Como o liberalismo produz vergonha alheia inclusive na música e na história

Mas o que é isso? Inacreditável a limitação cognitiva das mentes(?) ditas liberais!

Chamar compositores de música clássica famosos apenas pelos sobrenomes pode ser “prejudicial” hoje em dia, de acordo com um artigo publicado na revista liberal norte-americana Slate. A peça foi imediatamente ridicularizada online.

Escrevendo para a Slate, Chris White, professor assistente de teoria musical na Universidade de Massachusetts Amherst, questionou como alguns compositores, como Beethoven ou Mozart, costumam ser chamados apenas por seus sobrenomes, enquanto outros não. Na verdade, continuar usando esses monônimos hoje pode ser visto como “desatualizado e prejudicial”, argumentou.

Quando dizemos ‘esta noite, você vai ouvir sinfonias de Brahms e Edmond Dede’, estamos tratando linguisticamente o primeiro como estando em um plano diferente do último, uma diferença originalmente criada por séculos de preconceito sistemático, exclusão, sexismo , e racismo.

Para mudar a situação, o autor instou as pessoas a usarem os nomes completos dos compositores para que “possamos nos concentrar mais em sua música do que nas práticas culturais do passado que elevaram os homens brancos heterossexuais em detrimento de todos os outros”.

O artigo foi imediatamente ridicularizado online, com muitos sentindo que sua opinião era rebuscada e demais até mesmo para uma revista liberal. “Eu quero participar de uma de suas reuniões de argumento de venda. As histórias que não fazem sucesso, têm que ser melhores do que as que você publica”, twittou um leitor. “Pare de tirar sarro de Slate,” outro comentou brincando.

Alguns até juraram usar apenas o nome de batismo “completo” de Mozart a partir de agora, que consiste em quatro nomes diferentes.

As pessoas tentaram educar o autor sobre por que os monônimos se prendem a compositores específicos em primeiro lugar. “Se houvesse um conhecido Bob Beethoven ou Jimmy Wagner, faríamos a distinção. Incluímos o primeiro nome de Edmond Dede porque ele não é tão conhecido”, escreveu uma pessoa.

“Que bobagem no Slate!” um tweet lido. “Dede não é musical igual a Beethoven. Fama, e não racismo, nos permite identificar o compositor apenas pelo sobrenome. Isso vale para Dante, Chaucer, Shakespeare também. E artistas e cientistas como Picasso e Einstein, também.”

Outro usuário do Twitter acrescentou que “acontece o mesmo com pessoas tão famosas que podem usar seu primeiro nome, o que inclui muitas mulheres e pessoas de cor: Oprah, Beyonce, Ellen, Kanye, Chappelle, Kobe, Hillary, LeBron . “

Fatos & Fotos do dia 21/10/2020

Vídeo de #Doria e tabelinha com #Pazuello na #vacina #chinesa enfureceram #Bolsonaro -> Fonte: #Veja


#Motocicletas #Bikes #Design #Engenharia #Motores #Engines #Mecânica #Mecanics #Mechanics #Engineering #BlogdoMesquita #José #Mesquita
+ Motocicletas&Bikes-> www.mesquita.blog.br



 

Esqueçam o #trolóló#. O objetivo é #Apud #Raimundo #Sodré […]”manter a #massa, a massa mãe[…] sob tacões. Pressionem o #Senador #Rogério #Carvalho (#PT/SE), autor do #PL 3877/2020 apresentado hoje no #Senado e já com anúncio de #votação em #Plenário nesta quinta-feira. Em vez de parar com a #remuneração da #sobra de #caixa dos #bancos que já alcança 23% do #PIB, estão #legalizando essa #vergonha!
#blogdomesquita

#Elsa #Peretti
#Design #jewellery #Anéis #Brincos #Pulseiras #Colares #ModaFeminina #Jóias #Acessórios #BlogdoMesquita #José #Mesquita


Duas opções: Leia esse texto ou continui no limbo da desinformação midiática. A paranoia com a #Huawei. Por favor, leia o texto para acelerar o #5G dos neurônios.

Impressiona a incapacidade e/ou a capacidade, ambas? – só os Deuses sabem o porque – do exercício diuturno, aqui no #Bozaquistão, de distorcer fatos, mídia “venal” em geral.

A Huawei opera no #Brasil, lembro quando forneci serviços a um terceirizado, que em 2002 a #Embratel já operava com diversos equipamentos Huawei na rede deles. Hoje não disponho de informações sobre a amplitude da presença deles no Brasil com relação a 2g,3g ou lte. 

 

A #Ericsson e #Samsung são líder de mercado 5G e a Huawei vem em terceiro lugar junto com #Nokia, #ZTE, #Cisco e #HP/Aruba. 

O fato real é que pela legislação vigente no Brasil, qualquer empresa pode utilizar a mesma infraestrutura de antenas ou colocar novas, nas torres existentes, e implementar novo #hardware nos #datacenter. Talvez a única vantagem da Huawei – tenho um filho, engenheiro de computação e especialista em implantação e segurança de redes de computação que trabalhou com eles em 2007, na #Irlanda, no implemento de uma rede #LTE/4g – “Eles são muito rápidos e eficientes, e trabalham 24h sem parar, em vários turnos, com muitos funcionários e engenheiros. Eles, Huawei fazem em uma semana algo que outra empresa demoraria um mês”, certa vez ele me disse.

Resumo:

 

  • Reserva de Mercado nunca levou nenhum país à frente. A reserva de mercado para computadores decretada pela ditadura de 64, atrasou a tecnologia, calculam os especialistas, em 30 anos, no mínimo, em tecnologia computacional.
  • A #Huawei opera no #Brasil desde a existência de #2G.
  • A Huawei oferece somente infra-estrutura para possibilitar a operação do 5G.
  • Qualquer operadora pode usar qualquer #software que desejar para operar o 5G.
  • Sem a Huawei e amarrado à #acordos de #tecnologia e #comerciais, a meu sentir, o Brasil irá demorar dez anos para implantar a #tecnologia 5G.
  • A Huawei está cerca de 2 anos à frente, em tecnologia de qualquer outro concorrente.
  • O domínio pelos USA da tecnologia 5G irá demorar bastante.
  • Alinhamento automático unilateral nunca beneficiou nenhum país.
  • Durante a ditadura de 64 o Brasil fechou o mercado de computadore e criou a 
  • Nem durante a ditadura implantado em 64 no Brasil – leia-se Geizel – os interesses nacionalistas (sim, eles já existiram) por parte dos militares foram controlados por acordos de subserviência.
  • Geisel chegou a denunciar – pesquise na área do #Direito #Internacional – o que significa denunciar um acordo entre países.

Coloque-se em fila indiana todos os #corruptos membros da gangue e “parças” do #corvo, e teremos mais de um quilômetro de folha corrida.


 

Fatos e Fotos do dia 20/10/2020 – O dia todo todo dia

Da série “Assim caminha a humanidade” ou “A vida como não deveria ser” ou “Só o liberalismo nos salvará”.
#Mansão sob o #viaduto no cruzamento das #Av. St. #Dumont e #Santana Jr. #Fortaleza #Ceará

#Fotografia #Morador de rua #Sem #Teto #Homeless #Blogdomesquita


Quando faz sentido o “Brasil acima de tudo”! I
#Gripen #Aviões #Caças #FAB #Força #Aérea #Brasileira
#blogdomesquita


Da série “Assim caminha a humanidade” ou “A vida como não deveria ser” ou “Só o liberalismo nos salvará”.
#Lixo #TrabalhoInfantil #Fotografia #Infância #DireitosHumanos #TrabalhoInfantil #ChildLabour #Educação #Escolas #Fome #Economia #Liberalismo #Hayek #Mises #AyanRandt #BlogdoMesquita


#Idmaray #Breuil
Um dia sem dançar é um dia perdido
#Ballet #Dança #Bailarinas #Dancers #Arte #Art #Fotografias #Art #BlogdoMesquita #José #Mesquita
+ Artes-> www.mesquita.blog.br

 

As empresas do Japão que ajudam pessoas a desaparecer

Em todo o mundo, dos Estados Unidos à Alemanha ou Reino Unido, diversas pessoas decidem desaparecer sem deixar rastros, abandonando suas casas, empregos e famílias para começar outra vida. Getty Images

Desaparecimento é facilitado no Japão graças à legislação sobre privacidade

Muitas vezes fazem isso sem nem olhar para trás.

No Japão, essas pessoas são conhecidas como jouhatsu.

O termo significa “evaporação”, mas também se refere a pessoas que desaparecem propositalmente e escondem seu paradeiro, por anos ou às vezes até décadas.

“Fiquei farto das relações humanas. Peguei uma mala e desapareci”, diz Sugimoto, de 42 anos, que pediu para que seu primeiro nome fosse ocultado nesta reportagem.

“Eu simplesmente fugi.”

Ele afirma que em sua pequena cidade natal todos o conheciam por causa da família dele e de seu próspero negócio local, que Sugimoto deveria ter tocado adiante.

Mas ter esse papel imposto a ele causou-lhe tanta angústia que Sugimoto deixou cidade para sempre e não disse a ninguém para onde estava indo.

De dívidas inevitáveis ​​a casamentos sem amor, as motivações que levam ao jouhatsu variam.

O sociólogo Hiroki Nakamori pesquisa jouhatsu há mais de uma década – GettyImages
Mas muitos, independentemente de seus motivos, procuram empresas para ajudá-los no processo.

Essas operações são chamadas de “mudança noturna”, um sinal da natureza secreta do processo para quem deseja virar um jouhatsu.

Essas empresas ajudam as pessoas que desejam desaparecer a se retirarem discretamente de suas vidas e ainda fornecem hospedagem em locais distantes.

“Normalmente, os motivos para a mudança costumam ser positivos, como ir para a universidade, conseguir um novo emprego ou um casamento. Mas também há mudanças tristes, quando o motivo é ter desistido da faculdade, perder o emprego ou quando você quer fugir de alguém que o persegue.”

Assim conta Sho Hatori, que fundou uma empresa de “mudança noturna” na década de 1990, quando a bolha econômica japonesa estourou.

Segundas vidas

Quando criou a empresa, ele acreditava que o motivo pelo qual as pessoas decidem fugir de suas vidas problemáticas era a ruína financeira, mas logo descobriu que também havia “motivos sociais”.

“O que fizemos foi ajudar as pessoas a começar uma segunda vida”, diz ele.

O sociólogo Hiroki Nakamori pesquisa o fenômeno jouhatsu há mais de dez anos.

Ele diz que o termo começou a ser usado na década de 1960 para descrever pessoas que decidiram desaparecer.

As taxas de divórcio eram (e ainda são) muito baixas no Japão, então algumas pessoas decidiram que era mais fácil sair e abandonar seus pares do que passar por procedimentos de divórcio complexos e formais.

“No Japão é mais fácil desaparecer” do que em outros países, diz Nakamori.

Privacidade é algo que é protegido com unhas e dentes.

Seria capaz de fugir e deixar tudo para trás? GettyImages

Pessoas desaparecidas podem sacar dinheiro em caixas eletrônicos sem serem descobertas,. E membros da família não podem acessar vídeos de câmeras de segurança, que poderiam ter gravado seus entes queridos enquanto fugiam.

“A polícia não vai intervir a menos que haja outro motivo, como um crime ou um acidente. Tudo o que a família pode fazer é pagar caro a um detetive particular. Ou simplesmente esperar. É isso.”

Fiquei chocada

Para os que ficam para trás, o abandono e a busca por seu jouhatsu podem ser insuportáveis.

“Fiquei chocada”, disse uma mulher que conversou com a reportagem da BBC, mas optou por permanecer no anonimato.

O filho dela, de 22 anos, desapareceu e nunca mais entrou em contato.

“Ele ficou desempregado duas vezes. Ele deve ter ficado muito triste com isso.”

Quando parou de ter notícias dele, ela dirigiu até onde morava, procurou no local e então esperou em seu carro por dias para ver se ele aparecia.

Isso nunca aconteceu.

Ela disse que a polícia não tem ajudado muito e que apenas informou que só poderiam se envolver no caso se houvesse suspeitas de que ele havia cometido suicídio.

Mas como não havia nenhuma pista disso, eles não investigam nada.

“Eu entendo que existem agressores e que a informação pode ser mal utilizada. Talvez a lei seja necessária, mas criminosos, agressores e pais que querem procurar seus próprios filhos são tratados da mesma forma por causa da proteção. Como isso pode acontecer?”, questiona.

“Com a lei atual e sem dinheiro, tudo o que posso fazer é verificar se meu filho está no necrotério. É tudo o que me resta.”

Os desaparecidos

Para muitos jouhatsu, embora tenham deixado suas vidas para trás, a tristeza e o arrependimento continuam.

“Tenho a sensação constante de que fiz algo errado”, diz Sugimoto, o empresário que deixou esposa e filhos na pequena cidade.

“Não vejo (meus filhos) há um ano. Disse a eles que faria uma viagem de negócios.”

Seu único arrependimento, diz ele, foi deixá-los.

Sugimoto vive escondido em uma região residencial de Tóquio.

A empresa de “mudança noturna” que o abriga é comandada por uma mulher chamada Saita, que prefere não dizer seu sobrenome para manter o anonimato

Ela mesma é uma jouhatsu que desapareceu há 17 anos.

Fugiu de um relacionamento fisicamente abusivo. “De certa forma, sou uma pessoa desaparecida, inclusive agora.”

Tipos de clientes

“Tenho vários tipos de clientes”, continua.

“Há pessoas que fogem da violência doméstica e outras que fazem isso por ego ou interesse próprio. Eu não julgo. Nunca digo: ‘Seu caso não é sério o suficiente’. Todo mundo tem suas angústias.”

Para pessoas como Sugimoto, a empresa ajudou a enfrentar sua própria batalha pessoal.

Mas mesmo que ele tenha conseguido desaparecer, isso não significa que os rastros de sua antiga vida não permaneçam.

“Só meu primeiro filho sabe a verdade. Ele tem 13 anos”, diz ele.

“As palavras que não consigo esquecer são: ‘O que o pai faz da vida é problema dele, e não posso mudar isso’. Soa mais maduro do que eu, não?”

Biblioterapia: A cura pela leitura

Literatura: Um ramo tanto da biblioteconomia quanto da psicologia, a biblioterapia vem ganhando adeptos no Brasil.
Mariane Morisawa/Valor, de São PauloLiteratura,Leitura,Livros

Um relacionamento que termina é sempre um motivo de tristeza ou de pausa para repensar a vida. Para superar a fase difícil, que tal um bom livro? “Flashman”, de George MacDonald Fraser, sobre um soldado britânico pouco recomendável, condecorado por heroísmo, pode distraí-lo de sua autopiedade. “Do Amor”, de Stendhal, pode auxiliá-lo a lidar com a melancolia, e “As Consolações da Filosofia”, de Alain de Botton, pode servir mesmo de consolo. Acabou de perder o emprego?

Dureza, mas não se desespere! Uma boa pedida é rir com o conto “Bartleby”, de Herman Melville, sobre um empregado que recebe a solicitação para fazer uma coisa e diz preferir não fazer, mas estranhamente continua dia e noite no escritório. Já quem sofre pelo luto pode encontrar suporte em “Uma Comovente Obra de Espantoso Talento”, de Dave Eggers, baseado na história do próprio autor, que perdeu os pais jovem e precisou cuidar do irmão, ou “Metamorfoses”, de Ovídio, que descreve as transformações de todas as coisas, da vida à morte.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Essas são indicações genéricas de Ella Berthoud, da School of Life de Londres, fundada em 2008. Na prática, as “receitas” são individualizadas. O interessado pode marcar uma consulta pessoalmente, por telefone ou Skype. Depois de responder a um questionário sobre suas preferências literárias e conversar com a especialista, recebe uma lista de livros mais adequados às suas aflições. Usar literatura para ajudar a superar alguma dificuldade ou dor tem nome: biblioterapia.

Desde a Antiguidade há relatos de prescrição de livros para enfrentar problemas cotidianos, mas só no século passado a prática ganhou esse nome e os primeiros estudos sobre seus benefícios, principalmente para doentes e presidiários. No Brasil, ela começa a ser difundida, com trabalhos principalmente em hospitais, ainda que não haja grupos fixos até o momento.

A biblioterapia pode ser um ramo tanto da biblioteconomia quanto da psicologia. A bibliotecária Clarice Fortkamp Caldin, autora de “Biblioterapia: um Cuidado com o Ser”, prefere fazer a distinção. “Biblioterapeuta é o psicanalista que se vale da leitura como uma das terapias, pois desenvolve a biblioterapia clínica com o intuito de cuidar das patologias psíquicas”, diz.

“O bibliotecário, a seu turno, desenvolve a biblioterapia de desenvolvimento, quer dizer, cuida do ser na sua totalidade, sem fazer julgamento do que é ou não normal. Costumo chamá-lo de ‘aplicador da biblioterapia’. Não é um título tão charmoso quanto o primeiro, mas me parece mais justo.”

Clarice começou a se interessar pelo assunto quando percebeu que o bibliotecário estava muito preso às funções técnicas, esquecendo-se do lado humanista da profissão. Em 2001, defendeu dissertação sobre a leitura como função pedagógica, social e terapêutica. Depois, elaborou um curso de 80 horas na Universidade Federal de Santa Catarina. Na sua opinião, a eficácia vem da falta de cobranças. “O aplicador de biblioterapia não prescreve uma norma de conduta nem um remédio a ser tomado em horários determinados.

Dela participa quem quiser, quem tiver vontade de escutar uma história”, afirma. “Essa história agirá no ouvinte do jeito que ele achar melhor ou mais conveniente naquele instante de sua vida. Será digerida lentamente, ficará na sua mente ou no seu subconsciente por tempo indeterminado e poderá ser retomada a qualquer momento.” E, como é grátis, não precisa ser interrompida se o dinheiro estiver curto.

Em sua experiência de quatro meses na ala pediátrica de um hospital em Santa Catarina, na qual se executou a biblioterapia por meio de leitura, contação, dramatização de histórias e brincadeiras, as crianças, segundo ela, esqueceram-se de que estavam em um hospital. Os familiares também se beneficiaram com o alívio do estresse. Num presídio feminino, as sessões de contos e poesias ajudaram as participantes a superar a sensação de impotência e a saudade dos maridos e filhos. Elas saíram do estado de prostração e chegaram até a escrever um jornalzinho interno.

Normalmente, a biblioterapia se dá em grupo.

Continue lendo

O discurso dos quem exigem seu privilégio ao ódio

Com a redemocratização do Brasil durante a década de 1980, aqueles que sempre estiveram a margens dos processos de decisões do jogo politico, econômico e social no Brasil começaram a lutar por uma igualdade e uma equidade nos seus direitos constitucionais e de liberdade individual de cada ser enquanto cidadão.

Movimentos como da consciência negra, a luta das comunidades indígenas pela preservação de seu modo de vida, o movimento LGBT, os sem-terra e sua busca pela reforma agrária, sindicatos de trabalhadores, enfim, todos aqueles que antes estavam sendo silenciados durante um longo período da história nacional agora expõem os problemas e opressões, reivindicando seus direitos que estavam sendo suprimidos por tanto tempo. liberdade.

Entretanto, estas disputas e encarniçadas lutas na busca de leis que concretizem o respeito as diferenças e que acarrete numa igualitária justiça gera a ojeriza, medo, rancor e o mais profundo ódio das forças conservadoras de uma classe e grupo contrária a equidade do espaço público, da democracia e acima de tudo, do direito de cada ser decidir para si o que é mais adequado a seu modo de vida, ideias e pensamento.

Este grupo, ao qual podemos jocosamente dar a alcunha de “cidadãos de bem”, reforça para si toda uma tentativa de manter um status quo baseado num repressivo aparato social, econômico e cultural que acaba por marginalizar boa parte da sociedade, pois ignorantemente acredita ser maioria, o que é uma das grandes falácias que o senso-comum destes leva como verdade absoluta justificando seus escusos preconceitos.

O “cidadão de bem” dorme em berço esplendido da hipocrisia: se diz cumpridor das leis, contra as drogas, sem preconceitos, fiel a esposa e família. Mas na surdina infringe uma série de leis no transito, consome algumas gramas “inofensivas” de maconha e cocaína na madrugada enquanto procura alguma garota ou garoto de programa nas sinaleiras, e ai de seus filhos se acabaram namorando um negro ou se declararem gays, seriam “deserdados por destruírem a honra da família”.

Porém no contexto atual, percebeu-se que muitos com este pensamento retrógrado e agressivo aos poucos estão perdendo a vergonha, e evidenciando publicamente este lado sinistro de suas ideias nada aprazíveis. discurso.jpg Acuados e perdendo seus privilégios que por grande e longa duração de tempo mantiveram para disseminar uma falaciosa supremacia e superioridade enquanto indivíduos perante outros grupos sociais, o “cidadão de bem” perdeu a vergonha que nunca teve e agora destila seu discurso de ódio e violência publicamente. Facilitado pela rápida e fácil disseminação de ideias através da internet e suas redes sociais, além da conivência de uma mídia ainda pautada na busca irracional pela audiência, que segue diretrizes que convergem com os interesses defendidos dentro deste discurso de Ódio.Trump,Bolsonaro,Violência,Xenofobia,Ideologia,Preconceito,Ódio,Comportamento

Na democracia o “cidadão de bem” pode ter este direito de possuir ideias nada benfazejas a uma convivência na sociedade mais equilibrada, coesa e justa. Vivemos em um país com um estado democrático, que acaba partindo desta prerrogativa de liberdade de pensamento que até mesmo é possivel e garantido por lei adotar um discurso contra a democracia e seus tramites para as decisões acerca do que é melhor para a nação como um todo. Mas neste contexto, é um tanto cômico nos depararmos em pessoas exigindo a volta de um regime totalitário numa democracia ser algo perfeitamente possível e sem nenhuma repressão, quando bem sabemos que fazer justamente o contrário sem que haja derramamento de sangue é ensinado pela história como uma utopia.

Este excerto de “A Peste”, de Albert Camus de 1947 parece que foi escrito hoje

A grande cidade silenciosa não passava então de um aglomerado de cubos maciços e inertes, entre os quais as efígies taciturnas de benfeitores esquecidos ou de grandes homens antigos, sufocados para sempre no bronze, tentavam sozinhos, com seus falsos rostos de pedra ou de bronze, evocar uma imagem degradada do que fora o homem.

Esses ídolos medíocres reinavam sob um céu espesso nas encruzilhadas sem vida, brutos insensíveis que bem representavam o reino imóvel em que havíamos entrado ou pelo menos, a sua ordem última, a de uma necrópole em que a peste, a pedra e a noite teriam feito calar, enfim, todas as vozes.

Mas a noite também estava em todos os corações, e as verdades, como as lendas que se contavam sobre os enterros, não eram feitas para tranquilizar nossos concidadãos. Porque é efetivamente necessário falar dos enterros, e o narrador pede desculpas. Sente naturalmente a crítica que lhe poderia ser feita a respeito, mas a única justificativa é que houve enterros durante toda essa época e que, de certo modo, o obrigaram, como obrigaram a todos os nossos concidadãos, a preocupar-se com enterros.

Não é que ele goste desse tipo de cerimônias, preferindo, pelo contrário, a sociedade dos vivos, e, para dar um exemplo, os banhos de mar. Mas, afinal, os banhos de mar tinham sido suprimidos, e a sociedade dos vivos receava durante todo o dia ser obrigada a ceder lugar à sociedade dos mortos. Era a evidência. Na verdade era sempre possível esforçar-se por não vê-la, fechar os olhos e recusá-la, mas a evidência tem uma força terrível que acaba sempre vencendo.

Qual o meio, por exemplo, de recusar os enterros no dia em que nossos entes queridos precisam ser enterrados? Pois bem, o que caracterizava no início , nossas cerimônias era a rapidez. Todas as formalidades haviam sido simplificadas e, de uma maneira geral, a pompa fúnebre fora suprimida.

Os doentes morriam longe da família, e tinham sido proibidos os velórios rituais, de modo que os que morriam à tardinha passavam a noite sós e os que morriam de dia eram enterrados sem demora. Naturalmente, a família era avisada, mas, na maior parte dos casos, não podia deslocar-se por estar de quarentena, se tinha vivido perto do doente. No caso de a família não morar com o defunto, apresentava-se à hora indicada da partida para o cemitério, depois de o corpo ter sido lavado e colocado no caixão. (…)

Num extremo do cemitério, num local coberto de árvores, tinham sido abertas duas enormes fossas. Havia a fossa dos homens e a das mulheres. Sob esse aspecto, as autoridades respeitavam as conveniências, e foi só muito mais tarde que, pela força das circunstâncias, este último pudor desapareceu e se enterraram de qualquer maneira, uns sobre os outros, sem preocupações de decência, os homens e as mulheres.

Para todas essas operações era preciso pessoal, e este estava sempre prestes a faltar. Muitos desses enfermeiros e coveiros, primeiros oficiais, depois improvisados, morreram de peste. Por mais precauções que se tomassem, o contágio acabava por se fazer um dia. No entanto, quando se pensa bem, o mais extraordinário é que nunca faltaram homens para exercer essa profissão durante todo o tempo da epidemia. (…)

Mas, a partir do momento em que a peste se apossou realmente de toda a cidade, então seu próprio excesso provocou consequências bastante cômodas, pois ela desorganizou a vida econômica e suscitou assim um número considerável de desempregados. (…)

Sabia também que, se as estatísticas continuassem a subir, nenhuma organização, por melhor que fosse, resistiria; que os homens viriam a morrer amontoados e apodrecer na rua, apesar da prefeitura, e que a cidade veria, nas praças públicas, os mortos agarrarem-se aos vivos, com um misto de ódio legítimo e de estúpida esperança”.

Giorgio Armani, carta para o mundo da moda: “não quero mais trabalhar assim, precisamos desacelerar e acabar com o desperdício”

Giorgio Armani tem um estilo próprio e não apenas em suas roupas e coleções de moda. Em uma carta recente, abordando o mundo da moda, ele fez uma série de considerações muito importantes sobre o momento que estamos vivendo e sobre o futuro desse setor, que deve necessariamente passar por mudanças: “desacelerar” e tornar a moda mais ética e sustentável.

Na  emergência que o mundo está vivendo, Giorgio Armani se destacou várias vezes por uma série de ações. Antes de tudo, ele foi um dos primeiros a não subestimar a situação do coronavírus, tanto que decidiu apresentar sua nova coleção a portas fechadas em Milão. Depois se distinguiu por ter doado 1.250 milhões de euros à hospitais e finalmente por ter disponibilizado seus meios de produção e fábricas para confecção de vestidos descartáveis para médicos e enfermeiros.

A carta desse famoso estilista foi publicada no WWD Women’s Wear Daily, uma revista dedicada ao universo da moda, lida principalmente por profissionais dessa área. Nela, Armani fez algumas reflexões muito importantes sobre o momento presente, mas também a respeito do futuro desse setor, que após essa experiência, sem dúvida precisará mudar.

Na carta, Armani se coloca contrário à “moda rápida”, ou seja, à moda descartável, em constante mudança e sempre pronta, independentemente se está em consonância com as estações do ano, o clima, a natureza e o meio ambiente. Isso não é mais aceitável e ele a define como  imoral.

“O declínio do sistema da moda, como a conhecemos, começou quando o setor de luxo adotou os métodos operacionais de moda rápida com o ciclo de entrega contínuo, na esperança de vender mais… Não quero mais trabalhar assim, é imoral. Não faz sentido que minhas jaquetas ou roupas que ficam na loja por três semanas, tornem-se imediatamente obsoletas e sejam substituídas por novas mercadorias, que não são muito diferentes das que as precederam. Eu não trabalho assim, acho imoral fazê-lo.”

Ele ainda completa:

“Sempre acreditei em uma ideia de elegância atemporal, na criação de roupas que sugerem uma maneira única de comprá-las: que durará com o tempo. Pela mesma razão, acho absurdo que, durante o inverno, na boutique, tenha roupas de linho e durante o verão, casacos de alpaca, pelo simples motivo que o desejo de comprar seja estimulado de forma imediata.”

Isso não é tudo, Armani pede a seu setor que faça ações concretas, mude e desacelere:

“Esse sistema, impulsionado por lojas de departamento, tornou-se a mentalidade dominante. Errado, precisamos mudar, essa história deve terminar. Essa crise é uma oportunidade maravilhosa de desacelerar tudo, realinhar tudo, traçar um horizonte mais autêntico e verdadeiro. Sem espetacularização, sem mais desperdício. “

O estilista contou em primeira mão, o que está fazendo para fazer toda essa mudança:

“Há três semanas trabalho com minhas equipes para que, após o bloqueio, as coleções de verão permaneçam nas boutiques pelo menos até o início de setembro, como é natural. E assim faremos, a partir de agora.  Essa crise também é uma excelente oportunidade para restaurar o valor da autenticidade: chega da moda como um jogo de publicidade, com desfiles de moda em todo o mundo, com o único objetivo de apresentar ideias sem graça. Simplesmente para se divertir com programas grandiosos, que hoje se revelam inapropriados e vulgares, também. Muitos dos desfiles, em todo o mundo, são feitos envolvendo transportes poluentes; com desperdício de dinheiro para os shows (as fashion weeks), são apenas pinceladas de esmalte afixadas sobre o nada.

O momento que estamos passando é turbulento, mas nos oferece a oportunidade verdadeiramente única de corrigir o que está errado, remover o supérfluo, encontrar uma dimensão mais humana… Essa talvez seja a lição mais importante desta crise.”

E se Armani diz tudo isso, esperamos que muitos estilistas da moda façam o mesmo,  seja por identificação com suas ideias ou por inspiração e admiração por esse profissional.

Realmente, precisamos dessa mudança. Do jeito que estava, não dava para continuar. Isto é fato!

Sigamos com as mudanças necessárias, nosso planeta está precisando!

Covid-19 é um desastre para todos … exceto homens brancos heterossexuais?

Mesmo uma catástrofe global como o Covid-19 não desencorajou os empreendedores de identidade de continuarem chamando a atenção para sua causa. Em vez de se unirem em uma luta comum, eles procuram explorar o Covid-19 para seu próprio fim.

Houve um tempo em que um desastre mortal como a atual pandemia levaria interesses e partidos concorrentes a deixar suas diferenças de lado para apoiar um ao outro contra um inimigo comum. Não é assim que as coisas funcionam hoje. Muitos traficantes de identidade simplesmente não conseguem resistir à tentação de transformar a pandemia em uma plataforma para suas políticas.

Qualquer pessoa que esteja lendo os numerosos posts feministas reclamando que as mulheres estão sofrendo o impacto da pandemia imaginaria que os homens estão se divertindo muito durante o bloqueio. Segundo um relato, o coronavírus é um “desastre para o feminismo”.

Uma observação interessante, dado o fato de que as estatísticas indicam que os homens têm mais probabilidade de morrer com isso do que as mulheres. Numa época em que dezenas de milhares de seres humanos perderam a vida, o autor desta última observação alerta que “em todo o mundo, a independência das mulheres será uma vítima silenciosa da pandemia”.

Os defensores da política de identidade feminista se referem à pandemia como uma “crise de gênero” que, segundo o senador australiano Mehreen Faruqi, carrega um “risco desproporcional” para as mulheres. É improvável que pessoas como Faruqi usem o termo ‘crise de gênero’ se uma pandemia represente um risco “desproporcional” para os homens.

Previsivelmente, a pandemia não só foi de gênero, mas também racializada. Aparentemente, não são apenas as mulheres que estão sofrendo. “Se o coronavírus não discrimina, por que os negros estão sofrendo o impacto?”, Pergunta Afua Hirsch, comentarista do The Guardian.

A racialização da pandemia é particularmente prevalente nos Estados Unidos, onde ex-candidatas presidenciais Elizabeth Warren, Kamala Harris e Cory Booker exigiram que o Centro de Controle de Doenças investigasse os “preconceitos implícitos” dos médicos. A implicação transmitida pela declaração deles é que os fanáticos dos profissionais de saúde são de alguma forma responsáveis ​​por colocar os pacientes negros em desvantagem.

Na realidade, se a proporção de afro-americanos morrendo de Covid-19 é maior do que a de brancos, é por causa de suas terríveis circunstâncias econômicas, e não por qualquer viés entre a profissão médica. A sobreposição de grupos entre “negros” e “pobres” é uma realidade que não pode ser ignorada, mas agrupá-lo com “preconceitos” gerais para fazê-lo sobre raça é apenas desonesto.

A racialização da pandemia levou inevitavelmente a responsabilizar os brancos, particularmente o ‘privilégio masculino branco’, responsável pela trágica catástrofe que assombra o mundo. Escrevendo dessa maneira no Salon, um inimigo zangado de ‘eleitores brancos racistas’ afirma que “o privilégio dos homens brancos está literalmente deixando a América doente”!

Outros oponentes do privilégio branco temem que “o distanciamento social possa levar a um aumento no nacionalismo branco”. Como essa racialização da pandemia ganha maior impulso, é apenas uma questão de tempo até que o Covid-19 seja renomeado como Vírus Branco. Alguns já afirmam que “o homem branco é o maior risco de espalhar o vírus”. Segundo o autor desta declaração idiota, homens brancos idosos são um incômodo para a saúde pública.

Os ativistas trans também pularam na onda de ‘nós estamos aguentando o peso’. Uma manchete da VICE reclama “Enquanto os hospitais se preparam para o Covid-19, as cirurgias trans que salvam vidas estão atrasadas”. Embora reconheça que “as instalações médicas possam em breve ficar sobrecarregadas para todos”, lamenta que “o atendimento das pessoas trans possa ser tratado como ‘não essencial’”. Segundo uma fonte, a pandemia atual é “perigosa” para as pessoas LGBT que fazem isso. não mora em famílias “muito solidárias”. Perigoso para as pessoas LGBTQ? Caso escapou à atenção deste escritor, o coronavírus é perigoso para todos.

Se todos os diferentes relatos apresentados por diferentes grupos de empreendedores de identidade devem ser acreditados, com exceção dos homens heterossexuais brancos, quase todo mundo está sofrendo o impacto da pandemia.

Infelizmente, as obsessões de identidade impedem as pessoas de verem o cenário geral.

Ao longo da história humana, os desastres sempre tiveram um impacto diferencial nas comunidades. Mas essas diferenças não são baseadas em identidade, nem são motivadas por ela. O que importa é a disponibilidade e acesso a recursos necessários para sobreviver em uma crise, bem como as desvantagens físicas tangíveis que tornam menos provável a sobrevivência de uma infecção. É por isso que são os pobres e os idosos que sofrem o peso do Covid-19. A atual obsessão com a identidade distrai a atenção de prestar assistência especial àqueles que não apenas realmente precisam dela, mas também a merecem.

Literatura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog-do-Mesquita 11

Como ler mais rapidamente

“Não há atalhos”, diz Elizabeth Schotter, professora assistente de psicologia da Universidade do Sul da Flórida, onde dirige o Laboratório de Movimentos Oculares e Cognição.

Crédito: Ilustração de Radio

Os adultos com formação universitária costumam ler entre 200 e 400 palavras por minuto (uma taxa de escuta confortável é de cerca de 150 palavras por minuto). Os leitores de velocidade mais rápida reivindicam até 30.000 palavras por minuto, momento em que a pesquisa sugere uma perda significativa de compreensão.

Pode ser bom ler um manual do usuário de uma impressora de escritório, mas não leia “Anna Karenina” e espere entender. “Nesta era moderna, sempre queremos fazer tudo mais rápido”, diz Schotter, cujo laboratório usa vídeo em alta velocidade para analisar os olhos dos leitores enquanto eles passam pelo texto. A obsessão pela leitura rápida dos EUA confunde Schotter; em média, as pessoas leem duas vezes mais rápido que podem ouvir confortavelmente. A leitura é visual e cognitivamente complicada; não há problema em reler uma linha porque é confuso ou, melhor ainda, permanecer em uma frase tão bonita que faça você querer fechar os olhos.

Você costuma ler mais rápido lendo mais. Uma das maiores influências no seu ritmo é o que os psicolinguistas chamam de efeito de frequência das palavras; quanto mais vezes você encontrar uma palavra, mais rápido a reconhecerá. Seus olhos se fixarão por mais tempo em palavras menos familiares, aumentando a probabilidade de você parar na “morada”, por exemplo, do que na “casa” mais comum.

Leitores hábeis começam a prever palavras e significados, mesmo em sua visão periférica embaçada, o que lhes permite pular mais palavras, especialmente as curtas. Os leitores pulam a palavra “the”, por exemplo, cerca de 50% do tempo. “Se você gastar todo o seu tempo lendo ‘Harry Potter’, ficará muito bom em ler ‘Harry Potter’ ‘”, diz Schotter, que sugere incluir uma ampla variedade de textos para expandir seu vocabulário.

Às vezes, você precisará reler uma palavra, uma frase ou até um parágrafo para entender seu significado. Os pesquisadores chamam essas regressões, e os leitores mais rápidos geralmente os fazem menos do que os leitores mais lentos. Alguma escrita é mais difícil de decodificar e prever e é mais provável que desencadeie regressões.Literatura,Poesia,Frases,Blog do Mesquita (2)

Entre os mais difíceis estão o que os psicolinguistas chamam de sentenças no caminho do jardim, como “As roupas de algodão são feitas de mudas no Mississippi”. Se a velocidade é seu objetivo, quanto mais clara a prosa, mais rápido você lerá. “Parte do fardo”, diz Schotter, “é do escritor”.