Arte – Fotografias – XXV

Tuija Lindstrom,1983


Piergiorgio Branzi,Napoli,1953


George Hoyningen Huene
Lilian Gish,1930


Philip Provily


Rodney Smith


Diaz Delon


Katia Chausheva


Elliot Erwitt


Elfriede Stegemeyer, 1935


John Szarkowski


Jason M Peterson

Arte – Fotografias

Foto do dia – Fotografia de Louis Stettner Penn Station


Amith-Nag


Celso Oliveira


Cores da Índia


Eva Besnyö


Santosh Korthiwada


Stephane Couturier


Gordon Parks


Foto Flickr


Ras Marley


Alexander Sliussarev


Vivian Maier


Marcelo Montecino


Andre Kertesz

Arte – Fotografias

Pentti Sammallahti


Josef Sudek


Flickr


Tumblr


Alexander Khimushin


Francesca Bontempi


Jana Stolzer


Benoit Courti


Tumblr


Claire Mallet,Nu,s/d


Tumblr


Trevor Grimshaw


Fotografia de Jack Devant


Bouquet Ozatay



Tamara Toumanova & Serge Lifar
Swan Lake, Sydney, 1939-1940
Fotografia de Max Dupain


Flickr


Anthony Asael


Milos Voji,1960


Tumblr


Flickr


Flickr


Helen Levitt


Flickr


Igor Larin
Natalia OsIpova,Don Quixote


Sabine Weiss
Foggy Morning-Lyon,1950Arte,FineArt,Fotografia,Sabine Weiss,Photography,Foggy Morning, Lyon, 1950,Blog do Mesquita PL


Edward Streichen


Flickr


Cécile Anasuma-Brice


Steve McCurry


Tiziana Compodoni



Nina Galdina

Ciências,Cálculps,Matemática,Blog do Mesquita

A influência mútua que existe entre arte e matemática

Ilustração: Linoca Souza
Reprodução do Blog Ciência Fundamental, da Folha de S.Paulo:
Por Edgard Pimentel

O binômio de Newton é tão belo como a Vênus de Milo

A matemática tem inspirado e favorecido a arte. Perspectiva, proporção e simetria, por exemplo, são fundamentais nas artes plásticas. E o cravo foi bem temperado com uma boa pitada matemática. As bandeirinhas de Volpi, os azulejos de Athos Bulcão, o cubismo… Mas, e o contrário? Será que a arte inspira a matemática?

Vem do outro lado do Atlântico uma evidência da conexão entre arte e matemática. Segundo Fernando Pessoa, “o binômio de Newton é tão belo como a Vênus de Milo”, só que as pessoas não se dão conta disso. Aqui, a arte empresta seus ideais como uma seta que aponta para beleza do objeto matemático. Mas talvez se possa ir adiante.

Em 1954, o Congresso Internacional de Matemáticos (ICM, International Congress of Mathematicians) ocorreu em Amsterdã. Do programa constava uma exposição de Escher, cuja obra tem caráter fortemente geométrico. Basta ver suas escadas finitas que parecem sempre subir. Ou o revestimento de um plano com uma única figura (e.g. um peixinho alado) por meio de transformações matemáticas, sem deixar nenhum espaço vazio. O peixinho é uma região fundamental para um grupo de simetria –transformações do peixinho que resultam nele próprio.

Naquele congresso, Escher teve a oportunidade de se aproximar de cientistas como os matemáticos Harold Coxeter e o vencedor do Nobel Roger Penrose, também físico. A troca de cartas com o primeiro o inspirou a finalizar as obras “círculos-limite”: uma mesma figura se replica no interior de um círculo, ficando cada vez menor à medida que se aproxima das bordas.

Mas o contrário também teria lugar: as obras do artista teriam motivado, ao menos em parte, Roger Penrose e seu pai, Lionel Penrose. Em um artigo de 1958, publicado no The British Journal of Psychology, pai e filho discutem ilusões de ótica e a percepção de formas impossíveis. Uma das duas referências do trabalho é o catálogo da exposição de Escher, aquela de 1954.Talvez Escher e seus “parças” sejam uma via de mão dupla para a inspiração entre arte e matemática.

Por outro lado, será que a matemática poderia responder a alguma pergunta importante da arte?

Datar uma obra que não tem registro cronológico é tarefa relevante para a história da arte. Ou entender se, e como, o estilo de um/a artista se alterou com o tempo. E a matemática pode ajudar a desvendar essas questões. Como? Tratando uma pintura como um objeto matemático, uma função. E decompondo essa função em unidades menores. O estudo dessas unidades menores é uma chave que destrava informações sobre o/a artista em questão.

Uma ferramenta muito eficiente nesse sentido são as ondaletas: funções muito especiais que, como o nome sugere, parecem ondinhas, pequeninas e bem-comportadas. E extremamente poderosa – a ponto de o formato JPEG depender delas. Quando uma pintura é analisada por meio de ondaletas, o resultado é um conjunto de números que carregam informações sobre a pintura.

Na década passada, os museus Van Gogh e Kröller-Müller puseram à disposição de um estudo multidisciplinar mais de cem fotografias de alta resolução das obras de Van Gogh. Combinando ondaletas com aprendizagem de máquina, um grupo de cientistas obteve informações surpreendentes. Eles encontraram evidências, por exemplo, de que o número de pinceladas de Van Gogh é maior no período em que ele está em Paris e não em Arles. Uma das pesquisadoras-líder daquele grupo era a matemática belga Ingrid Daubechies.

Em 2018, o ICM aconteceu no Rio de Janeiro. Na ocasião, Daubechies discorreu acerca do estudo das obras de Van Gogh e de outros problemas da arte que motivaram pesquisas matemáticas. Dentre eles, a pesquisadora falou dos desafios por trás da remoção de rachaduras em uma pintura, capaz de revelar um texto de Tomás de Aquino em uma peça dos irmãos Van Eyck.

Arte, matemática e ciência devem ter muito mais em comum do que nos salta aos olhos – afinal, são formas de elaboração do espírito humano. Tomara que haja cada vez mais gente que se dê conta disso.

Escultura – A rendeira de Israel

Cal Lane, que se formou como soldador antes de estudar arte, transformando produtos de aço industrial, como latas de lixo, tambores de óleo e vigas em I em delicadas e improváveis ​​obras de escultura em renda.

Ela foi comparada a Richard Serra, famoso por suas esculturas de aço apoiadas, retorcidas e espirais.

No entanto, ao contrário de Serra, Lane corta padrões ornamentados em aço, abrindo sua superfície para a luz e o ar.

Através de seu trabalho, ela desafia os estereótipos de gênero combinando a “masculinidade” do aço e soldando com a “feminilidade” dos padrões decorativos em forma de renda.

Ele também produz trabalhos com um viés crítico. Em Fossil Fuel (2009), por exemplo, ele recortou um mapa-múndi em um tanque de óleo.

Conforme ela explica, ela é atraída pelos significados que os objetos antigos têm: “Eles vêm com sua própria narrativa, uma narrativa com a qual todos podemos nos conectar em algum nível.”