A estratégia midiática do Estado Islâmico

A especulação sobre a posição ideológica dos terroristas tornou-se uma certeza quando, na tarde daquele dia, os canais do Estado Islâmico na Telegram, a plataforma de mídia social preferida pelos jihadistas, fizeram circular em língua inglesa uma reivindicação de responsabilidade.

O texto, transferido para a página, em WordPress, da Amaq News Agency, a agência de notícias “oficial” do Estado Islâmico, foi instantaneamente transmitido, por milhões de computadores e desmartphones, para veículos jornalistas e comentaristas do mundo inteiro.

Foi assim que o Estado Islâmico assumiu o espaço da narrativa em torno dos atentados, embora a declaração de responsabilidade não fornecesse qualquer nova informação e, na realidade, parecesse uma fusão de detalhes da operação já observados pelas reportagens da mídia ocidental.

Na avalanche de incertezas que se seguiu aos atentados, os responsáveis pela propaganda do Estado Islâmico puderam ditar seu texto – literalmente, palavra por palavra – para uma audiência internacional e especificamente ocidental. A divulgação da reivindicação de responsabilidade primeiramente na língua inglesa não foi um erro.

Dirigida, em primeiro lugar e principalmente, aos inimigos ocidentais do Estado Islâmico, a declaração foi uma maneira de capitalizar o tumultuado noticiário da mídia internacional logo depois dos atentados em Bruxelas. Seja por meio de manchetes ou pelo Twitter, os responsáveis pela propaganda manipularam uma audiência global – tanto de opositores quanto de simpatizantes – para disseminar sua mensagem de intimidação e realçar a percepção da ameaça do Estado Islâmico.

O grupo preferia divulgar filmes com assassinatos

A técnica não é nova. Na verdade, os terroristas mais recentes adotaram há muito tempo a “propaganda do fato”, uma tática que, nas palavras do especialista em operações de informação do exército australiano Jason Logue, envolve “planejar e executar operações que têm por objetivo exclusivo a atração de sua propaganda”. O Estado Islâmico usa a mídia como nenhuma outra organização terrorista.

Ele sabe que, embora o território e os recursos sejam fundamentais para o sucesso total de sua insurreição agressiva na Síria e no Iraque, a mídia é a arena onde se trava a guerra de ideias, onde a relevância do grupo – e, em última instância, a longevidade de suas concepções – pode ser preservada e talvez intensificada, mesmo que passe por perdas de território.

O terrorismo do Estado Islâmico não termina quando a bomba é detonada. Continua durante as horas, os dias de as semanas que se seguem, alimentado pela mídia. Em reconhecimento a isso, o Estado Islâmico priorizou a propaganda do fato e, com certeza, parece executá-lo cada vez melhor.

Apenas algumas horas depois que explodiram as primeiras bombas em Bruxelas, os responsáveis “oficiais” pela propaganda do Estado Islâmico foram repassando pouco a pouco, a uma audiência ávida por informações, uma série de reivindicações, em várias línguas e em multimídia, que pareciam simplesmente novas versões do que a mídia já divulgara. Por ocasião dos atentados de Paris, esse tipo de declaração levou 15 horas para vir à tona. Na terça-feira levou metade do tempo.

No passado, o grupo preferia divulgar filmes com assassinatos como principal veículo de propaganda do fato, como, por exemplo, as decapitações praticadas por Mohammed “Jihadi John” Emwazi ou a imolação do piloto jordaniano Mu’adh al-Kasasbeh. No entanto, à medida que a mídia foi se tornando mais experiente e o consumidor mais insensível, esses filmes aparentemente perderam parte de sua capacidade de ocupar as pautas globais.

Por outro lado, ações terroristas de pilhagem ou de saque contra o inimigo “cruzado” em terras distantes – infinitamente mais difíceis de serem realizadas – ainda não chegaram ao ponto do rendimento decrescente na atenção global. Isso provavelmente significa que devemos esperar por mais.

Usar “o peso da mídia contra a mídia”

Nas últimas semanas, entre reportagens sobre perdas territoriais, morte de líderes e a prisão de Abdeslam, o tema de cobertura da mídia ocidental concentrou-se na promoção de um “o declínio do Estado Islâmico”. Ao conseguir operações como os atentados de Bruxelas e, então, capitalizar habilmente o tumulto de mídia que se seguiu, o Estado Islâmico pode, até certo ponto, substituir a percepção de declínio por outra que transmita a ideia oposta.

Não importa se a cobertura que se segue for negativa – digamos, criticando a brutalidade do grupo ou questionando sua legitimidade religiosa. Para o Estado Islâmico, desde que seja nos termos dos responsáveis por sua propaganda e transmita a suposta força e onipresença do grupo, qualquer cobertura é boa cobertura.

Nesse sentido, o terrorismo do Estado Islâmico não termina quando a bomba é detonada. Em vez disso, continua por horas, dias e semanas, alimentado pela mídia.

Ao mesmo tempo em que procuram criar um impasse econômico e instabilidade política, operações como as de Bruxelas, Istambul, Jacarta e Paris também continuam porque tornam possível aos terroristas – sejam eles seguidores do Estado Islâmico ou da al-Qaida – tomar controle do discurso da mídia e lutar pelo domínio absoluto da informação.

Portanto, independentemente de quanto a liderança do Estado Islâmico estava envolvida no planejamento propriamente dito dos atentados de terça-feira – ou se o grupo está reivindicando como sua uma operação em grande parte autônoma, como já fez no passado –, eles incentivam eventos como esses também para que sua equipe de comunicação possa, como diz o estudioso de insurreições Neville Bolt, usar “o peso da mídia contra a mídia”. Avaliado por esse prisma, o Estado Islâmico está matando em nome de ficar no ar – e está conseguindo o que quer.

***

Charlie Winter, é jornalista
Publicado originalmente na revista The Atlantic, 23/3/2016 sob o titulo “Why ISIS propaganda works?” Tradução de Jo Amado.

EI treinou ao menos 400 homens para atacar a Europa

“Estado Islâmico” preparou centenas de militantes para executar atentados em solo europeu, dizem autoridades. Rede de células terroristas como as que atacaram Paris e Bruxelas estaria espalhada por vários países.

Combatentes do Estado Islâmico em um campo de treinamento na Síria

O grupo terrorista “Estado Islâmico” (EI) treinou pelo menos 400 militantes para executarem atentados na Europa, implantando uma rede de células terroristas como as que atacaram Bruxelas e Paris, informou a agência de notícias AP, baseada em entrevistas com autoridades.

A rede de células ágeis e semiautônomas mostraria o alcance do grupo extremista na Europa, apesar de ele estar perdendo terreno na Síria e no Iraque.

Os terroristas teriam ordem de escolher a hora, lugar e método dos ataques para provocar o máximo de caos.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

As fontes da agência incluem autoridades de inteligência europeias e iraquianas, além de um legislador francês que acompanha as atividades das redes jihadistas.

Segundo eles, há campos de treinamento da Síria, Iraque e, possivelmente, em áreas do antigo bloco soviético, onde combatentes são treinados para atingir o Ocidente.

Combatentes “em todos os lugares”

Antes de ser morto pela polícia, o líder dos ataques de Paris de 13 de Novembro afirmou que havia entrado na Europa num grupo multinacional de 90 combatentes, que estariam dispersos “mais ou menos em todos os lugares”.

Depois de fugir de Paris imediatamente após os atentados de novembro, Salah Abdeslam, preso na última sexta-feira, forjou uma nova rede no bairro de sua infância, Molenbeek, há muito conhecido como um paraíso para os jihadistas.

“Ele não só conseguiu fugir, mas também organizou outro ataque, com cúmplices em todos os lugares”, afirma a senadora francesa Nathalie Goulet, colíder de uma comissão de acompanhamento de redes jihadistas.

Estimativas variam de 400 a 600 combatentes do “Estado Islâmico” treinados especificamente para ataques externos, de acordo com os especialistas, incluindo Goulet. Cerca de 5 mil europeus foram para a Síria. “A realidade é que se soubéssemos exatamente quantos eles eram, isso tudo não estaria acontecendo”, disse ela.

Mais de quatro fontes com acesso às estatísticas de combatentes encarregados de ataques na Europa corroboram independentemente os números de extremistas treinados para ataques específicos na Europa, incluindo alguns que interrogaram diretamente esses militantes. Outros checaram informações sobre combatentes que chegam e que saem da Europa.

Ao reivindicar a responsabilidade pelo ataque de terça-feira, o “Estado Islâmico” descreveu o grupo como uma “célula secreta de soldados” enviada a Bruxelas para o propósito.

As células foram confirmadas pela Europol, que ressaltou num relatório divulgado no final de janeiro que autoridades de inteligência acreditavam que o grupo fora treinado para ataques específicos.
MD/ap

Por que a Bélgica tornou-se um alvo terrorista?

A Bélgica vive um pesadelo do qual não sabe como fugir. O país que há apenas dois anos vivia quase alheio às medidas de segurança habituais em outros Estados – entre eles a Espanha – tornou-se um dos principais cenários doterrorismo na Europa.

Atentado terrorista em Bruxelas, BélgicaTrabalhadores do aeroporto de Bruxelas se abraçam depois dos atentados.
O. Hoslet EFE.

Quatro dias depois de ter recebido com alívio a prisão de Salah Abdeslam, arquiteto dos atentados de 13 de novembro em Paris, o terror ataca novamente Bruxelas com um atentado cujas consequências ainda são difíceis de prever.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O atentado ao Museu Judaico de Bruxelas, em maio de 2014, foi o primeiro alarme. Com ele as autoridades belgas descobriram que a capital da Europa era alvo terrorista e a segurança começou a ser reforçada em locais estratégicos. Mas os ataques, realizados então por um jihadista francês, estavam longe de ser um episódio isolado.

Com esse acontecimento, a Bélgica descobriu com espanto que era o país da UE mais afetado por um novo fenômeno: o dos chamados combatentes estrangeiros, jovens com nacionalidade europeia que abandonam lugar de origem para se juntar à guerra síria.

Com cerca de 500 pessoas que em algum momento viajaram ao Iraque ou à Síria, o país, de 11,2 milhões de habitantes, era o que tinha o maior número de jihadistas per capita na Europa.

A presença de núcleos radicais no país não era inteiramente nova ou exclusiva de Bruxelas. Em setembro de 2014, a justiça de Antuérpia fez um mega julgamento de 46 fundadores e membros da Sharia4Belgium, uma organização terrorista responsável pelo recrutamento e formação desses jovens que tomavam parte de um conflito tão alheio ao seu cotidiano quanto o sírio.

Mas, longe de conter a ameaça, os problemas se multiplicaram a partir daquele momento.

Uma equipe da polícia fora do edifício onde Salah Abdeslam foi preso.Uma equipe da polícia fora do edifício onde Salah Abdeslam foi preso.
Carl Court Getty Images

O ápice dessa enorme incidência terrorista em Bruxelas foi mostrado com toda a sua crueza nos atentados de 13 de novembro, que provocaram a morte de 130 pessoas em Paris. Rapidamente a investigação mostrou que esses ataques foram tramados em grande parte em Bruxelas, orquestrados por jovens europeus de origem muçulmana.

O epicentro é um bairro de forte concentração árabe que, desde então, ganhou relevância internacional. Trata-se de Molenbeek, o refúgio onde Abdeslam se tornou um radical e onde foi finalmente preso na sexta-feira.

Esse bairro, a poucos minutos do centro histórico de Bruxelas, mostrou alguma ligação com muitos dos ataques que atingiram a Europa nos últimos anos, inclusive o de 11 de março de 2004 na Espanha.

Desde os atentados de Paris, Bruxelas descobriu que também era alvo direto de um massacre semelhante ao da capital francesa. Os indícios de que algo parecido estava sendo organizado levou as autoridades belgas a tomar uma decisão inédita em dezembro: o fechamento preventivo, durante vários dias, do metrô, das escolas, centros comerciais, instalações esportivas e outros lugares públicos.

O que não aconteceu na época ocorreu, com especial virulência, nesta terça-feira. O grande paradoxo –e motivo de alarme para as autoridades belgas– é que os ataques atingiram os dois núcleos mais vigiados da capital belga desde 13 de novembro: o aeroporto de Zaventem, o maior do país e um dos mais movimentados Europa, e a área onde estão localizadas as principais instituições da UE, conhecida como o Schuman.

Todos esses organismos (a Comissão Europeia, o Conselho Europeu, o Parlamento Europeu, o serviço diplomático…) contam com dispositivos de segurança reforçados, inclusive com a presença de militares nas instalações. O mesmo acontece com as duas estações de metrô dessa zona central: Maelbeek (a que sofreu a explosão nesta terça-feira) e Schuman.

As autoridades belgas terão dificuldade para superar o estigma –justificado ou não– que lhes persegue desde os ataques de Paris: que a capital belga é um autêntico berço do jihadismo. E que essa ameaça terrorista se enraizou em boa medida pelas costas dos serviços de inteligência do país.

Um alto funcionário da luta europeia contra o terrorismo considera infundadas as acusações e acrescenta que a Bélgica comunica a outros países –principalmente a França– um bom número de informações relacionadas com o terrorismo.

Apesar disso, foram precisamente as autoridades francesas que enfatizaram que a captura de Abdeslam teve muito a ver com o envolvimento direto de sua polícia na investigação belga dos ataques de 13 de novembro.

Esse enorme esforço não conseguiu evitar o que na Bélgica é considerado como “o dia mais negro do país desde a Segunda Guerra Mundial”.
El País

Desarmamento: Armas, vírgulas, para todos

As armas e o bullying matam no Brasil. São as duas explicações da tragédia de Realengo na imprensa americana.

Um texto com vírgulas mal empregadas mata mais de mil e duzentos americanos por mês nos Estados Unidos. Juízes conservadores, em geral republicanos, interpretam a segunda emenda da Constituição, com sua estranha pontuação, como um direito de todo cidadão comprar e ter armas em casa.

Juízes liberais, em geral democratas, fazem interpretações diferentes e votam contra porte e venda de armas. Os assassinatos de Bob Kennedy e Martin Luther King em 68 provocaram aprovação de algumas destas leis.

Antes de ir adiante, aqui está o texto da Segunda Emenda e uma tradução: “A well regulated Militia, being necessary to the security of a free State, the right of the people to keep and bear Arms, shall not be infringed”.

Tradução: “Uma milícia bem regulamentada, sendo necessária para a segurança de um Estado livre, o direito do povo de ter e portar armas, não deve ser infringido”.

Os redatores da Constituição e das emendas sabiam ler e escrever. Entre eles havia alguns jecas, mas lá estava a fina flor intelectual das colônias, gente fluente em latim e línguas vivas.

Como aprovaram um texto tão ambíguo? E hoje, quem justifica os malucos radicais como “Milícia bem regulamentada?”

Bill Clinton conseguiu aprovar duas leis em 1994, uma que limitava a venda de certos tipos de rifles automáticos usados em combates pelos militares, e um sistema nacional para verificar o currículo do comprador de armas.

Os lobistas das armas reagiram com dólares, engrossaram o calibre e mobilizaram suas milícias a favor de George W. Bush contra Al Gore, suspeito de ser contra venda e porte de armas. Ganharam a batalha.

Os juízes nomeados pelo presidente Bush corresponderam às expectativas dos armamentistas e deram a eles duas vitórias massacrantes. Nem os estados nem as cidades podem criar leis limitando portes de armas.

Ano passado, o massacre em Tucson, no Arizona, que deixou seis mortos e 14 feridos, entre eles uma deputada federal, levantou esperança de um controle de armas.

O assassino tinha sido rejeitado pelo Exército e pela faculdade por instabilidade mental, tinha tendências violentas testemunhadas por vizinhos e professores nas escolas, mas entrou numa loja e comprou armas e munição à vontade.

Não há neste momento qualquer coragem política em Washington para reduzir venda ou porte de armas. Em alguns estados a tendência é pró-caubói.

No Arizona, onde você pode andar com arma à mostra em quase todos os lugares, inclusive bares, os lobistas querem liberar armas nas faculdades.

Uma pessoa com arma em casa tem quatro vezes mais chances de morrer com um tiro do que numa casa desarmada, mas o calibre deste argumento é impotente diante dos lobistas em Washington.

Bullying é a outra outra explicação para a matanca em Realengo. Não temos nem uma boa tradução em português para bullying, e até o começo do século 18, no mundo inglês, a palavra significava o oposto. Bully era o amigo bravo e protetor. A partir do fim do século 18 a palavra deu uma guinada, de amigo para agressor covarde.

No século 20 e, mais recentemente, com a internet, virou caso de polícia. Dezenas de cidades e estados americanos têm leis contra bullies nas escolas e na internet, provocados por suicídios e violências de adolescentes.

Pela imprensa liberal americana, o assassino de Realengo, vítima de bullies, tornou-se o pior dos bullies.

Quando eu tinha 6 anos entrei no pré-primário do Instituto de Educação de Belo Horizonte, uma escola de classe média. Na hora do recreio tínhamos gangues às porradas no refeitório.

De vez em quando alguem sangrava, mas era um pavor encontrar, sozinho, um bully no corredor ou na saída da escola.

Na minha pacata e burguesa vizinhança no bairro de São Lucas, na década de 50, nós, adolescentes, tínhamos gangues e alguns andavam com cabo de aço, corrente e soco inglês no bolso.

Minha turma era mais mauricinha. A do querido amigo e cartunista Henfil, em Santa Efigênia, bairro vizinho, era da pesada, mas a que assustava mesmo era a da favela do Pau Comeu, um pouco mais distante.

Quando descia o morro e o pau comia, o Nozinho corria em casa e voltava com uma espingarda calibre 22. No primeiro tiro os inimigos disparavam morro acima. Hoje o bravo e maluco Nozinho cairia todo furado.

Minhas histórias e experiências com bullies e gangues de infância e adolescência não levam a qualquer conclusão, mas desconfio que as leis não vão resolver o problema. As vozes dos alunos, pais e professores podem falar mais alto.

Lucas Mendes
De Nova York para a BBC Brasil

O atentado nos EUA e a radicalização por aqui

Ainda não chegamos a tanto, mas é bom tomarmos cuidado para que o clima de radicalização política, que se acirrou na campanha presidencial, não acabe em tiros por aqui, como aconteceu nos Estados Unidos neste final de semana.

Lá também ninguém esperava que os discursos irados da oposição republicana contra o governo Obama e o seu projeto de reforma da saúde, amplificados na velha e na nova mídia por jornalistas da direita radical, cada vez mais belicosos, fosse acabar em tragédia.

Mas hoje parece ninguém mais ter dúvidas de que “a insensatez retórica que permeia nosso momento político”, na perfeita definição de Matt Bai, no New York Times, levou Jared Loughner, um jovem de 22 anos, a cometer o atentado que deixou seis mortos e feriu gravemente a deputada democrata Gabrielle Giffords, além de outras 13 pessoas, em Tucson, no Arizona.

Autoridades americanas informaram nesta segunda-feira já ter provas de que Loughner planejou a ação.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Por que será que, momentos após a divulgação dos primeiros relatos sobre o atentado de Tucson, sumiu da internet o infame mapa de “mira telescópica” de Sarah Palin, que mostrava distritos como alvo de tiros, incluindo o de Giffords, segundo a denúncia de Matt Bai?

Candidata derrotada a vice na chapa republicana, uma espécie de Indio da Costa dos americanos, Palin é a voz mais estridente da oposição a Obama.

Em março, logo após a votação da reforma na saúde, ela publicou propaganda colocando alvos em 20 Estados e listava Giffords entre os parlamentares democratas que deveriam ser derrotados nas eleições legislativas de novembro, segundo o relato de Álvaro Fagundes, correspondente da Folha em Nova York.

A oposição partidária por aqui está em férias, mas continua atuante na mídia, até desenterrando toda hora o passado para lembrar a participação de Dilma Rousseff na luta armada e lançando a cada dia novas denúncias contra o ex-presidente Lula.

blog Balaio do Kotscho

Muamar Kadafi. Um neo pacifista?

A natureza humana é surpreendente. Quando menos se espera santos se transfiguram em bestas feras e, de forma não menos espetacular, ditadores sanguinários aparecem quais cordeiros da pacificação e arautos da tolerância entre os opostos.

O ditador da Líbia, Muamar Kadafi, parece ser um desses casos de inesperadas, e, caso sejam sinceras suas intenções, transformações para o bem. Kadafi migra de incentivador de ações terrorista, como o atentado de Lockerbee¹, para um arauto da paz entre judeus e palestino.

O ex maluquete das arábias, a continuar assim, poderá ser até agraciado com o Prêmio Nobel da Paz. Abaixo artigo da lavra do ditador líbio publicado no The New York Times e reproduzido pel  O Estado de São Paulo.

Ave!

“A chocante intensidade da última onda de violência entre israelenses e palestinos nos impele a considerar a extrema urgência de uma solução final para a crise do Oriente Médio. É vital não apenas romper este ciclo de destruição e injustiça, mas também negar aos radicais religiosos que se alimentam do conflito uma desculpa para promover suas próprias causas.

Mas para onde quer que olhemos, entre os discursos e as iniciativas da diplomacia, não há um caminho concreto para um avanço. Uma paz justa e duradoura entre Israel e palestinos é possível, mas deve ser procurada na história do povo dessa terra em constante conflito, e não na desgastada retórica das soluções que apontam para a criação de dois Estados.

Embora seja difícil de perceber, depois dos horrores que acabamos de testemunhar, entre judeus e palestinos nem sempre existiu um estado de guerra. Na realidade, muitas das rupturas ocorridas entre os dois povos são recentes. O próprio nome “Palestina” era usado comumente para definir toda a região, até mesmo pelos judeus que viviam ali, até 1948, quando começou a ser usado o nome “Israel”.

Judeus e muçulmanos são primos e descendem de Abraão. Ao longo dos séculos, ambos sofreram cruéis perseguições e, muitas vezes, se ajudaram mutuamente. Os árabes ofereceram guarida aos judeus e os protegeram quando estes sofriam sob o governo de Roma e quando foram expulsos da Espanha, na Idade Média.

A história da região é marcada por governos transmitidos entre tribos, nações e grupos étnicos, que resistiram a muitas guerras e a ondas migratórias de povos vindos de todas as direções. É por isso que a questão se torna tão complicada quando uma das partes reivindica o direito de ser dona dessa terra.

O cerne do moderno Estado de Israel é a inegável perseguição ao povo judeu, que foi escravizado, massacrado, perseguido por egípcios, romanos, ingleses, babilônios, cananeus e, mais recentemente, pelos nazistas. O povo judeu merece uma pátria, mas os palestinos também têm uma história de perseguições e consideram as cidades de Haifa, Acra, Jafa como a terra de seus ancestrais, transmitida de geração em geração, até pouco tempo atrás.

Portanto, os palestinos acreditam que o que agora se chama Israel é parte de sua nação, mesmo que fiquem com Cisjordânia e Gaza. E os judeus acreditam que a Cisjordânia é a Samaria e a Judeia, parte da sua pátria, mesmo que ali venha a estabelecer-se um Estado palestino.

Com o cessar-fogo em Gaza ressurgiram os apelos para uma solução de dois Estados, que nunca funcionará. Essa solução criará uma ameaça para a segurança de Israel. Um Estado árabe armado na Cisjordânia daria a Israel menos de 16 quilômetros de profundidade estratégica em seu ponto mais estreito. Além disso, um Estado palestino na Cisjordânia e em Gaza não solucionaria o problema dos refugiados. Qualquer situação que mantenha a maioria dos palestinos em campos de refugiados e não ofereça uma solução dentro de suas fronteiras históricas não é uma solução.

Pelas mesmas razões, a divisão da Cisjordânia em áreas judaicas e árabes, com zonas-tampão entre elas, não funcionará. As áreas palestinas não teriam condições de abrigar todos os refugiados e as zonas-tampão simbolizariam a exclusão e alimentariam tensões.

Em termos absolutos, os dois movimentos terão de permanecer em um perpétuo conflito ou chegar a um compromisso: o da criação de um Estado único para todos, uma “Isratina”, que permita que as pessoas de cada lado sintam que podem viver em toda a região.

Um requisito fundamental da paz é o direito dos palestinos refugiados de regressarem para as casas que suas famílias deixaram, em 1948. É uma injustiça que os judeus que não viviam originalmente na Palestina, nem seus antepassados, venham do exterior para se estabelecer ali, enquanto essa permissão é negada aos palestinos que foram obrigados a fugir dali há relativamente pouco tempo.

É um fato incontestável que, até recentemente, os palestinos viviam nessa terra, eram donos de fazendas e casas, mas tiveram de sair com medo da violência dos judeus após 1948. Por isso, somente o território total da Isratina poderá abrigar todos os refugiados e favorecer a justiça, que é o elemento fundamental da paz.

A assimilação é um fato concreto da vida em Israel. Mais de 1 milhão de árabes muçulmanos vivem no país. Eles têm nacionalidade israelense, participam da vida política e constituem partidos. Por outro lado, há assentamentos israelenses na Cisjordânia. As fábricas israelenses dependem da mão-de-obra palestina e há intercâmbio de produtos e serviços. Essa assimilação, por seu sucesso, pode ser um modelo para Isratina.

Se a atual interdependência e o fato histórico da coexistência de judeus e palestinos servirem de orientação a seus líderes, e se, na busca de uma solução de longo prazo, eles olharem além da violência recente e da sede de vingança, perceberão que a coexistência debaixo de um único teto é a única opção para uma paz duradoura.”

¹Nota do Editor
O atentado de Lockerbie foi um ataque terrorista ao vôo 103 da Pan Am em 21 de dezembro de 1988. O avião Boeing 747-121 partira do Aeroporto de Londres Heathrow em Londres com destino a Nova Iorque, e explodiu no ar logo acima da cidade escocesa de Lockerbie, matando 270 pessoas (259 no avião e 11 na terra) de 21 nacionalidades diferentes. Deste total, 189 vítimas eram cidadãos dos Estados Unidos da América.

A marcha da insensatez

Atentado terrorista em Mumbai – Índia

A polícia indiana confirma que 80 pessoas morreram e 250 ficaram feridas numa série de atentados contra locais frequentados por turistas em Bombaim, a capital económica do país. Há ainda informação de que os atacantes terão sequestrado vários ocidentais no hotel Taj Mahal, um dos sete locais visados nesta acção coordenada.

do jornal Público – Portugal

Ingleses querem apostar que Obama sofrerá atentado

Começou!!!
Não é nada, não é nada…

A empresa de apostas britânica William Hill informou neste sábado (8) que rejeitou o pedido de vários clientes que queriam apostar sobre o possível assassinato do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama.

A companhia recebeu mais de cem solicitações sobre um eventual atentado contra Obama, mas deixou claro a seus clientes que não admitirá esse tipo de aposta.

Empresa recebeu mais de cem solicitações de apostas sobre eventual atentado a Obama
“Não temos nenhum interesse em apostas sobre a possível morte ou graves ferimentos de nenhum político, em nenhuma circunstância”, afirmou o porta-voz da William Hill, Graham Sharpe.

“Não posso nem imaginar por que uma casa de apostas renomada consideraria aceitar essa aposta ou um cliente contemplaria fazê-la”, disse Sharpe, ao ressaltar que essa aposta “não é ilegal”, apesar de sua empresa a considerar “desagradável”.

do Uol