T.S. Eliot – Poesia – Versos na tarde – 18/05/2017


Retrato de uma dama – III
T.S. Eliot¹

Cai a noite de Outubro; regressando como outrora,
Excepto por uma leve sensação de estar inquieto,
Galgo os degraus e giro a maçaneta da porta
E sinto como se houvesse subido de quatro as escadas.
“Com que então viajas? E quando voltas?
Ora, que pergunta mais tola!
Dificilmente o saberias.
Hás de achar muito o que aprender lá fora.”
Caiu-me lento o sorriso entre objetos antigos.
“Poderás talvez escrever-me?”
Por um segundo subiu-me o sangue à cabeça
Como se assim eu calculasse este momento.
“Tenho-me surpreendido com frequência ultimamente
(Mas nossos princípios ignoram sempre nossos fins!)
Por jamais nos havermos tornado amigos.”
Senti-me como quem sorrisse, e ao voltar percebi,
De repente, sua vítrea expressão.
Perdi todo o controle; e em trevas na verdade mergulhamos.
“Eu disse o mesmo para todos, todos os nossos amigos,
Estavam todos certos de que nossos sentimentos
Poderiam conjugar-se tão intimamente!
Eu mesma dificilmente o entendo.
Deixemos que isto fique agora à sua sorte.
Escreverás, de quando em vez.
E talvez nem demores tanto a fazê-lo.
Estarei sentada aqui, servindo chá aos amigos.”
E devo então trocar de forma a cada instante
Para dar-lhe afinal uma expressão… dançar, dançar
Como faria um urso bailarino,
Tagarelar como um papagaio, rilhar os dentes como um bugio.
Respiremos um pouco, no torpor de uma tragada.
Bem! E se ela morresse numa tarde qualquer,
Numa tarde enevoada e cinzenta, num encardido e róseo crepúsculo;
Se ela morresse e me deixasse aqui sentado, a caneta entre os dedos.
A névoa a cair sobre os telhados;
Por um momento me perco em dúvidas,
Já que não sei o que sentir ou se o entendo,
Se sou um sábio ou simplesmente um tolo, cedo ou tarde…
Não colheria ela algum lucro, afinal?
Essa melodia culmina com uma “agonia de outono”
E já que aqui falamos de agonia
— Algum direito a sorrir eu teria?

¹Thomas Stearns Eliot
* Nuneaton, Reino Unido – 22 de novembro de 1819
+ Chelsea, Londres, Reino Unido – 22 de dezembro de 1880
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

 


Você leu?: Martha Medeiros – Versos de amor


Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , ,

Leia também:

William Blake - O preço da experiência - Poesia
William Blake - O preço da experiência - Poesia

A sabedoria é vendida num mercado sombrio

October 6, 2019, 6:27 pm
Fernando Pessoa - Arte e Sensibilidade
Fernando Pessoa - Arte e Sensibilidade

A sensibilidade é pessoal e intransmissível

September 29, 2019, 7:02 pm
Karl Popper - Estado e Tirania - Filosofia
Karl Popper - Estado e Tirania - Filosofia

Mesmo se o Estado defende os seus cidadãos

October 4, 2019, 7:25 pm
Petrarca - Fragmento do
Petrarca - Fragmento do "Canzoniere"

Soneto Fragmento do "Canzoniere" Petrarca ¹ Bendito o dia e o mês, o ano e a estação, e o tempo e a hora e o ponto e o bel país,...

September 29, 2019, 7:10 pm
Theodor Adorno - Falar Sempre, Pensar Nunca - Filosofia
Theodor Adorno - Falar Sempre, Pensar Nunca - Filosofia

O esclarecimento já pronto transforma a reflexão espontânea

October 12, 2019, 7:32 pm
Nietzsche - Mais vale ser surdo que ensurdecido
Nietzsche - Mais vale ser surdo que ensurdecido

Refletir é preciso. Mais vale ser surdo que ensurdecido   Antigamente as pessoas queriam criar-se uma reputação: isso já não basta, a feira tornou-se demasiado vasta; agora é necessário vender...

October 2, 2019, 6:59 pm