Fatos & Fotos – 28/07/2021

Fikri Amanda Abubakar. St Sd.


Portas e Janelas – Marrocos


Rosalie Caron
Jeune femme sortant du bain,1822


No dia de hoje, mas em 1794, era guilhotinado Maximilien Robespierre, uma das principais figuras da Revolução Francesa. Advogado e político francês nascido em 6 de maio de 1758 em Arras, França. Foi executado em Paris, na “Place de la Révolution – atual place de Concord.


Leopold Schmutzler st sd


Na trilha sonora da manhã desta quarta-feira Patricia JANEČKOVÁ: “Frühlingsstimmen”


Claude Monet,La grande allée à Giverny



Foto do dia

Foto do dia – Autor não identificado
Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights Wallhere


Nicholas Sparks st sd

Fatos & Fotos – 27/07/2021

David Gaberle. st sd


Na trilha sonora desta noite de terça-feira – Take a Picture of the Moon – Tatiana Eva-Marie & Terry Waldo


Boa noite
Adeus
Judith Teixeira

Sim, vou partir.
E não levo saudade
De ninguém
Nem em ti penso agora!
Julgavas que a tristeza desta hora
Fosse maior que a firme vontade
Que eu pus em destruir
O luminoso fio de ternura
Que me prendia ao teu olhar?
Julgaste mal:
Eu sei amar,
Mas meu amor
O que eu não sei
É ser banal!

Mas por que vim eu escrever-te ainda?
Nem eu sei!
Talvez somente
O hábito cortês da despedida
– e o hábito faz lei!

Choro?! Oh, sim , perdidamente!
Mas sabes tu, por que este pranto
Assim amargo e soluçado vem?
É que na hora da partida
Eu nunca pude sem chorar
Dizer adeus a ninguém!

Arte Digital – José Mesquita


Christine Webb
Memory of YSL Garden Morocco” sd


Arthur Hacker 1858-1919
Portrait of a Girl,1896


Louis Tresseras st sd


Como Copa, Olimpíada e Bolsonaro implodiram imagem do Brasil no exterior

Cerimônia de abertura da Olimpiada do Rio de Janeiro foi muito elogiada e o evento, no geral, foi um ‘sucesso’. Mesmo assim, a ampla publicidade dada ao Brasil atrapalhou a imagem do país, em vez de ajudar

Quando o Rio de Janeiro foi escolhido em 2009 para sediar a Olímpiada de 2016, o clima era de grande entusiasmo. Seria, aparentemente, uma grande oportunidade de divulgar o Brasil, atrair investimentos e turismo internacional.

Imagens do ex-presidente Lula e do ex-jogador de futebol Pelé pulando de alegria e até chorando circularam nos meios de comunicação. Três anos antes, em 2006, o Brasil já havia sido escolhido para ser sede da Copa do Mundo em 2014.

Com esses dois megaeventos internacionais, o país seria notícia no mundo todo. E foi. Mas, contrariamente ao senso comum, essa “ampla divulgação” provocou efeito inverso do esperado: marcou o início da derrocada da imagem do Brasil no exterior.

Pelo menos é o que revelam dados obtidos pela BBC News Brasil da pesquisa Anholt-Ipsos Nation Brands, que mede a percepção das pessoas sobre os países em áreas como governança, exportação, cultura e população.

Anholt, que já atuou como conselheiro de governantes de 56 países, disse à BBC News Brasil que a Olimpíada e a Copa do Mundo serviram de publicidade negativa ao Brasil porque o mundo passou a conhecer mais sobre a pobreza, a desigualdade social, a violência e a corrupção existentes no país.
Por quase dez anos, o Brasil vivenciou “estabilidade” na sua marca externa, ou seja, na forma como era visto pelo mundo. No entanto, justamente nos anos em que o país sediou os dois grandes eventos esportivos internacionais, houve uma piora acentuada na percepção externa em relação ao país, conforme os dados da pesquisa Nation Brands.

Queda ainda maior com o governo Bolsonaro

Desde a última queda acentuada na sua imagem internacional em 2016, o Brasil iniciou uma recuperação. Mas, de 2019 em diante, após o início do governo Jair Bolsonaro, a “marca” ou imagem externa do país parece ter entrado em queda livre, conforme os dados do Nation Brands.
“A derrocada na imagem partir de 2019 é a mais significativamente negativa já registrada pelo Nation Brands Index. Isso tem correlação com o governo Bolsonaro, reação do governo à pandemia e ao furor internacional diante das queimadas na Amazônia”, explica Anholt.
O pior desempenho do Brasil é no quesito governança, que mede a percepção sobre a competência do governo — o Brasil figura em 44º no ranking nesse tópico. O melhor desempenho é em “cultura”, que mede a apreciação do mundo à música, filme, esporte, arte e literatura de um país. Nessa área, o Brasil aparece na décima posição no ranking.


William De Leftwich Dodge (American,1867-1935)
Dolphin Bay, 1915


O Sax Tenor de Joe Henderson brilha na manhã desta terça-feira – Canyon Lady


Rembrandt
Bethsabée au bain tenant
la lettre de David,1654



Entidades judaicas no Brasil se mostram chocadas com reunião entre presidente da República e Beatrix von Storch e afirmam que a legenda dela, a AfD, é um partido de “extrema direita que minimiza as atrocidades nazistas”

Instituições judaicas no Brasil criticaram nesta segunda-feira (26/07) o encontro do presidente Jair Bolsonaro com a deputada da ultradireita alemã Beatrix von Storch, ocorrido na semana passada.

Von Storch é vice-presidente do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AFD) e foi recebida pelo presidente em Brasília. Ela também se reuniu, separadamente, com os deputados federais Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, e Bia Kicis (PSL-DF) e com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes. As fotos do encontro de Von Storch com Pontes foram mais tarde excluídas da conta do ministério na plataforma Flickr.

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) lamentou a recepção dada à deputada da AfD em Brasília. “Trata-se de partido extremista, xenófobo, cujos líderes minimizam as atrocidades nazistas e o Holocausto. O Brasil é um país diverso, pluralista, que tem tradição de acolhimento a imigrantes.”

Outra entidade, o Instituto Brasil Israel (IBI), afirmou que a AfD tem características xenófobas e supremacistas e que a viagem mostra que a AfD apenas busca, de forma desesperada, legitimação internacional.

“O fato de Beatrix von Storch se ausentar da Alemanha quando se contam as vítimas das enchentes e viajar por um país isolado internacionalmente a esta altura, como o Brasil, mostra a irrelevância de seu partido e a busca desesperada por qualquer legitimação internacional. Ao contrário de uma união dos conservadores do mundo para defender os valores cristãos e a família, como sugeriu Bia Kicis, esses encontros estão mais para união de políticos de extrema direita irrelevantes no cenário global: um abraço de náufragos”, afirma a nota assinada pelo coordenador-executivo do IBI, Rafael Kruchin.

Já o grupo Judeus pela Democracia se declarou chocado com o encontro do presidente com a líder de um partido que chamou de “extrema direita, xenófobo e nazista”. “O presidente do Brasil, seu filho e a presidente da CCJ encontrarem uma deputada líder do partido de extrema direita, xenófobo e nazista é algo que nos assusta, não apenas como judeus, mas também como brasileiros.”

“Pela terceira vez em dias a VP do partido de extrema direita alemão aparece com governistas brasileiros: presidente da CCJ, filho do presidente e agora o PRESIDENTE DO BRASIL posam sorrindo e citando semelhanças com o partido xenófobo alemão. Sem rodeios: nazistas”, afirmou o Judeus pela Democracia em sua conta no Twitter.

Já na semana passada o Museu do Holocausto de Curitiba havia expressado preocupação e inquietude com os encontros da parlamentar alemã com autoridades brasileiras. “A Alternative für Deutschland (Alternativa para a Alemanha) é um partido político alemão de extrema direita, fundado em 2013, com tendências racistas, sexistas, islamofóbicas, antissemitas, xenófobas e forte discurso anti-imigração“, afirmou o museu.


Foto do dia – Autor não identificado

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights Wallhere


Adriaan Van Esveld – sd st


Compra de sistema de espionagem teve confronto entre Carlos Bolsonaro e Santos Cruz

A tentativa de compra do sistema de espionagem israelense Pegasus pela Lava Jato também revelou os bastidores do confronto entre integrantes da ala militar, como o então ministro da Secretaria de Governo, general Carlos dos Santos Cruz, o ministro da Justiça Sergio Moro e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). O foco da discórdia foi a montagem de uma licitação, ainda no primeiro ano do mandato do ex-capitão, para a compra do software para o Centro Integrado de Operações de Fronteira, aponta reportagem do jornalista Jamil Chade, no UOL.

Batizado de “Fusion Center”, o modelo integrado de  forças de segurança era inspirado nos moldes adotados pelos Estados Unidos e seria implantado em Foz do Iguaçu, na tríplice fronteira, no Paraná. A instalação, contudo, ainda não foi viabilizada. “A intenção era concluir ambas as licitações, para a criação do centro de controle e para a aquisição de uma ferramenta de inteligência, até 2020, mas diversos atrasos impediram que Moro concluísse o objetivo até a data de sua exoneração em 24 de abril de 2020”, ressalta Chade no texto da reportagem.

A compra do sistema  Pegasus, porém, não era bem vista por membros da ala militar, como o então ministro da Secretaria de Governo. O edital de licitação contou com dois processos distintos, um em 2020 e outro em 2021. O primeiro aconteceu ainda quando Moro chefiava a pasta da Justiça. A empresa fornecedora do Pegasus desistiu de participar do pregão após reportagens revelarem a participação do vereador Carlos Bolsonaro na negociação.


Peder Mørk Mønsted st sd


Angiolo Volpe,Dove l’anima è leggera – sd

Poesia – Judith Teixeira – 27/07/2021

Boa noite
Adeus
Judith Teixeira

Sim, vou partir.
E não levo saudade
De ninguém
Nem em ti penso agora!
Julgavas que a tristeza desta hora
Fosse maior que a firme vontade
Que eu pus em destruir
O luminoso fio de ternura
Que me prendia ao teu olhar?
Julgaste mal:
Eu sei amar,
Mas meu amor
O que eu não sei
É ser banal!

Mas por que vim eu escrever-te ainda?
Nem eu sei!
Talvez somente
O hábito cortês da despedida
– e o hábito faz lei!

Choro?! Oh, sim , perdidamente!
Mas sabes tu, por que este pranto
Assim amargo e soluçado vem?
É que na hora da partida
Eu nunca pude sem chorar
Dizer adeus a ninguém!

Fatos & Fotos – 26/07/2021

Arthur Hacker. 1858-1919. Portrait of a Girl. 1896.


Beth Hart, blueswoman de categoria indiscutível, numa performance arrasadora nesta noite de seginda-feira 


Boa noite.
O Amor Limitado
John DonneLiteratura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog do Mesquita 00 B

Algum homem indigno de ser possuidor
De amor velho ou novo, sendo ele próprio falso ou fraco,
Pensou que a sua dor e vergonha seriam menores
Se a sua ira sobre as mulheres descarregasse.
E então uma lei nasceu:
Que cada uma um só homem conhecesse.
Mas são assim as outras criaturas?

São o sol, a lua, as estrelas proibidos por lei
De sorrir para onde lhes apetece, ou de esbanjar a sua luz?
Divorciam-se os pássaros, ou são censurados
Se abandonam o seu par, ou dormem fora uma noite?
Os animais não perdem as suas pensões
Ainda que escolham novos amantes,
Mas nós fizémo-nos piores do que eles.

Quem já armou belos navios para ancorar nos portos,
Em vez de buscar novas terras, ou negociar com todos?
Ou construiu belas casas, plantou árvores e arbustos,
Apenas para as trancar, ou então deixá-los cair?
O Bom não é bom, a não ser
Que mil coisas possua,
Mas arruína-se com a avidez.

Tradução de Helena Barbas
Arte Digital – José Mesquita


Dominika Hoffman – st sd


Louis Tresseras st sd


Kerry faz crítica velada ao Brasil em discurso em Londres
Enviado de Biden para o clima elogia Índia, China e África do Sul e diz que “outros países” estão “removendo os pulmões do mundo”

O enviado especial para o clima do governo americano, John Kerry, afirmou nesta terça-feira (20) em Londres que alguns países estão aumentando o desmatamento e “continuando a cortar ilegalmente a floresta tropical”. Segundo o americano, esses países estão “removendo os pulmões do mundo, destruindo uma biodiversidade insubstituível e desestabilizando o clima, tudo ao mesmo tempo”.

Os tais países não foram nomeados, mas o sujeito oculto da frase tem nome e sobrenome: Jair Messias Bolsonaro. Numa fala que não poupou elogios a grandes emissores do mundo em desenvolvimento, como China, Índia e África do Sul – e que mencionou de forma positiva até mesmo aos vilões clássicos do clima Arábia Saudita e Rússia –, o Brasil apareceu apenas de forma velada, e mal na fita.

O que não deixa de ser irônico, considerando que Kerry e Biden estiveram, três meses atrás, a um passo de dar um cheque gordo ao governo brasileiro a título de “cooperação em clima” para “salvar a Amazônia” – incorretamente chamada de “pulmão do mundo”.

Foi preciso uma campanha internacional movida por ativistas, indígenas, artistas e intelectuais no Brasil e nos Estados Unidos para demover o governo americano da ideia de premiar Bolsonaro por seu mau comportamento ambiental. O então ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles encarregou-se de fazer outro tanto, pegando um avião para o Pará para melar uma operação da Polícia Federal contra madeira ilegal na mesma semana em que se reuniu com a equipe de Kerry para pedir dinheiro. O serviço foi finalizado pelos alertas de desmatamento na Amazônia, que cresceram nos últimos meses e podem revelar uma taxa de devastação na casa dos 10 mil quilômetros quadrados pelo terceiro ano seguido.

Kerry comparou a situação do mundo na 2a Guerra Mundial, quando a ameaça existencial do nazismo juntou os renitentes EUA ao Reino Unido e aos inimigos soviéticos, à atual crise climática, que igualmente demanda respostas globais.

“A crise do clima é o teste do nosso tempo, e enquanto alguns ainda podem acreditar que ela está se desenrolando em câmera lenta, esse teste é tão agudo e existencial quando qualquer outro que o antecedeu”, afirmou.

Numa metáfora utilizada há anos pelos cientistas e ambientalistas e largamente ignoradas pelos governos, o americano comparou o combate à crise climática ao esforço de guerra, quando as fábricas dos EUA tiveram sua produção toda direcionada a tanques e aviões militares. “É precisamente o que precisamos fazer agora: tratar a mudança climática como a crise que ela virou e montar uma resposta comparável à mobilização de guerra, uma oportunidade maciça de reconstruir nossas economias na esteira de uma pandemia histórica.”

Para isso, prosseguiu, os EUA e a China já se mostraram dispostos a cooperar. “Obviamente não é um mistério que a China e os EUA têm muitas diferenças. Mas, no clima, a cooperação é a única maneira de nos libertarmos do pacto suicida atualmente em curso no mundo.”


William Henri Margetson st sd


Na trilha sonora desta tarde de segunda-feira – Autumn Leaves – O Contrabaixo de Choi Jun-hyeok improvisando com músicos de rua durante uma viagem pela Itália



Foto do dia – Fotografia de Andrzej

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights PixaBaby


Rio Tietê, na região de Salto, interior de São Paulo, ficou coberto por uma espuma tóxica.

Gasto com desassoreamento e limpeza do Rio Tietê caiu pela metade no ano passado.
Com o nível do rio mais baixo que o normal por causa da estiagem, a movimentação e as quedas d’água são maiores, o que provoca uma agitação maior e o surgimento de mais espuma.

Com informações do G1.


Fauci reconsidera volta do uso da máscara por vacinados nos EUA

Os Estados Unidos estão “na direção errada” no combate à pandemia de coronavírus e, na visão do assessor médico da Casa Branca Anthony Fauci, o país vê uma “situação desnecessária” de alta dos casos.

Fauci – considerado o principal especialista norte-americano em doenças infecciosas – afirmou que o recente crescimento de casos se deve à variante delta do vírus e a uma parcela da população que não se vacinou. Quase 163 milhões de pessoas, ou 49% da população americana apta a vacinar, já foram imunizadas nos Estados Unidos, segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Enquanto existem locais que estão solicitando à população retomar o uso de máscaras em público, independentemente de estarem vacinados ou não, Fauci afirmou que os especialistas estão revisando dados e avaliam a recomendação de doses de reforço para quem já se vacinou. 


Henri De Toulouse Lautrec
retrato de Vincent van Gogh


Ossos de boi, arroz e feijão quebrado formam cardápio de um Brasil que empobrece.

Com esses restos de desossa do boi, ficam resquícios de carne, proteína principal na casa de cuiabanos que vivem em situação precária. Fotografia de Rafaela Lima

A pandemia aprofundou ainda mais a situação precária vivida por milhões de brasileiros. A insegurança alimentar leva centenas de pessoas ao açougue Atacadão da Carne, em Cuiabá, em busca de doação.

Na periferia de Cuiabá, dezenas de pessoas se enfileiram em frente a um açougue, três vezes por semana, para conseguir pedaços de ossos doados pelo estabelecimento. A informação é do Uol.

Com esses restos de desossa do boi, ficam resquícios de carne, proteína principal na casa de cuiabanos que vivem em situação de vulnerabilidade financeira e social.

De acordo com funcionários do Atacadão da Carne, há mais de 10 anos o local faz essas ações. No entanto, segundo eles, a fila aumentou nos últimos tempos. Por dia, são quase 500 kg distribuídos. Pelos mesmos pedaços de ossos, outros açougues da região chegam a cobrar até R$ 10 reais por quilo.

À publicação, Maurício Munhoz, professor de economia da Universidade Federal de Mato Grosso, reforça que a fila escancara a contradição de um estado que é referência no agronegócio e na criação de gado.

“Mato Grosso tem o maior rebanho bovino do país, com cerca de 32 milhões de cabeças de gado. São aproximadamente dez cabeças de boi por habitante. Seria lógico que pelo menos o preço da carne fosse barato aqui, mas acontece o contrário”, explicou. Segundo ele, com as consequentes altas do dólar, os frigoríficos preferem exportar a carne a vender no mercado interno, visando o lucro.


Boris Grigoriev,Masked woman, 1920


André Mendonça não tem ‘reputação ilibada’ para ser ministro do STF, diz jurista

“Um conjunto de ações tomadas nos últimos anos deixa patente que André Mendonça não tem reputação ilibada para ser indicado ao STF”, afirma o jurista Rogério Dultra dos Santos

De acordo com o professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF), integrante da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), Rogério Dultra dos Santos, o atual advogado-geral da União (AGU) André Mendonça não cumpre os requisitos básicos para ocupar uma cadeira de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Mendonça foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro na semana passada para a vaga do ministro Marco Aurélio Mello, que se aposentou. Além de atuar como AGU, Mendonça também substituiu Sergio Moro no Ministério da Justiça.

Em ambas as funções, ele se destacou por sua fidelidade pessoal ao presidente, ultrapassando os limites constitucionais. Ele defendeu, por exemplo, a aplicação da Lei de Segurança Nacional (LSN) contra opositores de Bolsonaro. Apontado pelo presidente como “terrivelmente evangélico”, Mendonça guia a sua atuação pela bíblia, em detrimento da Constituição.

“Um conjunto de ações tomadas nos últimos anos deixa patente que André Mendonça não tem reputação ilibada para ser indicado ao STF”, afirmou Dultra em entrevista a Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual.


Jean André Rixens
(1846, Saint-Gaudens 1925, París)
Jovencita desnuda peinándose,1887


John White Alexander (1856-1915),Green


John White Alexander (1856-1915),Red

Escrita,Literatura,Poesia,Filosofia,Textos

Poesia – John Donne – 26/07/2021

Boa noite.
O Amor Limitado
John Donne

Algum homem indigno de ser possuidor
De amor velho ou novo, sendo ele próprio falso ou fraco,
Pensou que a sua dor e vergonha seriam menores
Se a sua ira sobre as mulheres descarregasse.
E então uma lei nasceu:
Que cada uma um só homem conhecesse.
Mas são assim as outras criaturas?

São o sol, a lua, as estrelas proibidos por lei
De sorrir para onde lhes apetece, ou de esbanjar a sua luz?
Divorciam-se os pássaros, ou são censurados
Se abandonam o seu par, ou dormem fora uma noite?
Os animais não perdem as suas pensões
Ainda que escolham novos amantes,
Mas nós fizémo-nos piores do que eles.

Quem já armou belos navios para ancorar nos portos,
Em vez de buscar novas terras, ou negociar com todos?
Ou construiu belas casas, plantou árvores e arbustos,
Apenas para as trancar, ou então deixá-los cair?
O Bom não é bom, a não ser
Que mil coisas possua,
Mas arruína-se com a avidez.

Tradução de Helena Barbas

Fatos & Fotos – 25/07/2021

Para encerrar esta noite de domingo, a orquestra de Jackie Gleason interpreta “How High the Moon”


Boa noite.
Versos para a Patrícia
Mia Couto

1. Ilha

Tenho a sede das ilhas
e esquece-me ser terra

Meu amor, aconchega-me
meu amor, mareja-me

Depois, não
me ensines a estrada.

A intenção da água é o mar
a intenção de mim és tu.

2. Véspera

Há um perfume
que trabalha em mim
e me acende,
antigo,
sobre a poeira

Há um rosto
que regressa à fonte
água readormecendo

E só hoje reparo
o labor das nuvens
corais solares
arquitectando o céu

Pássaros brancos
vão pousando
na varanda dos teus olhos

Só hoje enfrento o sol
fogo imóvel,
labareda de água

Andemos, meu amor,
de coração descalço sobre o sol


Joaquim Sorolla,Remando, 1910


“Penso que chega um momento na vida da gente, em que o único dever é lutar ferozmente por introduzir, no tempo de cada dia, o máximo de eternidade.”
Guimarães Rosa


Lotte Laserstein (1898-1993) st sd


Paul Gustav Fischer,Autoportrait,1909


Franz Marc st sd



Winslow Homer – (1835-1909)
Watercolour,1904 st


Embalando essa manhã de domingo Hania Rani & Dobrawa Czocher – Tak tak to ja



Foto do dia – Fotografia de Martina Fuksová


Pazuello é representado no MP militar por negociar Coronavac com empresa intermediário

Apesar de ter dito à CPI da Covid que não cabe ao ministro negociar vacinas, vídeo mostra Pazuello tratando sobre a aquisição do imunizante da Sinovac com representantes de empresa ao triplo do preço oferecido pelo Instituto Butantan. O deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) acionou uma série de órgãos para que o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, seja investigado pelo crime de improbidade administrativa.

O motivo é o fato de Pazuello, conforme mostra vídeo divulgado na última semana, ter tentado negociar a vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac, com uma empresa intermediária. A reunião aconteceu em 11 de março, fora da agenda oficial do então ministro.

Antes do vídeo vir à tona, o militar havia dito aos senadores da CPI do Genocídio que não caberia ao ministro da Saúde negociar imunizantes, mas sim à sua equipe. O vídeo, no entanto, mostra Pazuello tratando da aquisição das vacinas com representantes da World Brands, uma empresa de Santa Catarina que lida com comércio exterior.


Embaixadores europeus desconfiam das promessas de Bolsonaro para área ambiental.

Em reunião com parlamentares brasileiros na semana passada, embaixadores da União Europeia, Noruega e Reino Unido se mostraram preocupados com a inércia do governo de Jair Bolsonaro, principalmente se o assunto é política ambiental.

Para apaziguar os ânimos diante de iminentes boicotes a produtos brasileiros nas prateleiras dos supermercados e queda dos investimentos estrangeiros, em abril, à Cúpula dos Líderes pelo Clima, prometeu a antecipação em dez anos, para 2050, para que o país atinja a chamada neutralidade climática.

Mas o orçamento para a área ambiental continua em menos de 1% do total. E tampouco há sinais de mais recursos, de contratação de pessoal e modernização de equipamentos, como os de tecnologia moderna de sensoriamento remoto. Pelo contrário, quer até desligar computador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A saída de Ricardo Salles do cargo de Ministro do Meio Ambiente e Ernesto Araújo da pasta de Relações Exteriores em nada melhoraram o cenário, afinal, tendo Jair Bolsonaro à frente do país, a situação continua a mesma.
E depois do encontro com os líderes de mais de 40 países, o que se viu foi o aumento da devastação ambiental. Para se ter uma ideia, segundo o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o desmatamento na região atingiu 926 km² em junho, uma área quase três vezes maior do que a cidade de Fortaleza.

O número representa um aumento de 10% em relação a junho de 2020 e é o terceiro maior para o mês em 10 anos. No acumulado dos primeiros seis meses de 2021, o desmatamento atingiu 4.014 km² – a maior área da década para o período, segundo o monitoramento do instituto, realizado por meio do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), que utiliza imagens de satélite e de radar.

À coluna Painel, da Folha de São Paulo, o deputado federal Rodrigo Agostinho (PSB-SP), que participou da reunião com embaixadores da União Europeia, Reino Unido e Noruega, disse que o clima é de desconfiança total.

O Brasil precisa ir muito além do discurso. A União Europeia (EU), por exemplo, anunciou um plano para combater as mudanças climáticas e iniciar um processo de “descarbonização” da sua economia. Rodrigo Agostinho, que é presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS) da Câmara dos Deputados, acredita que dificilmente países como estes vão destinar recursos ao Brasil se não houver uma reação.

Ainda mais com projetos em curso que ameaçam territórios indígenas, que flexibilizam a concessão de licenciamento ambiental e PL 2633, que na praticamente legaliza a grilagem.
Os Estados Unidos também já sinalizaram que só cooperam com o Brasil se houver comprometimento. Caso contrário, poderá haver até mesmo retaliações políticas. Bolsonaro precisa rever seus conceitos sob pena de ter também o setor produtivo no seu encalço.

Literatura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog do Mesquita 00 B

Poesia – Mia Couto – 25/07/2021

Boa noite.
Versos para a Patrícia
Mia Couto

1. Ilha

Tenho a sede das ilhas
e esquece-me ser terra

Meu amor, aconchega-me
meu amor, mareja-me

Depois, não
me ensines a estrada.

A intenção da água é o mar
a intenção de mim és tu.

2. Véspera

Há um perfume
que trabalha em mim
e me acende,
antigo,
sobre a poeira

Há um rosto
que regressa à fonte
água readormecendo

E só hoje reparo
o labor das nuvens
corais solares
arquitectando o céu

Pássaros brancos
vão pousando
na varanda dos teus olhos

Só hoje enfrento o sol
fogo imóvel,
labareda de água

Andemos, meu amor,
de coração descalço sobre o sol

Fatos & Fotos – 24/07/2021

Embalando a noite deste sábado com Xuefei Yang – Cavatina


Boa noite.
Pecado Original
Álvaro de Campos/Fernando Pessoa

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido?
Será essa, se alguém a escrever,
A verdadeira história da humanidade.

O que há é só o mundo verdadeiro, não é nós, só o mundo;
O que não há somos nós, e a verdade está aí.

Sou quem falhei ser.
Somos todos quem nos supusemos.
A nossa realidade é o que não conseguimos nunca.

Que é daquela nossa verdade — o sonho à janela da infância?
Que é daquela nossa certeza — o propósito a mesa de depois?

Medito, a cabeça curvada contra as mãos sobrepostas
Sobre o parapeito alto da janela de sacada,
Sentado de lado numa cadeira, depois de jantar.

Que é da minha realidade, que só tenho a vida?
Que é de mim, que sou só quem existo?

Quantos Césares fui!

Na alma, e com alguma verdade;
Na imaginação, e com alguma justiça;
Na inteligência, e com alguma razão —
Meu Deus! meu Deus! meu Deus!
Quantos Césares fui!
Quantos Césares fui!
Quantos Césares fui!

#blogdomesquita
#Arte #Digital: #José #Mesquita


Gustave Boulanger
(25 April 1824 – October 1888)
Hercules and Omphale


Embalando essa manhã de sábado GoGo Penguin – Hopopono 



No dia de hoje, mas em 1802, nascia Alexander Dumas, escritor francês e autor de Os Três Mosqueteiros. A partir de 1825, ele editou poemas e longas histórias e apresentou vaudeville em teatros de variedades.


Rupert Bunny,1864-1947
The Sun Bath. 1913
Bendigo Art Gallery, Australia


A saída da Ford do Brasil (levando no bagageiro R$20 bilhões em subsídios) traz à tona questões ignoradas por sucessivos governos que aceitam o atraso tecnológico das montadoras, e desprezam o aparecimento de uma cultura que já não idolatra o carro como antes.

Sob as bênçãos do Governo Temer o Brasil aprovou o novo regime automotivo (Rota 2030) que puxou o freio de mão dos incentivos para carros elétricos e híbridos. Renovamos os subsídios para a vanguarda do atraso. Motores a combustão estão com os dias contados em boa parte do mundo.

Nos Estados Unidos (país que idolatra o automóvel) o lobby do setor automotivo levou uma surra no Governo Obama/Biden. Em vez de receber subsídios em troca da manutenção dos empregos, as montadoras foram obrigadas a criar linhas de montagem de veículos híbridos e elétricos.

Bens de consumo individuais estão sendo progressivamente compartilhados. O compartilhamento de carros (carsharing) e bicicletas (bicicletas públicas) inspiram novos modelos de negócio no Brasil e no mundo.

Pesquisas de comportamento revelam que o carro vem deixando de ser o principal sonho de consumo dos jovens. A idealização do automóvel (pela propaganda) como símbolo de liberdade e autonomia não tem a mesma força do passado. O mundo está mudando.

São muitos os desafios do Brasil num mundo que investe em novas tecnologias no setor automotivo (elétrico/híbrido), no setor energético (decadência do petróleo) e em vários outros segmentos do mercado. Requalificar mão de obra em escala é mais útil que lamentar a saída da Ford.


A arquitetura do templo da Índia medieval. Templo dedicado ao senhor Vishnu, Javari Mandir em Khajuraho, Madhya Pradesh, Índia,
construído entre 975 e 1100 DC, sob o patrocínio da dinastia Chandela.


Foto do dia – Michael Gaida

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights PixaBaby



Um político confiável. Ciro Noguiera, novo assecla, ops!, Ministro da Casa Civil. Bolsonaro desde criancinha.


Jean Baptiste Monnoyer(1636-1699)
Tulipes et Fleurs sd

Poesia – Álvaro de Campos/Fernando Pessoa – 24/07/2021

Boa noite.
Pecado Original
Álvaro de Campos/Fernando Pessoa

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido?
Será essa, se alguém a escrever,
A verdadeira história da humanidade.

O que há é só o mundo verdadeiro, não é nós, só o mundo;
O que não há somos nós, e a verdade está aí.

Sou quem falhei ser.
Somos todos quem nos supusemos.
A nossa realidade é o que não conseguimos nunca.

Que é daquela nossa verdade — o sonho à janela da infância?
Que é daquela nossa certeza — o propósito a mesa de depois?

Medito, a cabeça curvada contra as mãos sobrepostas
Sobre o parapeito alto da janela de sacada,
Sentado de lado numa cadeira, depois de jantar.

Que é da minha realidade, que só tenho a vida?
Que é de mim, que sou só quem existo?

Quantos Césares fui!

Na alma, e com alguma verdade;
Na imaginação, e com alguma justiça;
Na inteligência, e com alguma razão —
Meu Deus! meu Deus! meu Deus!
Quantos Césares fui!
Quantos Césares fui!
Quantos Césares fui!

Fatos & Fotos – 23/07/2021

Na trilha melancólica desta noite de sexta-feira Schumann: Piano Quartet No. 1 / com Daishin Kashimoto, Gilad Karni, Sol Gabetta, Nelson Goerner


Johann Grund (1808 – 1887)
Amor and Psyche


Boa noite.
Ode a Lídia
Jayro José Xavier

Esta súbita chuva que desaba
pela pele morena
de teu rosto
por teu riso por teus ombros
pelos teus longos
cabelos
cai na terra
— ouve bem —

com o peso, o
doce peso de milénios

Pois verdade é que outra
é a água
mas a mesma
(escorrendo pela
gloriosa nudez
de teu corpo)
mesmo o cheiro húmido
da terra, mesmo
nas árvores
o áspero, esperado canto
de verão

Tudo, nada mudou

Pois verdade é que outra
é a água
mas a mesma
(escorrendo pela
gloriosa nudez
de teu corpo)
mesmo o cheiro húmido
da terra, mesmo
nas árvores
o áspero, esperado canto
de verão

Tudo, nada mudou

Bebe pois desta água
bebe
bebe com todo o teu corpo
até que toda te farte
bebe
até que te embriague
a milenar
experiência
do planeta

Bebe e
(sábia)
colhe nas mãos o momento
que esvoaça
— este breve momento em que
como duas crianças
somos
e amamos


François-Xavier Fabre st sd


Organizações cobram fortalecimento do MPF contra crime ambiental na Amazônia.

Carta enviada à Procuradoria-Geral da República e ao Conselho Superior do Ministério Público Federal destaca resultados da Força-Tarefa Amazônia, criada em agosto de 2018 e encerrada em fevereiro deste ano.

Cinquenta e seis organizações da sociedade civil, entre elas a Transparência Internacional – Brasil, WWF-Brasil, Human Rights Watch, Conectas e Instituto Igarapé, enviaram uma carta à Procuradoria-Geral da República e ao Conselho Superior do Ministério Público Federal destacando a importância do fortalecimento da atuação do MPF no combate aos crimes e à degradação ambiental na Amazônia.

A carta cita a preocupação das organizações com a  descontinuidade da Força-Tarefa Amazônia em fevereiro deste ano, sem haver sinalização acerca de sua renovação ou de alguma outra estrutura que pudesse substituí-la no combate às ilegalidades praticadas na região. De acordo com as organizações, além da medida representar um recuo na atuação do MPF, ela traz consigo a perda de uma ação mais coordenada e estratégica do órgão no combate a essas ilegalidades, benefícios que a Força-Tarefa proporcionava. Isso tudo em um cenário de avanço da degradação ambiental, que pode ser evidenciada pelo aumento das taxas de desmatamento e queimada no bioma, bem como pelo crescimento da exploração de madeira e garimpo ilegais.

As organizações também deixam claro no documento que os crimes ambientais não apenas trazem prejuízos à sustentabilidade socioambiental, mas também podem causar danos econômicos, como restrições dos produtos brasileiros no mercado internacional, fuga de investimentos e dificuldades na assinatura de acordos comerciais.

“É momento de fortalecer as estruturas que investigam e punem o crime ambiental, sobretudo no momento em que as taxas de desmatamento e queimadas batem recordes. É isso que vai colocar o Brasil na rota exigida pelo século XXI e pelos desafios da crise climática. Do contrário, estaremos na contramão do mundo, correndo o risco de ver o fechamento dos mercados internacionais para as commodities agrícolas brasileiras” explica Michel Santos, gerente de políticas públicas do WWF-Brasil.

O texto enviado ao MPF e ao CSMPF enfatiza que por trás dos crimes ambientais também há uma estrutura que envolve grupos organizados que realizam diversas práticas criminosas que servem de “sustentação” à ilegalidade ambiental.

“Os crimes ambientais na Amazônia não ocorrem de forma isolada. Muitas vezes estão associados a práticas ilícitas como corrupção, lavagem de dinheiro, fraudes, evasão fiscal, formação de milícias e assassinatos. Combater os crimes ambientais é também promover a segurança pública, a integridade das instituições e o próprio Estado de Direito. O Ministério Público Federal tem um papel fundamental nisso e precisa fortalecer a sua atuação na região” comenta Renato Morgado, gerente de Meio Ambiente e Clima da  Transparência Internacional – Brasil.


Nicolas de Stael
Nature morte au poêlon blanc,1955


Paul Gustav Fischer
Scène de baignade,1916


Eleição não é assunto do Ministério da Defesa, afirma o general Santos Cruz.

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo de Jair Bolsonaro, afirmou nesta quinta-feira 22 que assuntos eleitorais não cabem ao Ministério da Defesa, atualmente sob comando do general Walter Braga Netto.

“É um assunto muito sério fazer uma ameaça de não haver eleição. Eleição é um dos fundamentos da democracia, é uma coisa que não pode ser ameaçada”, acrescentou Santos Cruz. “Uma coisa é o aperfeiçoamento do sistema eleitoral, você pode discutir.


Dominique Verburgh st sd


Estudo internacional desmente tese de Bolsonaro de “imunização de rebanho”

Pesquisadores da USP fizeram um estudo publicado na revista The Lancet que indica: pessoas que já contraíram o coronavírus podem ser reinfectadas. A tese da imunidade de rebanho defendida por Jair Bolsonaro contra a ciência não se sustenta.

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) fizeram um estudo apontando que a variante Gamma, anteriormente conhecida como P.1, originada no Brasil, tem possibilidades de escapar dos anticorpos neutralizantes gerados pelo sistema imunológico a partir de uma infecção anterior com outras variantes do coronavírus. Os resultados foram obtidos in vitro, ou seja, em laboratório, de acordo com os estudiosos.

“É fundamental entender que pessoas infectadas podem ser infectadas novamente”, aponta William Marciel de Souza, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, primeiro autor do artigo. O trabalho foi publicado como artigo na revista científica The Lancet em 8 de julho e desmente categoricamente a tese da “imunização de rebanho” de Jair Bolsonaro.

Foram analisadas amostras do plasma de pacientes que tiveram a doença, e também de pessoas imunizadas pela vacina CoronaVac. “A pesquisa mostra que pessoas que foram vacinadas ainda estão suscetíveis à infecção, se você tomou a vacina continue usando máscara, continue com distanciamento social, continue usando as medidas de higiene para evitar a transmissão para outras pessoas”, aconselhou Marciel de Souza.

Estatísticas

Cientistas da USP, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) haviam feito um estudo apontando que o Brasil ainda precisa aplicar 196 milhões de doses de vacinas para alcançar a imunização completa de toda a sua população adulta, ou 160 milhões de pessoas com mais de 18 anos. Com o ritmo atual, o país alcançará a meta de imunizar 90% de seus 160 milhões de adultos apenas no primeiro trimestre de 2022.

Até essa quinta-feira (22), 36.533.170 de brasileiros receberam a segunda dose ou a dose única de alguma vacina, o que representa 17,25% da população nacional, apontou um levantamento do consórcio de veículos de imprensa, com base nas informações fornecidas pelas secretarias estaduais de saúde.


Filippo Parodi (1630 – 22 July 1702),Venus


Embalando essa manhã de sexta-feira McCoy Tyner & Ravi Coltrane – Walk Spirit Talk Spirit



John Woodrow Kelley,New Venus sd



Desculpa, mas artista de verdade não apoia Bolsonaro
simplesmente porque Bolsonaro e Arte são incompatíveis, opostos, é uma antítese, dois corpos que não cabem no mesmo espaço. Bolsonaro é a ausência da Arte.


Proxalutamida: os questionamentos e as suspeitas sobre a nova droga defendida por Bolsonaro contra a covid-19

Depois da cloroquina e da ivermectina, outro remédio sem eficácia comprovada por estudos foi exaltado pelo presidente Jair Bolsonaro contra a covid-19: a proxalutamida.
“Tem uma coisa que eu acompanho há algum tempo e nós temos que estudar aqui no Brasil. Chama-se proxalutamida. Já tem uns meses que isso aí, não está no mercado, é uma droga ainda em estudo” e “existe no Brasil de forma não comprovada cientificamente”, afirmou Bolsonaro, ao receber alta hospitalar no domingo (18/7).
A proxalutamida é um bloqueador de andrógenos (hormônios masculinos como testosterona) ainda sob testes e apontado como droga experimental contra câncer de próstata. Ele é manufaturado na China, mas ainda não é comercializado.

O remédio ganhou holofotes após a divulgação de um estudo entre março e junho, à época em fase pré-print — ou seja, antes da revisão por outros cientistas —, realizado por pesquisadores brasileiros e de outros países. Eles dizem que, em um grupo de pacientes hospitalizados com covid-19, a mortalidade após o uso da proxalutamida foi 77% menor ao longo de 28 dias.

Os autores publicaram suas conclusões na segunda-feira (19/7) em estudo (já revisado por pares) no periódico Frontiers in Medicine, após ter sido rejeitado por publicações científicas de prestígio, como The New England Journal of Medicine e The Lancet. No estudo, os pesquisadores argumentam que a taxa de hospitalização em homens tratados com a proxalutamida foi reduzida em 91% em comparação com os tratamentos convencionais.

Ao divulgar os dados preliminares da pesquisa, em março, os pesquisadores afirmaram que mais de 47% dos pacientes com covid-19 que tomaram placebo durante o estudo morreram, contra menos de 5% dos que tomaram proxalutamida.

Todos esses dados chamaram a atenção de alguns pesquisadores, que questionam a validade das descobertas e, por consequência, a eficácia real da droga contra a covid-19. Há também suspeitas de fraude, possível conflito de interesse com a fabricante do medicamento e discrepâncias entre a metodologia anunciada e o que de fato foi feito durante o estudo. Os autores da pesquisa negam qualquer irregularidade.

Estudo deveria ter sido interrompido, diz infectologista
A primeira questão é: o que explicaria uma mortalidade tão alta no grupo de controle (que tomou placebo, ou seja, uma substância inócua), sendo que os pacientes estudados não estavam em fase terminal?
Considerando-se que o estudo feito foi um duplo-cego (ou seja, nem pesquisadores nem pacientes poderiam saber quem tomou remédio e quem tomou placebo), o alto índice de mortalidade teria de ter feito o estudo ser interrompido antes que se chegassem a tantas mortes, afirma à BBC News Brasil o infectologista Mauro Schechter, professor-titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Isso porque, segundo Schechter, duas hipóteses poderiam surgir desses dados: ou a droga estudada em si poderia estar causando tantas mortes, ou o remédio teria um efeito tão potente que seu uso amplo deveria ser imediato.


Foto do dia – Manolo Franco

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights PixaBaby