação dos verificadores de informação, embora seja provável que eventualmente ocorram conflitos. Durante a pandemia do coronavírus, a Espanha viveu uma polêmica substancial sobre a suposta censura nas redes sociais, embora centrada sobretudo no aplicativo de mensagens WhatsApp.