• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Meio Ambiente – O minimalismo pode ajudar a salvar o planeta?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
"Viver uma vida consciente não diz respeito apenas ao indivíduo"

Menos é mais, pregam os defensores da mentalidade minimalista. Um espaço livre de excessos materiais pode iluminar a mente, e ter menos bens também pode promover o bem-estar da Terra, argumentam.    

Sala despojada, com poucos móveis“Viver uma vida consciente não diz respeito apenas ao indivíduo”, diz blogueira adepta do minimalismo

De acordo com a organização Global Footprint Network, que calcula as pegadas ecológicas de diferentes atividades humanas, se todos vivessem da mesma forma que um alemão médio, seriam necessários quase três planetas Terra; se vivessem como americanos, quase cinco.

Mas e se as pessoas escolhessem um estilo de vida diferente – menos consumista, com menos coisas ao redor? A blogueira e autora de podcasts minimalista Elisa Stangl não tem sofá, nem mesmo cama em casa. Ela, o marido e a filha de dois anos dormem em tatames japoneses num pequeno apartamento no sul da Alemanha. “Nós não possuímos muito”, confirma à DW.

Stangl adotou o estilo de vida minimalista quando ainda cursava a universidade – por razões financeiras, mais que ambientais. Viajar pelo mundo aumentou seu sentimento de que estaria melhor vivendo com menos. “Aprendi simplesmente que não preciso de nada além das coisas que tenho na minha mochila. Então pensei: por que eu preciso de mais do que isso em casa?”

Agora, ela diz que sua principal motivação é viver com consciência. Ter menos coisas significa que ela e a família podem se concentrar no que lhes é importante. Eles precisam de menos dinheiro, portanto têm mais tempo para hobbies como fazer excursões e explorar a natureza.

Mas a blogueira também acredita que um estilo de vida minimalista anda de mãos dadas com a responsabilidade ambiental. “Viver uma vida consciente não diz respeito apenas ao indivíduo. Se você sabe viver com consciência, então sabe que precisa respeitar a natureza, porque vive com ela, e ela lhe dá algo, e você tem que retribuir.”

Consumo não é igual a felicidade

Para além da onda de desentulho promovida pela especialista japonesa em organização de espaços Marie Kondo, há um interesse crescente em se livrar de coisas, a partir da noção que viver de forma mais minimalista equivale a viver com mais sentido.

Uma navegada pelos inúmeros blogs, vlogs e podcasts minimalistas revela que a maioria ignora os impactos ambientais em favor dos benefícios pessoais de ter menos pertences. Isso se reflete num estudo em andamento da Universidade de Duke nos EUA, sobre estilos de vida minimalistas.

“Normalmente as pessoas adotam o minimalismo visando seu próprio bem-estar psicológico – para reduzir o estresse e cultivar a clareza mental, por exemplo”, explica a pesquisadora-chefe do estudo, Aimee Chabot. “Mas, à medida que sua prática evolui, suas motivações para buscar o minimalismo geralmente se expandem, passando a incluir fontes de motivação mais voltadas para o exterior, como preocupações ambientais ou éticas.”

Até agora, Chabot e equipe avaliaram mais de 800 pessoas, a maioria nos EUA. “Apenas cerca de 10% dos entrevistados disseram que reduzir o impacto ambiental seria sua principal motivação para praticar o minimalismo, embora por volta de 70% afirmem realmente considerar os impactos ambientais como uma das razões para fazê-lo”, revela a pesquisadora.

Mesmo como consequência não intencional, viver com menos coisas certamente é bom para o planeta. Um estudo de 2015 constatou que mais de 60% das emissões globais de gases de efeito estufa se devem ao consumo das famílias. Isso se aplica principalmente ao transporte e alimentação, mas também a outros bens de consumo que geram emissões de carbono em sua produção.

O consumo familiar é obviamente maior nos países mais ricos. À medida que as economias se desenvolvem em todo o mundo, o consumo também cresce. Quanto mais dinheiro as pessoas têm para gastar, mais elas compram.

Mas isso não torna necessariamente esses consumidores felizes. Estudos mostram que uma renda mais alta e um maior poder aquisitivo só aumentam o bem-estar até certo ponto. E, como indica a tendência do minimalismo, mais e mais seres humanos estão ficando desiludidos com as sociedades materialistas em que vivem.

Felicidade de baixa emissão

Em seu livro de 2014, Happier people healthier planet (Gente mais feliz, planeta mais saudável), a acadêmica Teresa Belton argumenta que os fatores que impulsionam o bem-estar humano têm realmente muito pouco impacto ambiental.

“O que gera e sustenta o bem-estar são todos os tipos do que eu chamo de ‘ativos não materiais’: boas relações, contato com o mundo natural, ser criativo, ter um senso de pertencimento e comunidade, propósito e significado, estar envolvido ativamente na vida – e coisas assim, que não envolvem nenhum ou muito pouco consumo material.”

Belton entrevistou mais de 100 pessoas no Reino Unido que escolheram um estilo de vida de baixo consumo. Ao contrário dos pesquisadores da Universidade de Duke nos EUA, ela constatou que as preocupações ambientais eram a motivação mais comum.

“Se nós, como indivíduos e sociedades, priorizássemos nosso bem-estar, concentrando-nos nas coisas que realmente o fundamentam, em vez de focar nos lucros e no consumo material que flui para os lucros, então o mundo seria um lugar muito melhor em todos os aspectos”, resume Belton.

Com seu foco numa vida consciente e impulsionada por valores, mesmo minimalistas não interessados em primeira linha em sua pegada de carbono concordariam sem dúvida alguma com essa afirmação. E para quem tem uma vida cheia de entulhos e a consciência pesada de emissões, pode ser bom ver uma vida com menos como um alívio, não como um sacrifício.

Para além do nível individual, os governos ainda precisam ser convencidos a se concentrar no desenvolvimento humano, mais do que no financeiro e no material. Porém acentuar o vínculo entre o bem-estar da humanidade e o do planeta pode ser a chave para afastar nossas economias do consumo e encarar a crise climática.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me