Tópicos do dia – 01/06/2012

08:25:59
PSOL representa contra Gilmar Mendes
O PSOL entrou com uma representação na Procuradoria-Geral da República contra o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes, que acusa o ex-presidente Lula de tentar manipular a corte. Em documento, a sigla considera que a “conduta” de Mendes “gera uma nuvem que deve ser dissipada, para manter e preservar a imagem do Supremo”. No último sábado (26), a reportagem da revista Veja informou que Lula havia sugerido a Mendes que adiasse o julgamento do mensalão que, segundo a corte, será realizado durante o segundo semestre deste ano. O magistrado também declarou que Lula insinuou que sabia de suas supostas relações com uma máfia do jogo ilegal que está sendo investigada pelo Congresso e que ganharia projeção na CPMI de Carlinhos Cachoeira, com políticos e empresários. Por sua vez, Lula reagiu com “indignação” e rejeitou a acusação, mas confirmou a reunião com Mendes e assegurou que no encontro também esteve presente o ex-ministro da Defesa, Nelson Jobim, que também desmentiu o magistrado.
coluna Claudio Humberto 

09:11:06
Marconi Perillo e Cachoeira: o fundo do poço vai ficando mais fundo. E sujo!
Assessor diz que recebeu de Cachoeira por serviço eleitoral a Perillo
Responsável pela propaganda eleitoral de Marconi Perillo (PSDB) no rádio em 2010, o jornalista Luiz Carlos Bordoni afirma que uma empresa do esquema do contraventor Carlinhos Cachoeira foi usada para pagar os serviços de publicidade que ele prestou para a campanha do governador goiano.
Mais aqui
Fernando Gallo/Estadão.com

16:04:52
Cheques pagos a Perillo seriam de conta irrigada pela Delta
Imóvel vendido por governador foi pago por confecção da cunha de Cachoeira, diz jornal
Os cheques que pagaram a venda da casa do governador de Goiás, Marconi Perillo, são oriundos de uma confecção da cunhada de Carilnhos Cachoeira, Rosani Puglisi, segundo informou nesta sexta-feira o jornal “Folha de S. Paulo”.

De acordo com a reportagem, a Excitant Confecção, que remunerou o Perillo, recebeu dinheiro, por sua vez, da Alberto e Pantoja Construções, empresa criada pelo grupo do contraventor para receber repasses da empreiteira Delta. O governador recebeu três cheques da Excitant Confecções ao vender a casa. Dois eram de R$ 500 mil e um era de R$ 400 mil. Os cheques são de uma conta da Caixa Econômica Federal em Anápolis, Goiás.

Perillo diz que não observou a origem dos cheques na transação. Ele afirma que vendeu a casa ao empresário Walter Paulo, sob intermediação do ex-vereador Wladimir Garcez. Garcez foi preso e apontado como um dos auxiliares do esquema de Cachoeira.

O ex-vereador disse à CPI que queria comprar a casa e pediu um empréstimo ao então diretor da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu. Segundo esta versão, ele teria fornecido os cheques.
Garcez falou à comissão que, como não conseguiu pagar o empréstimo, acabou revendendo a casa para Walter Paulo.
O Globo


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Até agora, pelo menos 13 parlamentares terão de se explicar na CPI do Cachoeira

Oportuna reportagem de Vinicius Sassine e Adriana Caitano, no Correio Braziliense, mostra que a rede do bicheiro Carlinhos Cachoeira já inclui pelo menos 13 parlamentares que deverão dar explicações na CPI instalada no Congresso, em algum momento da apuração.

Mas até agora, os desdobramentos da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, só motivaram a abertura de procedimentos de investigação contra o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), no Conselho de Ética do Senado; contra os deputados Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), Sandes Júnior (PP-GO) e Rubens Otoni (PT-GO), na Corregedoria da Câmara; e contra o deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), no Conselho de Ética da mesma Casa.

Esses parlamentares começaram a ser investigados pelo Congresso antes mesmo do início dos trabalhos da CPI.

O Correio apurou que o suposto envolvimento de outros deputados federais e de dois suplentes de senador — com chances reais de assumir o mandato — no esquema de Cachoeira é bem maior do que o apontado até agora pelos próprios suspeitos.

É o caso do deputado federal Leonardo Vilela (PSDB-GO), que admitiu ter pedido a Cachoeira emprego à filha farmacêutica e ter solicitado ao bicheiro um jantar com Demóstenes.

As conversas telefônicas gravadas para a Monte Carlo mostram que o parlamentar, pré-candidato do PSDB à Prefeitura de Goiânia, participou de diferentes jantares com o senador e, nessas ocasiões, foi alvo dos interesses comerciais de Cachoeira.

O bicheiro, que atuava para a Delta Construções, estava insatisfeito com a compra de uma área em Águas Lindas (GO), no Entorno, pela Construtora Queiroz Galvão.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]A empreiteira seria a responsável pelo lixão do município.

“O Leonardo Vilela, do Meio Ambiente de Goiás, tem condição de travar”, disse Cachoeira a Cláudio Abreu, então diretor da Delta no Centro-Oeste, num diálogo gravado em 26 de abril do ano passado.

Ao Correio, Leonardo Vilela disse não ter recebido nenhum pedido para interromper uma obra da Queiroz Galvão.

Já sobre o contrato de inspeção veicular, o deputado afirmou que recebeu “dois ou três grupos” interessados em atuar na área.

“Não lembro quem são esses grupos.”

Segundo o tucano, o edital para a contratação da empresa responsável pela fiscalização da emissão de poluentes não foi adiante. Leonardo Vilela confirmou ter participado “algumas vezes” de jantares com Demóstenes.

“Eu me lembro do Cachoeira presente uma vez”.

Um dos denunciados, o deputado federal Thiago Peixoto (PSD-GO), secretário de Educação do governador goiano Marconi Perillo, está fugindo dos jornalistas.

Peixoto se comporta igualzinho ao governador Sergio Cabral e ao ministro Fernando Pimentel, que não podem nem ver jornalistas por perto.

Até quando vão conseguir se esconder?
Tribuna da Imprensa