Supremo concede habeas corpus a envolvido na morte da missionária Dorothy Stang

Decisão liminar é do ministro Marco Aurélio Mello do Supremo Tribunal Federal.

O fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão foi condenado pelo Tribunal do Júri, em Belém, a 30 anos de prisão pelo assassinato da missionária Dorothy Stang em fevereiro de 2005.

O ministro deve ter seguido a lei, claro. Algo de falho,errado no processo o obrigou a conceder o HC. Ainda não tive acesso ao teor do HC onde certamente o ministro justifica a concessão da liminar.
Se foi legal, e deve ter sido, poderemos creditar no máximo, a meu sentir, em “brechas” na lei.

Na região onde a freira norte-americana foi assassina é onde está sendo construída a Usina de Belo Monte.
Oportuno lembrar que foi um HC concedido por esse mesmo ministro que permitiu a fuga de Cacciola para a Itália.
Ps. Se o fazendeiro fosse réu em…


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Democracia e tolerância

O princípio mais importante da democracia é o respeito às instituições e seus pares.

Se não há respeito nem a um ministro da mais alta corte do país, com certeza não respeitarão seus cachorros e subalternos.

O ministro Lewandowski não precisa de defesa, porém uma pergunta se faz: se fosse ao contrário, se os réus fossem outros?

Como foram recebidos em público o ministro que concedeu habeas corpus a Daniel Dantas, e o outro que concedeu habeas corpus a Cacciola permitindo sua fuga para a Itália?


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

FHC e Lula – Siameses

Surpreendo-me com quem se surpreende com as ‘boutades’ de Fernando Henrique Cardoso.

Não vejo nada de novo em se detectar que FHC seja metido a entender de tudo.

O inventor da reeleição comprada atira pedra no telhado do vizinho, esquecendo-se, ou tentado fazer de parvos quem tem mais de dois neurônios, e um mínimo de memória, que tem todo o seu edifício moral construído de vidro.

José Mesquita – Editor


O dever da contrição

Houvesse sido o seu governo o mais limpo e mais honrado de toda a nossa história republicana e, naturalmente, o Sr. Fernando Henrique Cardoso manteria silêncio sobre os seus sucessores. Não lhe caberia censurá-los, nem elogiá-los, deixando o juízo à transparência dos fatos.

Bons tempos…

Quando alguém despreza a inteligência alheia, e é o que faz o ex-presidente, infirma a própria inteligência. Em nenhum governo houve tão rápido enriquecimento de agentes públicos, quanto no seu.

Tudo se fez de forma asséptica, com cuidadoso planejamento legal, para que os brilhantes rapazes da equipe econômica saíssem por uma porta – a das instituições públicas – e entrassem pela outra – a do sistema financeiro e das empresas privatizadas, ganhando milhões neste movimento.

É provável que, em nenhum dos casos, houvesse infração às leis, ajustadas previamente ao programa, a partir do governo Collor.

Pode ter sido “legal”, mas contrariou todas as regras morais e feriu profundamente o mandamento ético.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

É claro que sempre há descuidos, como houve o do “adjutório” ao banqueiro Cacciola.

Cacciola, que pôde fugir para a Itália, foi laçado pelas circunstâncias e acabou indo para a prisão. Os outros implicados, diretores do Banco Central, apesar de condenados, respondem em liberdade. O dinheiro desapareceu no vórtice da crise.

Nenhum chefe de Estado, antes dele – e, até agora – nem depois dele, violou a Constituição a fim de reeleger-se, mediante o suborno de parlamentares com favorecimentos e, de acordo com as denúncias conhecidas, dinheiro vivo. A emenda da reeleição já se encontra na História como um dos momentos mais constrangedores da vida republicana.

Corajoso

Em entrevista a um portal da internet, há alguns meses, Fernando Henrique se referiu ao Ministro Gilmar Mendes – que ele nomeou – como “corajoso”.

Não lhe pode ser negada a mesma coragem. A coragem, por exemplo, de se referir aos fatos lamentáveis da Ação 470, em julgamento pelo STF, como se referiu, esquecendo-se de que homens de seu partido se encontram sob suspeita de atos semelhantes.

O publicitário Marcos Valério, é o que se sabe, sempre agiu com neutralidade partidária. Em lugar do ataque a Lula, seria melhor a Fernando Henrique um ato de contrição.

No julgamento dos pósteros, Lula, com todos os seus acertos, erros e defeitos, será lembrado como o sertanejo que entrou para a História, arrombando-a com o próprio peito, como fazem os pobres.

E Fernando Henrique será lembrado como o “intelectual” arrogante, que chamou o seu próprio povo de caipira, e os aposentados de vagabundos.

Ele, sim, é até hoje fascinado com os estrangeiros, embasbacado com Paris e Boston, frustrado por não ter nascido no Marais do século 18, nem na Nova Inglaterra de Franklin e Jefferson.
Blog do Santayana

Grávida está presa há três dias por tentar furtar lata de leite

Brasil: da série ” O tamanho do buraco”

O Deputado Estadual do Rio de Janeiro, Álvaro Lins – acusado de chefiar quadrilha que vendia proteção a criminosos – , após prisão é flagrante, foi solto. O ex-governador Garotinho, indiciado por formação de quadrilha armada, tá solto, o Deputado Federal Paulinho (PDT-SP) da Força Sindical, tá solto, mensaleiros, os sanguessugas, aloprados, Marcos Valério, Duda Mendonça, o banqueiro Cacciola, estão soltos. A lista é longa.

Enquanto isto, na taba dos tupiniquins, onde reina a desigualdade…

De O Globo Online

Uma mulher grávida de seis meses está presa porque teria falado que ia furtar uma lata de leite. Patrícia Galvão Camelo, de 33 anos, está há três dias na Delegacia de Capturas.

Segundo a polícia, ela foi presa depois de tentar furtar uma lata de leite em uma padaria, no centro da capital. Patrícia Galvão está grávida de seis meses, ela disse que queria o leite porque estava desempregada e com fome, mas não chegou a levá-lo.

O delegado Antunes Teixeira disse que Patrícia Galvão não tinha passagem pela polícia e que ela só poderá deixar a cadeia se pagar fiança ou após uma determinação do juiz.