Gás metano no Ártico?

Quão significativa é a descoberta de 2 milhões de focos de metano no Ártico que a NASA fez?

O derretimento do permafrost está liberando metano em áreas árticas.
Embora já se saiba que o derretimento da camada de solo congelado do Ártico está causando a liberação de metano e outros gases de efeito estufa, o problema ainda não foi dimensionado adequadamente.

A NASA, no entanto, relatou identificar pelo menos dois milhões de “pontos críticos” de emissão de metano em apenas 30.000 quilômetros quadrados de permafrost no Ártico.

As descobertas mais recentes da instituição mais conhecida por sua exploração espacial, apresentadas recentemente em um artigo publicado na revista Geophysical Research Letters, também podem ajudar a entender melhor o processo de liberação de gás naquela área do planeta.

E isso, por sua vez, também ajudará a estimar melhor as emissões de metano no Ártico.

A contribuição da NASA é mais que bem-vinda porque, como Esprit Smith, da equipe de imprensa da organização, explica, o Ártico se estende por milhões de quilômetros quadrados, muitos deles inacessíveis aos seres humanos.
As medições de metano feitas no nível do solo cobrem apenas uma parte mínima do Ártico. Getty Imagens

“Essa inacessibilidade limitou a maioria das observações no solo a locais com infraestrutura existente, uma pequena fração do vasto e variado terreno do Ártico”, lembrou Smith.

“Embora as observações por satélite não sejam detalhadas o suficiente para os cientistas identificarem padrões-chave e influências ambientais de pequena escala nas concentrações de metano”.

Foi isso que fez os cientistas do Experimento de Vulnerabilidade Boreal no Ártico da NASA (ACIMA) tentarem encontrar uma maneira de preencher essa lacuna.

Para fazer isso, em 2017 eles usaram aviões equipados com a nova geração do Espectrômetro de Imagem por Infravermelho Visível no Ar (AVIRIS – NG), um instrumento altamente especializado, para sobrevoar um pedaço da paisagem do Ártico.

E foi o AVIRIS – NG que permitiu a identificação dos dois milhões de pontos críticos de emissão de metano.

“Consideramos pontos críticos aquelas áreas que excedem 3.000 partes por milhão”, disse Clayton Elder, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena, Califórnia, responsável pela operação.

40 metros
Os dados coletados também permitiram que Elder e sua equipe identificassem um padrão: em média, os pontos críticos do metano estavam concentrados principalmente em aproximadamente 40 metros de corpos d’água, como lagos e córregos.

O efeito dominó que pode transformar a Terra em uma estufa irreversivelmente.

Após a marca de 40 metros, a presença de pontos quentes tornou-se gradualmente mais escassa.

E a cerca de 300 metros da fonte de água eles caíram quase completamente.

Lagos Thermokarst formados pelo derretimento do permafrost no Alasca.

Segundo a NASA, Elder e sua equipe ainda não sabem ao certo por que 40 metros é o “número mágico”, mas os estudos adicionais que eles realizaram no terreno dão uma idéia.

“Após dois anos de estudos de campo que começaram em 2018 em um lago do Alasca com um ponto de metano, descobrimos um degelo abrupto de permafrost logo abaixo do ponto de acesso”, explicou Elder.

“É essa contribuição adicional do carbono do permafrost – carbono que está congelado há milhares de anos – que dá aos micróbios comida para mastigar e converter em metano à medida que o permafrost continua a degelar”, afirmou ele.O derretimento do permafrost tem tido conseqüências inesperadas.

O AVIRIS-NG já havia sido usado anteriormente para ajudar a medir as emissões de metano causadas por seres humanos em áreas povoadas, mas é a primeira vez que o instrumento é usado para encontrar pontos críticos em áreas anteriormente inexploradas.

Os cientistas estão apenas arranhando a superfície do que é possível com os novos dados, mas suas primeiras observações são valiosas.

“Ser capaz de identificar as causas prováveis ​​da distribuição de pontos críticos de metano, por exemplo, os ajudará a calcular com mais precisão as emissões desse gás de efeito estufa nas áreas que não pudemos observar”, afirmou Simth.

“E esse novo conhecimento melhorará os padrões da dinâmica do metano no Ártico e, com isso, nossa capacidade de prever o impacto da região no clima global e os impactos das mudanças climáticas globais no Ártico”, concluiu.