Nietzsche – Conhecimento sem paixão seria castrar a inteligência

Como investigadores do conhecimento, não sejamos ingratos


Conhecimento sem paixão seria castrar a inteligência

Como investigadores do conhecimento, não sejamos ingratos com os que mudaram por completo os pontos de vista do espírito humano; na aparência foi uma revolução inútil, sacrílega; mas já de si o querer ver de modo diverso dos outros, não é pouca disciplina e preparação do entendimento para a sua futura «objectividade», entendendo por esta palavra não a «contemplação desinteressada», que é um absurdo, senão a faculdade de dominar o pró e o contra, servindo-se de um e de outro para a interpretação dos fenômenos e das paixões. Acautelemo-nos pois, oh senhores filósofos!

Desta confabulação das ideias antigas acerca de um “assunto do conhecimento puro, sem vontade, sem dor, sem tempo”, defendamo-nos das moções contraditórias «razão pura», «espiritualidade absoluta», «conhecimento subsistente» que seria um ver subsistente em si próprio e sem órgão visual, ou um olho sem direção, sem faculdades ativas e interpretativas? Pois o mesmo sucede com o conhecimento: uma vista, e se é dirigida pela vontade, veremos melhor, teremos mais olhos, será mais completa a nossa «objectividade». Mas eliminar a vontade, suprimir inteiramente as paixões – supondo que isso fosse possível – seria castrar a inteligência.

Nietzsche


Você leu?: Arthur Schopenhauer – As limitações do interlocutor


Postado na categoria: Filosofia, Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

Nietzsche - Mais vale ser surdo que ensurdecido
Nietzsche - Mais vale ser surdo que ensurdecido

Refletir é preciso. Mais vale ser surdo que ensurdecido   Antigamente as pessoas queriam criar-se uma reputação: isso já não basta, a feira tornou-se demasiado vasta; agora é necessário vender...

October 2, 2019, 6:59 pm
O Deus de Schopenhauer
O Deus de Schopenhauer

Quando, elevando-se pela força da inteligência, se renuncia a considerar

October 7, 2019, 11:00 am
Hannah Arendt - Bondade e sabedoria devem ser inocentes
Hannah Arendt - Bondade e sabedoria devem ser inocentes

Filosofia:O amor à sabedoria e o amor à bondade

October 7, 2019, 6:16 pm
Sêneca - O necessário não é propriamente um bem - Filosofia
Sêneca - O necessário não é propriamente um bem - Filosofia

Toda a vida, em meu entender, é uma mentira:

October 1, 2019, 7:01 pm
Socialismo e Natureza Humana
Socialismo e Natureza Humana

Quem se propõe a defender o socialismo nas primeiras décadas

October 5, 2019, 11:00 am
Arthur Schopenhauer - As limitações do interlocutor
Arthur Schopenhauer - As limitações do interlocutor

Ninguém pode ver acima de si

October 10, 2019, 8:43 pm