Lírica – Genesexegesemvergonhanguera

Arnaldo Bloch

O sonho da poça/O cravo da idéia/O fardo da coxa/O rato na ceia/A flor ante a tumba/O ágil furúnculo/A carta do crédulo/O cárcere, o túmulo/A sanha da presa/A sarna da pétala/A cria da pressa/A lástima, o pêndulo/O filho do barro/A lágrima da estrela/A flácida costela/Falácia, película/O dedo de Adão/A filha do céu/Maçã infinita/Manhã noite feita/Refeita criação/O nó do principício/O fim sem começo/anteontem o início.

Share the Post:

Artigos relacionados

Anistia nunca mais

A História do Brasil está intoxicada por sucessivas anistias e conciliações. Como sequela impera a certeza da impunidade. O desprezo

Ler mais