Economia: as multinacionais brasileiras e a compra da Burger King

O mundo é mesmo plano. Na economia globalizada as empresas brasileiras, exibindo musculatura turbinada, avançam na compra de ícones da economia internacional.

O fenômeno, no caso não tem nada a ver com o jogador Ronaldo, está sendo amplamente divulgado na esteira da crescente ascensão das exportações brasileiras.

Principalmente na última década aquisições e fusões milionárias contribuíram para a forte presença da “Marca Brasil” no mundo. Empresas brasileiras se tornam globais e criam ganham escala para se transformarem em líderes exportadoras, não mais somente de comodities.

O Editor


A oferta de aquisição do Burger King apresentada ontem por um grupo de investimento de capital brasileiro, assim como a aquisição da Anheuser-Busch (há dois anos e envolvendo alguns dos mesmos investidores), é uma dessas transações emblemáticas que parecem simbolizar o surgimento de um novo protagonista nos negócios mundiais.

Mas isso era previsível já há um bom tempo. O crescimento da economia brasileira nos últimos anos criou toda uma classe de prósperos empreendedores em busca de oportunidades de investir suas fortunas e que não se deixam assustar pela ideia de tentar a sorte além das fronteiras brasileiras.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Tradicionalmente, os negócios brasileiros sempre foram dominados por uma elite muitas vezes cautelosa, radicada em São Paulo, o polo industrial e financeiro do país. Mas a disparada econômica dos dez últimos anos mudou o quadro.

Segundo o Boston Consulting Group, entre 2006 e 2008 o número de milionários brasileiros subiu em quase 70%, de 130 mil para 220 mil. É um dado estatístico notável.

Com cerca de um sexto da população da Índia, outro membro dos Brics, o Brasil abriga mais milionários que o país asiático. E o clube dos bilionários, ainda mais exclusivo, também vem crescendo em ritmo sem precedentes no Brasil.

Jorge Paulo Lehman, figura importante na aquisição da Anheuser-Bush e na oferta pelo Burger King, é um executivo de investimento bem preparado, educado em Harvard, filho de imigrantes suíços. Mas muitos dos novos ricos brasileiros são pessoas de origens mais rústicas e enriqueceram depois de começar a vida humildemente, seguindo um modelo bastante familiar aos americanos.

A companhia de aviação TAM, que em agosto anunciou fusão com a LAN Chile e se tornará a maior empresa do setor na América Latina, foi criada nos anos 70 como uma modesta empresa de carga aérea.

A força propulsora no caso da TAM foi Rolim Amaro, um antigo piloto de origem humilde e que comandou a empresa de maneira ousada e astuta até morrer em acidente de helicóptero em 2001.

FRIBOI

Mas talvez o mais intrigante e dinâmico dos novos empresários brasileiros seja Joesley Batista, que começou a trabalhar ainda menino no açougue do pai, em Goiás, e hoje comanda a JBS-Friboi, a maior empresa global de processamento de carne.

Quando o Brasil passou por uma crise cambial, em 1998 e no começo de 1999, Batista e seus irmãos entenderam o momento não como ameaça, e sim como oportunidade de ganhar o mercado de exportações, e obtiveram empréstimos no BNDES para colocar a ideia em prática.

Capital adicional foi levantado por uma oferta pública inicial de ações e, em 2007, a JBS-Friboi tomou o controle da Swift, outra marca americana conhecida. Em 2009, acrescentaram a Pilgrim’s Pride à sua lista, e isso ajudou sua empresa a superar a Tyson Foods e chegar à liderança no mercado mundial de processamento de carne.

Além disso, o hoje bilionário Joesley Batista afirmou que superar a Tyson Foods era apenas “o primeiro passo” de uma estratégia mais ampla que envolve fazer da JBS-Friboi uma potência também no ramo de leite e laticínios. Com isso, como prever o que pode acontecer?

Uma coisa fica clara, no entanto: o domínio brasileiro sobre todas as etapas do setor mundial de carne. O país já é o maior exportador mundial de carne bovina e agora, com a oferta pelo Burger King, disporá de mais um veículo para encorajar o consumo em todo o mundo.

Isso é que é sinergia.

Por: LARRY ROHTER DO “NEW YORK TIMES”/FOLHA SP
Tradução de PAULO MIGLIACCI

Gigante da América do Sul está acordando, diz jornal The Guardian

Matéria do jornal inglês The Guardian, reproduzida pelo portal G1, o Brasil, com e sem “z”, analisa que a terra dos Tupiniquins pode está caminhado para o mundo dos desenvolvidos e que deverá ter muita influência na política mundial.

Fotos flagrantes do Brasil por Douglas Engle/Ap

Foto: Dougles Engle/AP

‘The Guardian’ diz que Brasil finalmente está caminhando para o futuro. O jornal britânico The Guardian dedica uma página inteira ao “país do futuro”, o Brasil, explicando por que muitos acreditam que finalmente “o gigante adormecido da América do Sul” está acordando.

O diário diz que muitos empresários e políticos brasileiros estão convencidos de que o Brasil está caminhando para um lugar de destaque no cenário internacional graças aos avanços na situação econômica do país.

“Graças em grande parte ao ‘boom’ mundial das commodities, esta região de plantação de soja (o Mato Grosso) se transformou na vanguarda da marcha do Brasil rumo ao palco mundial”, começa dizendo a matéria, assinada pelo repórter Tom Phillips. Ele lembra que apesar de o Brasil ter sido conhecido como o país do futuro há muito tempo, uma série de crises econômicas e políticas, além de 21 anos de ditadura militar, evitaram com que o país chegasse lá.

Momento favorável
“Agora as coisas parecem estar mudando. A moeda brasileira atingiu a maior alta dos últimos nove anos em relação ao dólar, a inflação está sob controle e milhões de brasileiros estão sendo empurrados em direção a uma nova classe média”, afirma Phillips. Ele também lembra que na semana passada, a agência Standard & Poor’s revisou para cima o rating concedido ao Brasil, melhorando a classificação geral para grau de investimento. 

“De laranjas e minério de ferro a biocombustíveis, as exportações do Brasil estão estourando, criando uma nova geração de magnatas. O clube de milionários do Brasil aumentou de 130 mil em 2006 para 190 mil no ano passado – uma das taxas mais rápidas do mundo, de acordo com um estudo do Boston Consulting Group“, afirma a matéria. 

O texto do The Guardian também lembra das recentes descobertas de grandes reservas de petróleo pela Petrobras, que deram o apelido de “xeique Lula” ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva “e indicam a possibilidade de o Brasil se tornar um grande produtor de petróleo em breve”. 

O repórter encerra a matéria ressaltando que analistas acreditam que uma queda nos preços dos commodities pode acabar com o ritmo acelerado de crescimento do Brasil e outros questionam se os sistemas de infra-estrutura e educação são fortes o suficiente para manter o bom momento econômico. 

“Tudo isso não significa que você tem crescimento econômico garantido. O Brasil ainda tem problemas estruturais sérios. Existem algumas armadilhas sérias que comprometem este crescimento: educação, ter uma mão-de-obra qualificada, saúde”, ressaltou a economista da Fundação Getúlio Vargas, Lia Valls, citada na matéria.