Meio ambiente e garimpeiros urbanos


Garimpeiros urbanos procuram metais preciosos em celulares

A escassez de metais têm forçado, desde tempos imemoriais, a raça humana a buscá-los cada vez mais intensamente para suprir as necessidades tecnológicas. No rastro da máxima de Lavoisier – nada se cria, nada se perde, tudo se transforma – a busca pelos metais fundamentais para as novas tecnologias, criou um novo tipo de garimpo. Confira matéria da Reuters, em Honjo (Japão), com Folha On Line.

Com a disparada no preço dos metais, uma nova modalidade de garimpo ganha adeptos pelo mundo. Trata-se da procura por ouro, prata, cobre e diversos outros metais preciosos incorporados aos circuitos eletrônicos do celular.

Metais recuperados são reutilizados em novos componentes eletrônicos; metais preciosos são derretidos e vendidos. O ouro e outros metais preciosos podem ser derretidos e vendidos como para joalheiros e investidores, ou de volta aos fabricantes.

“Os metais podem ser preciosos ou comuns, mas queremos reciclar todo o possível”, disse Tadahiko Sekigawa, presidente da Eco-System Recycling, subsidiária da Dowa Holdings.

Uma tonelada de minério extraída de uma mina de ouro produz em média apenas 5 gramas do metal, enquanto uma tonelada de celulares descartados pode render 150 gramas ou mais, de acordo com estudo da Yokohama Metal, outra empresa de reciclagem de metais.

O mesmo volume de celulares descartados contém também cerca de 100 quilos de cobre e três quilos de prata, entre outros metais.

Reciclar eletrônicos tem grande apelo no Japão, onde há escassez de recursos naturais para alimentar a bilionária indústria de eletrônicos do país. Os consumidores jogam dezenas de milhões de celulares e outros bens de consumo eletrônicos obsoletos no lixo a cada ano.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e designer gráfico e digital.

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me