Eleições 2010: Igreja volta a meter a colher no caldeirão da política

E prossegue a perigosa mistura de religião e política. Todos os regimes fundamentalistas, seja qual for o credo que os motive, desaguam em ditadura. A Igreja Católica, instituição que está atolada até o último botão das vestes em pedofilia, não deveria ter o desplante de apontar o dedo acusador contra qualquer pecador.

Esse arcebispo, Aldo Pagotto, não é a pessoa mais apropriada para fazer cobranças a ninguém. Agora lhe calçariam bem as sandálias da humildade em lugar das vestes de Torquemada.

Dilma Rousseff erra ao não assumir o que defendia quando ministra do governo Lula. Deveria discutir a descriminalização do aborto às claras. Não tem porque temer essa onda fundamentalista. A cada 22 segundos, dados da OMS, uma mulher faz aborto no Brasil, e a cada dois dias uma morre. As que podem abortam em clínicas sofisticadas, enquanto as Marias, Josefas e Raimundas se arriscam nos barracos abortivos espalhados na periferia das grandes cidades, muito apropriadamente apelidados de “fábricas de anjos”.

Aborto não é questão de religião. É questão de saúde pública. Fingir que essa realidade não existe é tão criminoso quanto o aborto em si.

É lastimável que o Brasil, Estado laico, volte a debates que jaziam incinerados na inquisição da idade média. Debate falso e eleitoreiro, enquanto as questões cruciais que afligem os Tupiniquins são deixadas de lado pelos dois ilusionistas candidatos à presidência da república, farinhas estragadas do mesmo saco, Serra e Dilma.
O Editor
PS 1. O menos alfabetizado dos brasileiros sabe que a legislação sobre aborto é competência do Congresso Nacional e não do Presidente da República. Seja ele(a) quem for.
PS 2. Pessoalmente sou contra o aborto. Em quaisquer circunstâncias. Inclusive nos casos admitidos previsto no Código Penal Brasileiro, art. 128.


Arcebispo da Paraíba acusa PT e Dilma de mentirem

Mesmo empenhados em convencer o eleitorado cristão de que sempre foi contra o aborto, a candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, foi novamente criticada por um religioso acerca do assunto.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Em vídeo de 15 minutos divulgado no Youtube, o arcebispo metropolitano da Paraíba, dom Aldo Pagotto, acusa a candidata de mentir para eleitores sobre seus verdadeiros projetos para a país.

Segundo o bispo, o próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por meio das ações de seu governo, contraria uma carta que ele teria escrito de próprio punho e encaminhado à Conferência dos Bispos do Brasil (CNBB) negando que estivesse disposto a legalizar o aborto no país.

– Estamos diante de um partido (o PT) que está institucionalmente comprometido com a instalação da cultura do morte no nosso país, que proíbe seus membros de seguirem suas próprias consciências e que se utiliza calculadamente da mentira para enganar eleitores sobre seus verdadeiros projetos à Nação.

Não podemos nos calar. A verdade nos libertará – advertiu dom Pagotto no vídeo.

O arcebispo lembra ainda que, em 2007, o PT aprovou uma resolução que incluindo a legalização do aborto e um novo estatuto que exigia, como requisito para ser candidato pela legenda, a concordância com as normas e resoluções partidárias.

Ele destacou também que em 2008 os deputados petistas Luiz Bassuma e Henrique Afonso foram acusados e condenados de terem ferido a ética do partido, após se posicionarem contra a aprovação do projeto de lei que legalizaria o aborto no país.

Adriana Vasconcelos/O Globo