Poluição,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

Limpar o planeta com dinheiro sujo tem seus limites

Usina termelétrica na Inglaterra. Foto: Carlos Eduardo Young.

A pandemia de Covid-19 traz consequências complexas em áreas muitas vezes inesperadas. Um exemplo são os mercados de créditos transacionáveis de emissões de carbono (cap and trade). Matéria recente do Inside Climate News mostra que produtores de agricultura de baixo carbono (“climate smart”) na Califórnia estão com problemas de financiamento porque recebem recursos de programas de cap and trade que são pagos principalmente por emissões geradas pela queima de combustíveis fósseis. A retração da atividade econômica e no volume de trânsito, consequência do isolamento social, reduziu drasticamente a emissão de carbono no estado. Por isso, as receitas que eram pagas pelos emissores diminuíram porque fizeram o que se deseja na agenda das mudanças climáticas: a queima de combustíveis fósseis despencou nos últimos meses.

Esse tipo de dilema é previsto há muito tempo na literatura de economia do Meio Ambiente. Mercados de direitos transacionáveis de obrigações ambientais, como os de emissões de carbono, logística reversa de resíduos sólidos e cotas de reserva ambiental (CRA), têm como premissa o interesse em flexibilizar o cumprimento das normas ambientais. A ideia é que aqueles que não estão cumprindo os requisitos ambientais financiem terceiros que, além de cumprir seus próprios compromissos, “vão além” e têm “superávit” na sua performance ambiental. Ou seja, ao invés de reduz as suas emissões, os emissores (“poluidores”) preferem pagar para que outros o façam (“protetores”) – isso se explica porque os custos de abatimento de emissões não são homogêneos.

Para que os mercados de direitos transacionáveis de obrigações ambientais funcionem é preciso que:

(1) O regulador ambiental atue efetivamente, monitorando o desempenho ambiental de cada agente e penalize, de fato, aqueles que desobedecem a norma. É necessário mais que uma autuação, deve-se fazer que o infrator pague efetivamente (“enforcement”).

(2) Deve haver um número suficiente de agentes econômicos que estão em desacordo com as normas ambientais e com custos de atendimento à norma (“compliance“) altos. Por outro lado, é necessário existir aqueles cujo valor necessário para executar ações ambientais positivas seja baixo, para viabilizar financeiramente a compensação do déficit ambiental não atendido pelo infrator.

(3) Os direitos de propriedade devem ser bem estabelecidos, sem insegurança jurídica para que o agente em déficit ambiental (“poluidor”) pague ao que está em superávit (“protetor”), e essa ação seja oficialmente reconhecida pelo regulador como forma de cumprimento da legislação ambiental.

Ou seja, não se trata de um mercado “normal” onde o consumidor demanda um bem porque deriva utilidade de seu consumo. É uma situação especial, que não pode ocorrer em situação de “livre mercado”. Trata-se de uma flexibilização no atendimento de normas legais, cuja demanda só é estabelecida se houver pressão normativa para o cumprimento da lei por parte dos eventuais infratores.

Como essas condições variam no tempo, a demanda de “poluidores” por direitos de emissão também oscila. Portanto, em todos os mercados de direitos transacionáveis, o preço desses direitos é endógeno, ou seja, o valor das cotas de emissões também flutua.

O caso da Califórnia apresentado na matéria se explica por alteração abrupta da condição (2). A demanda de direitos de emissão caiu vertiginosamente em função da retração de fontes de lançamento de gases de efeito estufa. Por isso, reduziu-se o interesse em compensar emissões excedentes porque se aproximaram dos limites inicialmente permitidos. Diga-se de passagem, a razão pela qual esse mercado se estabeleceu na Califórnia foi uma série de avanços institucionais que permitiram o atendimento da legislação ambiental (Condição 1) e definição dos direitos e deveres para agentes privados (Condição 3). Antes da pandemia, havia um número significativo de agentes em desacordo com os limites de emissão recebidos originalmente (Condição 2), mas esse número se reduziu bastante com a retração econômica.

Um fenômeno bastante semelhante ocorreu no mercado europeu de emissões (ETS) após a crise financeira de 2008, que resultou em um colapso nos mercados de emissão em todo mundo. A queda na demanda por combustíveis, junto com o sucesso de programas de baixo carbono, fez com que o volume de emissões europeias ficasse abaixo do esperado. Como o número de emissores em déficit ambiental se reduziu, o preço dos direitos de emissão despencou junto. Somente ao final de 2019 o preço das emissões se aproximou do teto histórico pré-2008 mas, como no caso da California, houve também queda acentuada de valor após a pandemia, mas com recuperação após o seu relativo controle.

Preço dos direitos de emissão de carbono na União Europeia (EUA), 2008-2020

Fonte: EMBER.

Aliás, por causa desse colapso nos mercados de créditos de carbono, não faz sentido a crítica de que projetos de conservação florestal como REDD ou REDD+ teriam “enriquecido os investidores” enquanto “desapropriavam os povos da floresta”. Essa crítica não tem fundamento porque (i) não há “mercado milionário” de REDD, REDD+ e projetos de carbono florestal porque simplesmente não há demanda por isso (onde há alguma negociação, o volume é baixíssimo e os preços são muito inferiores aos praticados no ETS), e (ii) existem condições sociais bastante claras estabelecidas para a titulação de créditos de carbono, e um projeto que resulte em problemas sociais não seria elegível, e existem diversas auditorias e canais de reclamação para vigiar isso.

A análise das condições necessárias para o sucesso de mercados de direitos transacionáveis também explica o porquê da falta de vigor dos mercados de CRA no Brasil. Não há interesse por parte dos governos em penalizar proprietários rurais em déficit de Reserva Legal, conforme estabelecido pela legislação florestal. Por isso, não há porque se preocupar em buscar flexibilizar uma regra de legislação que nunca é exigida, rompendo com a Condição (2). A bagunça fundiária brasileira complica ainda mais a viabilidade do mercado de CRA porque ninguém vai buscar atender regras ambientais de Reserva Legal se os direitos de propriedade não estão bem estabelecidos (Condição 3).

Outro erro comum contra o uso de instrumentos de direitos transacionáveis é supor que direitos valem somente para a propriedade particular, resultando em crítica por uma suposta “privatização da natureza”. Isso também não é correto pois os direitos de propriedades podem ser também públicos ou comunais. O que importa é que o direito de propriedade seja bem estabelecido, não importando a natureza do proprietário. A falha está na tradição histórica de privatização das terras públicas através da concessão de direitos fundiários que, a pretexto de reforma agrária, acabam apenas estimulando a grilagem e agravando a concentração fundiária. Dessa forma, perdemos a possibilidade de conseguir recursos financeiros para a conservação dessas áreas, já que as administrações públicas não conseguem assegurar o controle do desmatamento.

O caso mais grave dessa perda de oportunidade é o das terras indígenas. Comunidades indígenas possuem alta capacidade de controle de desmatamento, maior até do que alguns órgãos ambientais. Por isso, poderiam estar recebendo recursos de REDD+, como mostra a experiência pioneira do Projeto Carbono Florestal Suruí. Mas projetos como esse acabam não tendo viabilidade por falta de segurança jurídica (por exemplo, terras ainda não demarcadas ou consolidadas) e falta de apoio institucional.

Voltando ao caso dos projetos climate smart da Califórnia, o problema está em imaginar ser possível financiar um projeto sustentável de longo prazo a partir de pagamentos gerados por infração ambiental. É algo semelhante ao uso da Compensação Ambiental estabelecida pelo Artigo 36 do SNUC, que financiam unidades de conservação a partir de fatos geradores que causam dano ambiental. No curto prazo, é correto que isso sirva de base de financiamento de projetos de desenvolvimento sustentável. No longo prazo, contudo, o ideal é que essas infrações diminuam e, portanto, o valor arrecadado por elas. Por isso, esses projetos devem buscar a viabilidade financeira de longo prazo sem a necessidade de recursos oriundos de ações predatórias (emissões de carbono, problemas no licenciamento), que devem ser encarados como recursos que irão se esgotar com o tempo.

O último filme de Michael Moore teve como alvo ‘renováveis’ e acusou grupos ‘verdes’ de estarem nos bolsos da Big Energy

O Climate Industrial Complex está pedindo a cabeça do cineasta Michael Moore depois que seu último filme distorceu a hipocrisia da indústria de “energia renovável”, expondo o relacionamento acolhedor de seus líderes com os bicho-papões dos combustíveis fósseis.


A polêmica de Moore, ‘Planet of the Humans‘, dirigida por Jeff Gibbs, foi vista mais de quatro milhões de vezes no YouTube em pouco mais de uma semana.

Mas apenas dois dias após o lançamento do filme, marcado para o Dia da Terra, o cineasta Josh Fox liderou a acusação de Moore – que já foi um “herói” dele – deformado por suposta desinformação. Em uma carta sincera, Fox exigiu não apenas uma “retratação e um pedido de desculpas” de Moore, mas também que o filme fosse arrancado inteiramente da distribuição.

Quem é quem, dos figurões ambientalistas, concordou, acusando Moore de ter supostamente imitado “pontos de conversa flagrantemente falsos da indústria de combustíveis fósseis enganosamente enganando sua audiência sobre energia renovável” e atacando “líderes climáticos importantes”, bem como “campanhas climáticas e de combustíveis anti-fósseis. ”

De fato, os críticos pararam de chamar o ambientalista de longa data de “negador da mudança climática”, fazendo o possível para pintá-lo como um agente dos mesmos plutocratas do Big Business, cuja presença silenciosa sob a superfície da indústria de “energia renovável” ele expôs no filme.

O distribuidor de documentários Films for Action na verdade removeu brevemente o filme de sua biblioteca on-line, explicando que não havia visto o “produto final”, mas o havia recolhido com base na reputação de Moore – apenas para reverter o curso mais tarde, apontando que censurar o filme dê “mais poder e mística do que merece”.

Isso chega ao ponto de Moore ter sido escoriado pelas próprias forças que outrora eram seus aliados na esquerda.

O “Planeta dos Humanos” visa diretamente o sonho de que “biocombustíveis”, energia solar e eólica salvarão o mundo da voraz indústria de combustíveis fósseis e, por extensão, a própria mudança climática. Embora grande parte do documentário tenha sido aparentemente filmado anos atrás, suas conclusões permanecem oportunas, especialmente porque os defensores das energias renováveis exigem que a queda induzida pela pandemia se torne um “Ano Zero” no qual construir um novo baseado em energias renováveis.Moore nem por um momento se desvia de sua devoção à ortodoxia das mudanças climáticas. No entanto, ele não evita acusar nomes famosos como Bill McKibben, da 350.org, e o Sierra Club de se desculpar por um setor que, à sua maneira, é tão destrutivo quanto petróleo, carvão e gás natural, em muitos casos. exigindo o uso contínuo desses combustíveis “sujos”, muito difamados, a fim de manter a narrativa de que energia “limpa” pode sustentar a civilização.

O conceito de “biomassa” é especialmente revelado como uma piada cruel, o termo eufemístico que encobre o fato de que as florestas desmatadas são enquadradas como uma fonte de energia “sustentável”, porque as árvores que são alimentadas nos picadores de madeira “voltarão a crescer”.

O filme alega expor a realidade destrutiva das fontes de energia “renováveis”, apontando o fato de que os painéis solares exigem carvão e minerais de terras raras insustentáveis ​​para criar – e que os financiadores desses projetos são frequentemente as mesmas pessoas que fizeram fortuna com petróleo e gás.

Moore observa que os temidos Koch Brothers não apenas constroem usinas solares, mas fabricam um tipo especial de vidro usado para os painéis. Eles estão presentes em todas as etapas do processo de geração de energia solar anunciado como salvador da humanidade por um movimento que difunde seus inimigos como agentes dos mesmos Kochs.

Ao mesmo tempo, gigantes de grandes empresas como Michael Bloomberg (que absorve o gás natural com energia solar e eólica como fonte de energia renovável) e o magnata da madeira Jeremy Grantham são vistos como patrocinadores de projetos aparentemente amigos do ambiente que, em um exame mais aprofundado, meramente envolvem estuprar o planeta de um ângulo ligeiramente diferente.

Os críticos ambientalistas de Moore fazem alguns pontos válidos, principalmente porque grande parte de “Planeta dos Humanos” foi filmada anos atrás. Não está atualizado no limite sangrento da tecnologia renovável, e alguns dos cruzados ambientais cuja hipocrisia brilha tanto no filme desde então alteraram suas opiniões. Bill McKibben escreveu uma refutação detalhada, reclamando que não apóia mais os biocombustíveis, mesmo estando em filme se recusando a condená-los.

Mas os principais problemas com energia eólica e solar não foram resolvidos, e a insistência do cineasta Fox de que as alegações de Moore são invalidadas pela incorporação de compromissos de políticas renováveis ​​- ele na verdade cita o Green New Deal como “o mais importante avanço político em energia verde de todos os tempos ”- é risível.Tecnologia,Energia Eólica,Ciêcia,Energia,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

Os compromissos “renováveis” de Nova York, como as faculdades e outras instituições apresentadas no filme, consideram os biocombustíveis sustentáveis, e o New New Deal em si não só não foi aprovado, como também oferece o roteiro mais vago em direção à sustentabilidade para alguns EUA futuros dispostos a passar isto.

Talvez o mais revelador seja a exigência dos críticos de que o filme seja retirado da circulação por ser “perigoso”. Mesmo que Moore fosse um “shill Koch Brothers que nega as mudanças climáticas” – o que ele claramente não é -, ele estaria longe de ficar sozinho no mundo do cinema on-line, já que muitos filmes correspondentes a essa descrição estão circulando diariamente sem encontrar tais oposição estridente de rebatedores ambientais.

Mas Moore tem credibilidade nos círculos “verde” e ativista, e sua exposição tem a capacidade de tirar o vento das velas dos movimentos populares que atualmente exercem pressão sobre instituições e governos para se livrarem dos combustíveis fósseis e investirem em “renováveis”. Quem sairia às ruas para exigir o desinvestimento de petróleo e gás, sabendo que o dinheiro investido em “renováveis” só voltará aos bolsos dos mesmos aproveitadores de combustíveis fósseis?

Há outras queixas no filme de Moore, é claro. Muitos apontaram seu foco aparente no que é eufemisticamente chamado de “controle populacional” como a única solução possível para o problema das mudanças climáticas. De fato, existem outras maneiras – como os maiores consumidores de recursos do mundo, o complexo industrial militar, encerrando suas atividades – de controlar o consumo humano.

Mas a maioria dos críticos “verdes” de Moore não discorda da noção malthusiana – e compreensivelmente questionável – de que os problemas da humanidade podem ser resolvidos “apenas” livrando o planeta de todas aquelas pessoas “excessivas”, e nem os oligarcas como Bloomberg e Grantham, cuja hipocrisia é exposta no filme.

De fato, os críticos do documentário e seu criador diferem apenas em sua disposição de perpetuar a ilusão reconfortante de que as mesmas pessoas que criaram a “crise” da mudança climática poderiam confiar para resolvê-la. Portanto, embora esses críticos possam ridicularizar Moore como um eco-fascista, são os assuntos de seu filme que realmente merecem esse apelido.

Quanto a quem é mais perigoso – as empresas que sugerem biomassa, seres vivos como plantas e animais, são um combustível sustentável para alimentar o futuro; ou um cineasta apontando sua hipocrisia – é melhor deixar para o espectador decidir.

Energia,Renovável,Solar,Eólica,Blog do Mesquita

Uma abordagem inovadora para a energia solar

O céu azul no Reino Unido em abril foi uma grande vantagem para a energia solar. Uma das poucas partes da economia do Reino Unido que teve um bom abril foi a energia solar.

Direitos autorais da imagem Getty Images

O Met Office diz que provavelmente foi o abril mais ensolarado do mundo e a indústria de energia solar registrou a maior produção de eletricidade de todos os tempos (9,68 GW) no Reino Unido às 12h30 da segunda-feira, 20 de abril.

Com 16 painéis solares em seu telhado, Brian McCallion, da Irlanda do Norte, foi um dos que se beneficiaram com o bom tempo.

“Nós os temos há cerca de cinco anos e economizamos cerca de mil libras por ano”, diz McCallion, que vive em Strabane, perto da fronteira.

“Se eles fossem mais eficientes, poderíamos economizar mais”, diz ele, “e talvez investir em baterias para armazená-lo”.Direitos autorais da imagem Getty Images

Os painéis solares até fazem sentido na Irlanda do Norte nublada
Essa eficiência pode estar chegando. Existe uma corrida mundial, de San Francisco a Shenzhen, para criar uma célula solar mais eficiente.

O painel solar comercial médio de hoje converte 17-19% da energia luminosa que o atinge em eletricidade. Isso representa um aumento de 12% há apenas 10 anos. Mas e se pudéssemos aumentar isso para 30%?

Células solares mais eficientes significam que poderia obter muito mais do que os atuais 2,4% do suprimento global de eletricidade a partir do sol.

Energia Solar já é a tecnologia de energia que mais cresce no mundo. Dez anos atrás, havia apenas 20 gigawatts de capacidade solar instalada globalmente – um gigawatt sendo aproximadamente a produção de uma única grande usina elétrica.Direitos autorais da imagem Getty Images

Esta fazenda solar cobre 200 ha (500 acres) no sul da França
No final do ano passado, a energia solar instalada no mundo havia saltado para cerca de 600 gigawatts.

Mesmo com a interrupção causada pelo Covid-19, provavelmente adicionaremos 105 gigawatts de capacidade solar em todo o mundo este ano, prevê a empresa de pesquisa com sede em Londres IHS Markit.

A maioria das células solares é feita de fatias finas de cristais de silício, 70% das quais são fabricadas na China e em Taiwan.

Mas o silício cristalino está colidindo bem perto de sua máxima eficiência teórica.

O limite de Shockley-Queisser marca a eficiência máxima para uma célula solar feita com apenas um material, e para o silício isso é de cerca de 32%.

No entanto, combinar seis materiais diferentes no que é chamado de célula de múltiplas junções pode aumentar a eficiência em até 47%.

Outra maneira de romper esse limite é usar lentes para aumentar a luz do sol que cai sobre a célula solar, uma abordagem chamada solar concentrada.

Mas essa é uma maneira cara de produzir eletricidade e é principalmente útil em satélites.

“Nada que você veria no telhado de alguém na próxima década”, ri Nancy Haegel, diretora de ciência de materiais do Laboratório Nacional de Energia Renovável em Boulder, Colorado.Direitos autorais da imagem Getty Images

A tecnologia solar que mais cresce é chamada de perovskitas – em homenagem ao conde Lev Alekseevich von Perovski, mineralogista russo do século XIX.

Estes possuem uma estrutura cristalina específica que é boa para absorção solar. Filmes finos, cerca de 300 nanômetros (muito mais finos que um fio de cabelo humano) podem ser fabricados com soluções baratas – permitindo que eles sejam facilmente aplicados como revestimento em prédios, carros ou até em roupas.

Os perovskitas também funcionam melhor que o silício em intensidades de iluminação mais baixas, em dias nublados ou em ambientes fechados.

Você pode imprimi-los usando uma impressora a jato de tinta, diz o Dr. Konrad Wojciechowski, diretor científico da Saule Technologies, com sede em Oxford e Varsóvia. “Pinte em um substrato e você tem um dispositivo fotovoltaico”, diz ele.

Com um material tão barato, flexível e eficiente, você pode aplicá-lo a móveis de rua para abastecer sensores de carregamento de smartphones, wifi públicos e qualidade do ar gratuitamente, explica ele.

Ele está trabalhando com a empresa de construção sueca Skanska para aplicar camadas de perovskita em painéis de construção.Direitos autorais da imagem INSOLIGHT

A Saule Technologies está usando perovskitas em painéis solares
De acordo com Max Hoerantner, co-fundador da Swift Solar, uma empresa iniciante de São Francisco, existem apenas 10 empresas iniciantes no mundo trabalhando com tecnologia de perovskita.

A Oxford PV, uma divisão da universidade, diz que alcançou 28% de eficiência com uma célula solar comercial baseada em perovskita no final de 2018 e terá uma linha de produção anual de 250 megawatts em operação este ano.

Tanto a Oxford PV quanto a Swift Solar produzem células solares em tandem – são painéis de silício que também possuem uma fina camada de filme de perovskita.

Como são feitos de dois materiais, eles conseguem ultrapassar o limite de Shockley-Queisser.

O silício absorve a faixa vermelha do espectro de luz visível e a perovskita a bit azul, dando ao tandem maior eficiência do que qualquer um dos materiais isoladamente.

Um desafio é quando “você trabalha com um material que existe desde 2012, é muito difícil demonstrar que ele durará 25 anos”, diz Hoerantner.Direitos autorais da imagem INSOLIGHT

Os painéis Insolight usam lentes para concentrar a luz.
A Insolight, uma startup suíça, adotou uma abordagem diferente – incorporando uma grade de lentes hexagonais no vidro de proteção de um painel solar, concentrando assim a luz 200 vezes.

Para acompanhar o movimento do sol, o conjunto de células muda horizontalmente alguns milímetros ao longo do dia. É uma tentativa de tornar barato o concentrado solar.

“A arquitetura desses sistemas fotovoltaicos concentrados convencionais é muito cara. O que fizemos foi miniaturizar o mecanismo de rastreamento solar e integrá-lo ao módulo”, diz David Schuppisser, diretor de negócios da Insolight.

“Fizemos isso de uma maneira mais barata [que] você pode implantar em qualquer lugar que possa implantar um painel solar convencional”, diz ele.

O instituto de energia solar da Universidade Politécnica de Madri mediu o modelo atual da Insolight como tendo uma eficiência de 29%. Agora, ele está trabalhando em um módulo que espera atingir 32% de eficiência.

A atual tecnologia de silício ainda não está totalmente morta, e existem abordagens para obter pequenas e rápidas vitórias em eficiência. Uma é adicionar uma camada extra às costas de uma célula para refletir a luz não absorvida de volta através dela uma segunda vez. Isso melhora a eficiência em 1-2%.

Outra é adicionar uma camada externa, o que diminui as perdas que ocorrem onde o silicone toca os contatos de metal. É apenas um “pequeno ajuste”, diz Xiaojing Sun, analista da Wood Mackenzie, analista solar – adicionando 0,5-1% em eficiência -, mas ela diz que essas mudanças significam que os fabricantes precisam fazer pequenas alterações em suas linhas de produção.

Desde pequenos ganhos – ao uso de energia solar concentrada e perovskitas – a tecnologia solar está em uma corrida para aumentar a eficiência e reduzir os custos.

“Abrangendo esse número mágico em 30%, é aqui que a indústria de células solares pode realmente fazer uma diferença muito grande”, diz Max Hoerantner, da Swift Solar.

Preços do petróleo caem abaixo de US $ 0 por barril

Uma combinação horrenda de demanda em ruínas por armazenamento global e bruto cheio até a borda levou os preços do petróleo a níveis nunca vistos em décadas.

O valor de referência dos EUA, West Texas Intermediate, caiu para a faixa de US $ 1, à medida que as economias globais permanecem paralisadas devido à pandemia de Covid-19, esmagadora demanda por petróleo.

Para adicionar insulto à lesão, o armazenamento global de petróleo está atingindo seus limites. A situação é tão terrível, de fato, que o Departamento de Energia está até pensando em pagar aos produtores domésticos de petróleo para manter o petróleo no chão.

Ainda nesta quarta-feira, a Agência Internacional de Energia registrou um aumento recorde de 19 milhões de barris no suprimento doméstico de petróleo.

Nem mesmo a OPEP foi capaz de fornecer algum alívio para a indústria em dificuldades. Embora o cartel e seus parceiros globais tenham conseguido chegar a um acordo de um corte de 9,7 milhões de barris por dia, o mercado claramente pensa que não é suficiente.

Os preços do petróleo nos EUA caíram para US $ 4,04 por barril, o menor desde que o NYMEX começou a negociar futuros de petróleo em 1983, quando os investidores se resignaram ao colapso da demanda em meio a contínuos bloqueios em todo o país.

Vandana Hari, fundadora da Vanda Insights, empresa especializada em análise do mercado de petróleo, observou: “Os preços atuais mostram que os cortes na OPEP + provaram ser um pontinho, com os preços do petróleo à mercê do vírus mais uma vez”, acrescentando que “Até nos aproximamos do levantamento dos bloqueios nos EUA, o petróleo pode cair mais baixo ou permanecer em torno dos níveis atuais. ”

O colapso do preço do petróleo está provocando ondas de choque em todo o setor, com as principais empresas de petróleo cortando gastos em geral, e os exploradores cortando até 13% de sua frota de perfuração à medida que a crise continua.

Os tempos difíceis chegaram a forçar a Comissão Ferroviária do Texas a considerar o impensável, exigir um corte de produção em todo o estado. Embora os três comissários não tenham conseguido tomar uma decisão na última terça-feira, o grupo deve se reunir novamente em 21 de abril. E com os preços do petróleo caindo 20% desde a última reunião, eles podem estar prontos para agir.

Mesmo que o RRC cumpra seu plano de interferir nos mercados livres, no entanto, muitos especialistas sugerem que cerca de 20 a 30 milhões de barris por dia de demanda estão sendo dizimados pelo Covid-19 – muito longe do que os produtores globais de petróleo cortou até agora.

Coronavírus acelera declínio da indústria de carvão

A mineradora Eagle Butte está localizada em Gillette, Wyoming, USA. Após o fechamento das minas de Blackjewel a indústria do carvão já estava sofrendo antes do coronavírus.

Josh Galemore / The Casper Star-Tribune via AP, arquivo
CHEYENNE, Wyo. (AP

A pandemia tornou as coisas muito piores. A produção diminui junto com a demanda de eletricidade, com as luzes do escritório e da escola apagadas em todo o país. Travis Deti está trabalhando nos telefones para tentar obter apoio do governo para os EUA. indústria de carvão durante a pandemia de coronavírus. Entre ligações recentes, o chefe da Associação Mineira de Wyoming tentou desentupir uma pia em casa.

Mas, diferentemente da pia de Deti, que finalmente começou a fluir novamente com a ajuda de um encanador, a ajuda permanece obstinadamente entupida para uma indústria cujo declínio já rápido está se acelerando devido aos efeitos econômicos do vírus.

“Vamos levar qualquer coisa agora”, disse Deti, cujo grupo representa empresas que produzem cerca de 40% do carvão do país.

A demanda por carvão afundou na última década em meio à competição com gás natural barato e fontes de energia renováveis ​​expandidas. As empresas de carvão enfrentaram um acerto de contas, à medida que o mundo procura combater as mudanças climáticas e se afastar dos combustíveis fósseis, apesar do esforço do presidente Donald Trump em reviver a indústria.

Agora, a pandemia piorou as coisas. Os bloqueios desligaram luzes e computadores em escritórios e escolas, minando a demanda por eletricidade fornecida pelas usinas a carvão. Os americanos presos em casa assistindo a Netflix não estão chegando perto de compensar essa queda na demanda, estimada em 3% para 2020.

A segurança dos trabalhadores é outra questão. Na região de carvão mais produtiva dos EUA – Wyoming e a bacia do rio Powder, em Montana – as empresas estão mudando de maneira impressionante e operando mais ônibus de e para cidades mineiras para criar mais espaço entre os trabalhadores.

As empresas suspenderam temporariamente as operações nas minas da Pensilvânia, Illinois e Virgínia para impedir a propagação do vírus. Alguns mineiros estão trabalhando apenas dois ou três dias por semana.

“Não há consistência entre a minha e a minha, mesmo dentro da mesma empresa”, disse Phil Smith, porta-voz do United Mine Workers of America, um sindicato que representa milhares de mineiros de carvão principalmente no leste dos EUA.

Mesmo antes do vírus, as empresas foram forçadas à falência e os trabalhadores enfrentaram folgas e demissões. Seis dos sete principais EUA as empresas de carvão pediram a falência do capítulo 11 desde 2015 e os analistas esperam mais à medida que a economia mergulha.

Existem pontos brilhantes, no entanto. O declínio mundial no consumo de eletricidade, juntamente com menos combustível sendo queimado para o transporte, significou um céu mais claro. A poluição por partículas caiu quase 19% na Índia e 6% na China desde antes do surto, segundo Fiona Burlig, do Instituto de Política Energética da Universidade de Chicago. A diminuição nos EUA é um modesto 0,5%.

Os EUA espera-se uma queda de 7,5% nas emissões de gases de efeito estufa causadas pelo aquecimento climático, associadas à redução da produção – ou seja, até que as emissões de dióxido de carbono surjam no próximo ano, à medida que a economia se recupera, segundo projeções da Energy Information Administration.

Mas há poucas dúvidas sobre o efeito esmagador das consequências econômicas do vírus no carvão. Em janeiro, antes da pandemia nos EUA, previa-se que a produção de carvão caísse 14% este ano. Com o coronavírus e um inverno ameno que significava menos eletricidade necessária para aquecer residências e empresas, espera-se que essa queda seja de até 25% – caindo para níveis nunca vistos em 55 anos.

“Simplesmente será que as energias renováveis ​​e o gás manterão seu mercado, e o carvão, sendo o combustível mais caro, será empurrado ainda mais do que seria”, disse Seth Feaster, do Instituto de Análise Econômica e Financeira de Energia.

A empresa de carvão de St. Louis, Foresight Energy, que emprega 800 pessoas, pode ser a primeira vítima relacionada ao coronavírus do setor. Ele entrou com pedido de proteção federal à falência em março, citando em parte “uma desaceleração da economia global devido a preocupações com o coronavírus”.

No mês passado, a Associação Nacional de Mineração pediu ao Congresso e à Casa Branca US $ 822 milhões em assistência federal, reduzindo ou eliminando royalties, impostos e taxas.

“Se pudermos continuar operando, isso é importante para nós”, disse Deti, do grupo Wyoming.

Até o momento, o Congresso mostrou pouca vontade de ajudar, e nenhum dos pedidos do setor foi incluído na conta de alívio de US $ 2 trilhões de coronavírus. Os analistas duvidam que qualquer ajuda significativa venha.

“Normalmente, quando você pensa em indústrias que o governo protegeu, são grandes e estrategicamente importantes”, disse Benjamin Nelson, diretor de crédito do Moody’s Investors Service. “Então, em um setor em declínio acentuado e secular, acho que há menos incentivo para se envolver”.

Um boom de energia renovável está mudando a política do aquecimento global

Nos últimos anos, Dewey Engle, um trabalhador aposentado de 81 anos que mora nos arredores de Tahoka, uma pequena cidade agrícola no oeste do Texas, adquiriu uma nova visão de sua varanda dos fundos.

Dezenas de turbinas eólicas zumbem 300 pés sobre os campos de algodão atrás de sua casa. Algumas pessoas podem ficar perturbadas com a chegada repentina de máquinas tão monstruosas praticamente em seu jardim. Engle diz que seu único problema com eles é que eles não estão em seu modesto pedaço de terra, de modo que ele não recebe royalties. “Eu adoraria receber esse dinheiro”, diz ele. “Gostaria de ter dez deles.”

O parque eólico de Tahoka é de propriedade da Orsted, uma empresa dinamarquesa de energia que entrou no mercado americano há menos de dois anos. É composto por 120 turbinas, cada uma capaz de gerar energia suficiente para 1.000 residências. Na porta seguinte, Sage Draw, outras 120 turbinas ainda estão sendo montadas e conectadas à rede do Texas. O Fracking, outro setor que transformou partes do oeste do Texas na última década, agora está com problemas. Mas as pás da turbina não param de girar. Dirija de Lubbock a Sweetwater e, durante quase toda a jornada, o horizonte está repleto de moinhos de vento em todas as direções. A grande maioria foi apresentada nos últimos dez anos. O Texas agora atende a 20% de sua demanda considerável de eletricidade com o vento. Se fosse um país, o Lone Star State seria o quinto maior do mundo em sua produção de energia eólica.Energia,Renovável,Solar,Eólica,Blog do Mesquita

Curiosamente, o boom de energia renovável da América tem sido mais forte em estados controlados pelos republicanos como o Texas. Lugares controlados por democratas como Nova York têm políticas destinadas a atrair investimentos, por exemplo, promessas de que os governos estaduais comprem apenas energia verde. Mas o Texas tem muito vento e sol e muito menos Nimbys. O presidente Donald Trump, que gastou uma pequena fortuna tentando combater um parque eólico à vista do seu clube de golfe escocês, evidentemente não suporta turbinas. Em comícios, ele gosta de reclamar sobre como eles matam pássaros. Mas para muitos de seus apoiadores, principalmente nas áreas rurais, turbinas eólicas e painéis solares são um impulso para as economias em dificuldades. No Condado de Lynn, do qual Tahoka é a sede, 77% das pessoas votaram em Trump. O boom poderia convencer os republicanos de que a descarbonização pode ser uma oportunidade econômica, não apenas um custo?

Nos últimos anos, turbinas surgiram nas planícies americanas; proporcionalmente, Kansas e Oklahoma dependem mais do vento do que o Texas. Há alguns anos, uma das categorias de trabalho que mais crescem nos Estados Unidos é o “técnico de turbinas eólicas”. Nem o boom está confinado ao vento. O investimento está sendo investido em usinas solares e sistemas de bateria, especialmente no sudoeste banhado pelo sol. O crescimento do número de instaladores de painéis solares ultrapassou o dos técnicos de turbinas eólicas. Em conjunto, a energia solar e eólica representam 55% da nova capacidade de geração de eletricidade adicionada a cada ano, de acordo com a Associação de Indústrias de Energia Solar, um grupo da indústria. Como as usinas de carvão estão fechando mais rápido do que as de gás, a capacidade geral de combustíveis fósseis está diminuindo.Tecnologia,Energia Eólica,Ciêcia,Energia,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

O que precipitou esse boom? As políticas federais ajudaram – o vento se beneficiou de um crédito de imposto de produção por décadas, apesar de expirar nos próximos anos. Um crédito fiscal de investimento solar continuará. Mas as políticas locais também ajudaram. O Texas tem sua própria rede de eletricidade, administrada pela ercot, uma empresa estatal. Nos anos 2000, o lobby de políticos no oeste do estado levou-o a criar um fundo para construir uma nova rede de linhas de transmissão, o que possibilitou aos produtores de energia eólica fornecer energia à rede a partir de partes remotas, mas com muito vento do estado. As mesmas linhas agora estão ajudando a aumentar a energia solar, diz Dan Woodfin, da ercot. Ele diz que, há dez anos, ele não acreditava que o sistema seria capaz de lidar com tanta energia renovável quanto agora; no pico, 55% da eletricidade do Texas é fornecida pelo vento.

No entanto, o maior impulsionador foi simplesmente o baixo custo e a alta demanda. O custo de turbinas eólicas e painéis solares caiu vertiginosamente. E em locais rurais como o Texas (ao contrário de partes mais densamente povoadas do país), os royalties pagos pelo uso da terra são importantes o suficiente para que os proprietários de terras e os governos locais detenham a oposição. Enquanto isso, um número crescente de grandes empresas deseja comprar eletricidade verde para reduzir suas próprias emissões de carbono, o que significa que os produtores podem empacotar suas energias renováveis ​​para vender com contratos virtuais de fornecimento de energia.

Todo esse crescimento começará a mudar atitudes em relação às mudanças climáticas? Por enquanto, o Texas tem cerca de 35.000 empregos em energia solar e eólica. O número cresceu rapidamente, mas dez vezes esse número ainda está em combustíveis fósseis. O Texas é o maior produtor de emissões de carbono da América. Portanto, talvez não seja surpreendente que seu governador, Greg Abbott, tenha sido cético quanto à humanidade ter muito a ver com o aquecimento global. Muitos políticos republicanos, como o senador Chuck Grassley, de Iowa, mostram que é perfeitamente possível ser um defensor entusiasmado da energia verde em seu distrito, enquanto ainda negam que a mudança climática em geral exija qualquer resposta política nacional.Ambiente,Carvão,Energia,Poluição,Aquecimento Global,Blog do Mesquita

Mas a mudança para uma energia mais verde está mudando algumas mentes. Curt Morgan, CEO da Vistra Energy, uma das maiores empresas de eletricidade do Texas, que gera e vende eletricidade, diz que sua empresa passou de contar com carvão para cerca de 70% de sua geração para menos da metade agora. Todos os novos investimentos da Vistra são em energia renovável, e a empresa agora apóia um imposto sobre o carbono, que Morgan diz ser a melhor maneira de incentivar empresas como a dele a deixar de poluir o carbono. A ExxonMobil, uma gigante de combustíveis fósseis com sede no estado, é outro proponente da idéia.

No entanto, isso convencerá os republicanos? Morgan diz que acha que o partido está indo na direção certa. Eles deixaram de ser “apenas diga que não há partido sobre mudança climática para um partido que reconhece que é um problema”, diz ele. Mas, ele acrescenta, o progresso é lento. “Os políticos têm um problema – eles precisam ser reeleitos.” Em fevereiro, os republicanos da Câmara dos Deputados propuseram reduzir as emissões criando um crédito fiscal para o seqüestro de carbono e incentivando o plantio de árvores. Apesar da modéstia, o plano foi imediatamente denunciado como capitulação por alguns grupos à direita. O Partido Republicano corre o risco de ser deixado para trás defendendo indústrias antigas, mesmo quando novas as varrem.

Indústria nuclear é um risco e uma ameaça à meta climática da Inglaterra

Diante das reações o governo da Inglaterra pode abandonar um plano para pagar a construção de novas usinas nucleares através da cobrança de uma taxa sobre as contas de energia.


O governo pode abandonar um plano para pagar por novas estações nucleares através de uma taxa sobre as contas de energia.

O Reino Unido perderá sua meta de carbono zero líquido até 2050, a menos que encontre uma maneira de financiar usinas nucleares, disse a indústria nuclear.

A indústria enviou uma carta confidencial ao chanceler Rishi Sunak, que foi vista pela BBC.

A carta foi motivada por temores de que o governo use o orçamento da próxima semana para abandonar um plano de pagamento de novas usinas através de uma taxa sobre as contas de energia.

O esquema acrescentaria cerca de £ 6 por ano às contas de energia.

Foi apresentada pelo Tesouro no ano passado como forma de pagamento de uma nova usina planejada em Sizewell, em Suffolk.

Todas, exceto uma das usinas nucleares existentes no Reino Unido, que fornecem cerca de 20% da eletricidade do país, serão aposentadas até o final da década.

Críticas severas
Apenas um novo reator, em Hinkley Point, em Somerset, está em construção.

Ele está sendo pago pela empresa francesa de serviços públicos EDF e seu parceiro no projeto, China General Nuclear Power Corp (CGN).

A construção é apoiada pela promessa de que o Reino Unido pagará 92,50 libras por cada megawatt-hora que produz, mais que o dobro do preço atual de mercado.

A nova estação de Hinkley enfrentou críticas – Getty

O alto preço atraiu críticas severas e levou à busca de uma nova maneira de financiar usinas nucleares.
“Existe uma necessidade urgente de um novo mecanismo de financiamento robusto que garanta a confiança do investidor, reduz o custo de capital e ofereça um valor muito significativo ao consumidor”, afirma a carta da Associação da Indústria Nuclear ao chanceler.

“Sem a estrutura política adequada e o modelo de investimento na legislação, é impossível alcançar a substituição dessa capacidade e sustentar nossas necessidades futuras de energia”.

A associação acrescenta que o Reino Unido não pode contar com energia renovável “dependente do clima” – energia eólica e solar – para todas as suas necessidades futuras de energia. Nem poderia esperar o surgimento de tecnologias “inovadoras”.

“O relatório Net Zero do Comitê de Mudanças Climáticas recomendou que um futuro mix de energia fosse constituído por 38% de energia firme, da qual nuclear é a única opção comprovada e comercialmente viável”, diz a carta.

Também encontra falhas nas conclusões da Comissão Nacional de Infraestrutura sobre energia nuclear, dizendo que elas não levam em conta adequadamente os compromissos de mudança climática do governo – o mesmo motivo pelo qual o Tribunal de Apelação bloqueou recentemente a terceira pista planejada em Heathrow.

A comissão disse que o Reino Unido precisará de apenas mais uma nova usina nuclear do tamanho da que está sendo construída em Hinkley Point antes de 2025. “Essa conclusão é fundamentalmente falha – até porque a avaliação não leva em conta o comprometimento líquido agora legislado, “a carta diz.

‘Indústria falida’
No entanto, a organização de campanha nuclear CND disse que seria melhor se a taxa fosse descartada.

Kate Hudson, secretária geral da CND, disse: “Os subsídios do governo para a indústria nuclear – como uma taxa de 6 libras por cabeça para Sizewell – estão de fato sustentando uma indústria falida, motivo pelo qual congratulamo-nos com qualquer plano para descartá-los.

“Não apenas a energia nuclear é mais cara que as renováveis, como todas as usinas nucleares construídas desde 1951 tiveram perdas de £ 4 bilhões em média.

“A nuclear também cria um problema insolúvel em resíduos, e como o drama de TV Chernobyl revelou graficamente, os acidentes nucleares criam miséria humana e destruição ambiental.

“Parece que o governo pode finalmente estar acordando para essas realidades econômicas e ambientais”.

Excesso de custos
Executivos do setor nuclear disseram que o Tesouro estava adotando uma visão sombria do plano de financiar usinas através de uma taxa sobre as contas dos clientes.

Seus especialistas em contabilidade disseram que, como o plano levaria o governo a pagar a conta por grandes excedentes de custos, o custo total poderia contar como parte dos empréstimos do governo.

Na terça-feira, o governo mostrou vontade de abalar a política energética, abrindo as portas para a construção de novos parques eólicos em terra.

Na verdade, eles foram banidos por David Cameron quando primeiro ministro.

Próxima parada, trens movidos a hidrogênio

Como os antigos trens a diesel são desativados das redes ferroviárias em todo o mundo, o Reino Unido está prestes a testar um novo tipo de motor que poderia ajudar a descarbonizar as ferrovias – trens movidos a hidrogênio.

Da plataforma, parecia qualquer outro trem britânico. Porém, quando várias centenas de passageiros subiram a bordo dos vagões de carroceria de aço em Long Marston, eles encontraram uma visão incomum. Em um de seus carros, os passageiros foram incentivados a posar em torno de quatro tanques de combustível de hidrogênio, uma célula de combustível e duas baterias de lítio.

O sistema de energia a hidrogênio do trem produz energia suficiente para pegar o trem 80 a 75 milhas. O trem, chamado Hydroflex, é o primeiro do Reino Unido a ser movido a hidrogênio. Foi exibido ao público em junho de 2019 pela primeira vez nas pistas do Quinton Rail Technology Center, uma instalação de testes em Long Marston, perto de Stratford-upon-Avon, na Inglaterra.

Os engenheiros que desenvolveram o novo trem, da Universidade de Birmingham e da companhia ferroviária britânica Porterbrook, queriam que os passageiros sentassem ao lado das células de combustível de hidrogênio do trem. Quanto mais cedo se familiarizassem com a tecnologia, mais cedo se sentiriam seguros, argumentaram.

Alguma apreensão em torno do hidrogênio como fonte de combustível talvez seja compreensível, considerando a infeliz história de dirigíveis cheios de hidrogênio, nomeadamente aeronaves, como o infeliz destino britânico R101 e o alemão Hindenburg. Mas os trens movidos a hidrogênio estão surgindo como um meio de transporte viável – e muito mais seguro. Quão perto estamos das frotas de trens que liberam apenas água como resíduo?

A maneira como o hidrogênio alimenta um trem como o Hydroflex é bastante simples. A célula de combustível é composta por um ânodo, um cátodo e uma membrana eletrolítica. O hidrogênio armazenado passa pelo ânodo, onde é dividido em elétrons e prótons. Os elétrons são então forçados através de um circuito que gera uma carga elétrica que pode ser armazenada em baterias de lítio ou enviada diretamente ao motor elétrico do trem. A parte restante da molécula de hidrogênio reage com o oxigênio no cátodo e se torna o produto residual – a água.

Atualmente, os tanques de hidrogênio, a célula de combustível e as baterias do Hydroflex estão dentro de um carro de passageiros, mas o plano final é armazená-los embaixo do trem para acomodar mais passageiros. É claro que o hidrogênio é extremamente inflamável, mas no Hydroflex ele é armazenado em quatro tanques de alta pressão protegidos, uma das várias medidas para garantir a segurança dos passageiros.

Os trens movidos a hidrogênio, como o Hydroflex, são isentos de emissões – desde que o hidrogênio seja proveniente de uma fonte renovável – Foto University of Birmingham

Em meio à crise climática, a demanda por descarbonização nas indústrias de transporte cresceu e o Hydroflex é apenas um produto disso. Em 2016, a Alemanha apresentou o Coradia iLint, o primeiro trem movido a hidrogênio do mundo, que pode percorrer 600 milhas em um único tanque de combustível – a par das distâncias que os trens tradicionais alcançam em um tanque de diesel. Engenheiros nos EUA também estão trabalhando para trazer uma versão de um “trilho hidráulico” para os estados. No entanto, como os trens já estão entre os mais baixos emissores de gases de efeito estufa no transporte, resta saber se o valor de uma revisão maciça dos sistemas ferroviários valerá a pena.

O Reino Unido já possui 42% de suas milhas eletrificadas, de acordo com a Instituição de Engenheiros Mecânicos, o que significa que esses trens estão prontos para se tornar zero carbono, se usarem uma fonte renovável de energia. Atualmente, uma única linha que liga Hampshire a Londres é a única no mundo a operar exclusivamente com energia solar. No entanto, os 58% restantes da via do Reino Unido ainda não estão eletrificados, portanto ainda são necessários trens a diesel para manter as áreas conectadas por via férrea.

Os engenheiros que trabalham no Hydroflex dizem que os trens movidos a hidrogênio podem ser a resposta para descarbonizar o sistema ferroviário do Reino Unido sem incorrer no alto custo de eletrificar sua linha. De acordo com uma avaliação de 20 linhas na Grã-Bretanha e na Europa continental, a eletrificação de um único quilômetro de trilho pode custar entre 750 mil e 1 milhão de libras (965 mil a 1,3 milhão de dólares). Os trens movidos a hidrogênio são mais baratos, porque não exigem grandes reparos na via e podem ser criados com a reforma dos trens a diesel existentes. Isso é especialmente benéfico nas áreas rurais, onde há mais milhas a percorrer, mas menos passageiros para justificar a despesa.
The German Coradia iLint was the world’s first hydrogen-powered locomotive (Credit: Getty Images)

Energia,Renovável,Solar,Eólica,Blog do Mesquita

Paulo Guedes não quer que você tenha painéis solares em casa

O problema de fundo apontado pela Aneel é real. Mas a solução oferecida é equivocada. Primeiro, porque mostra uma seletividade notável

O ministro da Economia, Paulo Guedes.
O ministro da Economia, Paulo Guedes.A. MACHADO (REUTERS)

Diga-me a que lobby atendes e eu te direi quão liberal és. Nomeado sob juras de desregulamentação e laissez-faire na economia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deu mostra arrepiante de dirigismo estatal ao apoiar uma proposta da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) de mudar as regras para a adoção de energia solar. O plano, feito sob medida para atender ao lobby das distribuidoras, imporia tarifas hoje inexistentes a geradores individuais de energia fotovoltaica. À guisa de corrigir uma distorção, põe o Estado no cangote de cada cidadão que quer produzir sua própria energia em casa ou em seu negócio.

Pelo seu desequilíbrio, a ideia causou indignação até no presidente Jair Bolsonaro, a quem ninguém poderá acusar de equilibrado. Nesta semana, ele desautorizou os próprios ministros e disse que ninguém vai “taxar” a energia. Afirmou ainda que pediu aos presidentes da Câmara e do Senado para propor projetos que barrem a mudança na regra. Morra de inveja, Buñuel: o chefe do Executivo pediu ajuda ao Legislativo para barrar uma iniciativa gerada no Executivo.

Porém, em se tratando de quem é, convém manter as barbas de molho. Nem as distribuidoras, nem a Aneel, nem Guedes pretendem largar fácil esse osso, e Bolsonaro dificilmente terá se inteirado da discussão.

Desde 2012 é regulamentada a possibilidade de que brasileiros gerem sua própria energia (ou parte dela) em telhados de residências, indústrias ou estabelecimentos comerciais. Quem adota o sistema, pagando custos iniciais elevados, tem direito a trocar energia com a rede, usando menos eletricidade de dia e injetando seu excedente no sistema. Isso dá ao consumidor gerador uma redução na conta de luz que pode chegar a 95% e o isenta da tarifa de uso do sistema de distribuição. Assim, o investimento feito nas placas solares geralmente se paga em quatro anos.

Mais tarde, uma revisão da resolução da Aneel ampliou a modalidade para compartilhamento de telhados ―neste caso, mesmo se os painéis estiverem instalados em um único local, a conta ainda pode ser dividida entre dois ou mais consumidores— e a redução do preço dos sistemas fotovoltaicos fez com que a energia solar se tornasse a fonte que mais cresce no Brasil, gerando energia para mais de 140 mil residências. Na matriz elétrica atual, essa geração distribuída, somada às grandes usinas solares, já desbancou as térmicas a carvão, ocupando o quinto lugar em termos de capacidade instalada.

Corta para 2019. Pressionada pelas distribuidoras, a Aneel vem propondo que quem gera energia solar, a despeito de fornecer energia limpa ao sistema, passe a arcar com tarifas que atualmente não paga. Havia na mesa seis propostas para a nova regulação, desde a continuidade das condições atuais até uma tunga pesada a esses consumidores. Após diversas consultas públicas, em que esmagadora maioria das contribuições eram contrárias à revisão, a Aneel optou pelo cenário mais impactante de todos: o corte de 68% no crédito ao consumidor na conta de luz. Teve apoio do Ministério da Economia.

Os defensores da proposta afirmam que toda a sociedade acaba subsidiando os microgeradores individuais, uma vez que o custo das distribuidoras não muda e o número de consumidores com quem dividir esse custo diminui. Apresentam uma conta de 34 bilhões de reais até 2035 que será rateada por todos nós, os sem-placas, caso nada seja feito para corrigir a distorção gerada pelo desconto aos manganos solarizados. O recado é: os pobres estão subsidiando os ricos. Mais ainda: um subsídio desnecessário, já que a energia fotovoltaica foi a fonte mais barata do país no último leilão.

Muita calma nessa hora.

O problema de fundo apontado pela Aneel é real. Mas a solução oferecida é equivocada. Primeiro, porque mostra uma seletividade notável na discussão de subsídios a solar. Esse mesmo argumento de equidade nunca é levantado quando se fala de subsídios a combustíveis fósseis, por exemplo —85 bilhões de reais apenas em 2018, segundo um estudo do Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos). Só para o carvão mineral foram 784 milhões de reais naquele ano. O subsídio direto a empresas para explorar petróleo no Brasil (Repetro) foi de 13 bilhões de reais no mesmo ano, e pode chegar a centenas de bilhões até 2040. A Conta de Consumo de Combustíveis, paga por toda a sociedade brasileira para subsidiar térmicas a diesel na (ensolarada) região Norte, foi de 7,5 bilhões de reais em 2019.

É um subsídio pago duas vezes pelos cidadãos: diretamente, na forma de tarifas e impostos, e indiretamente, por danos à saúde da população e ao clima.

E aqui chegamos ao elefante na sala que a Aneel e os liberais seletivos do Governo insistem em ignorar: o mundo está numa emergência climática. Neste momento, por exemplo, um continente inteiro está queimando. E os mesmos cientistas que previram 20 anos atrás que a Austrália viraria cinza previram também que os rios que abastecem as hidrelétricas brasileiras passariam a ter vazões cronicamente reduzidas. Para o Brasil cumprir a dupla necessidade de descarbonizar sua matriz elétrica e evitar apagões generalizados, o uso de energia solar precisará crescer dos atuais 3,5 gigawatts para 100 gigawatts em 30 anos. E o maior potencial para isso não está em usinas solares, mas sim nos 84 milhões de telhados do país.

Além disso, a proposta da Aneel desconsidera aspectos econômicos do lado do consumidor que investe nos sistemas fotovoltaicos. Pelo lado das concessionárias, perdem-se outros benefícios como o adiamento de investimentos em sistemas de transmissão e distribuição, a redução de perdas e do carregamento das redes, a própria Aneel admite. E, em relação aos consumidores, o tempo de retorno dos sistemas pode aumentar em mais de três anos, o que significa quase dobrar o tempo atual para quitar o investimento.

Por mais que seja previsto um período de transição de dez anos para quem já possui instalações, isso ainda frustraria consumidores que esperam gerar energia nas condições previamente acordadas por pelo menos 25 anos.

De acordo com Arthur Cursino, da Mitsidi Projetos, se não forem alteradas as condições atuais para a microgeração, o crescimento esperado da energia solar geraria 336 mil empregos diretos e indiretos e um PIB adicional de 59,6 bilhões de reais até 2030. Já o cenário com a tunga proposta pela agência e apoiada por Paulo Guedes reduziria a geração de empregos para menos da metade, 159 mil, e o PIB cresceria quase 60% a menos que no cenário sem a proposta. As emissões evitadas seriam de 43 milhões de toneladas de CO2 (ou aproximadamente um ano de emissões do setor elétrico) e cairiam também em 60% (para 17 milhões de toneladas) com as mudanças.

O pífio crescimento econômico dos últimos anos tem reduzido a demanda de ampliação da capacidade instalada da matriz elétrica, mas nesse quadro é preciso garantir que as energias renováveis continuem crescendo e —efetivamente— reduzindo o espaço das térmicas fósseis na matriz, que é o que o mundo todo tem se comprometido a fazer com o Acordo de Paris.

Resolver o problema das distribuidoras com a microgeração é possível: há 85 bilhões de soluções possíveis, caso o Governo entenda que pau que dá em Chico dá em Francisco e resolva olhar para os subsídios imorais e perigosos aos fósseis. A proposta da Aneel, apoiada por Guedes contra o próprio Bolsonaro, é um erro estratégico. Mais do que isso, é uma ironia para um suposto überliberal. Afinal, não há nada que simbolize melhor a libertação do cidadão das garras do Estado do que gerar a própria energia em casa.

Ricardo Baitelo é coordenador de Clima e Energia do Greenpeace. Artur Moret é professor da Universidade Federal de Rondônia