Rio de Janeiro e o descarte ecológico do lixo

A gestão transformadora do lixo poderia ter um papel importante no cumprimento da meta de zero-zero de carbono no Rio de Janeiro?

A cidade está explorando uma nova maneira de processar o desperdício de alimentos, com um projeto que é o primeiro de seu tipo na América Latina.

Nos arredores do norte do Rio de Janeiro, longe das vastas extensões de areia branca da icônica praia de Copacabana, mangas machucadas e douradas, pimentões vermelhos murchos e um conjunto de vegetais de mandioca são misturados com lascas de madeira.

Estes podem não parecer ingredientes especiais, mas um projeto experimental na megacidade brasileira está explorando se a queima desse lixo poderia ser parte de uma receita para atingir sua meta de zero-rede de carbono até 2050.

“Caso contrário, todo esse alimento seria jogado fora”, diz Bernardo Ornelas Ferreira, pesquisador do Ecoparque do Caju, que abriga a primeira unidade de “biometanização” da América Latina.

Um forte aroma ácido preenche o ar do armazém no calor do meio-dia, enquanto Ferreira acena uma empilhadeira. “Esse potencial é muito perdido. Precisamos fazer isso em todo o país”, acrescenta.Bernardo Ornelas Ferreira, pesquisador do Ecoparque do Caju

O Brasil é um dos 10 maiores produtores de resíduos alimentares do mundo, descartando cerca de 30% de todas as frutas e legumes colhidos. Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, cerca de 40.000 toneladas de alimentos são jogadas fora todos os dias no país, onde se decompõe em aterros, liberando quantidades significativas de metano.

No entanto, o Rio de Janeiro, uma cidade de cerca de 6,7 milhões, também é uma das mais de 70 cidades do mundo que se comprometeram a se tornar “neutras em carbono” até 2050. As cidades respondem por cerca de 75% das emissões de CO2, de acordo com as Nações Unidas, e mais de dois terços da energia que consumimos.

Gerando energia a partir de resíduos orgânicos

O projeto piloto do Ecoparque, lançado em dezembro de 2018 pelo departamento municipal de resíduos do Rio, Comlurb, transforma matéria orgânica – quase inteiramente resíduos de alimentos – em biogás, usando um processo que gera eletricidade, biocombustíveis e composto para ser usado como fertilizante na agricultura e silvicultura, e produz emissões mínimas.

Leia mais: startup de Bangalore transforma lixo em gás

Processando entre 35 e 50 toneladas de resíduos por dia, a planta cria energia suficiente para abastecer a si mesma, a maior instalação de resíduos no local e a frota da empresa de 19 veículos elétricos. Isso equivale a mais de 1.000 residências com base no consumo médio no Brasil, Ferreira diz.

A fábrica recebe resíduos orgânicos de supermercados e barracas de frutas e vegetais do centro da cidade, mas também lidou com o lixo doméstico e até descartou hambúrgueres e batatas fritas do festival Rock in Rio de outubro.

Um gasoduto que transporta gás para ser transformado em eletricidade

O Brasil é um dos 10 maiores produtores de resíduos alimentares do mundo

Sete reatores no Ecoparque, todos do tamanho aproximado de contêineres, são usados ​​para processar os resíduos. Em um processo escalonado, cada um recebe resíduos orgânicos e é selado por duas a três semanas, com bactérias introduzidas para decompor a matéria e produzir metano. O gás é então armazenado em um grande recipiente acima da instalação e posteriormente convertido em eletricidade.

“A idéia do Ecoparque é ter um local para experimentação de novas tecnologias que possam, no futuro – e se demonstrarem sua viabilidade econômica, financeira e ambiental – ser adotada pela Comlurb, fazendo com que cada vez menos resíduos sejam descartados. em aterros “, disse José Henrique Monteiro Penido, chefe de sustentabilidade ambiental da Comlurb. “O modelo pode ser replicado nas cidades e ter um impacto positivo para todo o país”.

Leia mais: Natural alta: os produtores brasileiros de guaraná descartam produtos químicos para conhecimento antigo

Segundo a Comlurb, esse é o “primeiro passo” para lidar com as 5.000 toneladas de resíduos orgânicos que o Rio de Janeiro produz diariamente. Com um empréstimo não reembolsável do Fundo Brasileiro de Desenvolvimento de Tecnologia e desenvolvido em colaboração com a Universidade Federal de Minas Gerais, o plano é expandir esse modelo em outras cidades do Brasil e da América Latina.

Equipamento que mede a qualidade do gás produzido

“No geral, é um sinal realmente positivo e não duvido que seja escalável”, diz Richard Lowes, pesquisador de política energética da Universidade de Exeter. “Parece ser um processo eficiente, com controles muito medidos sobre a produção. Quando o desperdício de alimentos vai para o aterro, ele pode produzir metano, um poderoso gás de efeito estufa – mas com esse processo você obtém a energia e não produz as emissões”. ”

Atingindo as metas climáticas

O processo de biometanização sozinho, no entanto, não será suficiente para reduzir significativamente a pegada ambiental do Brasil, Lowes diz: “Seria melhor se esse resíduo simplesmente não fosse produzido em primeiro lugar. Se não houvesse desperdício, não haveria desperdício. uma necessidade de processar qualquer coisa. Tendemos a ser muito desperdiçadores como sociedade e precisamos nos concentrar em reduzi-la “.

Ainda assim, o município acredita que poderia ajudar a atingir sua meta de reduzir as emissões de mudanças climáticas em 20% entre 2005 e 2020, como parte da iniciativa C40 Cities, uma rede de cidades que promove ações climáticas. Sob o Programa de Desenvolvimento da Cidade de Baixo Carbono do Rio de Janeiro, a cidade lançou nos últimos anos um projeto de reflorestamento urbano para plantar 12 milhões de árvores e um esquema municipal de compartilhamento de bicicletas, o Bike Rio, enquanto amplia a rede de caminhos da cidade.

O projeto marca um raro vislumbre de positividade para o país em meio ao desmatamento na década passada, na Amazônia, e críticas à falta de compromisso do Brasil com as principais metas climáticas da COP25, a recente conferência em Madri.

Nas instalações de Ecoparque, a equipe está constantemente tentando melhorar os níveis de eficiência, empregando eletrônicos, sensores e medidores que ajudam a controlar e otimizar a produção de biogás em sua busca por produzir energia sustentável. A esperança é que uma instalação como essa seja construída para cada 50.000 pessoas no país.

“Existem dois caminhos a seguir”, diz o pesquisador Ferreira. “Podemos prosseguir com o sistema atual de grandes instalações de resíduos que requerem quantidades significativas de transporte, ou podemos descentralizar o processo e construir um em cada cidade do Brasil”.