Plano do G20 para excesso de aço pode gerar tensão em emergentes


g20acobricsblog-do-mesquitachinaA oferta excedente na China está transbordando para outros mercados do mundo, desencadeando medidas protecionistas da Índia aos EUA.

A iniciativa do Grupo dos 20 para acabar com o excesso mundial de aço enfrentará um grande obstáculo se os países em desenvolvimento resistirem às tentativas de eliminar os subsídios do governo aos produtores locais, de acordo com o diretor do Comitê do Aço da OCDE, que está prestes a deixar o cargo.

A oferta excedente na China está transbordando para outros mercados do mundo, desencadeando medidas protecionistas da Índia aos EUA e chamando a atenção dos líderes mundiais.

Um obstáculo a superar poderia ser a relutância dos países emergentes a abandonar iniciativas que nutrem o setor doméstico com apoio governamental, disse Risaburo Nezu, presidente do Comitê do Aço da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, que tem sede em Paris.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

A OCDE está mediando o fórum internacional do Grupo dos 20 para lidar com o excesso de capacidade, e a abundância de aço foi uma das prioridades da agenda da cúpula realizada em Hangzhou neste mês. A China, que fornece cerca de metade do aço mundial, tem tido divergências com outros grandes produtores sobre como lidar com essa questão e, nas negociações da OCDE em abril, não foi possível chegar a um acordo sobre o caminho a seguir.

Embora muitos países em desenvolvimento estejam sofrendo com o fluxo de metal chinês barato, é possível que surja no fórum um grupo que deseja “nutrir o setor siderúrgico com financiamento governamental, quando o que está sendo proposto é abolir os subsídios estatais, de acordo com os princípios do mercado”, disse Nezu, em entrevista em Tóquio, na semana passada.


Você pode se interessar também sobre: Por que a visita de Mourão à China é considerada decisiva para as relações entre os dois países


“Independentemente da forma ou de quem estiver lidando com isso, nunca é fácil resolver esta questão”, disse ele, referindo-se ao novo fórum. “Muitas dificuldades vão surgir”.

Embora a China tenha se comprometido a reduzir sua capacidade em até 150 milhões de toneladas, cerca de 13 por cento do total, antes de 2020, órgãos reguladores dos EUA e da Europa argumentaram que os esforços de Pequim para limitar os subsídios foram insuficientes. No entanto, o comunicado oficial do G20 se absteve em atribuir a culpa a Pequim e descreveu o excesso de capacidade como um “problema global, que exige uma resposta coletiva”.

Contudo, regiões e países avançados, como Europa, EUA e Japão, querem acabar com os subsídios ou qualquer outra forma de apoio estatal que distorce os mercados e contribui para o excesso de capacidade, disse Nezu. Na tentativa de encontrar um modo de conciliar esse posicionamento com a China e outros países emergentes, a primeira reunião do fórum, realizada no dia 9 de setembro em Paris entre representantes da OCDE e do G20, teve um ritmo lento e nenhum plano concreto foi traçado.

“Assuntos importantes não foram discutidos na reunião”, disse Nezu. “Acho que as discussões deveriam ter sido um pouco mais profundas, mas essa abordagem foi evitada para amenizar a situação”.

Nezu anunciou que deixará o cargo no Comitê do Aço da OCDE e entregará as rédeas a Ronald Lorentzen, vice-secretário assistente de gestão de importação do Departamento do Comércio dos EUA. Nezu, que tem MBA da Harvard Business School , é um ex-funcionário público do ministério do comércio do Japão.

Especiais InfoMoney

Postado na categoria: Economia - Palavras chave: , , , , , , , ,

Leia também:

Jornalismo Econômico
Jornalismo Econômico

Alarmismo em tom de campanha Os três principais diários de circulação nacional produzem nas edições de terça-feira (25/3) o fenômeno das manchetes trigêmeas: “Agência rebaixa nota do Brasil”, dizem a...

March 30, 2014, 10:10 am
“A Máfia Médica” e a Indústria da Doença
“A Máfia Médica” e a Indústria da Doença

“A Máfia Médica” é o título do livro lançado em 2010 que custou à doutora Ghislaine Lanctot a sua expulsão do colégio de médicos e a retirada da sua licença para exercer...

January 11, 2014, 11:16 am
Atribuir alta na Bolsa de Valores a queda de popularidade da Dilma é puro amadorismo
Atribuir alta na Bolsa de Valores a queda de popularidade da Dilma é puro amadorismo

O mercado financeiro é um centro de jogatina, onde se arrisca no presente e no futuro, sempre com base no passado. A Bovespa é um grande exemplo das especulações, e...

April 3, 2014, 11:16 am
Eleições 2010: as oposições e os adjetivos inúteis
Eleições 2010: as oposições e os adjetivos inúteis

O articulista do texto abaixo, a par o refinamento vernacular e educação dialética ambivalentemente exposta, ao criticar, e condenar com justa razão, os impropérios com os quais o chefe dos...

November 6, 2010, 10:05 am
Olhe essa - NY Times e etanol.
Olhe essa - NY Times e etanol.

Um editorial do jornal O The New York Times critica nesta quarta-feira a produção americana de etanol a partir do milho, e afirma que o biocombustível brasileiro, feito da cana-de-açúcar,...

September 19, 2007, 3:55 pm
Lula tinha razão? Era mesmo uma marolinha?
Lula tinha razão? Era mesmo uma marolinha?

O apedeuta apesar da língua "plesa" tem a verboragia solta. E imprevisível. E tola na maioria das vezes. Contudo, parece, que no caso da badaladíssima crise econômica, à pregação apocalíptica...

August 14, 2009, 10:49 am